Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 6 de março de 2014

Dáguima Verônica (Aquarela de Trovas)

Dáguima Verônica de Oliveira (Santa Juliana/MG)
------------

A folha seca do galho
promove a sabedoria,
tece a colcha de retalho
no vagar do dia a dia.

A gente sempre se engana,
muitas vezes eu falhei,
esquecia que era humana
e em meu limite esbarrei.

“Água mole em pedra dura,”
- nos ensina a paciência -
“tanto bate até que fura”:
É um tesouro da Ciência.

Amor, senhor da utopia;
tempo, senhor da razão.
Mas, nessa eterna porfia,
sempre vence o coração,

Alargue seu horizonte,
empregue sua alegria,
atravesse a sua ponte
e renasça em poesia!

Analisa a própria crença,
veja a beleza da flor,
sinta seu perfume e pensa:
- A minha essência é o amor!

A noite caminha torta,
sem estrelas, sem luar...
Mesmo assim eu abro a porta,
querendo te ver chegar.

A rosa mais se perfuma
quando o vento a despetala...
Veja, perturbada, a bruma,
simplesmente ela se cala.

A saudade traz nos fios
velha malha já vestida,
de tão gasta pelos “frios”
não mais serve, está perdida.

A vida é uma escola de arte
onde o tempo é o professor
e cada etapa é uma parte
para o artista botar cor.

Com o andar cambaleante
fiz a trilha verdadeira;
não sei dar passo gigante,
porém, sei chegar inteira.

Como o pingo da goteira
a despencar fora de hora,
eu carrego a vida inteira
os sonhos que o peito chora.

Com pincel remanescente
- que  a saudade me legou,
pinto a vida sem presente
que o passado me roubou.

Controlei meu pensamento
e tracei uma divisa,
prendi a força do vento
e dei asas para a brisa.

Dizem:  “Depois da tormenta
sempre aparece a bonança”.
Pense bem e vê se aguenta,
“quem espera sempre  alcança”

Do vale emergi ao topo
da relva virei madeira
do poço fui ao escopo
e em tudo fui verdadeira.

E desde o raiar do dia,
entre rocha, musgo e lua,
vou te fazendo poesia,
morta de saudade sua.

“É na hora da aflição
que  todos lembram  de Deus.”
Veja quanta ingratidão
presente nos filhos Teus!

É na  margem do atoleiro”,
- no ponto de provação,
“que  conhece o cavaleiro”
sem nenhuma distorção.

E “não adianta chorar
sobre o leite derramado”,
aproveite e vá cobrar
de você,  aprendizado.

Eu me lembro, com saudade,
da madrugada de outrora,
mamãe, na extrema bondade:
-“ Filha acorda, está na hora.”

Eu tenho aqui na garganta
o meu grito aprisionado,
não sai porque não adianta
gritar ao velho passado.

Folhas migradas de outono
como os meus sonhos trincados
num chão dormente, sem sono...
vagam, buscando outros prados.

Fugir de mim mesma, ousei,
não pensei nas consequências;
chegando lá não me achei,
eu não tinha referências.

Fui dando tudo que tinha
e como o surrar de um sino
a dor foi somente minha,
nunca culpei o destino.

Injustiça é nosso avesso,
fazemos tudo escondido:
na aparência um endereço
e por dentro o do bandido.

Lágrimas são confissões,
do coração, extirpadas,
rendidas nas emoções,
pelos olhos libertadas.

Na competição da vida
ganha quem sabe parar,
parando,  ganha a corrida
que te leva a caminhar.

Na manhã cinzenta e  fria
um lenço acena no cais,
outro alguém de mão vazia
colhe ao vento os meus sinais.

“Não conte  ovo na barriga
 da galinha” sem saber,
pois  pode haver é lombriga
fazendo-te empobrecer.

Não quero viver em vão,
quero o avesso dessa malha,
tricotar com minha mão
o reverso da medalha.

Não seja sempre medroso,
“se cair, do chão não passa”,
pode até ficar bolhoso,
mas quem ousa não fracassa.

Na paineira do sertão,
- muito longe da cidade,
sabiá, na solidão,
canta o choro da saudade.

No meu rosto que envelhece
vejo um sorriso brilhando
toda mudança é uma prece
que jovem se faz chorando.

No palco rude da vida
é preciso ser palhaço:
Ver chegada em despedida,
 puxar a sorte no laço.

No silêncio do meu grito
ouço a voz da solidão...
Nos meus versos deixo escrito
como está meu coração.

O mal nunca vence a vida,
mesmo que ele a desarrume,
mesmo a rosa fenecida,
Deus recolhe o seu perfume.

Ponha luz no seu caminho,
pinte a estrada de alegria,
deixe um rastro de carinho,
faça um mundo de poesia!

Prenda o mal com sua dor,
faça do fraco o seu forte,
transforme um espinho em flor,
plante a vida onde haja morte.

Quando eu era ainda criança,
inocente, na janela,
eu comprava uma esperança
com uma flor amarela.

Que importa se é noite ou dia?
Olvida, serve e perdoa,
acenda a luz da alegria,
 descubra que a vida é boa!

Saudade barco vazio,
abrigo sem proteção,
esquenta fazendo frio...
É presença sem visão!

Saudade que rasga trilho,
-na cidade eu não me encerro,
me arranque desse cadilho
e me leve a um trem de ferro.

Se eu pudesse rasgaria
a cortina da saudade,
que me impede, noite e dia,
de viver a minha idade.

Se pergunto o que é saudade
quem dela sabe responde:
-  uma dor com caridade,
ora vem ora se esconde.

Serenata tão singela,
fez pra mim, ao fim do dia,
um sabiá, na janela,
celebrando a nostalgia.

Somente “na adversidade
que se conhece os amigos”.
Quando se quer caridade
muitos viram inimigos.

Sou de fases como a lua:
Posso vestir de incerteza,
mas também sei ficar nua,
ao cobrir-me de firmeza.

Tem que existir o conflito
para discernir a paz
não tem silêncio sem grito
nem ordem sem capataz.

Tive o trem como uma escolta:
Da esperança preso ao trilho,
bem mais tarde ele me volta,
no brinquedo do meu filho.

Um grande amor escondido
em cada frase não lida,
em cada letra um pedido:
- Não me tranque eu sou a vida!

GRINALDA DE TROVAS

Analisa a própria crença,
veja a beleza da flor,
sinta seu perfume e pensa:
A minha essência é o amor.

A minha essência é o amor,
meu viver não tem descrença,
tendo Deus como Senhor,
Ele faz a diferença!

Ele faz a diferença,
é campeão de valor;
com AMOR faço presença,
eu sou afeto e calor!

Eu sou afeto e calor
e traço a minha sentença:
- No meu mundo não tem dor,
isso eu herdei de nascença.

A minha essência é o amor,
ele faz a diferença!
Eu sou afeto e calor,
isso eu herdei de nascença.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to