Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 14 de julho de 2013

VIII Varal de Poesias da Faculdade Metropolitana de Maringá – FAMMA (Prazo: 30 de agosto)

O VIII Varal de Poesias da Faculdade Metropolitana de Maringá consiste em um concurso de poesia e significa a consolidação de um espaço de interação cultural e artística na construção do poético, para a comunidade acadêmica da Faculdade Metropolitana de Maringá e comunidade em geral. Tem como propósito promover a aquisição de novos conhecimentos bem como desenvolver a sensibilidade e as capacidades de percepção, abstração e comunicação em sociedade, dentre outras. Apresenta-se como edição anual, envolvendo docentes e discentes da Faculdade Metropolitana de Maringá.

Trata-se de um concurso de poesias em âmbito nacional e internacional, de tema, forma e estilo livres para o qual serão aceitos trabalhos, apenas, em Língua Portuguesa. Envolve instituições que fomentam a cultura em Maringá e na região, como a Academia de Letras de Maringá (ALM) e Secretaria da Cultura de Maringá. O projeto se realiza no período de 15 de maio a 31 de outubro de 2013 envolvendo docentes e discentes da FAMMA. Todo empenho da comissão organizadora será no sentido de que o Projeto se constitua em mais um espaço de aprendizagem e de desenvolvimento humano proposto e mantido pela Faculdade Metropolitana de Maringá.

A oitava edição do projeto Varal de Poesias pretende contar, mais uma vez, com a participação da Academia de Letras de Maringá, tanto na última etapa do processo de análise e classificação, como no evento final de premiação. Enviar-se-á carta-convite ao maior número possível de Academias de Letras, na espera de divulgação e participação dos confrades. A participação da Academia de Letras de Maringá enobrece o acontecimento, conferindo-lhe maior credibilidade e, ao mesmo tempo, promove a Instituição. Tal como em anos anteriores, serão convidados, também, profissionais de Letras da Universidade Estadual de Maringá – UEM para participar da noite de premiação.

É oportuno destacar, ainda, a intenção de estender o convite à participação para professores e alunos de cidades circunvizinhas. Isso porque, dessa maneira, a um só tempo, podemos estreitar relações com professores e alunos da região Metropolitana de Maringá e divulgar as atividades que se realizam na FAMMA. O projeto será divulgado na página da Instituição e nos Sites de literatura.

Dentre outras razões que justificam a realização do evento em pauta, destacam-se as necessidades de:

- alargar os espaços formativos, por meio da arte poética, contrapondo-a a cultura hegemônica, de caráter mercantilista;

- promover a expressão de ideias, sentimentos..., enfim, da subjetividade;

- desenvolver as capacidades de percepção, abstração e análise crítica;

- estimular a leitura e exercitar a expressão escrita;

- estimular o intercâmbio entre indivíduos de diferentes culturas que tenham em comum o prazer pela leitura e o apreço pela poesia.

O projeto tem o objetivo de contribuir para a formação cognitiva e o desenvolvimento da sensibilidade do ser humano de qualquer faixa etária. Desta forma o projeto visa: estimular a produção de textos poéticos; garantir, na Faculdade Metropolitana de Maringá, um espaço para a criação artística e a formação cultural; exercitar a leitura e a comunicação por meio da escrita; estimular e divulgar a produção literária.

De acordo com o referencial histórico-crítico, o espaço da arte poética pode constituir-se em fonte formativa, no sentido de promover a capacidade de leitura e interpretação da realidade social, bem como as capacidades de percepção e abstração e, por essa via, elevar a sensibilidade humana a patamares qualitativamente superiores. Do ponto de vista metodológico, é oportuno destacar a preocupação em oferecer condições que subsidiem o acadêmico da Faculdade Metropolitana de Maringá na leitura e interpretação capazes de ultrapassar a aparência dos fatos, adentrando as relações que os constituem. É nessa perspectiva que se propõe este projeto de extensão.

Procedimentos técnicos

O projeto de extensão VIII Varal de Poesias abre espaço para a participação da comunidade interna (alunos, professores e funcionários da Instituição) e comunidade externa (da qual poderão inscrever-se poetas de todo Brasil e do exterior). O período de 15 de maio a 30 de agosto de 2013 corresponde ao tempo de inscrição das poesias. As inscrições deverão ser efetuadas, somente, na página do evento: www.famma.br/eventos

Normas para inscrição de trabalhos

A ficha de inscrição (à disposição no site) devidamente preenchida, o poeta deverá anexar, em arquivos separados, a produção literária.

No período de 1º a 19 de setembro de 2013, dar-se-á a primeira fase do processo de seleção e classificação dos trabalhos. Para este fim, nomear-se-á uma comissão composta por 5 professores da Instituição, para que todos seus integrantes leiam todas os trabalhos recebidos até o dia 30 de agosto de 2013 (data limite para inscrição de trabalhos) e cada um escolha os 50 trabalhos que passarão para a próxima fase. No dia 20 de setembro de 2013, a comissão reunir-se-á e, dentre as poesias selecionadas, escolherá as 50 semifinalistas que serão encaminhadas à Academia de Letras de Maringá para que, entre esses trabalhos, escolham as 10 finalistas. O evento de premiação ocorrerá no dia 31 de outubro de 2013, em uma "Noite Cultural".

As menções honrosas serão enviadas por e-mail e os certificados de participação baixados na página da instituição após 31 de outubro de 2013.

A relação das 50 poesias semifinalistas estará na página a partir de 1º de setembro de 2013 e, as 10 poesias vencedoras serão divulgadas na página do evento.

Seleção das poesias

Uma comissão composta por professores de Língua e Literatura analisa todo o material recebido, a fim de classificar cinquenta trabalhos (semifinalistas). Posteriormente, os trabalhos serão enviados, por e-mail, à Academia de Letras de Maringá para que a Entidade proceda a seleção das dez poesias finalistas.

 Regulamento do concurso

1. Os trabalhos devem ser inéditos;

2. Os trabalhos só poderão ser enviados por meio eletrônico.

3. Os trabalhos deverão estar digitados em fonte 12, em arial, espaçamento simples entre as linhas.

4. As poesias devem ter, em negrito, o título e, na linha abaixo, o pseudônimo do autor.

5. Cada participante poderá concorrer com até 05 (cinco) trabalhos;

6. Podem inscrever-se pessoas de todas as idades, independentemente do grau de escolaridade.

7. A ficha de inscrição estará disponível no site da Instituição www.famma.br, no link VIII VARAL DE POESIAS.

8. Os trabalhos que estiverem fora das normas estabelecidas, serão, automaticamente, desclassificados.

Prazo de inscrição

De 15 de maio de 2013 a 30 de agosto de 2013.

Contatos: varaldepoesias@unifamma.edu.br

Fonte:
http://famma.br/eventos/evento/viii-varal-de-poesias

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to