Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Chuva de Versos n. 434


Uma Trova de Curitiba/PR
Vânia Ennes
.
Quando um trovador decide
falar de amor e saudade,
se estás perto, não duvide,
que vai chorar de verdade!
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Clarindo Batista
.
Se todos fossem honestos,
ninguém veria, na praça,
mendigos comendo restos
do pão que a miséria amassa!
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
PROMESSA
.
Meu amor, desculpe a franqueza,
mas meu coração não consegue calar,
quero muito me envolver em tua beleza,
encanto e pureza, e nela me mesclar.
.
Contudo, tenho que te dizer,
que não possuo nenhuma riqueza,
meus livros, meu amor, meu viver,
é toda a minha fortaleza.
.
Entretanto podes estar certa,
que sou um eterno batalhador,
que possui uma mente desperta,
e que acredita um dia ser vencedor.
.
Não posso te prometer viagens ou joias,
mas posso derramar em ti, meu amor,
não enche barriga, não dá teto, as vezes paranoias,
mas se me amar, não conhecerás a palavra “dor”.
.
Dá-me apenas um, nem que seja um segundo
de esperança para contigo estar,
Que não existirá nenhuma força no mundo,
que me impedirá de te esperar, para finalmente te amar.
________________________
Uma Trova Humorística de Juiz de Fora/MG
Arlindo Tadeu Hagen
.
– Casamento é mesmo o fim!
diz ela no seu enfado.
Quem suspirava por mim
agora ronca ao meu lado.
________________________

Uma Trova Potiguar, de Caicó
Prof. Garcia
.
Cadeira velha, esquecida,
sem dono e sem mais ninguém…
Só a saudade atrevida
reclama a ausência de alguém.
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
DÁDIVA DE DEUS
(adaptado de poema de Manuel Bandeira)
.
Vamos embora para Pasárgada,
Lá tive um amigo que era amigo do Rei.
Vamos embora para Pasárgada,
pois lá será o seu paraíso, professor.
.
Lá poderá ver as árvores frutificando,
como os alunos que ensinou.
Lá poderá ver as águas dos rios cristalinos,
correndo, livres,
como aqueles que ensinou com sua dedicação.
.
Vamos embora para Pasárgada,
lá verá que a vida flui normalmente,
sem amarras, sem desrespeito,
somente amor.
.
Vamos embora para Pasárgada,
lá é a tela que você pintou em suas aulas,
tantas horas de abnegação,
tantos momentos tristes,
mas muito mais de alegria.
.
Tanto de incompreensão de sua fé,
mas tantos sorrisos que deixou
em muitos, mas muitos
rostos que eram tristes.
.
Vamos embora para Pasárgada,
pois todos seus alunos
o esperam com ansiedade
onde agradecemos a Deus,
por sua dádiva,
VOCÊ…PROFESSOR. 
________________________
Uma Quadra Popular
Autor Anônimo
.
Não me chame boiadeiro,
não sou boiadeiro não.
Sou tocador de boiada,
boiadeiro é meu patrão.

Fonte: Azevedo,Teófilo de. Literatura popular do norte de Minas: a arte de fazer versos.São Paulo, Global Editora, 1978. Cultura Popular, 3.
________________________
Uma Trova Hispânica da Venezuela
Luis Alfredo Rivas Mazzei
.
Honestidad y tristeza
manto para la amargura
su rumbo fue la nobleza
sueño de luz y ternura.
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
ATÉ MAIS, MEU IRMÃO
(Em memória de Francisco Neves de Macedo (Natal/RN, 1948 – 2012))
.
Se uma árvore você fosse,
seria carregada de amor,
seus galhos – versos – fruto doce.
Coração de trovador.
.
Se uma ave você fosse, voaria
mais alto e mais forte,
espalhando sua alegria,
seja no oeste, leste, sul ou norte.
.
Não és uma árvore, nem ave,
és a luz de toda uma geração,
deixaste-nos uma chave,
no chaveiro de trovas do coração.
________________________
Trovadores que deixaram Saudades
Aparício Fernandes
Acari/RN (1934 – 1996) Rio de Janeiro/RJ
.
Lá se vão os retirantes!
Deixam seus campos, seus bois…
– O coração morre antes,
o corpo morre depois!…
________________________
Um Haicai de Maringá/PR
José Feldman
.
POETA
.
Viajar no espaço
Coração do amanhecer
Delírio eterno
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
A MINHA POESIA
.
Hoje estava a navegar pela internet, encontrei uma poesia de Florbela Espanca, denominada “Amiga”. Então fiquei a pensar, e me deixar envolver pela poesia de Florbela e criar uma minha. E fiz num rebento.
Algo deste poema da Florbela está imbuído dentro do poema, mas tem certos versos que a maioria dos poemas devem ter, pois eles possuem um significado especial.
Por isso, peço que me perdoem e permitam-me este momento mágico para postar algo meu, entre tantos grandes nomes de norte a sul, leste a oeste deste enorme e querido Brasil.
Permita-me fazer uma dedicatória antes. Pode parecer meio cafona (nem lembro se ainda se usa esta expressão, será que estou tão velho assim?), mas deixo aqui registrado que este poema, ou que ao menos deveria ser um, me perdoem os entendidos no assunto, mas ele é para todas as mulheres que são como musas na vida dos homens, que preenchem um espaço vazio e fazem da vida destes felizardos serem repletas de poesia.
.
Deixa-me ser o teu amigo, Amor,
O melhor e mais querido de todos os teus amigos, 
pois sem tua presença, não há calor
e sem calor não haverá abrigos. 
.
Deixa eu sentir a tua presença,
o teu abraço, o teu carinho, 
faça que este momento seja a diferença,
como a água que se transforma em vinho.
.
Que mesmo que de ti me venham mágoas e dores 
Ainda assim serás sempre um sonho maravilhoso,
Bendita sejas onde fores
Estarás sempre em meu coração como um tesouro valioso.
.
Beija meu rosto uma vez só mais, com ternura,
guardarei este beijo qual diamantes
para sempre me embriagar em tua formosura
teus sorrisos, teus olhares, tua voz, cativantes.
.
Seja este momento de magia,
de encanto e de prazer,
seja o verso de minha poesia,
meu eterno amanhecer.
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Pedro Grilo Neto
.
Lá, no arcano da saudade,
num refulgente estelar,
há uma estrela de bondade:
– é o meu Pai a cintilar.
________________________
Uma Glosa do Rio de Janeiro/RJ
Gilson Faustino Maia
.
MOTE:
Depois de uma certa idade
fui te esquecendo, meu bem;
chega um tempo em que a saudade
perde a memória também!
–José Ouverney/SP–
.
GLOSA:
.
Depois de uma certa idade,
querendo a vida entender,
vi que a mente da saudade
pode o passado esquecer.
.
Sofri e chorei baixinho,
fui te esquecendo, meu bem,
quando eu vi que o teu carinho
desembarcou do meu trem.
.
Eu não sei se é por maldade,
mas é um fato frequente:
– chega um tempo em que a saudade
também se afasta da gente.
.
Se a gente, por vil destino,
perde, na vida, o que tem,
mais tarde, por dom divino,
perde a memória também!
________________________
 Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
O CORVO
(Dedicado às Almas Solitárias)
.
Porque voas tão macambúzio,
Mergulhado na embriaguez
de teus sonhos?
Porque pousas no alto da árvore,
Olhando por sobre o mundo
Em busca de sonhos vãos?
.
Voas…
Voas como um presságio de mau agouro,
Alçando-se acima das tentações,
Abandonando sentimentos.
Um peregrino perdido
Em meio ao universo de ilusões.
.
Asas negras por sobre cabeças,
O espectro de um espírito solitário
Mergulhado no lago do desamor.
.
Oh! Grasnar de melancolia,
Entregue ao vento de incertezas
Desfazendo as nuvens do existir.
.
Vem!!!…
Vem, meu pequenino pássaro preto,
Acolhe-te entre meus braços.
Seja este momento de tristeza,
Funde-te em meu angustiante ser -
Vem!!!
Peregrino da solidão.
.
Voa!!!
Voa por sobre o mundo.
Voa!!!
Voa, pois não estás só
Eu voo junto de ti.
Voa!!!!
Ave da infelicidade
Pois não és apenas um pássaro,
És um eu!…
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Severino Campelo
.
Num lar onde o amor é tema
reside a fidelidade,
escreve-se ali um poema
chamado felicidade!
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
MAYA
Taboão da Serra/SP (23 de março de 1997 - 19 de abril de 2013)Maringá/PR
.
Foste uma amiga, uma irmã,
foste uma luz, o calor.
No despertar da manhã,
foste… simplesmente amor.
.
Eu amo tudo o que foste
Tudo o que não foste
O ontem que a dor deixou
A alegria que se foi
Tu foste, e voaste
E o pranto ficou.
.
Tua caminhada ainda não terminou...
Pois no além
precisam de teu carinho.
.
Foste vida latente,
foste fantasia
Foste a força
que todas as armas do mundo
jamais conseguiriam vencer
pois foste a força da paz.
.
Foste a bonança
após um dia de tempestade.
Foste a chuva fresca
escorrendo pela face,
suavemente.
.
Foste o carinho,
cristalino,
como as águas dos rios,
em seu leito,
encharcado de afeto.
.
Fizeste da escuridão,
uma chama de esperança.
Teus passos caminharam  
por sobre as areias do tempo,
e deixaram sua marca
em meu coração
.
Um vento sopra displicentemente,
provocando um calafrio no corpo.
.
A Lua parece está imóvel no céu.
Não há estrelas, não há sons,
não há música, apenas o silêncio.
.
Por tanto, pensando no que fizemos e sentimos, percebemos que os momentos de história que realizamos juntos foram mais grandiosos do que pequenos.
Brincamos, corremos, brigamos, mas nos divertimos muito, e podemos dizer que se Deus nos concedesse mais um pouco de vida ao seu lado, morreríamos de alegria, e não de dor.
Neste momento palavras perdem o sentido diante das lágrimas contidas na saudades que sinto. Sempre há um amanhã e a vida nos dá sempre mais uma oportunidade para fazermos as coisas para que as lembranças nunca morram, por isso sei que você tem que ir, mas nunca esquecerei você, hoje e sempre. E que, esteja onde estiver, que você faça mais histórias maravilhosas e intensas como foi a nossa. Que mostre a alegria que tinha para Deus.
Hoje foi a última vez que nos vimos, mas somos amigos eternos, e a morte é insignificante diante de nossa amizade.
________________________
Recordando Velhas Canções
Como vai você
(1972)
.
Antonio Marcos
.
Como vai você
Eu preciso saber da sua vida
Peça a alguém pra me contar
Sobre seu dia
Anoiteceu e eu preciso só saber
.
Como vai você
Que já modificou a minha vida
Razão da minha paz já esquecida
Nem sei se gosto
Mais de mim ou de você
.
Vem que a sede de te amar
Me faz melhor
Eu quero amanhecer
Ao seu redor
Preciso tanto me fazer feliz
.
Vem que o tempo
Pode afastar nós dois
Não deixe tanta vida pra depois
Eu só preciso saber
Como vai você
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Joamir Medeiros
.
Partiste!… E a voraz saudade
instalou-se em minha vida.
Tua ausência, na verdade,
matou meu sonho, querida!
________________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
FLUFFY
Curitiba/PR (05 junho 2000 – 07 maio 2010) Ubiratã/PR
.
Meu amigo!
Você se vai e
nem bem nos despedimos
eu já sinto saudades de você,
Dez anos juntos,
e você preencheu 
um espaço em meu coração.
Hoje deu seu ultimo suspiro 
e sinto meu coração se desmanchando
A tua amizade incondicional
que sempre me devotou
e que eu só muito tarde
aprendi a retribuir.
Tantas vezes ralhei contigo
e alterei a voz
mas mesmo assim
tinhas sempre um olhar
amigo e de gratidão.
A tua voz era uma alegria
e hoje, só consigo ouvir o silencio.
.
Nunca tinha percebido que a noite
é tão escura
e tão quieta
e tão triste.
.
Quando deste seu último suspiro
é que percebi o que tu és: 
- Um novo amanhecer!
Venceste bravamente a parvovirose, 
Sofreste nestas últimas semanas 
mas eras um guerreiro,
e mesmo a morte te levando,
és o grande vencedor.
Para mim és e sempre serás
Eterno e imortal, meu amigo.
E, além de meu amor por ti, 
só me resta pedir teu perdão  
por ser “tão” humano,
e do fundo de meu coração
“muito obrigado pela tua amizade”.
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Ivaniso Galhardo
.
Eu espero que a tristeza
nunca venha te atingir
pra não tirar a beleza
de quando estás a sorrir.
________________________
 Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
SER
.
Feche os olhos
Acredite no impossível
Sonhe um infinito de sonhos
Galgue os mistérios do passado
Não procure saídas
Mas... apenas entradas.
Por mais impossíveis que possam ser
Não faça perguntas,
Não quebre o instante de encanto,
Não evite as tempestades violentas.
Deixe-se apenas levar...
Fantasias incontroláveis.
.
Procure o segredo nas profundezas do ser
E descubra em cada momento
Um novo gosto de vida,
Um definitivo gosto de prazer.
Emerja do mergulho do medo
Destrua os mitos
Siga sempre em frente.
Onde acaba a ilusão
Comece a procura de outras verdades
Pois o momento está por um fio,
Entre a tempestade e a calmaria,
E este fio é que comanda nossos sonhos…
________________________
Hinos de Cidades Brasileiras
Patos/PB
.
Num cantinho da minha pátria amada
e dentro do meu coração
Está minha terra adorada
de sonhos e de tradição.
O seu nome foi tirado da lagoa
dos patos tranquilos de lá.
No mundo uma terra tão boa
eu creio, meu Deus, que não há.
Patos, te amo Patos,
Patos, eu sempre hei de amar
.
A riqueza escondida no teu seio
não pode ninguém calcular.
De artista, a cidade é um esteio,
são lindas as morenas de lá.
Nos teus campos é bonita a alvorada
nos rios que correm por lá.
As loiras meninas douradas
derramam perfume no andar.
Patos, te amo Patos,
Patos, eu sempre hei de amar
.
O progresso foi chegando de repente
e os patos fugiram de lá
Deixando a saudades na gente
e a ânsia de vê-los voltar.
Os seu filhos nos recantos mais distantes
sussurram seu nome sutil.
São homens de feitos brilhantes
amando e honrando o Brasil
.
Patos, te amo Patos,
Patos, eu sempre hei de amar
________________________
Uma Trova Potiguar, de Natal
Marcos Medeiros
.
Tem gente que se atormenta
quando tem maior idade
e, sem notar, aposenta
o resto da mocidade.
___________________
Um Poema de Maringá/PR
José Feldman
.
AO LAD
In Memoriam
São Paulo/SP (20 janeiro 1996 - 09 novembro 2002) Ubiratã/PR
.
O jardim da emoção está florindo,
e entre as flores da tua ausência,
o coração está se abrindo.
Entre os galhos de saudosos sonhos,
a sombra de uma esperança se esvai...
.
Envolto em ramalhetes de saudade,
o perfume ilumina a memória,
colhendo lembranças do passado.
O meu olhar perdido em silêncio,
sobre caminhos e descaminhos da saudade
está simplesmente suspenso
entre as névoas da tua ausência
e o desejo da tua presença.
.
Vejo-te em meu olhar
e fico a caminhar por alamedas imaginárias
de árvores frondosas e carcomidas
em busca da presença acolhedora
que anunciaria o teu regresso.
Em matizes de azul
a esperança se perde no horizonte
e meu olhar contempla o céu,
onde moravam todos os nossos sonhos...
.
Perco-me em um labirinto de sonhos
no perfume de teu carinho. 
Acaricio teu nome
e carrego em minhas mãos
os crisântemos da saudade
que brotam neste jardim da emoção...
.
O silêncio é doloroso
pois nele procuro teus passos
e só encontro galerias vazias...
Perde-se o meu olhar no horizonte da memória
e abrigo-me no peito da tristeza.
Escuto a melodia de tua voz
acariciando meu pensamento,
acelerando meu coração...
.
Sinto a saudade que nunca se desvanece
no agito das asas da tristeza...
Sinto os olhares perdidos
percorrendo o caminho da espera .
Sinto a bonança após as tempestades,
do vento que levanta as imagens do passado...
Sinto a falta que me fazes,
e da tristeza que esta falta traz.
.
Sinto os sonhos tanto sonhados, um dia, uma agonia,
e de todas as manhãs entristecidas
quando teus olhos não se abrem e fitam os meus...
Sinto as lágrimas indecisas
entre a tua vida e a tua partida...
Da paixão infinda, do amor incondicional
que mostra a realidade de tua ausência...
.
Sinto todas as noites que não terão um amanhecer,
dos dias que caminham lentamente
a trazer-me a dor e a saudade...
Procuro no escuro o suave de tua voz 
que fazia com que minha solidão não existisse
que calava a minha dor.
Das noites que te aconchegavas em meu colo 
fechavas os olhos e adormecias,
e teus sonhos eram nossos.
.
Escreveste uma história
em meu coração já cansado,
Poemas eram teus olhos
teu jeito gracioso de ser.
Eras uma dádiva de Deus.
  .
Que falta a tua presença faz, querido filho.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to