Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

José Feldman (Chuva de Versos n. 307)


Uma Trova de São Mateus do Sul/PR
Gerson César de Souza

Certo frade comilão
põe na gula tanto anseio,
que o “pão nosso” da oração
pede sempre com recheio...

Uma Trova de Fortaleza/CE
Nemésio Prata
(continuando a minha trova postada ontem)

Não temas qualquer enigma
que venha te causar dor;
pois trazes na alma o estigma
daquele que é trovador!
Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

A folha caída

Aquela “Folha” quis mostrar caída
que era o momento certo para amar...
Quem sabe até, por ser também sofrida
quis dar a chance para a luz brilhar.

A folha seca pela dor vencida,
envelhecida veio às mãos, lembrar:
-Terceira idade pode ser querida
para envolver quem quer beijar, sonhar.

Beijos nas mãos selou adeus, que a lua
pode antever, por sua vez, soluços,
da alma, que também foi quase sua.

Fim da viagem, folha foi ao chão...
Quanta saudade! Sento e me debruço!
Computador já pode ver lição.

Uma Trova Humorística do Rio de Janeiro/RJ
Edmar Japiassú Maia

Velha-Guarda! .. E ainda a machuca
lembrar que foi de vanguarda,
pois hoje a velha peruca
é tudo o que a velha guarda!...

Uma Trova de Petrópolis/RJ
Gilson Faustino Maia

Sem adorno ou distinção,
melodia ou aquarela,
mas vinda do coração,
é a trova que eu fiz pra ela.
  
Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Prefácio prometido

Só por te amar “prefácio” quis fazer
e dei-te a rédea, pura, disse tudo,
soltei a corda, pude ter prazer,
paixão secreta? Incerta para o mundo.

No entardecer perfeito, meu querer,
por parecer um rio manso e surdo,
pude escrever, sem medo, por vencer,
barreira triste, quebrei...deixei mudo.

Fiz a promessa, juro quero ler,
sua “boneca” e então poder saber
completo, qual será o final? Romance...

Aguardarei os textos por correio
ou simplesmente mande-os via emeio:
-Não posso perder, chance ao meu alcance.

Uma Trova Popular
Autor Anônimo

Inda que meu pai me mate,
minha mãe me tire a vida,
minha palavra está dada,
minha alma está prometida.

Uma Trova Hispânica Premiada em Santos/2014, do México
Manuel Salvador Leyva Martínez

En la vida no hay riqueza
ni felicidad eterna
si nos falta la firmeza
de la amistad más fraterna.

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Aquela passagem perdida

Data perdida, tempo já passado!
Dinheiro não resgata voo, mas alerta;
o novo cheque pôs destino alado,
ao salvador da pátria, em mente aberta.

As horas passam, basta ver marcado
por certo ao centro ter poltrona certa;
ponteiros voltam, checam sinal dado,
razão à TAM, que vê desculpa incerta.

Trânsito em aços, transporte não anda!
Aeroporto cheio! Todos clamam!
Os passageiros cobram, mais demanda...

Vários eventos não serão mais feitos!
Aeromoças testam, nem reclamam:
– A gripe mata, mostra causa e efeitos.

Trovadores que deixaram Saudades
Anis Murad Lamar
Rio de Janeiro (1904 – 1962)

Há uma lâmpada encantada,
acesa no coração,
que tem a chama sagrada,
que se chama inspiração.

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Segredo da despedida

Ao meio dia, alegres dois ponteiros,
cantaram juntos para a paz buscar;
o sol tornou dois corpos mais inteiros,
brilho no rio quis logo espelhar!

Testemunhou paixão febril, no olhar,
firmes mãos dadas, toques bem ligeiros
no tim-tim-tim que o copo fez cantar,
canção vibrante quis os tons primeiros.

Água que passa suja, leva tudo,
No entardecer, relógio, chama agora:
-Já são seis horas...tempo fica mudo.

Na despedida penso:-Quero tê-lo!
Tal qual criança sofre e vai embora...
Tristonha vou...não posso mais detê-lo.

Uma Trova de São José dos Campos/SP
Mifori

Que seus passos jamais meçam
a distancia da amizade;
nossas vidas recomeçam
sem a curva da saudade.      

Um Haicai de Magé/RJ
Douglas Peçanha de Azevedo
(12 anos)

Mutirão da laje.
No almoço a mãe serve a todos
Arroz carreteiro.

Uma Trova Premiada em Maringá, de Maringá
Jorge Fregadolli

Feliz quem desde menino,
pela boa educação,
do trabalho faz um hino
e da vida uma canção!

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Natal universal

A manjedoura a todos quer mostrar
Menino-Deus de luz, de paz, verdade,
que na humildade, o grande pode amar
e que a união é fruto da vontade.

A jovem mãe Maria sabe orar!
Presépio é força, exemplo, fé, bondade...
José, Pastores, Anjo-glória a dar,
na tradição, família sem vaidade.

Contos reais, cartões, canções modestas,
a estrela guia o homem para o amor...
Os sinos tocam trazem sonhos, festas.

As coisas simples têm saber profundo!
Nasceu sem plumas, Filho-Redentor,
o maior Homem, Rei que salva o mundo.

Uma Trova Premiada em Maringá, de  Bandeirantes/PR
Lucília Trindade Decarli

Aquela alegre canção,
que, outrora, era de nós dois,
traz, hoje, triste emoção
na solidão de um depois...

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Gravatas italianas evocam amor

Beleza nata, digna de uma tela
o nu impecável traz valor ardente!
Bem escondido, o corpo da donzela
vem na gravata e encanta a toda gente.

Atrai o sonho ao ver figura bela,
agita o mar que explode em cada mente...
Como se fosse a escuna vejo nela
perigo à vista! Sou mulher carente!

Vejo o naufrágio deste puro amor
que enfim proíbe dar um simples beijo,
que o vento leva e faz cair a flor.

Por um momento, juro que pensei
ter encontrado a paz que tanto almejo...
sei que sonhei... agora já acordei.

Um Haicai de Magé/RJ
Vanderleia Beltrão Novaz
(12 anos)

Na casa do amigo,
Os vizinhos se reunem.
Noite de quentão.

Uma Trova Premiada em Maringá, de Curitiba/PR
Nei Garcez

O Poeta, em sua lida,
pelo "tom" da inspiração,
da Partitura da Vida,
tira a mais linda Canção!

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Ternura e carícias

Mês de setembro mato a dor da espera!
A decantar paixão, minha alma agora
não quer inverno... canta a primavera!
Não perco a chance! Venho sem demora.

Jamais pensei viver real paquera!
Demorei tanto pra mandar embora
a solidão que esconde triste fera!
Quem tem ventura e paz feliz não chora!

Não fujo mais! Esqueço o tal passado!
Neste presente quero seu momento,
provar do mel, carinhos, só delícias,

sentir na boca o gosto ser amado
no corpo nu, sem mágoa ou sofrimento...
Trago ternura, beijos, mil carícias!

Recordando Velhas Canções
Os rouxinóis
(marcha-rancho/carnaval, 1958)

Lamartine Babo

Os rouxinóis entre as flores procuram seus amores
É lindo o cântico das aves
As melodias se renovam tão suaves
Salve os rouxinóis!

Surgem orquestras nos arrebóis
Sustenidos são feridos e se ouvem à meia voz os bemóis
Porque os rouxinóis foram buscar Amor-perfeito
E no canteiro já desfeito da Amizade
Só encontraram Saudade

Sem sonhos os rouxinóis se veem a sós tristonhos
E se consolam com as sutis cigarras
Cigarras sutis cada qual mais feliz
Pois cantam, cantam, cantam, depois se desencantam
Cantar até morrer é o seu infinito prazer

Estão nos arrebóis os rouxinóis silentes
Descrentes de seus amores pelas lindas flores
Nesta canção, pensando bem
O amor dos rouxinóis é o nosso amor também

Sem sonhos os rouxinóis se veem a sós tristonhos
E se consolam com as sutis cigarras
Cigarras sutis cada qual mais feliz
Estão nos arrebóis os rouxinóis silentes
Descrentes de seus amores pelas lindas flores

Nesta canção, pensando bem
O amor dos rouxinóis é o nosso amor também
É o nosso amor também
É o nosso amor também
É o nosso amor também
É o nosso amor também.

Uma Trova Premiada em Maringá, de Curitiba
Wandira Fagundes Queiroz

Enfeitando de poesia
suas canções de ninar,
enquanto o filho dormia
mamãe podia sonhar.

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Sol com chuva

No adágio popular ouvi dizer
que quando há sol com chuva...alguém sorriu!
Na despedida vi “viúva” a crer:
-“Marido vivo” em paz, feliz, fugiu...

Mulher tão forte, em tudo, quis vencer!
Enxugou o pranto, teve fé, agiu!
Criou seus filhos, graças viu chover!
Pingos lavaram “alma pura à mil...”

Com seu poder de sol viveu, brilhou...
Sempre enfrentou problemas, mas sorria!
Buscou o saber, destino então traçou.

Chove amizade... só por seu valor!
Ao ritmo dança, canta e faz poesia!
Molhada agora, beija o novo amor.

Um Haicai da Unigranrio, de Duque de Caxias/RJ
Lucas dos Santos Cardozo

Árvores em pé
Raízes enraizadas
Folhas e frutos

Uma Trova Premiada em Maringá, de Ponta Grossa/PR
Sônia Ditzel Martelo

Das cordas de minha lira
ouço uma bela canção
que na saudade suspira
qual prece de uma oração!...

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Minha estrela d’alva

Hoje tenho uma estrela linda, terna
sempre a brilhar no céu da boca e peito...
Alma ferida tem certeza eterna
porque na terra quis amor desfeito.

Assim, bem alta como a tez materna
sempre oferece orgasmo ao corpo eleito...
um pensamento em cada braço ou perna
rompe barreiras, beija o nu perfeito.

A Estrela D´Alva não me pede nada!...
Chega brilhante, sem pudor e ardente
vem agitar meu sangue e sai calada...

Suavemente, fecho os olhos...Sonho
até encontrar de novo a luz somente!
Sem reclamar, seguir eu me proponho.

Hinos de Cidades Brasileiras
Arauá/SE

Glória a Deus que nos deu esta terra
Tão formosa, serena e gentil
Arauá doce gleba que encerra
tradições deste amado Brasil.

Campos verdes imensos corridos
Pelas águas do antigo Arauá
Cantam lendas dos tempos já idos
Que, mais belos, alhures não há.

Salve, salve ó terra querida
Lindo berço que a virgem nos dá
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.

O primeiro dos teus habitantes
Foi a mãe de Jesus, foi Maria
Dos heróis de teus feitos brilhantes
Esta feita a maior galeria.

Salve, salve ó terra querida
Lindo berço que a virgem nos dá
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.

Camerino nasceu na Palmeira
E morreu pela pátria cantando
E os Correias, de fonte altaneira
Penetraram na História lutando.

Salve, salve ó terra querida
Lindo berço que a virgem nos dá
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.

Já 100 anos nos diz tua história
De trabalho de paz e de fé,
Que prossigas na trilha da glória
Sempre firme, garbosa e de pé

Salve, salve ó terra querida
Lindo berço que a virgem nos dá
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.
Ah, possamos passar toda a vida
Em teu seio feliz Arauá.

Uma Trova Premiada em Maringá, de Curitiba/PR
Maurício Norberto Friedrich

Até hoje, na velhice,
lembro as canções de ninar
que mamãe, pura meiguice,
cantava pra me embalar!

Um Soneto de Belo Horizonte/MG
Sílvia Araújo Motta

Saudades do amigo violão seresteiro

O violão me chama todo dia!
É meu AMIGO, quer meu forte abraço;
dou-lhe meu colo e a boca, quem diria:
para deitar, primeiro dou meu braço.

Passo-lhe as mãos no corpo...Que alegria!
Para agradar-lhe quase tudo faço...
Testar tarraxa, bem baixo, é mania!
Em cada corda tiro o tom, compasso...

Bem baixinho, pra nós dois são cantados
boleros, fados, valsas,  rock, canções!
Apaixonados pelos sons mostrados...

Olhos nos olhos, frente à frente vemos
composições famosas, que em lições
nos dão prazer que a vida toda temos.

Trovadora Destaque

As trovas abaixo são algumas retiradas do Carversos – [Carta em versos], da Trovadora. As trovas foram ordenadas em ordem alfabética das flores.

Simbolizando a amargura
que nos traz alguma ausência,
ABSINTO, florzinha pura,
tem muito aroma na essência.

A ACÁCIA, branca ou vermelha,
é um arbusto ornamental,
em cujo nome se espelha
uma amizade imortal.

Seu cor-de -rosa discreto
muita elegância revela;
mas fala de amor secreto,
se for ACÁCIA AMARELA.

Vênus, brilhante e formosa,
pelo ADÔNIS, sem ação,
viu nascer, toda chorosa,
a flor da separação.

Uns brotos de azul-roxeado
tem o AGAPANTO em novembro...
É o buquê mais cobiçado
que se oferece em dezembro.

AMOREIRA vem do Amor
dos jovens apaixonados.
Sangue verteram.Que horror!
Morrendo os dois abraçados.

Zéfiro se apaixonou,
por ANÊMONA e sem dor,
sua esposa o transformou:
em bela ninfa ! Em flor!

Costumo sempre afirmar
que ANGÉLICAS perfumadas
e puras fazem lembrar
Marias “imaculadas”...

Da Colômbia, esta flor cresce
nos vasos, em clima quente.
ANTÚRIO, em sombra, floresce:
vermelha de amor ardente.

ARTEMÍSIA, flor ativa,
filha de “Artêmis” dileta,
mas, ciumenta e vingativa,
sugere raiva secreta.


A BÉTULA inspira a vida.
Tê-la sempre, ai quem me dera!
Na Rússia é a mais escolhida:
simboliza a primavera.

Se tens a pele sardenta,
passa-lhe frescas BONINAS,
que chegarás aos setenta
mais menina que as meninas.

BOTÃO-DE-OURO todos querem,
disso nós temos certeza;
AMARELO...alguns preferem,
mas simboliza a avareza.

A CAMÉLIA sedutora
é a flor do arrependimento
e do perdão...É a doutora
diplomada em sentimento.

No Japão a CEREJEIRA
dos Samurais é mascote,
e numa visão guerreira,
de pai para filho é dote.

CHORÕES, em ramos pendentes
lacrimejam delirantes,
os  “nunca mais”comoventes
dos amigos...dos amantes...

CIPRESTE?-Fúnebre ação
na vida é longevidade,
evoca a ressurreição
e a incorruptibilidade.

Nos canteiros da Esperança
vi COLEUS por toda a parte
e aprendi, desde criança,
que a flor é o sumo da arte.

Ah, se o CRAVO amor revela,
todo amor, quando se inflama,
põe um cravo na lapela
do coração de quem ama.

Licor de CRAVO é gostoso,
seu vinho é sensacional.
Mel de ROSA é saboroso
e também...medicinal.

Na terra do “sol nascente”
CRISÂNTEMO tem tradição.
Do Japão a toda gente,
simboliza a perfeição.

CRISTA-DE-GALO, eu diria,
simboliza vigilância...
Jardim que essa flor vigia,
parece um Jardim de Infância.

Imponente como o sol,
a Glória, a Fé e Dignidade,
paixão louca é GIRASSOL
pleno de felicidade.

Pondo o sol no amor dos noivos
com pétalas coloridas,
eles, os líricos GOIVOS
unem almas e unem vidas.

GYPSOPHILA tem beleza
nos canteiros de nossa alma.
Dos anjos herdou pureza,
colhida transmite a calma.

A deusa com asas – ÌRIS,
boas notícias na guerra,
foi transformada em arco-íris,
que é ponte entre o céu e a terra.

O JACINTO é flor de afeto
simbolizando a constância.
Do amor de Apolo repleto
é a flor da fé e da arrogância.

Atributo de Maria
da graça e amabilidade.
O JASMIM traz alegria
tem graça e simplicidade

O LÍRIO é depois da rosa
preferido pelo artista.
É flor de vida amorosa,
em casamento altruísta.

MADRESSILVA é trepadeira
de flores bem perfumadas!
No verão, quando altaneira,
tem cores mais variadas.

– MALVA é o símbolo do médico
que, por seu perfume, acalma,
se estiver doente, indico:
só uma folha basta à alma.

MARAVILHAS são boninas,
lindas flores temporais;
na forma, tão pequeninas,
na essência – grandes demais!

No jogo do bem-me-quer,
MARGARIDA é virgindade,
dispensando o MAL-ME-QUER
é inocente de verdade.

Reprodução espontânea,
SEM-VERGONHA é esta florzinha
família balsaminácea,
nasce à toa, a MARIAZINHA.

A MIMOSA, concluímos,
nos causa muita surpresa,
pois, mesmo assim, com tais mimos,
é o símbolo da certeza.

Se és MIOSÓTIS, lindo assim
e falas de amor sincero,
imploro-te: nasce em mim,
pois amar é o que mais quero.

Pela ninfa castigado,
por vaidade, com certeza,
NARCISO foi condenado
a perder toda a beleza.

ORQUÍDEA tem, na verdade,
lá na CHINA o seu ritual:
desperta a sensualidade
e a beleza espiritual.

Simbolizando nossa alma
vitória e imortalidade,
no mundo inteirinho a PALMA
recorda a fecundidade.

Mãe do ópio, mãe ainda,
desse mal que ainda existe,
a PAPOULA é muito linda,
mas de uma lindeza triste.

A PETÚNIA é persuasão
e, assim, por ser convincente
é uma flor que dá lição
de firmeza a toda gente.

PINHEIRO-sobremaneira,
conserva o verde no inverno,
tal qual BAMBU e AMEIXEIRA,
simboliza o amor eterno.

ROSA BRANCA é angelical,
ROSA AMARELA é traição,
ROSA VERMELHA é sinal
do fogo do coração.

ROSA BRANCA ó flor divina,
és símbolo da pureza,
da virtude peregrina
do bem Deus - a realeza.

Símbolo da permanência
e portal da eternidade,
SEMPRE-VIVA, na existência,
reporta à imortalidade.

Na velha Grécia Feudal,
além de medicamento,
a TÍLIA – medicinal -
era a flor do casamento.

Quatro folhas? TREVO tem,
todas com felicidade,
amor e sorte também
um sonho na realidade.

O TRIGO, que é fruto e flor,
é sonho e também alento:
me enlevo com seu candor,
com seu sabor me alimento.

Na Holanda, a TULIPA um dia,
ganhou fama retumbante,
mas, nativa da Turquia
tem a forma de um turbante.

Se os Jasmins lembram a Espanha,
e os Girassóis vêm da Hungria...
revelação de artimanha:
traz VERBENAS de alegria.

VIOLETA Bonapartista,
que tanta pureza tem,
parece zelosa artista,
tecendo o aroma do Bem.


De Araújo herdei o porte
junto à alegria do Andrade.
Com Motta fiquei mais forte
no perdão e na amizade.

A natureza agradece
a quem planta com carinho...
Flores e frutos merece
quem põe a paz , no caminho.

Ao fulgor de uma ilusão,
linda flor desabrochou,
mas no outubro, a decepção
folhas, o vento soprou.

Há quem tem bem escondido
ninguém vê, não sei por quê:
no coração bem florido,
a maior flor é você.

No florir de uma existência,
por que ter medo de amar?
Entre espinhos da vivência,
de rosas podes cuidar.

Os filhos que nos encantam
plantam no amor infinito,
flores vivas, que perfumam
na vida, um jardim bendito.

Ponha flores às janelas
do universo sem fronteira
que ele perfuma em parcelas
seus jardins da vida inteira.

Quantas flores posso ter...
perfumes posso comprar...
Só uma flor queria ser
a que pode te abraçar...

Chuvisco Biográfico da Poetisa e Trovadora Destaque
         Sílvia de Lourdes Araújo Motta, nasceu em janeiro de 1951 em Belo Horizontes, Minas Gerais. Cursou Letras: Português/Inglês. Pedagogista em Administração, Inspeção e Supervisão Escolar. Professora de Língua e Literatura Portuguesa/Inglesa, Filosofia, Psicologia e Sociologia. Curso de Direito na FAMIG/2008.
         Escritora, Poeta-Sonetista-Trovadora, Parceira-Assessora da Academia de Letras João Guimarães Rosa da Polícia Militar de Minas Gerais,
         Presidenta do Clube Brasileiro da Língua Portuguesa, oficial para oito países lusófonos;
         Árcade da Arcádia de Minas Gerais,
         Cônsul Z-NO dos Poetas del Mundo BH/MG/Brasil, em 128 países.
         Membro da International Writers and Artists Association /Ohio/USA.
         Membro do Elos Clube filiado ao Elos Internacional da Comunidade Lusíada;
         Membro da União Brasileira de Trovadores/BH.
         Vice-Presidenta da Academia Mineira de Trovas.
         Membro de diversas Academias de Ciências, Letras e Artes: ALB/MG, AVPB,AVBL, AVSPE, ACCLCL, APOLO, e outras.
         Autora de três dezenas de livros, com poesia em português, inglês, espanhol e italiano; participações em inúmeras Antologias e Revistas nacionais e internacionais.
         Premiações diversas em prosa e poesia.
         Palestrante e Líder-Grupal convidada, participante de vários movimentos socio-político-religiosos-ligados aos Adolescentes e Adultos, Doentes Terminais, Pastoral do Idoso, Grupos de Terceira Idade, Movimento Internacional Alcoólicos Anônimos/ Al-Anon/ Grupos Familiares/Programa de Doze Passos para Familiares e Amigos de Alcoólicos Adultos e dos Jovens do Alateen; Pastoral da Saúde.
         Musicóloga, já coordenou e cantou em diversos Corais Musicais. Membro efetivo do Coral CANTATA Diamantina/2008 com 120 participantes acompanhada pela Orquestra Sinfônica da PMMMG. É soprano no Coral Luís de Camões.
         Faz parte do Espaço e Vida do COPMMG.
         Em 30 de maio de 2009, homenageada pela Academia de Letras do Brasil (Instituição de cultura e formação superior de caráter internacional) com a outorga do título “Doutora em Filosofia Universal – PH.I. (Philósofo Imortal) outorgada pelo Presidente Ph.D. Prof. Dr. Mário Carabajal, e Diplomação e Medalha do Instituto Brasileiro de Culturas Internacionais pela Governadora InBrasCi em Minas Gerais: Andréia Donadon Leal.

Sites:
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/silviaraujomotta http://poetasdelmundo.com/detalle-poetas.php?id=1481 http://clubedalinguaport.blogspot.com/
http://clubedalinguaport.ning.com
 ==================================================
Trovas, gota a gota:
Algumas trovas da trovadora destaque, o 1º. verso não rima com o 3º. Antigamente, era correto deste modo, mas o 2º. com o 4º. sempre foi obrigatório. A União Brasileira dos Trovadores normatizou esta regra, sendo obrigado em seus concursos a rima entre 1º  e 3º versos
 

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to