Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

José Feldman (Chuva de Versos n. 418)

Errata:  Quase Um Soneto Póstumo a Meu Pai, 1915 - 1980
 
Uma Trova de Maringá/PR
A. A. de Assis
A bênção, queridos pais,
 que às vezes sois mães também.
 Em nome de Deus cuidais
 dos filhos que d’Ele vêm!
Uma Trova de Bauru/SP
João Batista Xavier Oliveira
Na leveza do carinho
de tuas mãos emplumadas
sinto ser um passarinho
nas brisas das alvoradas!
Um Poema de Ribeirão Preto/SP
Nilton Manoel
Meu Pai
Eu, era bem criança e inda me lembro quando
 adentravas-te ao lar sorrindo comovido,
 e aos beijos ias para a minha mãe contando
 vários fatos de mais esse dia vivido.
E então cada um ia sentar-se pra merenda
 defronte a mesa antiga e de tábuas de pinho,
 posta na sala, em que na casa da fazenda
 a família ceava em fraternal carinho.
E á hora da janta, enquanto a sopa fumegava,
 numa terrina grande e exalando temperos,
 cada um se levantava e  com ardor rezava,
Ante meu pai, que em pé, sempre ao bom Deus louvava,
 com as orações, que, eu em hora de desespero
 repito inda hoje, assim como ele me ensinava.
Uma Trova de Belém/PA
Antonio Juraci Siqueira
Com amor segue em teus trilhos,
 do bom caminho não sai
 para que, sempre, teus filhos
 possam chamar-te de…Pai!
Uma Décima de Fortaleza/CE
José Francisco Pessoa
Neste domingo de agosto
Os sinos bem mais badalam
Os passarinhos se calam
Do sol nascente ao sol posto
E um sorriso no meu rosto
Descreve uma frase assim
Cheia de amor, pois, enfim,
Do meu peito um clamor sai:
- Eu quisera ser um pai
Tal qual o meu é pra mim.
Uma Trova de Curitiba
Vanda Alves da Silva
Eu nunca temo o futuro,
se você pai, me conduz,
ao vasto porto seguro,
com o seu rastro de luz!
Uma Trova de Amparo/SP
Eliana Dagmar
Meu velho pai me dizia
 com profunda lucidez:
 - Nem a mais alta honraria
 vale mais do que a honradez!
Um Poema de Bauru/SP
João Batista Xavier Oliveira
ETÉREO TRIBUTO -I-
Era uma pessoa de bom coração;
um homem sensato, longe da malícia.
Sofria calado quando a humilhação
partia seu peito (acima da sevícia).
Passou toda a vida sempre brincalhão;
viver a seu lado foi uma delícia.
Ao lar, sempre ao lar, sua grande missão;
a Deus, sempre a Deus, ao próximo, carícia.
Lembrança que a vida imortal incentiva
encontro futuro por merecimento
com auras floridas de azul firmamento.
Da sua virtude tem paz rediviva.
Memória perene que nunca se esvai.
Escrevo esses versos a você, meu pai!!
Trovadores que deixaram Saudades
João Freire Filho
Rio de Janeiro/RJ (1941 – 2012)
Ah… meu pai! Por tua ação
 eu não temia revés:
 – Segurando a tua mão,
 eu tinha o mundo a meus pés!
 
Uma Trova de Brasília/DF
Antonio Carlos Teixeira Pinto
É de dor a sensação:
 meu pai… arrastando os passos;
 e eu… puxando pela mão
 quem já me levou nos braços!
Uma Trova de Santos/SP
Carolina Ramos
Esse mesmo pai que um dia
 Deus me ofertou, ao nascer,
 é o pai que eu escolheria,
 caso pudesse escolher!
Uma Glosa de Caicó/RN
Prof. Garcia
Glosando Selma Patti Spinelli
(São Paulo/SP)
Mote:
Sou fiel e não te nego
este dever que é uma lei:
– não pelo amor que foi cego,
mas pelo ‘sim’ que te dei.
Glosa:
Sou fiel e não te nego.
Por te amar, sempre pequei;
Este pecado eu carrego...
Só que até quando, eu não sei!
Mesmo o amor cego, me ensina,
este dever que é uma lei:
– Não é em qualquer esquina,
Que vive o amor que sonhei!
Aos teus anseios, me entrego,
Mesmo sofrendo de dor;
não pelo amor que foi cego,
Mas por ser cego de amor!
Meu pesadelo é sem fim,
Desde o tempo em que te amei...
Não porque disseste sim,
mas pelo ‘sim’ que te dei!
Um Poema de Porto Alegre/RS
Ialmar Pio Schneider
Soneto A Meu Pai
(Homenagem Póstuma Ao Meu Pai no Dia dos Pais
– 14 de agosto, Henrique Schneider Filho, falecido em 1970)
Descansa aqui o nosso pai da vida
por esta terra onde se sofre tanto.
Não basta sua lembrança ao nosso pranto
que a saudade é perpétua e não se olvida…
Viveu, lutou… foi breve a despedida;
aos pés do Criador caiu, entanto;
morte serena como morre um santo,
após saber da sua missão cumprida.
Mas viverá pra sempre nos seus filhos
e na recordação de sua esposa;
ninguém há de seguir confusos trilhos
por falta dos conselhos que nos deu;
se o corpo permanece nesta lousa,
a alma, com certeza, está no Céu…
Uma Trova de Caçapava/SP
Élbea Priscila de Souza e Silva
Um homem sem preconceito,
 um sábio diante da vida,
 meu pai legou-me o direito
 de andar de cabeça erguida…
Uma Trova de Pinhalão/PR
Lêda Terezinha de Oliveira
Do céu, meu pai é por mim,
 qual querubim protetor,
 muito sinto que é assim,
 meu pai, um anjo de amor.
Um Poema de Campos dos Goytacazes/RJ
Heloísa Crespo
A Força de Um Pai
Se todo pai percebesse
a força dada por Deus,
perante todos os filhos
‘se acharia’ um deus.
Ele é sempre um grande homem,
líder por natureza,
não precisando de esforço
para mostrar sua grandeza,
não importando o que seja:
- velho, alegre, fechado,
austero, novo, feliz,
intransigente ou calado.
Pai tem um quê de fascínio
sobre seu filho bebê,
adolescente ou adulto,
tem magia do poder.
O perdão sempre ele tem
para voltar a reinar,
de qualquer gesto ruim,
basta um sorriso esboçar.
Se todo pai percebesse
a força que ele tem,
ensinaria a seu filho
a arte de viver bem:
 - mão estendida, amor,
carinho e atenção,
uma palavra amiga
cheia de compreensão,
vendo o olhar do seu filho,
vendo o que ninguém vê,
dando o braço num abraço,
fazendo a dor não doer.
Acorde, enquanto é tempo
no tempo que não se vai.
Descubra o valor que tem
e a grande força de um pai!
Uma Trova de Caicó/RN
Prof. Garcia
Lembrança que me distrai,
que acaba com meu desgosto,
é ver teu rosto, meu Pai
retratado no meu rosto!
Uma Trova de Curitiba/PR
Nei Garcez
Você sempre foi meu guia
 nos abismos desta vida,
 e eu jamais o percebia,
 ó meu pai… Que linda lida!
Um Poema de Londrina/PR
Leonilda Yvonnetti Spina
Teus Passos
Teus passos pesados ficaram gravados
em nossa memória… Pisaram caminhos,
destruíram espinhos, fizeram uma história!
Com o suor do rosto colheste a vitória!
O amor ao trabalho, a tua luta constante
fizeram de ti nosso exemplo marcante!
O grande respeito que nos incutias
até pelo passo, pausado, imporias!
Já te deitavas, mal a noite surgia.
Ao romper da manhã, disposto acordavas.
Teus passos tão fortes ao longe se ouvia,
quando, no silêncio, a dormir nos deixavas.
Nos livros da vida, meu pai, aprendeste
que só por si mesmo se pode vencer!
A fé e a coragem com as quais conviveste
traçaram, pra sempre, teu modo de ser!
Depois… te cansavas numa caminhada.
Já não tinhas, de outrora, a força dos braços.
Mas, confesso, meu pai, não havia nada
melhor de se ouvir… que o rumor de teus passos!
Uma Trova de Belo Horizonte/MG
Olýmpio S. Coutinho
Meu pai, que eu nunca esqueci,
veja em mim a sua glória;
segui seus passos, venci!
É sua a minha vitória.
Uma Trova de Ribeirão Preto/SP
Nilton Manoel
Se a vida, enche-se de brilho
 no dia a dia de pai,
 é porque a vida do filho
 é a grande graça do PAI!
Um Poema do Rio de Janeiro/RJ
Adozinda Aguiar
Meu Pai
Queria ainda uma vez mais mostrar-te
As rosas que nasceram na varanda
Os rouxinóis pousando na sacada
E a canção do Roberto nas paradas.
Queria que ainda visses meus poemas
E me dizer , talvez de qual gostavas
E o cachecol de lã que estou tecendo
Pra me aquecer nas frias madrugadas.
Queria beijar mais uma vez
As fortes mãos com que me abençoavas
E o teu límpido olhar iluminado
Sentir me acompanhar por onde andava.
Chego à casa , abro a porta , tua guitarra
Abandonada no canto do sofá
Tem um triste lamento em cada corda:
…Ele se foi e não vai mais voltar!
 
Uma Trova de Nova Friburgo/RJ
Sérgio Bernardo
Um homem, quando se vai,
 deixa esta imagem no adeus:
 – perante Deus… a de um pai:
– perante o filho… a de um Deus!
Um Poema de Alegrete/RS
Mário Quintana
As Mãos de Meu Pai
As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
Sobre um fundo de manchas já da cor da terra
– como são belas as tuas mãos
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiam da nobre
cólera dos justos…
Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza
que se chama simplesmente vida
E, ao entardecer, quando elas repousam nos braços da
tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente, vieste
alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra
o vento?
Ah! Como os fizeste arder, fulgir, com o milagre das
tua mãos!
E é, ainda, a vida que transfigura as tuas mãos nodosas…
essa chama de vida – que transcende a própria vida
… e que os Anjos, um dia, chamarão de alma.
Uma Trova de Bauru/SP
Ercy Maria M. Marques
Dosando amor e energia
ele cumpriu seu destino.
Oh meu pai! como eu queria
ser novamente um menino!
Uma Trova de Bandeirantes/PR
Neide Rocha Portugal
Pai, a saudade me acorda
 e traz, do nosso passado,
 o rancho, o fumo de corda…
 e o teu chapéu amassado!
Um Poema de Belo Horizonte/MG
Gustavo Drummond
Meu Pai
Madrugada chuvosa, tão cedo,
foste embora, deixou-me com meus medos,
tantos anseios, sem meios
de dizer adeus.
Chuva de estrelas, pranto,
Homenagem do céu.
Seus ideais sepultos,
Seus planos findados,
antes de terminados.
Calada a voz que gritava gols,
pelos campos do mundo,
pelos jogos da vida, destruída.
Locutor emudecido,
Poeta sem versos,
Cronista; perdida inspiração.
Precoce, morte,
Eterna vivência;
deixaste de herança,
a coragem pra dizer a verdade,
Ficaste, perene, na lembrança;
na alma criança, no peito aflito;
um grito que não cala.
Saudade que não sara,
e fica...
Vazio que não se preenche,
Está em mim,
nas minhas preces,
nas minhas dúvidas,
nas horas duras,
na alegria triste,
porque não existe
você.
Guerreiro,
Herói,
Ídolo,
Super tudo,
O homem do meu mundo,
Espelho, que reflete
a paz.
Quem sabe um dia desses,
dê uma chegada aqui
Numa fuga inesperada,
Uma palavra, um beijo,
Um sorriso, surpresa grata,
um único desejo;
Depois volte pra lá...

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to