Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 7 de novembro de 2015

Chuva de Versos n. 435


*
Uma Trova de Curitiba/PR
Luiz Hélio Friedrich
*
A nossa vida é uma estrada;
a mil destinos conduz;
mas há muita encruzilhada,
a se escolher: – treva ou luz.
________________________
Uma Trova de Pouso Alegre/MG
Eduardo A. O. Toledo
 *
O vento, qual um açoite,
no mar imenso, profundo,
murmura dentro da noite
os segredos deste mundo!
________________________
Um Poema de Amora/Portugal
São Tomé
 *
A NOSSA TERRA
 *
Terra minha, que ao mundo deste
A ventura de olhar tanta beleza
Do xisto que fez teu solo agreste
E do granito que expele riqueza
 *
O Douro, abraçando castos vinhedos
Que crescem nas margens, em socalcos
Leva os sonhos, mas deixa segredos
De vidas que edificam seus palcos
 *
Fragas onde à noite se deita a Lua
Ecoam a turbulência do rio Tua.
Exalando o perfume dos laranjais
 *
Os montes protetores altaneiros
Das casas de granito nos outeiros
Mais parecem uns arranjos florais.
________________________
Uma Trova Humorística de Maringá/PR
A. A. de Assis
 *
Fim do filme… Na saída,
pergunta à pulga o pulgão:
– Voltamos a pé, querida,
ou vamos tomar um cão?
________________________
Uma Trova de Monte Carmelo/MG
Elias Barbosa
 *
Diz o povo por chalaça:
– Quem bebe é quem se alivia.
Mas vidro que dá cachaça
nunca deu anestesia…
________________________
Um Poema de Faro/Portugal
João Brito Sousa
 *
A NOSSA TERRA
 *
É lá que nasci, é lá que estou; é lá ...
Onde recordo o luar mais bonito
É as manhãs de nevoeiro que só há
Na minha terra como se tem dito
 *
Da nossa terra nunca esquecemos.
Pode não se gostar de um vizinho
Mas do lugar onde um dia nascemos
Gostamos mesmo do pior caminho
 *
A nossa terra está sempre ligada a nós
Sentimento também dos nossos avós
Tanto faz seja na planície ou na serra
 *
Eu gosto muito de ti querida aldeia
Sobretudo das noites de luas cheia
O mais belo do mundo é a nossa terra.
________________________
Uma Quadra Popular
Autor Anônimo
 *
Em cima daquela serra,
tem um banco que é de areia,
onde assenta mulher velha
pra falar da vida alheia
 ***
Fonte: Azevedo,Teófilo de. Literatura popular do norte de Minas: a arte de fazer versos.São Paulo, Global Editora, 1978. Cultura Popular, 3.
________________________
Uma Trova Hispânica da Venezuela
Carlos Rodriguez Sanchez
*
Si la sonrisa te alumbra
el camino de la vida,
nunca sentirás penumbra
en la senda recorrida.
________________________
Um Poema de Odivelas/Portugal
Joaquim Sustelo
 *
CIDADE DE SILVES... A MINHA TERRA
 *
 Foste em tempos cantada por poetas
E príncipes tiveste no teu seio
Fizeste inveja a muitos lisboetas
Tinhas mais que Lisboa em teu recheio!
 *
Pelos comerciantes procurada
E cobiçada pelos inimigos
Tu foste... és do Algarve a mais amada!
De ti há nos "anais" longos artigos...
 *
Já se perdem na bruma os teus inícios
Pois és, linda cidade, muito antiga
Talvez sejas do tempo dos fenícios
Como na tua história há quem o diga
 *
Que viram dessas várzeas a riqueza
Onde a agricultura se fazia
(O Arade o confirma com certeza
Pois dele para a rega a água saía)
 *
Palácios noutros tempos tinhas tantos
Hoje um, mais as ruínas que  apresentas
A Sé e o Município são encantos
Nesse ar de terra nobre que inda ostentas
 *
E essa lenda da moira, a encantada?
- Habituada à neve e ali sem ela
A princesa vivia angustiada...
Até que um dia exulta! Da janela,
 *
Vê o esplendor da flor de amendoeira
Que o rei mandou plantar, num gesto breve...
Ela a brancura olha,  prazenteira,
Julgando a toda a volta  ver a neve
 *
O teu castelo é no Algarve agora
De todos o maior, mais imponente!
Nele as cisternas dos Cães e da Moura
Ligavam ao Arade, conivente...
 *
Rio onde a cidade se projeta
Um espelho onde o "presépio" se penteia
E o canto permanece... O do poeta!
O Rio, bailando os versos, serpenteia...
 *
A voz de chamamento que se tem
Ao ver-te, Silves, nessa graça linda,
É como que a pedir "venha por bem!
Saudade vai levar, mas volta ainda!"
________________________
Trovadores que deixaram Saudades
Heitor Stockler de França
Palmeira/PR (1888 – 1975) Curitiba/PR
 *
O amor autêntico, em flama,
que o seu eflúvio irradia,
para a fome de quem ama,
vale o pão de cada dia.
________________________
 Um Poema de Sagres/Portugal
Suzette Duarte
*
A NOSSA TERRA
 *
Terra bendita,
Cheia de graça e beleza,
Sagres está inscrita
Maravilha Portuguesa.
 *
Águas cristalinas,
De um azul esverdeado,
São de Sagres lamparinas,
Com o pôr-do-sol dourado.
 *
Esta terra Portuguesa cheira a mar,
No som...do vento norte,
E na voz das gaivotas a cantar,
Tem o sol o seu suporte.
 *
É na Costa Vicentina a sua flora,
Que ornamenta, o seco solo,
E na voz do Sagrense que a adora,
Dia a dia é um consolo.
 *
Ó minha terra,
Maravilha Portuguesa,
Onde é sempre Primavera
Onde o vento é uma certeza.
 *
Aqui no Sul,
Sagres não tem par,
Onde o céu é mais azul
E vem beijar o seu mar.
________________________
Uma Trova de Niterói/RJ
Horácio Bahiense
 *
Se toda gente soubesse
dos outros o mal e o bem,
talvez ninguém maldissesse
a pouca sorte que tem!
________________________
Um Poema de Queluz/Portugal
Maria Ivone Vairinho
 *
VARANDA DOS CARQUEIJAIS
(Serra da Estrela)
 *
Vem comigo à minha Terra
Não te demores, anda
Sobe o caminho da Serra
Pára na sua Varanda.
 *
Na imensidão que acalma
Sente a presença de Deus
Sacia de infinito tua alma
De luz enche os olhos teus.
*
Na concha da tua mão
Recebe a água purificada
Que cantando nas quebradas
Traz da Serra o coração.
 *
Vê a grandeza dos montes
Recortados no horizonte
Os ribeiros e o rio
O multicor casario
Vê pastos a verdejar
Cerejeiras a nevar.
 *
Sente o perfume da aragem
Doce e selvagem
Dos pinheirais,
Rosmaninho, tojais
Carquejais.
 *
Vê um nascer do sol
Todo a ouro pontilhado
Vê um poente de fogo
Em puro cobre lavrado
Vê surgir o luar branco
Em prata cinzelado.
 *
Depois, diz comigo uma oração
Porque Deus por aqui passou
Nesta Varanda descansou
No milagre da Criação.
________________________
Uma Trova do Rio de Janeiro/RJ
Hugo de Alvarenga Peixoto
*
Teu amor foi falsidade,
li na carta que me envias;
mas, meu bem, quanta saudade
do tempo em que tu mentias!…
________________________
Um Poema de Vila de Góis/Portugal
Clarisse Barata Sanches
 *
A NOSSA TERRA
 *
Quem há que não goste da terra Natal,
Do lar amoroso, e onde nasceu?
Tão lindas aldeias que lembram o Céu,
São berços de bravos deste Portugal!
 *
Chamava-se Várzea, meu ninho ideal
A terra que brilha e não esmoreceu;
No Largo da Igreja inda não se perdeu
Ameno convívio, grato e natural.
 *
A terra saudosa dos tempos de outrora,
De avós e de Amigos que foram embora,
Anseia por ver-nos e dar-nos guarida.
 *
É sempre a mais linda e, agarra-se bem
Às nossas entranhas como a terna mãe,
Até que fechamos os olhos da Vida!
________________________
Recordando Velhas Canções
Nada será como antes
(1972)
 *
Ronaldo Bastos e Milton Nascimento
 *
Eu já estou com o pé na estrada
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes, amanhã
Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Alvoroço em meu coração
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite um gosto de sol
Num domingo qualquer, qualquer hora
Ventania em qualquer direção
 *
Sei que nada será como antes amanhã
Que notícias me dão dos amigos?
Que notícias me dão de você?
Sei que nada será como está
Amanhã ou depois de amanhã
Resistindo na boca da noite um gosto de sol
Num domingo qualquer, qualquer hora
________________________
Uma Trova de Divinópolis/MG
Jadir Vilela de Souza
 *
Se tu tens boa memória,
hás de lembrar, de verdade,
um pouco de nossa história,
guardada pela saudade!
________________________
Um Poema de Sintra/Portugal
Susana Custódio
 *
VOU TE AMAR SEMPRE
 *
Gosto de te ver logo pela manhã
Irrequieta como uma menina
Não se nota em ti o colossal afã
De todos os dias, igual rotina
 *
Com alegria pelas tuas ruas passo
Onde recordo os antigos pregões
Que teimam em marcar o compasso
D’outros tempos, distantes gerações
 *
Vou-te amar para sempre: eu juro!
Lisboa, minha cidade amada
Serás sempre o meu porto seguro
 *
As Tágides cantam esta balada
O meu amor por ti é tão puro
Renasço em ti a cada alvorada
________________________
Uma Trova de Cruzeiro/SP
Jaime Ribeiro da Silva
 *
Não quero a maior riqueza
em troca desta saudade.
Só ela me dá certeza
de um amor da mocidade.
________________________
Um Poema de Porto/Portugal
Natália Vale
 *
"ANGOLA, UMA SAUDADE"
 *
Na Caála eu nasci,
Nova Lisboa conheci,
Em Camacupa eu cresci,
E Silva Porto percorri.
 *
Ao Lobito vim parar
Para nele estudar,
E também namorar,
Para mais tarde casar.
 *
Catumbela era mesmo ali ao lado,
Logo a seguir vinha Benguela,
Na Baía Farta, andei a nado,
E a Baía Azul, de Angola a mais bela.
 *
Luanda, sua capital,
Cidade imponente, magistral,
Com seu forte intemporal,
E uma praia divinal.
 *
Novo Redondo, Gabela,
Quanza e Porto Amboim,
Qual delas a mais bela,
Em Angola tudo era assim.
 *
Moçâmedes ou Sá da Bandeira,
A Sul as vamos encontrar
Delineadas de uma maneira,
Que não se lhe descobre um par.
 *
Para poder reviver,
Os lugares que conheci,
Muito tinha que escrever,
Mas vou ficar por aqui.
________________________
Hinos de Cidades Brasileiras
Araraquara/SP
 *
Araraquara, tu nasceste
de uma lenda e uma poesia,
crença tupi que além das serras
surgindo o sol ali morava o dia.
 *
Tendo por bandeira a lenda,
aqui chegou Pedro José Neto,
sonhando ergueu a sua tenda
sob teu céu, o seu primeiro teto.
 *
Araraquara ensolarada,
o sol é o teu coração,
as tuas tardes são douradas,
és meu querido torrão.
 *
Araraquara terra amada,
Aracoara da língua tupi,
tu és morada, és manhã nascendo,
nome acalento que foi dado a ti.
 *
Amo meu berço Natal,
onde pisaram bravos bandeirantes.
Eu canto as maravilhas tuas,
legado eterno desses teus gigantes.
 *
Araraquara ensolarada,
o sol é o teu coração,
as tuas tardes são douradas,
és meu querido torrão.
 *
Araraquara adorada,
tu és morada e filha do sol,
esplendorosa é tua alvorada
e repousante o teu arrebol.
 *
Creio no teu bravo povo
no amanhã e na tua glória,
teus jovens seguirão confiantes
novos gigantes desta tua história.
 *
Araraquara ensolarada,
o sol é o teu coração,
as tuas tardes são douradas,
és meu querido torrão.
_______________________

Uma Trova de Itabira/SP
Paulo Menotti Del Picchia
*
Saudade – perfume triste
de uma flor que não se vê.
Culto que ainda persiste
num crente que já não crê…
______________
Um Poema de  Lisboa/Portugal
Joaquim Evónio
 *
MAR
 *
nasci numa ilha
a minha terra é o mar
a brisa e o vento
tornando pandas as velas
do nosso contentamento
 *
voltei ao meu cais
mas apenas de passagem
não demoro mais
tenho de seguir viagem
pois assim vive um arrais
 *
foi bom navegar
trespassando horizontes
lançando as pontes
dessa linha virtual
para as terras do além
___________________

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to