Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 8 de agosto de 2015

Mais Concursos Literários com Inscrições Abertas

XXVI Concurso de Poesia da Academia de Letras e Artes de Paranapuã - ALAP
Prazo: 25 de Outubro de 2015

REGULAMENTO:
01- Tema: LIVRE.
02- Categoria: INFANTIL, JUVENIL e ADULTO.
03- Cada candidato poderá concorrer com 01 (uma) poesia.
04- As poesias deverão ser inéditas (nunca publicadas ou classificadas em concursos), datilografadas, com o máximo de 35 (trinta e cinco) versos (linhas).
05- O poeta deverá enviar 03 (três) cópias de cada poesia, sem nome ou pseudônimo, em envelope ofício, contendo outro menor com toda sua identificação, inclusive um breve currículo. As categorias: infantil (até 12 anos) e juvenil (até 21 anos) deverão informar a data de nascimento.
06- Período de inscrição: 10 de junho a 25 de outubro de 2015, prevalecendo data de postagem.
07- A Comissão Julgadora será composta por membros de renome literário e sua decisão será soberana e irrevogável.
08- Os trabalhos apresentados não serão devolvidos.
09- Os trabalhos deverão ser enviados para:
XXVI Concurso de Poesia – ALAP
Rua Santa Amélia, nº 88 / 1011
Tijuca / RJ 
CEP: 20260-030.
10- Premiação: Medalha de Ouro, de Prata e Bronze para as 02 (dois) seguintes colocadas; Menções Especiais e Honrosas (p/ todas as categorias). Certificados para todos os participantes.
11- O resultado e entrega das premiações será no dia 14 de dezembro de 2015, às 15 horas e 30 minutos, no auditório da FALB/FALARJ, Rua Teixeira de Freitas, nº 05/ 3º andar – Lapa/RJ.
Rio de Janeiro, RJ, 02 de julho de 2015.
       Acadêmica Eliane Mariath Dantas
         Presidente da ALAP

XXIV Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos
 Prazo: 10 de setembro de 2015

Este edital tem o objetivo de estabelecer normas para o recebimento de poesias para o 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Leopoldina.
1 - Disposições Preliminares
1.1 O Concurso visa reconhecer e premiar a atuação de autores como forma de incentivo à produção poética.
1.2 O Concurso contempla apenas a categoria de POESIA; todos os demais gêneros textuais não serão avaliados.
1.3 A temática das obras é livre.
1.4 O presente Concurso compreenderá as seguintes fases:
• Inscrição: para o público em geral;
• Habilitação: caráter eliminatório;
• Seleção: caráter classificatório e eliminatório; participarão desta etapa apenas os candidatos aprovados na etapa anterior;
• Premiação: para as cinco melhores poesias e os três melhores intérpretes.
1.5 Só será aceita inscrição de obra inédita, ou seja, que não tenha sido publicada em nenhum meio físico ou digital.
1.6 As obras selecionadas poderão ser utilizadas, a critério da organização do concurso, para publicação em meio eletrônico ou físico.
1.7 O candidato poderá ser desqualificado pelo não cumprimento de qualquer regra do Edital.
1.8 O envio da(s) poesia(s) ao concurso significa inteira e completa concordância, por parte dos concorrentes, com este Regulamento. Casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora. As decisões são irrecorríveis.
2 - Objetivos
O 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos tem por objetivo:
• Homenagear e valorizar a memória do poeta Augusto dos Anjos;
• Descobrir e incentivar novos poetas;
• Estimular a produção literária em âmbito nacional;
• Dar oportunidade aos poetas de divulgar seus trabalhos;
• Divulgar obras inéditas em língua portuguesa.
3 - Participantes
3.1 Poderá se inscrever no 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos qualquer pessoa física, nacional ou estrangeira.
3.2 Os participantes menores de 18 (dezoito) anos deverão apresentar autorização escrita dos pais ou responsável, salvo aqueles emancipados na forma da lei.
3.3 Fica restrita a inscrição de, no máximo, 2 (duas) obras inéditas por candidato, com a utilização de pseudônimos inéditos e diferentes para cada poesia. Se um autor inscrever duas poesias com o mesmo pseudônimo, a segunda, na ordem de inscrição, será eliminada.
3.4 Se for identificado o uso de pseudônimo já utilizado em qualquer atividade, seja no meio digital ou físico, o concorrente será eliminado.
4 - Inscrição
4.1 As inscrições para o 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos estarão abertas no período de 01 de agosto de 2015 a 10 de setembro de 2015.
4.2 A Ficha de Inscrição a ser enviada junto à documentação estará disponível no blog da  Academia Leopoldinense de Letras e Artes. Cada proponente deverá preencher todos os campos identificados com o sinal * em vermelho. Antes de clicar no botão “ENVIAR”, deverá imprimi-la para remessa conforme determina o item 5 deste Edital.
4.3 Os candidatos deverão informar um endereço de e-mail válido, para o qual serão encaminhados todos os comunicados da Comissão Organizadora, bem como o Certificado. Não será possível o reencaminhamento ou alteração do endereço de e-mail após a conclusão do processo de inscrição.
4.4 A entrega da(s) poesia(s) e da documentação poderá ser pessoalmente (no endereço abaixo, no horário das 8 horas às 13 horas) ou através de remessa, via correio, com Aviso de Recebimento (AR). 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos/2015. Secretaria Municipal de Cultura Rua Barão de Cotegipe, 386 - Centro Leopoldina/MG - CEP 36700-000
4.5 O autor que optar pela remessa via correio também deverá cumprir o prazo de inscrição do concurso, ou seja, a data registrada no carimbo dos correios não poderá ser posterior a 10 de setembro de 2015.
4.6 Não serão aceitas inscrições efetuadas por fax, e-mail ou manuscritas;
4.7 As inscrições implicam a plena aceitação, por parte do candidato,das regras estabelecidas neste Edital, não cabendo recurso posterior.
5 – Requisitos para inscrição
Para efeito de inscrição, o candidato deve obedecer às seguintes exigências:
• Apresentar a(s) poesia(s) inscrita(s) em 05 (cinco) vias;
• Apresentar a(s) poesia(s) em LÍNGUA PORTUGUESA;
• Utilizar Fonte Arial, tamanho 12, papel A4, orientação retrato, em apenas uma das faces;
• Cada poesia poderá ter, no máximo, duas páginas (orientação retrato) que deverão ser numeradas;
• Registrar em cada página da poesia o título da obra e o pseudônimo do autor;
• Enviar as 05 (cinco) vias da poesia em um só envelope e preenchê-lo conforme modelo abaixo. Caso o autor inscreva duas poesias (máximo permitido no concurso) poderá enviá-las no mesmo envelope, desde que tenha preenchido o segundo campo pseudônimo e título da obra na Ficha de Inscrição. Destinatário: 24º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos/2015. Secretaria Municipal de Cultura Rua Barão de Cotegipe, 386 - Centro Leopoldina/MG - CEP 36700-000 Remetente: Pseudônimo: xxxxxx Título da obra: xxxxxx Endereço completo (rua/avenida, bairro, cidade e CEP).
• Inserir a FICHA DE INSCRIÇÃO (http://zip.net/brrKKH) - devidamente preenchida no blog da ALLA e assinada no campo próprio - em um envelope menor LACRADO, dentro do envelope maior com as poesias inscritas. Anotar na parte externa desse envelope menor apenas o Título da Obra, pseudônimo do autor e cidade em que reside.

Concurso 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça
Prazo: 15 de agosto

Art. 1º - DO CONCURSO
O concurso, 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, idealizado, promovido e organizado pelo escritor Antonio Cabral Filho, tem a cachaça apenas como tema central, podendo versar sobre quaisquer assuntos correlatos.
Art. 2º - DAS INSCRIÇÕES
Poderão se inscrever somente autores brasileiros, maiores de 18 anos, residentes no Brasil, com apenas (1) trova por participante.
§ 1º - A inscrição é gratuita. Será aceita no período de 15 de março a 15 de agosto de 2015, com o envio da trova em Time New Romain tamanho 14, espaço simples e resumo biográfico em cinco linhas, através do e-mail antologiabrasiliterario@gmail.com, dirigido à  1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, Org.  Antonio Cabral Filho.
§ 2º - A trova, escrita em língua portuguesa, deve ter:
a) obrigatoriamente, métrica setessilábica;
b) rima, que poderá ser, abab, abba ou aabb;
c) os necessários sinais de pontuação;
d) letras maiúscula, somente, no início das frases que compõem os versos.
Art.  3º - DA COMISSÃO JULGADORA
A Comissão Julgadora é soberana em suas decisões e conferirá notas de 0,1 a 10 cujo resultado será irreversível. As trovas classificadas,  até o limite de cem (100), participarão da 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça, cabendo,  aos autores a responsabilidade quanto à autoria e inscrição do texto.
Art. 4º - DA 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE CACHAÇA
A 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Cachaça terá 100 páginas destinadas às trovas classificadas, o equivalente a uma (1) página por autor, antecedidas de dez (10) páginas a cargo da Comissão Julgadora, resultando em um livro de 110 páginas, em formato e-book (livro digital) que será entregue, via e-mail, aos participantes. A todos, que se interessarem, estará disponível gratuitamente via internet. Será publicado no blog:  ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO
Ficará a cargo dos autores a livre divulgação em outros espaços.
Art.  5º - DAS RESPONSABILIDADES
O promotor do concurso informa que o ato de inscrição significa aceitação das normas, acima expostas, e a consequente liberação da obra para integrar este certame. A divulgação dos resultados será publicada no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERARIO, de propriedade do promotor do evento, até 15 de setembro de 2015, seguida da publicação e envio do livro aos autores, conforme Art. 4º .
Parágrafo único - Todos os inscritos terão os trabalhos publicados, um em cada postagem, no blog do concurso.
COMISSÃO ORGANIZADORA
Rio de Janeiro, 15 de março de 2015

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to