Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 26 de julho de 2014

José Feldman (Chuva de Versos n. 200)




Uma Trova de Curitiba/PR
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ

Quando aos luzeiros da fama
se agregam luzes do Bem,
há um brilho, a mais, que se inflama
e imortaliza também.

Uma Trova de Santos/SP
WALTER WAENY JÚNIOR

Saudade assim, na verdade,
jamais na vida senti,
pois, como é grande a saudade
quando é saudade de ti.

Uma Trova Humorística do Rio de Janeiro/RJ
THEREZINHA ZANONI FERREIRA

Come e bebe no batuque
e não sai endividada,
pois aplica o velho truque
de sair só “desmaiada” !

Uma Trova Premiada em Itanhaém/SP, 1999
ELEN DE NOVAES FELIX (Rio de Janeiro)

Mesmo numa noite triste
quando meu mar se encapela,
minha canoa resiste:
é que Deus vai dentro dela.

Uma Trova de Juiz de Fora/MG
JOSÉ CARLOS DE LERY GUIMARÃES

Relógio, legado antigo
que minhas horas recorda...
quem lhe dará corda, amigo,
quando acabar minha corda?…

Um Poema de Juiz de Fora/MG
HEGEL PONTES

Amor Adolescente

Esta noite, meu bem, foi tão comprida
e tão sem graça foi a madrugada,
que eu senti que você é minha vida
e a vida sem você não vale nada.

Mas é tarde demais. A despedida
é como a pedra que já foi lançada:
mesmo partindo da pessoa amada,
nunca mais poderá ser recolhida.

Tudo acabado: os sonhos que sonhei,
seu amor, seu carinho e seu desvelo…
E esta noite, meu bem, foi tão comprida,

que dei graças a Deus quando acordei
e percebi, após o pesadelo,
que entre nós dois nunca houve despedida.

Uma Trova Hispânica, do México
CRISTINA OLIVEIRA CHÁVEZ

 No es no querer perdonar
la deserción de mi padre,
es que no puedo olvidar
las lágrimas de mi madre...

Um Poema da Alemanha
PAUL CELAN
(1920 - 1970)

O Companheiro de Viagem

A alma da tua mãe flutua adiante.
A alma da tua mãe ajuda a noite a navegar, escolho após escolho.
A alma da tua mãe fustiga os tubarões à tua frente.

Esta palavra é a disciplina da tua mãe.
A discípula da tua mãe partilha o teu jazigo, pedra a pedra.
A discípula da tua mãe inclina-se para a migalha de luz.

(Tradução de João Barrento e Y. K. Centeno)

Trovadores que deixaram Saudades
ROBERTO FARIA DE MEDEIROS
Juiz de Fora (1923 – 1995)

Não há criança vadia ...
E as que esmolam a teus pés
são anjos que Deus envia
para saber quem tu és.

Um Poema de Niterói/RJ
MARCOS ASSUMPÇÃO
(Marcos André Caridade de Assumpção)

A Coragem De Cada Um De Nós

 Quanta coragem precisamos ter
Pra enfrentar o medo que trazemos em nós ?
Pra cruzar a ponte e o escuro,
Pra vencer seu inimigo mais feroz ,
Basta despertar dentro da gente a coragem adormecida ,
Escondida agora em cada um de nós

Quanta coragem precisamos ter
Pra enfrentar o medo que trazemos em nós ?
A coragem é tudo aquilo que você precisa,
Acredite, você pode mais, acorde o grande rei
Que há em ti pra descobrir que na verdade,
A coragem dorme em cada um de nós

Um Poema de Pato Branco/PR
ELIZABETH MARIA CHEMIN BODANESE

Encanto

 Ipês cor-de-rosa...
 Pinheiros bem verdes...
 Violetas e amores-perfeitos
 De todas as cores alegram a vida
 Dos verdadeiros amores.

 Um beija-flor poliniza a flor...
 Uma bola voa de um lado a outro
 Nas mãozinhas  ágeis dos pimpolhos!
 Um balanço faz sonhar,
 No espaço o menino brincar...
 A Primavera está  chegando...
 Advento do florescer...
 A vida pulsa numa eterna busca
 De quem quer aprender,
 Saber, conhecer
 Antes de a outra vida transcender...

 Os galhos secos e a neve
 Não assustam mais nas janelas
 Da casa no alto do morro...
 A chuva e o frio se rendem
 Ao sol e ao calor...
 Flores exalam perfumes
 Nesse tempo de amor
 Na cidade sem preconceitos
 Pato Branco dos amores-perfeitos...
 Terra de amor, amizade e respeito.

Uma Trova de Ribeirão Preto/SP
RITA MARCIANO MOURÃO

      No lar que me fez honrado,
     ante os conceitos de espaço,
     o respeito era sagrado,
     mesmo que o pão fosse escasso!

Um Haicai de São Paulo/SP
JOSUÉ ROODER SALOMÃO

Manhã de geada
Sob o banco da pracinha
Cão todo enrolado

Um Poema de Moçambique
RUI KNOPFLI
(Rui Manuel Correia Knopfli)
Inhambane, Moçambique (1932 – 1997) Lisboa/Portugal

Princípio do dia

Rompe-me o sono um latir de cães
na madrugada. Acordo na antemanhã
de gritos desconexos e sacudo
de mim os restos da noite
e a cinza dos cigarros fumados
na véspera.
Digo adeus à noite sem saudade,
digo bom-dia ao novo dia.
Na mesa o retrato ganha contorno,
digo-lhe bom-dia
e sei que intimamente ele responde.

 Saio para a rua
e vou dizendo bom-dia em surdina
às coisas e pessoas por que passo.

 No escritório digo bom-dia.
Dizem-me bom-dia como quem fecha
uma janela sobre o nevoeiro,
palavras ditas com a epiderme,
som dissonante, opaco, pesado muro
entre o sentir e o falar.

 E bom dia já não é mais a ponte
que eu experimentei levantar.
Calado,
sento-me à secretária, soturno, desencantado.

 (Amanhã volto a experimentar).

Uma Cantiga Infantil de Roda
PEZINHO
do Folclore Brasileiro

Ai bota aqui
ai bota ali
o teu pezinho
O teu pezinho
bem juntinho
com o meu

Ai bota aqui ai bota ali
o teu pezinho
O teu pezinho o teu pezinho
ao pé do meu

E depois não vá dizer
que você já me esqueceu
E depois não vá dizer
que você já me esqueceu

E no chegar deste teu corpo,
uma abraço quero eu
E no chegar deste teu corpo,
uma abraço quero eu

Agora que estamos juntinhos,
da cá um abraço e um beijinho
Agora que estamos juntinhos,
da cá um abraço e um beijinho

E depois não vá dizer
que você já me esqueceu
E depois não vá dizer
que você já me esqueceu

Recordando Velhas Canções
ALCEBÍADES BARCELOS E ARMANDO MARÇAL

VIOLÃO AMIGO
(samba, 1942)

Violão amigo ouve os meus ais
Ouve os meus segredos
Não suporto mais

Talvez tu compreendas meu sentir
Quero exprimir nesse samba
Tudo que sofri

Quem de mim sorriu
Por certo há de chorar
Quando ouvir alguém cantar

Poeta eu fui
Embora sem querer
Cantei em versos o meu sofrer

Violão amigo
Eu canto por consolação
Trago esta mágoa sentida
No meu coração, violão

Hinos de Cidades Brasileiras
SÃO FRANCISCO DE ITABAPOANA/RJ
Autor: Roberto Pinheiro Acruche

São Francisco de Itabapoana
como eu gosto de você.
Sua beleza encantadora
há de sempre resplandecer.

Suas praias, sua grandeza,
seus campos e floração colorida,
obra prima da natureza
eu me orgulho de ter nascido aqui.

Salve seu povo hospitaleiro,
bom, amigo e trabalhador;
Salve terra abençoada
de São Francisco Nosso Senhor...

Abraçada pelos rios,
beijada pelo mar,
ornada com lagoas
você é linda , sempre vou te amar.

São Francisco de Itabapoana
onde o sol brilha mais o ano inteiro,
estrela de grandeza reluzente
do Estado do Rio de Janeiro.

Um Poema de Lisboa/Portugal
ALEXANDRE O’NEILL
(Alexandre Manuel Vahía de Castro O'Neill de Bulhões)
 (1924 - 1986)

Minuciosa formiga

Minuciosa formiga
não tem que se lhe diga:
leva a sua palhinha
asinha, asinha.
Assim devera eu ser
e não esta cigarra
que se põe a cantar
e me deita a perder.
Assim devera eu ser:
de patinhas no chão,
formiguinha ao trabalho
e ao tostão.
Assim devera eu ser
se não fora não querer.

Um Poema de Minas Gerais
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
Itabira/MG (1902– 1987) Rio de Janeiro/RJ

Elegia 1938

Trabalhas sem alegria para um mundo caduco,
onde as formas e as ações não encerram nenhum exemplo.
Praticas laboriosamente os gestos universais,
sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo sexual.
Heróis enchem os parques da cidade em que te arrastas,
e preconizam a virtude, a renúncia, o sangue-frio, a concepção.
À noite, se neblina, abrem guarda-chuvas de bronze
ou se recolhem aos volumes de sinistras bibliotecas.
Amas a noite pelo poder de aniquilamento que encerra
e sabes que, dormindo, os problemas te dispensam de morrer.
Mas o terrível despertar prova a existência da Grande Máquina
e te repõe, pequenino, em face de indecifráveis palmeiras.
Caminhas entre mortos e com eles conversas
sobre coisas do tempo futuro e negócios do espírito.
A literatura estragou tuas melhores horas de amor.
Ao telefone perdeste muito, muitíssimo tempo de semear.
Coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota
e adiar para outro século a felicidade coletiva.
Aceitas a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição
porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan.

Um Gabinete de São José do Egito/PE
OTACÍLIO BATISTA
(1923 – 2003)

     O povo deseja ouvir
     Um Gabinete bonito;
     Poeta, só acredito
     Se você não me mentir.
     Trate de se prevenir
     Para poder cantar bem
     Eu comprei um cartão
     Para viajar no trem:
     Sem cartão ninguém vai,
     Sem cartão ninguém vem!
     Vai e vem, vem e vai,
     Vem e vai, vai e vem.
     Quem não tem o que eu tenho,
     Morre danado e não tem!
     Quem estiver com inveja,
     Se esforce e faça também ...
     Cavalo bom é ginete;
     Quem não canta Gabinete,
     Não é cantor pra ninguém!

Trovadora Destaque


Acalmar gesto impulsivo
num conflito sem razão:
Medicinal... curativo...
é a humildade e o perdão!

A Curitiba hibernosa.
aumenta a temperatura.
Se aquece com verso e prosa
a Capital da Cultura!

Água límpida é preciosa
para o planeta, vital;
pura, líquida ou gasosa,
tesouro fundamental.

Afinal, eis a questão:
achei um rico alimento…
Somos gêmeos na emoção:
teu amor é o meu sustento.

Amor, um santo remédio,
que revitaliza e cura.
Livra-nos de qualquer tédio,
também nos leva à loucura.

Apesar da longa ausência,
sinto a sua vibração…
que marcou minha existência
e tatuou meu coração!

As melhores gargalhadas
chegam sempre de repente
em cenas abobalhadas
e tomam conta da gente!!!

As odes altissonantes,
vêm louvar o pinheiral
do Paraná verdejante
na minha terra natal.

Brasil, samba e carnaval
e os foliões tomam conta,
da festa descomunal,
quando a “escola”, enfim, desponta!!!

Carnaval e o “bicho pega”!
Batuque e samba no pé,
e a galera não se entrega,
sapateia e dá olé…!!!

Causador da minha insônia,
motivo do meu sorriso,
sem nenhuma cerimônia...
me transporta ao paraíso!

Com alma verde e amarela
o meu coração febril,
com muito orgulho revela,
o Trovador do Brasil.

Depois de uma noite calma,
numa manhã de verão,
no céu anjos esperavam
recebê-la em oração!

Descontraia sua testa,
sorrir é grande investida!
Quem transforma a vida em festa
vence tensão reprimida!

Desenvolvendo a pesquisa
para o ensino do saber
o professor realiza
evolução no aprender.

Desfilou lá na Avenida
Marquês de Sapucaí,
bebeu tanto, sem medida,
que acordou na UTI !!

Destemido e dedicado,
companhia cativante.
Com meu pai sempre ao meu lado,
sou forte como um gigante!

Dissipando a incerteza,
ânsia e conhecimento
o livro, vasta riqueza:
esclarece cem por cento!

Dormi… e sonhei contigo
na praia, com lua cheia!
Foi delírio, hoje prossigo
te procurando na areia!

Dos meus tempos de experiência,
na vida, trânsito e estrada,
deixo aqui uma advertência:
respeito… não custa nada!

Educação e cultura,
seriedade e competência
é alvo certo de ventura
que aguardamos com urgência!

Em tédio avassalador
daqueles que não têm cura,
num minuto o Trovador
transforma tudo em ventura!

Encantada olho os pinheiros,
formosos! Iguais? Não há.
Dos poetas são os parceiros
Que versam o Paraná!

Equilíbrio, um dom da vida,
dos sábios, grande virtude
junto a afeição consolida,
seu poder de plenitude.

Eu não mudo de país,
nem de cidade ou estado,
porque aqui sou bem feliz...
exatamente... ao teu lado!!!

Fazer da vida uma festa
é atitude que fascina.
Vamos rir! A hora é esta!
O bom humor contamina.

Fim de tarde, sol já posto…
Chega a noite enluarada,
satisfazendo o meu gosto,
consagrando a madrugada!

Força e coragem, criança,
a vida sorri lá fora…!
O estudo será a poupança
e há de chegar sem demora!

Hoje órfã de seu afeto,
carente de seu carinho,
queria você por perto...
a iluminar meu caminho!

Mãos que orientam crianças,
seja na escrita ou leitura,
mostram sinais de alianças
de nobreza e de ventura!

Mesmo impaciente ou cansado
não descuide do volante
que a vida, este bem sagrado,
pode acabar... num instante!

Meu jogo, audaz e exigente,
encara a carta que der,
mas com você, frente a frente…
jogo charme de mulher!

Minha mãe com maestria,
vibrou forte de emoção,
quando em tarde de magia
fez pulsar meu coração!

Navegam os trovadores
em e-mails de ilusões,
computando riso e dores,
conectando as emoções!!!

Numa transfusão de afeto,
basta só abrir os braços
e o coração indiscreto,
se entrega sem embaraços!

Nunca morre o trovador,
se afasta fisicamente…
Sobrevive trova e autor,
no dia-a-dia da gente.

O coração destemido
transcende qualquer razão,
quando decide, incontido,
confessar a rendição!

O elemento H2O
Fonte de vida e energia,
vale mais do que ouro em pó.
Nossa maior loteria!

O que sei da faculdade,
das viagens e coisas mais
não representa a metade
do que aprendi com meus pais.

Pelos sonhos que dá,
Trova já virou mania...
e... infestou o Paraná...
... Numa “culta” epidemia!!!

Posso ver do meu terraço
na escuridão do infinito,
quando a lua abre espaço...
E dá seu show favorito!

Quando sopra o vento sul,
a trova viaja e vai fundo.
Seu caminho é o céu azul…
Espalha-se pelo mundo!

Quem se concentra no estudo
vence o mundo, sem esquema.
Leva consigo um escudo:
- Enfrentar qualquer problema.

Que o natal traga a engrenagem
da paz… do amor… da magia,
unindo o sonho à linguagem,
ao mundo azul da poesia…!

Que o Trovador lá de cima,
nosso vate preferido,
mostre o bem, o amor, a rima
e o seu rastro a ser seguido!

Quero um planeta perfeito,
sem guerra, sem corrupção.
Povo justo e satisfeito,
respeitando seu irmão!

Reconheço que a razão
me exerce extremo fascínio,
mas, se acerta o coração…
perco o rumo e o raciocínio!

Romântico e apaixonado,
meu pensamento flutua,.
vai ao céu... volta zoado:
Vive no mundo da lua!

Saudade vive e contesta,
me acorda de madrugada,
faz lembrar-me o fim da festa…
o beijo… e a noite estrelada!

Se falta a luz ou calor,
para isso tem saída...
Só a falta do teu amor
me apaga e congela a vida!

Sem escolha, oficialmente,
chegou lá, na luz de Deus.
Foi em paz… Solenemente…
Reencontrar com os seus!

Seu forte olhar, penetrante...
me acelera o coração.
O seu perfil estonteante
ofusca a minha visão.

Sob o feitiço do mar,
o poeta assim diria:
-É propício pra sonhar,
mas, sem você... que ironia!!!

Sou mulher, luto, decido,
sei de cor muitos poemas,
mas com seu beijo atrevido
esqueço até dos problemas!

Surge atrevida a saudade,
sem alarme e sem aviso,
ataca qualquer idade...
Se acaba com teu sorriso!

Tão doce e bem-humorado,
meu Pai, por suas virtudes,
deixou-me grande legado
nas palavras e atitudes.

Tendo um bom livro na mão,
alço vôo... crio asa.
Mando embora a solidão...
Sem sair da minha casa…

Trovador por excelência,
tem nas veias o otimismo:
faz as trovas com sapiência,
e dá lições de altruísmo!

Vai ano velho, de vez,
leve o mal e o duvidoso,
que o Ano Novo em rapidez,
há de ser mais generoso!

Vence valores, de fato,
quando em meio à discussão,
se revolta de imediato,
mas, na ofensa… dá o perdão!!!

Vou dormir porque preciso
com você, mamãe, sonhar,
e sonolenta analiso:
não vou querer acordar!

Jogando Conversa Fora

O Trovador
por José Feldman

            Trovadores são os nossos sonhos, nossos momentos de tristeza, de revolta, de solidão, de alegria, de amor, de fé.
            Os trovadores carregam dentro de si uma bagagem enorme de suas realizações, decepções, sonhos e principalmente, doação.
            O trovador doa a si, para poder compartilhar o momento com os outros. É como se recebesse um pão e deste fizesse brotar tantos e tantos pãezinhos para que pudesse saciar a nossa fome de esperança.
            O trovador é coração, é alma, é sangue, é lágrima, é riso.
            O trovador busca em cada cantinho escondido da vida um mínimo que seja de um grão de areia para poder mostrar ao mundo, e transformar este grão em uma praia enorme para que todos possam aproveitar ela e se encantar com a maravilha que é um mero grão.
            O trovador é luz. É luz que ilumina o caminho de muitos que vivem nas trevas. É luz daqueles que a perderam nas encruzilhadas da vida.
            O trovador é sonho. Tantos sonhos são sonhados, e o trovador carrega nestes quatro versos sonhos que se perderam na névoa do tempo.
            O trovador é amor. É o amor dos apaixonados, o amor dos casados e dos que ainda um dia irão amar, e mesmo daqueles perderam um amor. É o amor de amigos, o amor ao próximo, o amor aos animais.
            O trovador não são prêmios em concursos, não são honrarias, nem títulos. Trovador foi, é e sempre será VIDA!
            Obrigado a todos trovadores ou não, que batalharam, batalham ou virão a batalhar para manter esta chama acesa.
Maringá, 25 julho 2014

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to