Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 2 de abril de 2014

José Feldman (Chuva de Versos n. 89)


Uma Trova de Porto Alegre/RS
CARMEN PIO


Olhando o sol na vidraça
e o balançar das palmeiras,
invejo a aragem que passa,
indo afagar as roseiras.

Uma Trova Humorística de São Paulo/SP
MARINA BRUNA


– Três frangos, polenta e vinho -
pede um gordo comilão.
– Comes tudo isso sozinho?!?!
– Não, garçom, como com pão!

Uma Trova Premiada em São Francisco de Itabapoana/RJ, 2007
RUTH FARAH NACIF LUTTERBACK (Cantagalo/RJ)


O belo na juventude
traz orgulho, por costume.
Mas beleza sem virtude
é uma rosa sem perfume...

Uma Trova de Natal/RN
SEVERINO CAMPELO


Envolvida nos rochedos
abraçada com o mar,
a praia mostra segredos
na luz clara do luar.

Um Poema de Canoas/RS
MARI REGINA RIGO

Sinais

 

No mundo da poesia
Todos nós somos iguais.
Loucos de amor
Mas só mostramos os sinais.

Nos alimentamos de quimeras
E assim vamos atravessando
Várias eras.

Nascer e viver, sonhar e amar
Lutar para merecer
Crer e sobreviver.

Para dizer que a lua é tua
É só passear pela rua
De mãos dadas com seu amor.

As palavras são apenas sinais
De sentimentos iguais
À todos os mortais.

Homem, poeta e trovador.

Trovadores que Deixaram Saudades
AURORA PIERCE ARTESE
Rio de Janeiro/RJ (1909 – 2003) São Paulo/SP


Felicidade é um recado
sem data, sem remetente
que chega sempre atrasado
na caixa postal da gente!

Um Epigrama
ALBERTO RAMOS
Pelotas/RS (1871 – 1941) Rio de Janeiro/RJ


De tônico e tintura este vate usa e abusa.
Não há filtro capaz de redourar-lhe a musa.

Um Haicai do Rio de Janeiro/RJ
OLGA SAVARY

O poeta e o aviador

 

Entre teu céu
e o meu
leve sussurro de asas.

Uma Aldravia de Juiz de Fora/MG
CECY BARBOSA CAMPOS

 

pedras
no
caminho
para
construir
castelos

Um Galope à Beira-Mar, de Limoeiro do Norte/CE
LUCIANO MAIA


Cantor das coivaras queimando o horizonte,
    das brancas raízes expostas à lua,
    da pedra alvejada, da laje tão nua
    guardando o silêncio da noite no monte.
    Cantor do lamento da água da fonte
    que desce ao açude e lá fica a teimar
    com o sol e com o vento, até se finar
    no último adejo da asa sedenta,
    que busca salvar-se da morte e inventa
    cantigas de adeuses na beira do mar.

Um Soneto de Maringá/PR
A. DE ASSIS

Por um Beijo


Por um beijo eu lhe dou o que sou e o que tenho:
os bons sonhos que sonho, as plantinhas que planto,
a pureza, a alegria, as cantigas que eu canto,
e o meu verso se acaso houver nele arte e engenho.

Por um beijo eu lhe dou, se preciso, o meu pranto,
as angústias da luta em que há tanto me empenho,
as saudades que trago do chão de onde venho,
as promessas que eu faço, piedoso, ao meu santo.

Por um beijo eu lhe dou meus anseios de paz,
minha fé na ternura e no bem que ela faz,
meu apego à esperança, que insisto em manter.

Por um beijo, um só beijo, um momento de amor,
eu lhe dou meu sorriso, eu lhe dou minha dor,
o meu todo eu lhe dou, dou-lhe inteiro o meu ser!
================

O que é Galope à Beira-Mar? 
O galope à beira-mar foi criado pelo repentista cearense José Pretinho. Conta-se que ele, após perder um duelo em martelo agalopado, foi retirar-se à beira-mar, e ali, vendo e ouvindo o marulho, imaginou o som de um galope. E fez os versos de onze sílabas (hendecassílabos), com a mesma estrutura de décima (estrofe de dez versos). Manteve o esquema rímico ABBAACCDDC usual no martelo agalopado. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Galope_%C3%A0_beira-mar)

Possui estrofes com dez versos de onze sílabas poéticas, com as tônicas na segunda, quinta oitava e décima primeira sílabas poéticas, obedecendo às mesmas regras de rima da décima, sendo que também é mais comum no repente e a última estrofe deve terminar com “mar”. (http://acorda.net.br/?page_id=1061)

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to