Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Concurso “Poesia no Ônibus” de Balneário Camboriú - 2016 (Poesias)


Poesias vencedoras por ordem alfabética

André Foltran
São José do Rio Preto/SP

POEMINHO

Reparei
que todo sabiá
que é de gaiola

pela manhã
antes de tudo

canta a Canção
do exílio.
________________

André Luís Soares
Vila Velha/ES

BEM-TE-VI

Bem te vejo,
bem te digo,
bem te quero,
benfazejo
sempre aqui.
Bendito fruto,
Deus te guarde
nas florestas,
onde, entre réstias,
bem te vi.
_____________________

Alfredo Guimarães Garcia
Ananindeua/PA

Sussurros da terra
Entre os caminhos da chuva:
De repente, a flor.
__________________________

Alvaro Posselt
Curitiba/PR

Nem cofres nem gavetas
Tudo que me vale cabe no olhar
Voam borboletas
__________________

Ana Luiza von Döllinger de Araújo
Belo Horizonte/MG

POEMA LÓGICO

Enxaguar no balde ou bacia
manter a torneira fechada
reflorestar as margens dos rios.
São bons conselhos, porém
o que têm a ver com poesia?

Acontece que a natureza
pode trazer dor ou beleza.
E a escolha entre errado ou certo
é que define se haverá versos
ou o silêncio infinito do deserto.
_____________________________

Anderson Gibathe
Saudade do Iguaçu/PR

SOBRE GAIVOTAS E HUMANOS

Requebra em voo a gaivota
Pelos ares praianos
Quiçá estará morta
Ou viva por mais um ano.

Humanos sujam mares
Com lixo na calçada
Humanos poluem ares
Vidas são ameaçadas

Se continuar o ritmo insano
Nem gaivotas, nem humanos.
_______________________

Carlos Pessoa Rosa
​Atibaia/SP

NATUREZA MORTA

morta natureza
que o homem resenha com seus pincéis afiados
em lâminas e dentes

morta natureza
que serve ao poema pela falta e pela ausência
e inspira o poema pela estranheza

morta natureza
que poetiza a agonia e a perda
daqueles que destroem o próprio oxigênio
_________________________

Bruna Rodrigues Tschaffon
Niterói/RJ

POESIA RECICLÁVEL

No meio do caminho tinha uma lixeira, avisaria Carlos, mas ninguém reparou
e Gonçalves sonhava com a terra de palmeiras que a construtora derrubou
Manuel quer ir embora para Pasárgada, nos rios daqui não pode se banhar
já Casimiro, da aurora da vida saudoso, inspira dióxido de carbono no ar
Olavo dizia ouvir estrelas, até que o arranha-céu lhe interpôs a visão
Não seja do contra, Mário, passará mesmo um dia toda esta [poluição?
O trânsito de carro após carro não mais cabe no poema do Zé Gullar
O meio-ambiente, Vinícius, só é infinito enquanto dure.  Faça-o durar.
___________________

Catarina Maul
Petrópolis/RJ

Fotografei
Na lentes do olhar
O que a tecnologia
Não foi capaz de dimensionar.
O balançar do coqueiro
O odor de maresia
Exalado em sintonia
Com a dança do mar
Sob o sol, que nenhum projetor
Foi capaz de copiar.
_____________________________

Cris Dakinis
Cabo Frio/RJ

NOTURNO

O céu desenhou
um palco na lagoa:
Grilos estrelam!
_________________________

Domingos Freire Cardoso
Ílhavo/Portugal

VOZ

Uma voz nos arrebata
Passa por vales e montes
Dorme no abrigo da mata
Chora no cantar das fontes;
É voz que sopra dos mares
Dominando as latitudes
Soltando no azul dos ares
Prece de urgente clareza:
Mudem vossas atitudes
E salvem a Natureza!
________________________

Eduardo F. F. de Abreu
Cachoeiras de Macacu/RJ

Lixo no chão
sente-se gente:
Por solidão
volta pra gente
na primeira enchente.
______________________

Fábio D. A. L. Silva
Florianópolis/SC

PITANGUEIRO

Da altíssima, verdejante árvore
Vem a sombra
Que me acolhe
Nutre-me desde pequeno
Rubro, forte, ileso
Eu, hoje
Vasto homem
Repleto de litoral
Incólume, inteiro
Pitangueiro.
__________________________

Flavio Machado
Cabo Frio/RJ

ATAQUE AÉREO

o dia claro inventa o poema
as andorinhas tomam de assalto a cidade
na desordem dos acontecimentos
como um movimento popular de ocupação

para reinaugurar a república
propor uma ordem econômica mais justa
na inversão dos valores
do tempo em que água vale
mais do que ouro.
________________________

Francisco Ferreira
Conceição do Mato Dentro/MG

SILÊNCIO

Calaram-se para sempre
na queda da última árvore
a motosserra, as aves
e o meu coração.
________________________

Frederico Flósculo Pinheiro Barreto
Brasília/DF

PASTEL DE TRAGÉDIA

Mar marrom
Céu cinza
Terra pastel
Recheada de azeitonas de caroços duros
Cercada de carne triturada moída e tostada
Num óleo antigo como aquele velho vendedor
Em seu caldeirão cheio daquele mar particular
Que chia e sobe em nuvens pesadas de vapor
Transformando o horizonte em aventura crocante
Fazendo minha fome passageira de tragédia ambiental
______________________

Geraldo Trombin
Americana/SP

PRIMAVERA

Aonde você flor,
eu... beija-flor!
___________________

Giana Guterres
São José dos Pinhais/PR

O QUE SOBRA?

A araucária embelezou o caminho
E o tapete de pétalas no chão
Floresceu dentro de mim

O mar gigante e azul
E a gaivota que cortou o céu
Mergulhou dentro de mim

E se cortarem a floresta?
E se sujarem o mar?

O que sobra?
O que resta dentro de mim?
__________________________

Hélio Pedro Souza
Natal/RN

Para um caminho seguro
temos que agir no presente,
zelando o meio ambiente,
com vistas para o futuro;
sem horizonte obscuro
que nos trate feito algoz,
bom mesmo é ser porta-voz,
dizendo daqui pra frente:
Natureza é permanente,
passageiros somos nós.
____________________

Julieta de Souza
Divinópolis/MG

RETROCESSO

Nasci verde!
Respirava feliz até o dia
em que lavaram minha cor
e me pintaram de cinza.
Hoje, o ar me sufoca,
a pressa me comprime
e a paisagem desbotada embaça meus olhos.
É o progresso engolindo
a seiva do meu coração!
________________________

Líam Naví
Biguaçu/SC

MENTE TECNOLÓGICA

Olhe à janela!...
O mundo cresce, globaliza, tecnologiza!
Você se conforta, eu me conforto, nos saciamos;
Um clique, um touch, uma passagem...
E tudo o mais nos parece sorrir!

Olhe à janela!...
Dentro em pouco a contradição.
Mude a lente que mente e verás,
Quem sabe, se assim o quiseres,
Nossos restos pelo chão!
_________________

Lunara
São Leopoldo/RS

CINZA
  
O amanhã
                   chegou
                                   cinzento...
                        ... despido de verde...
                                  e de folhas...
                                                           e  não coloriu
                                           minha alma...
_____________________________

Marlene Gil
Itararé/SP

PROPOSTA

De ponto em ponto,
De ponte a ponte,
De ponta a ponta.
Aperte o freio,
Veja a flor,
Olhe o bosque,
Sinta o calor
De ponta a ponta,
De ponte a ponte,
De ponto em ponto.
_____________________________

Ricardo Gualda
Niterói/RJ

DOIS TRECHOS DE UMA CANÇÃO QUE SE EXTINGUE

Minha terra tem _______
Onde canta o ________:
As _______ que, aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais _____,
Nossas _________ tem mais _______.
Nossos _________ tem mais vida,
Nossa vida mais amores.
________________________

Ricardo Mainieri
Porto Alegre/RS

BIODIVERSIDADE

dor me atinge
ao ver a mata devastada

enlaça
todos os seres vivos

uma epiderme
invisível & contínua
nos une

implacavelmente.
_______________________

Rodolfo Minari
Rio Branco/AC

PRISÃO

Passarim, na gaiola de ouro,
agradece a migalha de pão.

Menino pensa ele cantar,
escuta encantado,
na tarde de sol.

Isso não é canto, menino!,
é choro…
__________________

Rosmari Aparecida Capella Fernandes
Araraquara/SP

POLUIÇÃO NÃO

Rasga o véu negro de fumaça
Que rouba,
Que esconde o ar
E o tempo dos seres.
Corta o véu,
E leva ao léu
O que mata
O que rompe
E suga a vida
Que ainda resta.
____________________________

Silvio Valentin Liorbano
Osasco/SP

ROTA DE ESTRELAS

A árvore olha o passageiro
A vida é um vulto
Que passa ligeiro.

A abelha distraída
Beijou a flor
Numa lata de bebida.

Pelas janelas do coletivo
Cardumes de estrelas
Boiam no mar ao vivo.
_______________________________

Solange Firmino
Rio de Janeiro/RJ

REDOMA

O verde viçoso que brilha
no olho de cada bicho,
na folha de cada árvore,
no meio ambiente
que o homem insiste em empobrecer
é de esperança -
para que um dia se lembre
que a natureza, os animais
e a humanidade são um só,
conectados.
_______________________________

Ulisses Tavares
São Paulo/SP

QUEM AMA CUIDA

Gosto de passarinho.
Em homenagem ao seu voo,
Abro a gaiola e, dentro,
Coloco vento.
___  ___  ___  ____  ____  ____  ____

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to