Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Chuva de Versos Especial (Dia Nacional do Trovador)



Como hoje é o Dia Nacional do Trovador, esta Chuva é especial para este dia. Uma homenagem a trova, aos trovadores e a Luiz Otávio.
Aos trovadores que me enviaram trovas para este dia tão importante, meus agradecimentos.
         A TODOS os trovadores fica meus parabéns e meus agradecimentos por poder fazer parte desta enorme fraternidade.
         Aqueles que não são, convido-os a se juntar a nós:


José Feldman




            No dia 18 de julho, em todo o território nacional, comemora-se o Dia do Trovador. A data foi escolhida para homenagear a data de nascimento de Luiz Otávio, pseudônimo de Gilson de Castro, fundador e presidente perpétuo da União Brasileira de Trovadores. Sendo uma composição poética concisa, a trova pode ser descrita como um micro-poema, na verdade, o menor da língua portuguesa, devendo obedecer a características rígidas.
            Luiz Otávio, cirurgião dentista, falecido em 1977, foi o responsável por dar um grande impulso à trova, divulgando-a no rádio, em revistas e em jornais. O resultado foi o lançamento do livro "Meus Irmãos, os Trovadores", em 1956. Com a colaboração de J. G. de Araújo Jorge, em 1960, Luiz Otávio lançou a primeira edição dos Jogos Florais de Nova Friburgo, sendo, ainda hoje, a principal forma de divulgação da trova no Brasil. Com isso, multiplicaram-se os trovadores e com eles a necessidade de congregá-los. Então, em 1966 foi fundada a União Brasileira de Trovadores.
            A comemoração do Dia do Trovador envolve todas as seções da UBT e suas delegacias, espalhadas por centenas de municípios brasileiros, sendo realizadas reuniões, com as chamadas chuvas de trovas, que consistiam em centenas de trovas impressas sendo jogadas das janelas dos trovadores, para que aqueles que passassem pelas ruas pudessem se deliciar com as trovas que, literalmente, caem dos céus. Além disso, acontecem palestras e cada seção ou delegacia comemora da melhor forma que pode a passagem do dia dedicado aos trovadores do Brasil.
            Foi através dos portugueses que a trova chegou ao Brasil. O gênero continuou com Anchieta, Gregório de Matos, e foi intensificado com Tomaz Antonio Gonzaga, Claudio Manuel da Costa; com os românticos Gonçalves Dias, Casemiro de Abreu, Castro Alves; com os parnasianos Olavo Bilac, Vicente de Carvalho; e com os modernistas Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade. Hoje, a trova é o único gênero literário exclusivo da língua portuguesa. No Brasil, a trova originada da quadra popular portuguesa encontrou campo fértil. Porém, passou a ser estudada e difundida de fato somente depois de 1950.
            De acordo com Jorge Amado, “não pode haver criação literária mais popular e que mais fale diretamente ao coração do povo do que a trova. É através dela que o povo toma contato com a poesia e por isto mesmo a trova e o trovador são imortais”. (http://www2.portoalegre.rs.gov.br)

Maringá/PR
JOSÉ FELDMAN

Qual a Gralha Azul que voa
cultivando o Paraná.
A trova, a terra povoa,
espalhando o seu maná.

Perdido em sonhos insanos,
em jardim, cego e sem rumo,
venci os meus desenganos,
nas trovas… eu me consumo!

Santos/SP
CAROLINA RAMOS

O poeta às vezes mente
ao afirmar que é feliz...
mas, na trova é diferente
...trova mentiras não diz!

Deus, ao criar a Poesia,
fez da Trova o Seu primor
e por zelo e garantia,
deu-lhe um guarda... o Trovador!

Mogi-Guaçu/SP
OLIVALDO JUNIOR

Como um químico brilhante,
trovador faz alquimia,
transformando em diamante
o carvão do dia a dia.

Água limpa de Francisco,
só chuvisco no terreiro...
Trovador, eu corro o risco
de chover o dia inteiro.

Coração que faz poema
tem mania de inventar,
faz da mente seu cinema,
luz da trova a projetar.

Num cavalo imaginário,
que essa lua nova alcança,
vou trovando o itinerário
desde o tempo de criança.

Se eu morrer daqui a pouco,
deixa a rosa em minha mão:
ela prova o quanto o louco
tem na trova o ganha-pão.

Um rapaz trovadoresco,
perfumado de delírios,
ganha sempre um arabesco
da odalisca envolta em lírios.

Seja um quase analfabeto,
seja um ávido erudito,
trovador é quem, seleto,
acha o novo no já dito.

São Paulo/SP
DOMITILLA BORGES BELTRAME

A Trova, bem trabalhada
e que é feita com ternura,
é como jóia engastada
em nossa literatura!

São Paulo/SP
HÉRON PATRÍCIO

A minha trova sem ela
 a musa que eu sempre quis -
é uma trova tagarela,
rima...rima.., e nada diz…

Nas trovas de amor que eu teço
no meu tear de ilusão,
 faltam nome e endereço
de onde vem a inspiração...

Ribeirão Preto/SP
NILTON MANOEL TEIXEIRA

Cavalgando sem rodeios
por galáxias estreladas,
o poeta, em seus anseios
tece trovas requintadas.

Curitiba/PR
ORLANDO WOCZIKOSKY

Para trovar, certamente,
  não bastam apenas rimas;
     trovador inteligente
 faz das trovas obras-primas.

     Quando a trova justifica
       sobejamente a valia,
    - Rima pobre ou rima rica -
     sempre é grande poesia.

Que não valha a minha trova
 por nada do que ela exiba,
 senão por tudo o que prova
    do valor de Curitiba.

Natal/RN
JOSÉ LUCAS DE BARROS

Em momentos mais risonhos,
sei que já fiz trova linda,
mas a trova dos meus sonhos
não pude fazer ainda!

Porto Alegre/RS
FLÁVIO ROBERTO STEFANI

Sendo forte, sendo inquieta,
com requintes de magia,
a trova é o cais do poeta,
onde se amarra a poesia!

São José dos Campos/SP
MIFORI

Toda trova é bonita,
quando ela é bem feita,
e na sua essência habita,
sonoridade perfeita.

Muita trova eu já fiz,
sobre temas bem diversos;
hoje há quem as lê e diz:
que são lindos os seus versos!

Pedro Leopoldo/MG
WAGNER MARQUES LOPES

Seus dotes jamais se vão...
Entre beldades se alinha...
O seu trono: o coração.
A trova: minha rainha.

Rio de Janeiro/RJ
EDMAR JAPIASSÚ MAIA

Quatro folhas: sortilégios...
Quatro versos: quadras novas
E ao poeta os privilégios
de cantar trevos e trovas!

Belo Horizonte/MG
OLYMPIO COUTINHO

A trova para entendê-la
com perfeito sentimento
fite no céu uma estrela,
sinta da vida um momento.
Pindamonhangaba/SP
JOSÉ VALDEZ DE CASTRO MOURA

Bendigo a Trova que aflora
na minh' alma! Que alegria!
E, sinto luzes da aurora,
no final de cada dia!

São Paulo/SP
DARLY O. BARROS

Meu estro é que é trovador,
dele é o pendor para o enlevo,
essencial ao autor
das trovas que eu só transcrevo...

O trovador é artesão
que, em suas obras inova:
Matéria prima...a emoção,
produto final... a trova...

São Paulo/SP
SELMA PATTI SPINELLI

Recolhe o som do infinito
e a luz que a manhã renova,
prende num verso bonito,
e num milagre: eis a Trova!

Curitiba/PR
PAULO WALBACH PRESTES

O Trovador tem seu dia,
para a trova homenagear...
Quatro versos de alegria,
na arte de poder rimar!

Fortaleza/CE
NEMÉSIO PRATA

Pós-graduado em Poesia,
no versejar é Doutor;
defendendo, a cada dia,
uma "tese". É o Trovador!

Com suas belas poesias,
os eternos "sonhadores"
chovem versos de alegrias.
Viva os nossos Trovadores!

Não há Trovador no mundo
que não traga dentro da alma
o amor; tema bem fecundo
que em seu coração se empalma!

Hoje você já fez "trova"?
Não!? Por que?  Oh, Trovador!
Quem trova ao despertar prova
da trova... com mais sabor!

Quanta sensibilidade,
destes nossos Trovadores
ao trovar; na realidade,
merecem nossos louvores!

Trovador, por que te esgueiras?
Mostra teus versos, agora!
Hoje é o teu dia, não queiras
"passar batido" nesta hora!

Dezoito de julho tem
marcado no calendário:
"Dia do Trovador"! Bem
lembrado no meu diário!

Parabéns aos Trovadores
por esta data em questão;
recebam nossos louvores
do fundo do coração!

Uma folha de caderno,
um lápis, e a inspiração,
bastam ao Trovador terno;
e a poesia está na mão!

Lápis e Papel na mão,
mas a inspiração faz graça;
esta é a grande provação
que o bom Trovador não passa!

Para trovar bem no inverno,
Trovador, siga a lição:
uma taça de falerno
ajuda na inspiração!

Seja na dor lancinante
ou na alegria veraz
o trovador, flamejante,
inspiradas trovas faz!

Seja-lhe a vida a favor,
ou seu viver ser-lhe adverso,
deleita-se o trovador,
na vida, a fazer-lhe verso!

Sofre n’alma o trovador
ao buscar rima escorreita
quando está em seu compor;
e lhe “foge” a mais perfeita!

- Cadê tu, rima? - pergunta
o Trovador, desolado;
de repente ela se assunta,
num verso bem descolado!

Digitando no teclado
O que manda o coração
o Trovador, inspirado,
faz trovas em profusão!

Sendo o Trovador fecundo
sempre busca ideias novas,
e não há ninguém no mundo
pra impedi-lo fazer trovas!

A inspiração vem na chama
que abraseia o Trovador;
quando por ela se inflama
faz lindas trovas de amor!

Natal/RN
ADEMAR MACEDO

Ao criar os Trovadores
onde o verso prolifera;
para adorná-lo com flores,
Deus criou a primavera!

Com minha alma enternecida,
confesso com todo ardor;
Deus me deu dois dons na vida:
ser “Pai” e ser “Trovador”!…

Quando a inspiração lhe acena,
o bom Trovador se expande.
Numa Trova tão pequena,
faz um poema tão grande!

Saudade… dor cruciante
que nos maltrata demais;
palavra sempre constante
nas Trovas que a gente faz!

Rio de Janeiro/RJ
ANIS MURAD

Achei uma forma nova
de tornar-me trovador:
nossos lábios – uma trova
na doce rima do amor.

As trovas feitas a esmo,
são difíceis de fazer:
conversa contigo mesmo,
que a trova sai sem querer.

As trovas, quando eu as faço,
faço-as de mim para mim.
Vou dizê-las… que embaraço…
Estremeço… fico assim..

O trovador – simplesmente,
é uma pessoa feliz;
se às vezes diz o que sente,
nem sempre sente o que diz.

Simples jardim sobre a cova,
trevos repousando em calma
Em cada trevo uma trova,
em cada trova a minha alma…

Cambuquira/MG
ARGEMIRO MARTINS CORRÊA

Nos quatro versos da trova
eu ponho a minha paixão,
velha história - sempre nova,
e fonte de inspiração.

Natal/RN
FRANCISCO MACEDO

A trova nascida da alma
tem mensagem diferente,
ela incendeia e acalma
as atitudes da gente.

Curitiba/PR
APOLLO TABORDA FRANÇA

A minha trova é silente,
toda de luz e calor…
Ponho na rima meu poente,
meu universo de amor!

A Trova boa, sentida,
fluindo com emoção…
 É como a prece florida
  que brota do coração!
   
A Trova não morre nunca,
Retempera a humanidade
e vence a tristeza adunca,
 alegrando a mocidade!
  
  A Trova que tem valor
 é muito simples, singela…
 E diz um mundo de amor,
com tintas de uma aquarela!

Eu sinto as trovas nas veias,
  meu sangue todo alvoroço…
  Verso me envolve nas teias,
   meu coração é de moço!

Minhas trovas são pingentes,
   incrustadas no aranhol…
    São idéias imanentes,
   lindas gemas sob o sol.

Para fazer boa trova,
  verso puro que se integra,
  cuide a rima, como prova,
   e respeite bem a regra!

Por trovador, eu me esmero,
   no rito de bem compor…
 Nas minhas trovas sou mero,
  puro instrumento do amor!
  
Trovas sobre a Trova do Príncipe das Trovas


A sina dos trovadores
e o meu destino também,
é sofrer as próprias dores
e as dores que os outros têm…

A Trova definitiva,
ideal do Trovador,
por mais que eu padeça e viva
eu jamais hei de compor…

A trova, quando perfeita,
três reações pode causar:
a gente ri… ou suspira,
ou então, fica a pensar…

A Trova tomou-me inteiro,
tão amada e repetida,
que agora traça o roteiro
das horas da minha vida!.

De santo tu me chamaste…
Eu juro, ri um pedaço…
Pois nunca vi nenhum santo
fazer as Trovas que eu faço…

Digo tudo sem receio…
Sei amor que não aprovas.
Meu coração retalhei-o
e, de pedaços, fiz Trovas…

Dura menos que um suspiro
ou como a folha que cai…
Mas quando penetra na alma,
a Trova fica… Não sai…

Enfrentando tantas provas,
ao desenrolar dos anos,
]vou tirando da alma Trovas,
e enchendo-a de desenganos…

Estas Trovas foram sonhos
que um trovador já sonhou…
São uns farrapos tristonhos
de um grande amor que passou…

Este doce e grande amor,
esta saudade indiscreta,
fizeram de um trovador
o mais tristonho poeta…

É um prazer bem diferente
e de sabor sempre novo,
ouvir a trova da gente
andar na boca do povo!…

Há trovas, ricas, sonoras,
tem brilho, cintilação…
Lembram “foguetes de lágrimas”
nas noites de São João…

Longe de ti, triste eu passo,
se vivo mesmo, nem sei…
E, cada trova que faço
um beijo que não te dei…

Mediunidade esquisita
de duração muito breve:
– a Trova – é o povo quem dita,
o trovador… só escreve…

Muita vezes me pergunto,
ao enfrentar duras provas,
se eu suportaria o mundo
sem o meu mundo de Trovas!

Não desejo nem capela
nem mármore em minha cova…
Apenas escrevam nela
pequenina e humilde Trova…

Não digo não: “minha” Trova
quando faço um verso novo:
– não é minha e nem é nova
quando cai na alma do povo…

Nem sempre nós conseguimos
traduzir as nossas dores…
Quantas trovas ficam mortas
nas almas dos trovadores…

Nesta trova pequenina,
quero deixar o sabor,
do beijo que ainda há pouco
eu roubei do meu amor…

Ó trovas – simples quadrinhas
que tem sempre um que de novo...
- Como podem quatro linhas
trazer toda a alma de um povo?!

Pelo tamanho não deves
medir valor de ninguém.
Sendo quatro versos breves
como a trova nos faz bem.

“Pequena” – dizem zangados,
muitas vezes com desdém.
Jamais saberão, coitados,
que grandeza a trova tem!

Por estar em solidão
tu de mim não tenhas dó.
Com Trovas no coração,
eu nunca me sinto só!

Quando a Trova é mesmo boa,
é sempre assim que acontece:
– o dono fica esquecido,
mas a Trova não se esquece…

Saudade – brisa tristonha…
e o meu coração magoado
desprende Trovas… e sonha…
é um rosal despetalado…

Sou devoto, sou um crente!
Não zombes, não rias não…
Trago um rosário de Trovas
no fundo do coração…

Tão pequenina... parece
humilde e distante estrela...
porém, como a Trova cresce
quando alguém sabe entende-la!

Tirem-me tudo o que tenho
neguem-me todo o valor!
Numa glória só me empenho:
– a de humilde trovador!

Toda trova herdou o espírito
navegante português…
Nasce…foge… corre o mundo
e abandona quem a fez…

Toma cuidado, poeta
com teu sentir mais profundo;
a trova é muito discreta:
– e conta tudo a todo mundo…

Trovador, grande que seja,
tem esta mágoa a esconder:
a trova que mais deseja
jamais consegue escrever ...

Um trovador veterano
concorre e zomba: - é "barbada"!
Depois de entrar pelo cano,
bronqueia: foi marmelada!...

Trovas sobre a Trova do Rei dos Trovadores
ADELMAR TAVARES

Não se dá regras à trova,
que a trova regras não tem.
A trova é simplicidade,
ela vai, como nos vem...

Ó linda trova perfeita,
que nos dá tanto prazer,
tão fácil, - depois de feita,
tão difícil de fazer.

Quando a trova nos transmite
seu feitiço singular,
a gente lê, e repete,
e depois, fica a pensar. .

Quando eu morrer, levo à cova
dentro do meu coração,
o suspiro de uma trova,
e o gemer de um violão.

Quem dera que minhas trovas
andassem pelos caminhos,
consolando os desgraçados,
dando pão para os ceguinhos ...

Trovas, trovas da minha alma!
Da vida quando eu me for,
sede o humilde travesseiro,
do sono de um sonhador.

Trovas, - cantigas do povo,
alma ingênua dos caminhos
de lavradores. . . cigarras ...
mulheres... e passarinhos ...

Trovas sobre a Trova da Rainha da Trova
LILINHA FERNANDES

Abelha que o favo, prova
é o trovador - velho ou novo
fabricando o mel da trova
que adoça a boca do povo.

Amanhece... Vibra a terra!
O sol que em ouro reluz,
sai da garganta da serra
como uma trova de luz.

A trova é a alma da gente
desventurada ou feliz.
Em quatro versos somente,
quanta coisa a gente diz!

Cantas! Minha alma te aprova
e eu choro - que coisa louca!
querendo ser uma trova
para andar em tua boca.
Como é um facho de luz,
fosse de madeira a trova,
eu mesma faria a cruz
que irá marcar minha cova.

Do pomar da poesia,
os frutos que você trouxe,
coube á trova a primazia
por ser menor e mais doce.

 É a trova, em seu natural,
mordaz, alegre ou dolente,
lindo trecho musical
de quatro notas somente.

Minhas trovas sem beleza,
se as dizes, são divinais!
Só por isso, com certeza,
elas serão imortais.

Morreu o abade. O terror
do pecado, o clero invade:
era uma trova de amor
o escapulário do abade.

Na tua fronte bendita
dei um beijo, mãe querida!
Foi a trova mais bonita
que já fiz em minha vida.

Pela saudade ferida,
minha musa se renova!
E eu abro o livro da vida
e escrevo nele uma trova.

Quisera, de idéia nova
de teu amor presa aos laços,
fazendo a última trova,
morrer feliz em teus braços.

Se a trova faz suicidas,
não sou eu quem a reprova.
- Vale uma trova mil vidas!
Não vale a vida uma trova!

Sempre a tristeza se espanta
e se amenizam cansaços,
tendo trovas na garganta
e uma viola nos braços.

Trovas para Luiz Otávio

Luiz Otávio, em nossas mãos
as suas a gente vê.
– Onde há um encontro de irmãos,
há um reencontro com você!
A. A. de Assis – Maringá/PR

Foi Luiz Otávio embora...
Perdeu-se o som de uma voz.
Fica a saudade, que chora
a sua ausência entre nós!...
Adelir Machado - Niterói/RJ

A trova é doce poesia
que hoje nos enche de orgulho,
pois celebramos seu dia,
neste dezoito de Julho!
Alberto Paco – Maringá/PR

Luiz Otávio, afinal,
cumprindo sua missão,
fez da UBT - Catedral,
e da trova, uma oração!
Aloysio Alfredo Silva - Juiz de Fora/MG

Mal tuas trovas chegaram
junto a Deus, Nosso Senhor,
em coro os anjos cantaram
e até Deus foi trovador!
Aníbal Antonio de Lima Nobre – Portugal

Toma a trova, por inteiro,
todos nós, os trovadores.
de Luiz Otávio, o pioneiro,
somos todos seguidores.
Angelica Villela Santos - Taubaté/SP

Foi Luiz Otávio, exaltado
em sua luta mais bela,
um Príncipe apaixonado
pela Trova Cinderela.
Arlindo Tadeu Hagen – Belo Horizonte/MG

Luiz Otávio pudera
ter alma de Rei...não quis:
- Deus deu-lhe a alma sincera,
de um São Francisco de Assis!
Carolina Ramos – Santos/SP

Bem sensível, à toda prova,
criaste um mundo paralelo:
o Universo amplo da trova
em quatro linhas de anelo!
Clevane Pessoa – Belo Horizonte/MG

Luiz Otávio, com seu gênio,
dando à Trova tal magia,
foi, dentre outros no milênio,
um gigante da Poesia.
Dorothy Jansson Moretti – Sorocaba/SP

Luiz Otávio!... Mais seduz
ver-se poesia em teus rastros
e o brilho da tua luz
dando brilho à luz dos astros!
Edmar Japiassú Maia – Nova Friburgo/RJ

Hoje, caímos na folia
de nossa Vila em fulgor:
neste berço da Poesia,
terra do Luiz trovador.
Edweine Loureiro - Saitama/Japão

Em Luiz Otávio a realeza
da trova e da poesia;
seu legado tem princesa
amor, lirismo e alegria.
Eliana Ruiz Jimenez – Balneário Camboriú/SC

Luiz Otávio o eterno
trovador trazia em mão,
o seu lápis e caderno
pra dar vida à inspiração!
Francisco José Pessoa – Fortaleza/CE

Príncipe dos Trovadores!
Teve, aqui, lindos troféus!
- Luiz Otávio, com louvores,
hoje os tem de Deus, nos céus!
Geraldo Pimenta de Moraes – São Paulo/SP

Luiz Otávio encantou
com suas trovas corações.
Rimar, muito bem rimou,
fez das trovas orações.
Geraldo Trombin – Americana/SP

Tal qual esteta risonho,
Luiz Otávio, na verdade,
pôs a ternura no sonho
e o amor em cada saudade!
Helvécio Barros - Bauru/SP

Luiz Otávio legado
Que a UBT não esquece
Trovador abençoado
Que fez da Trova uma prece.
Hortêncio Pessoa -Fortaleza/CE

Uma rosa sobre a cova
de Luiz Otávio, senhores,
junta um príncipe - o da trova,
e uma raínha - a das flores!...
Jorge Murad – Rio de Janeiro/RJ

Luiz Otávio é a prova
de que é capaz a poesia,
de resistir pela trova:
Luiz Otaviomania…
José Levy de Oliveira – Juiz de Fora/MG

Luiz Otávio, na verdade,
jamais nos deixaste sós:
No milagre da saudade
tu vives dentro de nós!
José Maria Machado de Araújo – Rio de Janeiro/RJ

Na trova foi majestade,
foi impulso na UBT.
- Luiz Otávio, que saudade
nós sentimos de você!
José Nogueira da Costa - Pouso Alegre/MG

De Luiz Otávio a lição
tão viva em mim se mantém,
que hoje tenho a sensação
de estar "tomado" também!
José Ouverney – Pindamonhangaba/SP

No caderno todo aberto,
a trova lançada ao léu,
mas o príncipe, por certo,
leu a mensagem do céu !
Luiz Carlos Abritta – Belo Horizonte/MG

Luiz Otávio com a trova,
deste encontro o amor nasceu;
e o tempo passa e comprova
como este amor floresceu...
Olympio Coutinho – Belo Horizonte/MG

Inteiro o Brasil se curva
e brinda em tua homenagem,
porque nada, e ninguém turva,
Luiz Otávio, a tua imagem!...
Manita - Niterói/RJ

Luiz Otávio está presente
- e Deus nos dá esta prova -
animando sempre a gente,
nos quatro versos da trova...
Milton Nunes Loureiro - Niterói/RJ

Luiz Otávio poeta,
Trovador fenomenal
Nos deixou bela seleta
Rica em trova especial.
Moreira Lopes (Dedé Lopes) – Maranguape/CE

Pela vida dedicada
à cultura, hoje, vigente,
onde a trova é declamada
Luiz Otávio está presente!
Nei Garcez – Curitiba/PR

A União dos Trovadores,
Luiz Otávio, se renova
para que os teus seguidores
não deixem morrer a trova.
P. de Petrus – Rio de Janeiro/RJ

Luiz Otávio, de tal forma,
amou tanto a quadra...e prova,
que traçou norma por norma
do feitiço de uma trova!
Prof. Garcia – Caicó/RN

Luiz Otávio – tua trova,
lareira do nosso inverno,
é fogo que se renova
é laço amigo e fraterno
Roza de Oliveira – Curitiba/PR

Pequenina, inteligente,
(Luiz Otávio comprova)
a Trova diz tudo a gente
de forma sucinta e nova.
Thalma Tavares – São Simão/SP

Príncipe da Trova! Honrosa,
nossa entidade acentua:
cada pétala da rosa
contém uma trova sua...
Vanda Alves da Silva – Curitiba/PR

Luiz Otávio, certo dia,
deu ao Brasil alma nova,
liderando a confraria
do feliz povo da trova!
Wagner Marques Lopes – Pedro Leopoldo/MG

No seu lirismo pioneiro,
homem simples, alma boa,
Luiz Otávio, o troveiro,
se faz a trova em pessoa.
Waldir Neves – Rio de Janeiro/RJ

Luiz Otávio, em verdade,
como todo mundo diz,
tinha também a humildade
de São Francisco de Assis.
Wilson Montemór - Resende/RJ




Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to