Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Cláudio Willer (Surrealismo no Brasil: crítica e criação literária)

Pintura de Salvador Dali
Este artigo é uma reedição com pequenas atualizações do que saiu recentemente em A Ideia – revista de cultura libertária, n. 71-72, novembro de 2013, publicada em Évora, Portugal; e a seguir aqui em Cronópios, http://cronopios.com.br/site/ensaios.asp?id=5788 Por sua vez, atualizações (surrealismo é um tema dinâmico) de artigos que havia publicado, no começo da década anterior, nas revistas Cult e Agulha. 
1. A crítica

Em 1985, o crítico e poeta José Paulo Paes declarou: “Do surrealismo literário no Brasil quase se poderia dizer o mesmo que da batalha de Itararé: não houve”(1). Isso, no ensaio “O surrealismo na literatura brasileira” da coletânea Gregos e Baianos (Brasiliense), onde comentava escritores que podiam ser associados a esse movimento: o narrador Adelino Magalhães (1887-1963), catalogado como impressionista e que, cronologicamente, seria precursor; Prudente de Morais Neto (1895-1961), jornalista que dirigiu a revista modernista Estética com o historiador Sergio Buarque de Holanda; e o poeta Sosígenes Costa (1901-1968), contribuindo para seu resgate. A propósito de surrealismo em Prudente de Morais Neto e Sergio Buarque de Holanda, cabe indagar se não foi criado um mito, endossado não só por Paes mas, entre outros, por Valentim Facioli e Sergio Lima: a leitura da revista Estética mostra seus dois editores interessados em primeira instância em James Joyce e T. S. Eliot, com Prudente de Morais Neto chegando a declarar que a escrita automática seria moda passageira.

Paes voltaria ao assunto em 1998 ao resenhar a coletânea de entrevistas Escritura Conquistada de Floriano Martins, utilizando a expressão “tardosurrealismo”. Sua morte, logo a seguir, impossibilitou uma discussão que só poderia ser produtiva. Em “O surrealismo na literatura brasileira”, mostrou a convergência de julgamentos por figuras de primeiro plano da crítica brasileira como Antonio Candido e Silviano Santiago.

O artigo “Surrealismo no Brasil” de Antonio Candido (em Brigada Ligeira e outros escritos, Editora Unesp), invocado por Paes, trata de O Agressor, romance de Rosário Fusco (1910-1977) publicado em 1943. Espanta estar na seqüência, nesse livro, do que escreveu sobre Clarice Lispector. É como se fossem dois críticos adotando paradigmas opostos. Clarice é, para Candido, uma ruptura com “um certo conformismo estilístico” que afetaria a narrativa realista: fez, portanto, revisão crítica da corrente então dominante. Já O Agressor de Fusco ensejou reparos a uma “tendência irracionalista” reduzida à “crise desse espírito, desintegrado pelo individualismo burguês e, em seguida, pela crise do capitalismo”. Interessaria como “ilustração desta crise”. Isso poderia ser assinado por um defensor do realismo socialista.

A propósito de correntes dominantes na crítica brasileira e sua convergência na rejeição do surrealismo, há uma crítica formalista, bem representada por Haroldo de Campos em Teoria da Poesia Concreta – Textos críticos e manifestos (Livraria Duas Cidades, 1975): “Evidentemente, a poesia concreta repudia o irracionalismo surrealista, o automatismo psíquico, o caos poético individualista e indisciplinado [...] O poema concreto não se nutre nos limbos amorfos do inconsciente, nem lhe é lícita essa patinação descontrolada por pistas oníricas de palavras ligadas ao subjetivismo arbitrário e inconseqüente”.

Subseqüentemente, a adoção da semiótica, semiologia e outros formalismos pela crítica viria acompanhada de novas recusas do surrealismo; por exemplo, em A falência da crítica de Leyla Perrone-Moisés (Perspectiva, 1974), sobre Lautréamont. Acompanhavam seus mestres; mas na França o surrealismo teve um impacto enorme, levando autores a estabelecer limites para não serem confundidos – como na época em que Philippe Sollers e seus companheiros da Tel Quel, então maoístas de revolução cultural, rejeitavam o surrealismo como burguês.

Precedem tais críticas ao surrealismo sua recusa pelo modernismo brasileiro. Especialmente, por seu principal pensador, Mário de Andrade. Valem como manifestos o “Prefácio Interessantíssimo” e “A Escrava que não era Isaura”, de 1922. Alertava contra os “perigos formidáveis da substituição da ordem intelectual pela ordem subconsciente”. Proclamava, enfático: “Mas, oh bem-pensantes! É coisa evidente: NÃO SOMOS LOUCOS...” Chamava de “erro perigosíssimo o modo como avulta na poesia modernista a associação de imagens”. Rejeitava, liminarmente, o que, na época, ia sendo adotado como fundamento por Breton, Aragon, Éluard ou Max Ernst. O tom de prédica ao apontar “erros” e “perigos” mostra, em pleno calor da Semana de 22, o programa de um modernismo bem comportado. Ademais, Mário, Oswald e seus companheiros da Semana de 22 desconheceram antecessores, como os poetas mais inventivos que constituem a marginália do Simbolismo; e Sousândrade, que no século anterior realizara tanta coisa que o modernismo iria propor.

Mais tarde, Mario faria melhor – especialmente em Macunaíma, de 1928. Mas o empreendimento de 22 fixou-se no confronto entre formas abertas e o parnasianismo dominante, de modo diverso do surrealismo, que deu importância ao que Breton denominou “correia de transmissão” com o simbolismo. E, também, diverso do que sucedeu em literaturas hispano-americanas, em que vanguardistas vieram à tona em relação direta de continuidade com o simbolismo. E nas quais o surrealismo esteve intensamente presente, através de movimentos, publicações e poetas extraordinários.

Os dois poetas brasileiros do século 20 de maior influência, até hoje, são Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto. Drummond rejeitava o surrealismo, embora tivesse escrito, em momentos de distração, belos poemas de associações livres. Cabral defendeu um cartesianismo poético: “A emoção não cria”, dizia. Sua poética voltada para a mensagem foi adotada por gerações subseqüentes.

Revisões desse tipo de julgamento demorariam a vir. Uma delas, a coletânea Surrealismo e novo mundo, organizada por Robert Ponge (Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999). Nela, Valentim Facioli , que organizou Breton-Troski: por uma arte revolucionária independente (Paz e Terra, 1985), observa, no ensaio “Modernismo, vanguardas e surrealismo no Brasil”, a “perversão, apagamento da memória, soterramento, verdadeiro exílio das culturas dos dominados e das obras libertárias” a propósito de marginalização de manifestações surrealistas. Associa-a ao nacionalismo anti-cosmopolita a serviço da “modernização conservadora e seletiva, constituídas por um moderno atrasado ou um atraso modernizado” no Estado Novo conduzido por Getulio Vargas. Correntes antagônicas como integralistas e comunistas seriam componentes dessa configuração nacionalista-retrógrada.

Sérgio Lima, autor de A Aventura Surrealista (tomo 1 pelas editoras Vozes/ Unesp/ Unicamp, 1995; tomo 2 pela Edusp, 2010), em “Surrealismo no Brasil: mestiçagem e seqüestros”, revê cronologias para demonstrar que houve, sim, atividade surrealista importante associada ao modernismo brasileiro, mas convertida em história subterrânea, não só no caso de Jorge de Lima e Mutilo Mendes, dois grandes nomes de nossa poesia, mas em outros, como os autores que se reuniram ao redor da revista Verde de Cataguazes, Rosário Fusco, Guilhermino Cesar e o cineasta Humberto Mauro.

Isso não significa que o exame do surrealismo no Brasil seja um deserto bibliográfico. Há títulos como A estética surrealista de Álvaro Cardoso Gomes (Ática, 1994) e O desconcerto do mundo: do renascimento ao surrealismo, de Carlos Felipe Moisés (Escrituras, 2001), com ensaios sobre Mário Cesariny e Roberto Piva, além da contribuição específica de Floriano Martins, que será examinada à frente. Em 2001, a propósito de uma exposição de arte surrealista promovida pelo Banco do Brasil, a revista Cult publicou um dossiê com artigos de Contador Borges, Eliane Robert Moraes – autora de ensaios sobre o tema e do livro O corpo impossível (Iluminuras, 2003), centrado em Bataille mas com pertinentes comentários sobre surrealismo – e contribuição minha. Bons ensaios acompanham a edição brasileira de O camponês de Paris de Aragon (Imago 1996), pela tradutora Flavia Nascimento e por Jeanne-Marie Gagnebin. De Michel Löwy, A estrela da manhã: surrealismo e marxismo (Civilização Brasileira, 2002).

Em uma publicação recente, a enorme coletânea (de mil páginas) O surrealismo, de 2008 (Perspectiva), incumbi-me do exame da poesia e poética surrealista, acaso objetivo e escrita automática (o conjunto daria um livro autônomo). Nela, artigos de Sergio Lima e Luis Nazário examinando surrealismo no Brasil – o de Nazário, confrontando afirmações minhas e de Sergio Lima. Um ensaio de Jorge Schwartz, “Surrealismo no Brasil? Décadas de 1920 e 1930”, retomando suas contribuições sobre vanguardas latino americanas. Um diálogo de Floriano Martins comigo, perscrutando a rejeição do surrealismo pela crítica brasileira. Pelo que essa coletânea tem de excessivo e desigual, acabou circulando pouco. Ficaram obliteradas contribuições como a de Maria Lúcia Dal Farra, importante poeta, sobre surrealismo e esoterismo, e de Jorge Coli, tratando da contenda dos intelectuais ligados à Tel Quel com surrealistas.

Histórias da literatura brasileira tocam, de algum modo, no surrealismo. No entanto, só aparece em tópicos na recente e enorme História da literatura brasileira de Carlos Nejar (Leya, 2011); um deles, “O surrealismo: Claudio Willer”; outro, examinando como surrealistas a Roberto Piva, Carlos Augusto de Lima, Floriano Martins, Péricles Prade e Sebastião Nunes.

Correlatamente à recusa pela crítica, é fraca a presença de surrealismo no mercado editorial brasileiro. Por isso, cabe menção às publicações recentes da Cosac Naify, com uma boa reedição de Nadja de Breton e obras de Jacques Prévert e Michel Leiris. E, em um passo adiante, edições de Joyce Mansour e Radovan Ivsic por uma pequena editora, a Lumme, graças ao trabalho de Éclair Antonio Almeida Filho.

A partir de 2000, o meio digital passa a ter presença decisiva. As melhores fontes sobre surrealismo talvez estejam lá. A revista Agulha de Floriano Martins vem tratando do tema sob os mais diversos ângulos. Derivado de Agulha, organizado por Floriano e Maria Estela Guedes, o dossiê “Surrealismo, poesia e liberdade” na TriploV de Portugal. Surrealismo também é examinado em artigos e dossiês em outras publicações digitais, como Zunaí de Claudio Daniel e em ocasionais matérias em suplementos e revistas literárias, por sua vez disponíveis no meio digital.

2. Poetas e prosadores


Há dois modos de olhar o surrealismo. Um deles examina obras, poéticas inclusive. O outro desloca o foco para o autor e para uma atitude surrealista. Tais olhares não são excludentes, porém complementares. Mas, conforme a atenção a um ou outro, obra ou autor, produção ou atitude, muda a história do surrealismo no Brasil.

Tomando a poesia no sentido estrito, como gênero literário, os dois grandes modernistas associados ao surrealismo no Brasil continuam a ser Jorge de Lima (1893-1953) e Murilo Mendes (1901-1975). Quanto a este, seus antecedentes estão não só no surrealismo, mas em um exasperado catolicismo. Contudo, o rótulo de “poeta católico” reduz o alcance de uma lírica plural, na qual, se encontra o que houve de inovador em seu tempo. Há uma linha evolutiva da “poesia em Cristo” até o ganho em síntese e vigor de As Metamorfoses, de 1941: “Estamos vestidos de alfabeto,/ Não sabemos nosso nome.// Cavalos brancos vermelhos/ Mastigam o mundo:/ Olhai a sombra da terra,/ Uma enorme guilhotina.// Galopa fantasma/ Vida contra a vida”. Poeta de imagens visualmente sugestivas, que poderiam passar por descrições de quadros de Magritte, Delvaux, Dali e Ismael Nery, resumiu, em 1935, uma questão à qual Breton dedicaria páginas de O amor louco em 1938: “Muro, nuvem do pintor”.

Mesmo admitindo, como sustenta Sérgio Lima, a precedência surrealista em Jorge de Lima, ele foi um poeta de fases ou etapas. Teve o período parnasiano, nativista-regionalista, católico, onírico-surreal, até a grande síntese, Invenção de Orfeu. O onírico-surreal está em Anunciação e encontro de Mira-Celi, série de poemas em prosa. No Livro de Sonetos, ponto máximo do gênero em nossa literatura do século 20, uma reflexão sobre a poesia, afim a idéias surrealistas: “Não procureis qualquer nexo naquilo/ que os poetas pronunciam acordados,/ pois eles vivem no âmbito intranqüilo/ em que se agitam seres ignorados”. São palavras que anunciam a poesia hermética e cósmica de Invenção de Orfeu, onde reitera a idéia do poeta sonâmbulo ao descer a um mundo arquetípico: “Minha cabeça estava em pedra, adormecida,/ quando me sobreveio a cena pressentida.// Em sonâmbulo arriei os pés e as mãos culpados/ dos passos e dos gestos em vão desperdiçados”. Em seu processo criativo, os transes, despertando no meio da noite para escrever, foram reais, fatos biográficos. Permitem aproximações à escrita automática e ao sono hipnótico. Abraçando o catolicismo, foi mais longe para chegar à religiosidade primordial. Daí a temática do mineral, do subsolo em Invenção de Orfeu: é descida ao inconsciente e à experiência religiosa arcaica.

Olhando o vivido, e não só o escrito, encontramos surrealismo na manifestação mais significativa associada ao Modernismo, a Antropofagia. O que Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral e Raul Bopp desenvolviam incluiu a acolhida a Benjamin Péret em sua vinda ao Brasil em 1929. Preocupações do grupo antropófago convergiam com a busca do outro por Péret, levando-o à compilação de mitos de índios, ao contato com os rituais sincréticos, umbanda e candomblé, e a examinar episódios da nossa história, do que resultou um livro sobre o “almirante negro” João Cândido, líder da Revolta da Chibata (2). A estada de Péret, que se havia casado com a cantora lírica brasileira Elsie Houston, encerrou-se com sua prisão e deportação e a destruição pela polícia dos originais daquele livro (3). Sua volta ao Brasil se daria em 1955, quando coligiu novo material para Mithes et légendes des peuples de L’Amérique Latine.

Uma vanguarda intelectual e política articulou-se, através de Péret, com o surrealismo. Incluiu nomes ligados à formação de uma esquerda trotskista: a escritora Patrícia Galvão, a Pagu (1910-1962), Flávio de Carvalho (1899-1973) e o crítico Mário Pedrosa (1900-1981), concunhado de Péret (casado com a irmã de Elsie). Pagu e Flávio foram hóspedes de Péret e Elsie em Paris, em 1934-35, acompanhando os debates que moveram Breton a escrever Position Politique du Surréalisme.(4)

Se o presente artigo abarcasse artes visuais, teria que examinar não só Flávio de Carvalho, criador múltiplo, mas, especialmente, Ismael Nery e Maria Martins, e contemporâneos como Maninha Cavalcante, Leila Ferraz e outros, além da contribuição especificamente visual de Floriano Martins e Sergio Lima. Mas, dando atenção à coerência e integridade, o nome mais significativo do surrealismo no Brasil é Flávio de Carvalho. Sua pintura pode ser associada ao expressionismo; mas suas intervenções famosas, em uma procissão acarretando um quase linchamento em 1931, e com roupagens tropicais nos anos 50, são surrealismo autêntico, na exteriorização e nas intenções. E também sua atuação como arquiteto, esquivando-se ao mercado e à orientação funcionalista dominante, para concentrar-se em uns poucos projetos. Acima de tudo, a peça Bailado do deus morto, proibida ao estrear em 1933, resultando no fechamento do teatro, assim como, logo a seguir, teria uma exposição fechada. Coragem, recusa da ordem estabelecida, isso sim, é surrealismo, além da assimilação das idéias de Freud e a valorização da arte dos “alienados” (5). A propósito da censura a Flávio de Carvalho, e do banimento de Péret, cabe observar que a circulação restrita do surrealismo deve muito à repressão policial, e não só à adesão de intelectuais à razão consciente, à realidade nacional, ao que fosse.

Sobra pouco, até os anos de 1960, para ser indicado como surrealista na poesia brasileira. Quanto a Sosígenes Costa, a qualificação cabe, nem tanto pela poesia exuberante e excêntrica mostrada em Iararana (Cultrix, 1979), mas, novamente, pela conduta, ao colocar-se à margem da vida literária instituída; daí seu resgate tardio. Caberia, no capítulo da expressão surrealista no Brasil, a referência a Paulo Mendes Campos, esperando-se o reconhecimento de sua poesia em prosa, de imagens e associações livres. No âmbito da geração de 45, há autores em segundo plano, como Fernando Ferreira de Loanda e André Carneiro, a demandarem reexame. E, principalmente, o crescimento de interesse por Manoel de Barros (1916), surrealista declarado, com sua obra completa editada recentemente (Leya, 2010). Expressos por um vocabulário e uma sintaxe pessoais e inventivas, nele reaparecem o pensamento analógico e a sacralização do natural. Poeta da natureza, do microcosmo, das pequenas coisas, assim como os herméticos neo-platônicos, ele enxerga o universo em cada coisa; o alto no baixo, o maior no menor.

Afora isso, onde se vai encontrar poesia surrealista no Brasil é na prosa, em uma estirpe à margem do realismo dominante. Entre outros, Aníbal Machado (1894-1964), crítico e narrador refinado em “Viagem aos seios de Duília” e “O iniciado do vento”, que, expressamente, se declarou surrealista. E Rosário Fusco, reeditado com O Agressor (Ao Livro Técnico, 2000) e o inédito a.s.a. - associação dos solitários anônimos (Ateliê, 2003). Mas essas edições repercutiram pouco, e o débito com relação ao anarquista de Cataguazes se mantém. Além de maior difusão, merecia biografia, o registro de sua vida movimentada.

Do elenco de prosadores, a inclusão mais importante é de Campos de Carvalho, por sua afinidade declarada, a narrativa descontínua e onírica, a crítica a valores e categorias do conhecimento, a qualidade das imagens em sua prosa, e, principalmente, a ética pessoal. Um transgressor em A lua vem da Ásia, sobre a loucura; e Vaca de nariz sutil e Chuva imóvel, onde há de tudo: incesto, pedofilia, assassinato, suicídio. Mereceria figurar na Antologia do Humor Negro de Breton, com sua lírica defloração sobre túmulos e tantas outras passagens memoráveis nos enredos lacunares, que parecem não levar a lugar algum, e que, em O púcaro búlgaro, seu último livro, compõem a viagem a lugar algum. Promove o encontro de Rimbaud, Lautréamont e Machado de Assis. Celebra a autonomia da palavra, separada de seus sentidos habituais para ganhar novos significados, em uma conversão do abstrato em concreto, e, reciprocamente, abstração do concreto, subvertendo-os. Escrevia, espontaneamente, proibindo-se de refazer textos – o oposto de outro autor da mesma família, Murilo Rubião, que nunca parou de reescrever-se. É um escândalo sua obra haver desaparecido de vista, sem reedição, por três décadas, após ele resolver sair de cena e até a publicação de sua Obra Reunida (José Olímpio Editora, 1996).

3. Contemporâneos

Na década de 60 reaparece a identificação de poetas brasileiros com o surrealismo. O que houve nesse período da nossa literatura obriga a rebater a idéia de um surrealismo tardio, o “tardosurrealismo”. Vistas do século 21, coordenadas temporais tornam-se relativas. Mário Cesariny e seus companheiros promoveram agitações em Portugal uns dez ou quinze anos antes de nos movermos nessa direção – e até depois: as reuniões no Café Gelo foram até 1963, quando já fazíamos anarquia por aqui. Ao lermos Le Surrealisme Même e La Brèche (onde seríamos resenhados, Sérgio Lima, Roberto Piva e eu, em 1965) (6), ao comprarmos os volumes da Oeuvre Complète de Artaud à medida que saíam pela Gallimard, éramos atualizados e não atrasados. Até hoje, promover a leitura de La Liberté ou l’amour! de Robert Desnos ou Sens-plastique de Malcolm de Chazal é trazer à tona o que o Brasil desconhece; o novo, independentemente da publicação originária.

Já foi observado o caráter negativo do conjunto de 20 ou 30 poetas que figuram como Geração 60 em São Paulo: nem acadêmicos, nem concretistas, nem de orientação nacional-populista. Nada de estranho que o mais radical deles, Roberto Piva (1937-2010), mostrasse a poesia mais impregnada de surrealismo, desde Paranóia (Instituto Moreira Salles, 2000 e 2009; primeira edição, Massao Ohno, 1963). Tal radicalidade já havia sido expressa em 1962, nos manifestos distribuídos em folhas de mimeógrafo (publicados nas Obras Reunidas da Globo Livros, três volumes de 2005 a 2008): “Nós nos manifestamos contra a aurora pelo crepúsculo, contra a lambreta pela motocicleta, contra o licor pela maconha, contra o tênis pelo Box” e também “contra a mente pelo corpo” e “contra a lógica pela Magia”. São o marco inicial no Brasil de uma relação com surrealismo, não apenas no plano da realização artística, mas da discussão da relação entre poesia e sociedade.

Piva classificou Paranóia como “beat-surreal”. O termo pode ser estendido ao restante da sua obra. Sua expressão foi através de imagens surrealistas. E seu intertexto é beat: já em Paranóia, apropriara-se de passagens de Allen Ginsberg e Gregory Corso; em obras subseqüentes, avançaria sobre o que haviam escrito Michael McClure, Gary Snyder, Jack Kerouac e Philip Lamantia. Surrealismo e beat foram as duas grandes rebeliões poéticas do século 20. Suas relações foram complexas a ambivalentes. Pode-se afirmar que a confluência veio a ocorrer na poesia de Piva.

Sérgio Lima (1939) pode ser vinculado ao surrealismo como movimento organizado. Ao lançar seu primeiro livro, Amore (Massao Ohno, 1963), vinha de Paris e uma participação no movimento francês. Seus esforços para promover atividade surrealista no Brasil, ao longo de décadas, resultaram em reuniões e manifestações entre 1963 e 65, com a participação minha e de Piva, entre outros; a seguir, com Leila Ferraz, Raul Fiker e Paulo Paranaguá, em uma Exposição Internacional do Surrealismo em 1967 e na publicação coletiva A Phala (que trouxe Cesariny e o argentino Aldo Pellegrini). Intervenções e atividades entre 1990 e 1996 incluiram um manifesto, com artistas plásticos e os poetas Juan Sanz Hernandez e Floriano Martins. Contribuíram para reduzir o alcance das iniciativas de Lima e da sua contribuição como poeta (especialmente, Alta licenciosidade de 1985) e artista plástico o tratamento autorreferente, permeado de afirmações incorretas, como ao declarar que a dissolução do grupo de 1963 ocorreu “em função de divergências que passam a ter um certo vulto (sobretudo por parte de Piva e Willer, mais preocupados com a beat generation e o pop art)” (7) – isso, sem minimamente levar em conta o que Piva e eu teríamos a dizer (bastante) sobre o que ocorreu. Apresentar-se como instância legitimadora é formar um clero ou burocracia surrealista; e tomar como sua representação grupos e movimentos que, nesta altura (e não só no Brasil), podem a mesma relação com o surrealismo histórico (que, ao constituir-se, reuniu os melhores poetas franceses daquela geração e alguns dos principais artistas visuais do século XX) que os clubes positivistas com o positivismo do século 19 ou lojas maçônicas com aquelas do tempo de Elias Ashmole.

Vinculadas a esse ciclo, publicações de Leila Ferraz e Raul Fiker (O Equivocrata, Massao Ohno Editor, 1976), a riqueza imagética de Juan Sanz Hernandes (Biografia a três, Feira de Poesia, 1979; Horas queridas, Massao Ohno, 1985) e de Péricles Prade, autor de uma obra extensa.

A publicação de Ser Infinitas Palavras - poemas escolhidos e versos inéditos (Azougue Editorial, 2001) de Afonso Henriques Neto (1944), do ensaio e coletânea Cidade vertigem (Azougue, 2005) e Uma cerveja no dilúvio (Sete Letras, 2011) mostram-no à margem da poesia marginal e demais tendências nas quais é distribuída a poesia brasileira. Sua visualidade, evidente em títulos como “Abismo com violinos”, “Piano mudo”, “A água não envelhece”, “Tímpanos da neblina” permite observar que, se Francisco Alvim foi o Manuel Bandeira da geração “marginal”, então essa tem em Afonso Henriques Neto seu Murilo Mendes. Mas um Murilo sem catolicismo, sem nada além da reafirmação do poder transformador da poesia. Avesso à política literária, é reconhecido, porém pouco citado.

A entrada em cena de Floriano Martins (1957), desde a publicação da coletânea Escritura conquistada - Diálogos com poetas latino-americanos (Letra e Música, 1998) e reuniões de seus próprios poemas – Alma em chamas (Letra e Música, 1998), Estudos da pele (Lamparina, 2004) e os recentes Abismanto (Sol Negro, 2012) em parceria com Viviane de Santana Paulo e o bilíngüe Fuego em las cartas / Fogo nas cartas (publicado na Andaluzia) – além de ensaios e antologias de surrealismo na América (O Começo da busca, Escrituras, 2001, Un nuevo continente – Antologia Del Surrealismo en la Poesía de Nuestra América, Monte Ávila, 2008), possibilita considerações adicionais. Agitar esse temas não é apenas inclinação pessoal, evidente nos poemas de Floriano. É questão, principalmente, de honestidade intelectual, que se traduz na orientação dada à revista digital Agulha. Reparar omissões, cobrir lacunas, leva a examinar surrealismo.

O elenco de poetas que pode ser associado ao surrealismo no Brasil ultrapassa os citados aqui. Deve-se deslocar o foco de um surrealismo militante, episódico, para uma configuração de obras pautadas pela recusa de amarras formalistas. Isso significa valorizar, entre os que já pertencem à “geração 90”, a prosa poética de Weydson Barros Leal (A música da luz, edições Bagaço, 1997); aquela de Contador Borges (Angelolatria, Iluminuras, 1998, O reino da pele, Lamparina, 2003), tradutor e estudioso de Nerval, Sade e Bataille; a tradição hermética retomada de modo refinado por Jorge Lúcio de Campos (À maneira negra (Sete Letras, 1997). E a lírica de Sérgio Cohn, desde Os lábios dos afogados, (Nankin, 1999) até O sonhador insone (Azougue, 2006), associada à orientação da revista por ele dirigida, Azougue, e à subseqüente editora. Declaradamente influenciado por Piva, a quem divulgou em várias ocasiões, a ele também cabe o termo beat-surreal.

Preservando o caráter coletivo do surrealismo, apresentam-se os integrantes do movimento Decollage, ativo desde 1998 com Alex Januário, Marcus Salgado e vários outros. Promoveram intervenções, temperadas por bastante humor; a mostra Convocação dos Cúmplices – 80 Anos do Primeiro Manifesto do Surrealismo em 2004 (8); reeditaram Os ossos do mundo de Flavio de Carvalho; publicaram um boletim; criaram a Edições Loplop (nome baseado em um personagem de Max Ernst), pela qual saíram, entre outros títulos, Os deuses falam pelos govis de Pierre Mabille, traduzido por Marcus Salgado, também autor de um recente e portentoso ensaio sobre Flavio de Carvalho, A arqueologia do resíduo: os ossos do mundo sob o olhar selvagem (Antiqua, 2013) e Caixa Gris – Collage de Alex Januário. Anunciam mais lançamentos e manifestações.

A circulação de obras poéticas no Brasil, beneficiada pela divulgação adicional no meio digital e edições mais viáveis em livro, permite observar que, quase 90 anos após o manifesto de Breton, o surrealismo compõe um hibridismo, junto com beats, outras correntes e autores; em especial, com a leitura de Piva. Isso vale para autores que comentei recentemente (9), como José Geraldo Neres e sua prosa onírica; Chiu Yi Chih; o trio Érica Zíngano, Renata Huber e Roberta Ferraz; Augusto de Guimarães Cavalcanti, com o vertiginoso Fui à Bulgária procurar por Campos de Carvalho (Sete Letras, 2012), e Fabrício Clemente, com Congresso espiritual dos Ranúnculos (edições Ricochete, 2013). Não se constituem em grupo ou coletivo – mas interagem, inclusive através de poemas coletivos, estimulados por Paulo Sposati Ortiz.

O ano de 2012 teve as bem sucedidas encenações de São Paulo Surrealista 1 e 2 pelo Teatro do Incêndio de Marcelo Marcus Fonseca: a primeira, imaginando Breton em São Paulo e focalizando seu reencontro com Artaud; a segunda, homenageando Piva. Completando, o livro de poemas do encenador, Da terra o paraíso (Kazuá, 2013).

São publicações e acontecimentos que justificam otimismo quanto à circulação, não apenas do surrealismo histórico, mas do que lhe dá sentido: a rebelião, a adesão à poesia como modo de transformar o mundo.
======================
Notas
1 Confronto entre insurgentes e tropas governistas durante a revolução de 1930, na localidade de Itararé, fronteira de São Paulo e Paraná, que não ocorreu -  governistas desistiram do combate e abriram caminho para os liderados por Getulio Vargas.

2 Em 1910, João Cândido Felisberto liderou uma revolta de marinheiros, diretamente inspirada naquela do Encouraçado Potemkin dois anos antes, contra maus tratos, especialmente a aplicação de açoites como punição.

3 Um dossiê sobre Péret no Brasil na coletânea Amor sublime (Brasiliense, 1985), organizada por Jean Puyade, tradução de Sergio Lima e Pierre Clement. Um relato detalhado dessa estada por Jean Puyade em “Benjamin Péret: um surrealista no Brasil (1929-1931)”, disponível em http://www.oolhodahistoria.ufba.br/artigos/benjamin-peret-surrealista-brasil-jean-puyade.pdf

4 Conforme Pagu - Vida e Obra, de Augusto de Campos, Brasiliense, 1982.

5 Conforme apontado por Sérgio Lima, “Os anos modernistas de Flávio de Carvalho”, revista Xilo, n. 1, Fortaleza, Ceará, setembro de 1999.

6 Le surréalisme a São Paulo, nº 8 de La Brèche - Action Surréaliste, novembro de 1965.

7 Em http://www.triplov.com/surreal/sergio_lima.html . Dei um tratamento mais detalhado a esse tipo de interpretação em http://www.triplov.com/willer/2006/surrealismo-marxismo.htm

8 Registrado em http://odorsodarainha.wordpress.com/2012/02/28/memoria-grupo-decollage-a-convocacao-dos-cumplices/

9 Em http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas/revistas_link.cfm?Edicao_Id=422&Artigo_ID=6415&IDCategoria=7412&reftype=2

Fonte:
O Autor

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to