Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 5 de outubro de 2013

Concurso Literário Litercultura (Resultado Final)

Os mais de setecentos textos inscritos no concurso promovido pelo Litercultura, com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba e da Gráfica e Editora Mona Lisa comprovam o êxito da iniciativa. E revelam parte da produção e das tendências de linguagem dos novos autores que estão escrevendo poemas, contos e crônicas no Paraná. Principalmente em Curitiba, de onde proveio a grande maioria dos trabalhos concorrentes.

Não foi somente na quantidade o sucesso do concurso, mas também na qualidade dos inscritos. Especialmente no gênero conto, foi preciso reler e reexaminar, comparar, refletir para, afinal, selecionar apenas no limite de vinte. Houve aí muito mais trigo do que joio.

Houve casos também de autores que inscreveram livros inteiros – romances, coletâneas inteiras de poesia e de contos. No caso dos dois últimos, entendeu-se que os autores preferiram revelar um conjunto mais amplo de sua produção, para que houvesse pelo menos a escolha de um texto.

Mas, tratando-se de um romance inteiro, infelizmente, não foi possível sequer sua leitura, por extrapolar o propósito do concurso e, claro, os gêneros do concurso. Além do mais, tratando-se uma antologia, com propósitos modestos – o de revelar bons novos autores –, as restrições já estavam definidas na própria medida do livro. Apesar disso, também foram considerados aqueles contos que, sendo extensos, não extrapolavam, entretanto, as características do seu gênero. Porque, embora uma parte das peculiaridades da modernidade e da pós-modernidade tenha sido o turvar um pouco a definição dos gêneros, eles ainda são reconhecíveis e classificáveis, inclusive os narrativos.

Também foram inscritos trabalhos que se inserem claramente em gêneros como o infanto-juvenil e o de novela gráfica ou de história em quadrinhos, e, como no critério usado para os romances, não foram considerados para a antologia.

Algumas surpresas e peculiaridades podem ser apontadas. A primeira foi a predominância da prosa sobre a poesia. E, na prosa, do conto sobre a crônica. Na prosa, a influência de Leminski é bem nítida em vários textos, e Dalton Trevisan segue como uma referência muito viva no conto, quase sempre tendo como ponto de partida e de chegada a realidade urbana. Mas peculiar mesmo é a sobrevivência do Romantismo e até do Ultra-Romantismo em diversos dos textos inscritos, e a irrupção do interesse pela Fantasia em outros, mas em grande parte epígonos do cinema ou da literatura anglo-saxã.

O intimismo convive com flashes da realidade mais bruta. Retrato ampliado do que se vive tocando a imaginação e a memória da literatura na atualidade.

Por fim, chegou-se a um conjunto de textos que refletem bem, e de modo quase homogêneo, algo como um leque das tendências e dos talentos que florescem, já floresceram ou afloram, a partir desta antologia.  Em muitos sentidos, visceral, e à flor da pele.

 RESULTADO DO CONCURSO:

POESIA

1          Tarde de Domingo, de José Tucón

2          Teia, de Matheus Alexandre Moreira Toniolo

3          A cada poema, de Giovanna Lima

4          Perspectiva, de Isabel Furini

5          Biografia de um homem, de Rodrigo Dallapiccolo

6          Caminhos, de Livia Lakomy

7          A vida das coisas, de Carla Anéte Berwig

8          Inspiração, de Fábio de Castro Quintanilha

9          Já não é, de Gilberto Gil Jesse de Oliveira

10        Viaduto, de Miguel Henrique Sandin

11        Exclamação, de Miguel Henrique Sandin

12        Já viu um olho de perto?, de Miguel Henrique Sandin

13        Gritam na casa, de Miguel Henrique Sandin

14        Alcóolatra, de Miguel Henrique Sandin

15        Sublimação, de Fabio Bioca (Fábio André Rolim De Moura)

16        As Mil e Uma Noites em 140 Caracteres Rimando, de Luiz Cezar de Araújo

17        Mobilidade, de Livia Lakomy

18        Quebranto, de Milena Vargas de Oliveira

19        Silêncios, de Giovanna Lima

20       Dois olhares, de Mário Augusto Jaceguay Zamataro

CONTO

1          Surpresa!, de Monica Kukulka

2          Tom, de Marina Yoshimi Rodrigues Mori

3          Tons, de Daniela Piva

4          Dama da noite, de Amanda Tintori

5          Dançando com garrafas vazias na banheira de tijolos, de Victor Hugo Turezo

6          Discórdia, de Luiz Cezar de Araújo

7          Pequenas tempestades, de Carolina Baldissera Damião

8          Polainas, de Laís Valério Gabriel

9          Batom vermelho-sangue, de Amanda Tintori

10        Beco 1, de Victor Hugo Turezo

11        A poça, de Tatiana Angèle de Carvalho

12        Eu, Tom & Jerry, de Rodrigo Gomes de Araujo

13        Grão de milho, de Diego Gianni

14        Sobrevivente, de Thaís Macedo

15        Luar, de Emerson Henrique Gomes Machado

16        O inferno são os outros, de Luiz Cezar De Araújo

17        O pescador de pecados, de Márcia Széliga

18        Dominique, de Paulo Roberto Anastacio Da Silva

19        Entremares, de Eliege Cristina Pepler

20        Eternidade, de Reinaldo Alexander Franco Zaruvni
 CRÔNICA         

1          Demiurgia, de Gustavo Henrique Fontes

2          Machado vs. Nietzche, de Renato Vieira Ostrowski

3          Bons tempos aqueles, de Fabricio Luiz Matoso

4          Coisas da língua, de Pulcina Maria Souza Ribeiro
5          A sétima badalada, de Mark Mielke de Lima

6          Experiências torpes, corpos viciados e mentes mais do que normais, de Evelin Raupp Maia de Almeida
7          Insone, de Nando São Luiz

8          Sorria você esta sendo filmado, de Regina Célia Rodrigues dos Santos

9          Curitiba é uma fresta, de Willy Bortolini Barp

10        Mistério nas noites de um passeio público, de Zélia Maria Bonamigo

11        Paciente CWB, de Livia Lakomy

12        O resto da vida, de Rodrigo Gomes de Araujo

13        O vento, de Surya Amitrano

14        Olha o bucheirooooo, de Alcir Chiari

15        Paciência, de Pedro Meregue Filho

16        Sábado, de Thiago Alberto Kaminski Larsen/Gustavo Moreira

17        Arte sem intelecto, de Thiago Alberto Kaminski Larsen/Gustavo Moreira

18        Visagem, de Gabriela Mendes da Cunha

19        21 de dezembro, de Celio Roberto Pereira de Oliveira
20        A Colifata. O Drama da Vaca, de Sheila Maria José Pita

Lançamento dia 20 de novembro em horário e local a ser divulgado.

Fonte:
http://www.litercultura.com.br/?p=793

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to