Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Chuva de Versos n. 471


Uma Trova de Maringá/PR
Benedito Moreira de Carvalho

Nosso amor, tão bem vivido,
sempre vivo, muito ledo,
anda um tanto envelhecido,
mas não vai morrer tão cedo!

Um Poema do Rio de Janeiro/RJ
Luiz Poeta

ÂNSIA DE VOAR

No primeiro dia, o primeiro olhar
sobre o horizonte de um novo destino
que a esperança teima em modificar 
...como é bom sonhar com os olhos de um menino. 

No primeiro azul, a ânsia de voar,
de sobrevoar o tempo que passou;
nova sensação do amor querendo... amar
...como e bom sonhar o que não se sonhou.

No primeiro verso, um rio se formando
límpido, sereno, jovem...rabiscando
um rumo no tempo... em forma de poesia

e o primeiro riso livre a construir
novas emoções no ato de sorrir
e de diluir o amor...na fantasia.

Uma Trova Hispânica da Venezuela
Carlos E. Rodriguez Sanchez

La música es algo bello,
interesante y sensual; 
disfruta de su destello
el oído musical.

Um Poema de Botucatu/SP
Vanderli Granatto

SER POETA 

Ser poeta é saber viajar sem sair do lugar. 
É ser sonhador e deixar-se levar, 
ir aquém deste mundo real. 
É criar algo voluntariamente ou involuntariamente, 
em qualquer hora e lugar. 
É distanciar-se do real e na fantasia ser real. 
É alcançar o fruto e com prazer saboreá-lo. 
Ser poeta é caminhar tateando, 
buscando no obscuro, 
a claridade que tira as vendas do oculto. 
Ser poeta é seguir a linha do pensamento, 
sabendo que o pensamento é um bordado, 
difícil de se findar. 
Ser poeta é buscar no infinito as mais belas cores, 
Pra fincar em seu papel, as magníficas cores do céu. 
Ser poeta é ser tudo e nada, 
num divagar constante, 
numa busca incessante, 
de algo que preencha 
uma lacuna aberta em seu ser. 
Ser poeta é cantar seu hino, 
se perder nas asas da imaginação, 
ganhar um fino manjar, 
se encantar com o divino . 
É ter sutilezas e com nobreza caminhar, 
sempre em busca de algo melhor. 
Ser poeta é se encontrar com o infinito, 
achar tudo muito bonito, 
Se inteirar com o mundo, 
arrancando de si o que é profundo. 
Ser poeta é saber amar e se entregar 
sem esperar nada em troca. 
É querer extravasar a poderosa força, 
que vem de dentro e que ninguém, 
nunca conseguirá, com força arrancar. 
Ser poeta é saber com sublimidade de amor falar. 
É se fazer entender pela emoção 
que consegue passar.

Uma Trova de São Paulo/SP
Roberto Tchepelentyky

O homem procura a paz,
proibindo ter armamento.
Melhor é aquele que a faz
"desarmando" o pensamento!

Uma Glosa de Porto Alegre/RS
Gislaine Canales

Glosando Gonçalves Dias
Palmeiras e Sabiás

MOTE:
Minha terra tem palmeiras
onde canta o sabiá,
as aves que aqui gorjeiam
não gorjeiam como lá...

GLOSA:  

Minha terra tem palmeiras
que se elevam majestosas,
mais parecendo bandeiras
verde-esperança, formosas.

Nessa terra tão querida
onde canta o sabiá,
é sempre grande a acolhida,
tristeza nela não há.

Sem os cantos que alardeiam
nos foge a serenidade.
As aves que aqui gorjeiam
só trazem felicidade.

Em qualquer lugar fecundo
a voz das aves está,
mas não cantam tão profundo,
não gorjeiam como lá...

Um Poema de Bauru/SP
João Batista Xavier Oliveira

INTROSPECÇÃO

Parei a roda do cotidiano
num dia triste sem expectativas.
Lembranças doces foram as convivas
que me levaram entender o arcano

num labirinto de promessas vivas
entrelaçadas num grilhão insano.
E calmamente a mente em desengano
esperta as esperanças inativas.

Como abraçar o mundo à veleidade,
Onisciente, dono da verdade,
na esteira de um singelo escaravelho?

Não passo de um mortal, de um peregrino,
ainda no casulo de um menino...
Muito obrigado caro amigo espelho!

Trovadores que deixaram Saudades
Lilinha Fernandes

Quando tu passas na estrada,
dentro de casa, adivinho:
- é teu passo uma toada
musicando teu caminho.

Um Poetrix do Rio de Janeiro/RJ
Jacques Levin

super-ego

Há de chegar o dia
Em que tudo que eu cale
Seja porcaria.

Um Poema de Aracruz/ES
Fábio Aiolfi

VIDA E POESIA
Á Neuza Pinto Nissen

Tu que escreves a vida,
E vives a poesia.
As linhas do verso se fundem no tempo,
Penetrantes desejos da alma.

Doce tricotar dos horizontes,
Cruzam em deliciosas fontes de pureza.
Alegrias soltas nas rimas.

Tu que és fonte da coerência
E do dom da poesia.
Em teu seio literário, e sua mente poética...
Não se encontra vazia.

Uma Trova de Fortaleza/CE
Francisco José Pessoa

Para definir saudade
vasculhei tanto conceito,
e a danada, por maldade,
foi se esconder no meu peito.

Um Poetrix de Porto Alegre/RS
João Pedro Wapler

mulher nua

na ponta do barbante
a roupa se faz
e depois morre no corpo de alguém

Um Poema de Cassu/GO
José Faria Nunes

POESIA E LIBERDADE

A caneta do poeta
rebela-se
ante a injustiça
do poder.
E faz-se poder
na liberdade
do ato de pensar.
Quando o poder
em seu império de força
impõe-se
sobre a caneta do poeta
então este carece
de ser mais que poeta:
dele se exige
a engenharia dos deuses
na construção mágica
do amor.

Recordando Velhas Canções
Disritmia 
(1974) 

Martinho da Vila 

Eu quero me esconder debaixo
Dessa sua saia prá fugir do mundo
Pretendo também me embrenhar
No emaranhado desses seus cabelos
Preciso transfundir meu sangue
Pro meu coração que é tão vagabundo
Me deixa te trazer um dengo
Prá num cafuné fazer os meus apelos

Eu quero ser exorcizado
Pela água benta desse olhar infindo
Que bom é ser fotografado
Mas pelas retinas desses olhos lindos
Me deixe hipnotizado
Prá acabar de vez com essa disritmia
Vem logo, vem curar seu nêgo
Que chegou de porre lá da boêmia

Uma Trova de Taubaté/SP
Lamarque Monteiro

O meu jardim tinha sândalos, 
perfumavam, que beleza! 
porém, lá passaram vândalos, 
destruíram, que tristeza...!!!

Um Poema de Cantagalo/RJ
Afonso Estebanez Stael

EU SEI QUANDO TU VENS

Não preciso sondar os pensamentos
nem consultar meu vasto coração
para saber os dias e os momentos
em que me vens trazer consolação...

A mim me basta olhar pela janela
e abraçar a manhã no meu jardim
pois sei que a claridade que vem dela
é a luz do teu amor dentro de mim...

Deixo a brisa tocar a minha face
ouço as aves que vêm me visitar
e sei de cada rosa que renasce
o teu instante eterno de chegar...

Converso com o vento no telhado
onde o tempo costuma te esperar
de um futuro presente antecipado
por anjos que me vêm te anunciar...

No canteiro de beijos e jacintos
o odor suave de uma flor qualquer
inflama de desejos meus instintos
famintos de teu corpo de mulher...

Então eu sempre sei quando tu vens
sem que precises avisar-me quando...
O amor proclama quando tu me tens
e me prepara quando estás chegando.

Um Poetrix de Cambuquira/MG
Judith de Souza

Van Gogh

pinceladas de cores ao infinito
só um louco seria capaz
de tanta lucidez

Uma Trova de Taubaté/SP
Cláudio de Morais

Vivo tão grande magia 
ao conversar sobre amor. 
E qual mágica usaria 
para amar sem sentir dor?

Um Poema de Belo Horizonte/MG
Arthur Jaak Wilfrid Bosmans

DELICATA 

De nada me serviria te olhar
Se em mim não existissem reflexos
De tudo que em mim te habitas

Na grande aventura do querer
Me basta poder te entender

Não me fales de amores impossíveis
Que deles sei bem conhecer
Em perdas que me valeram 
O ganho maior da vida

De tão longe fizeste perto
O que ainda posso sentir
Como fogo de ardente desejo
Saber que posso deitar
Receber teus lábios nos meus
E de olhos ainda fechados 
Saber que você chegou!

Uma Trova do Rio de Janeiro/RJ
Gilson Faustino Maia

Não sonhei quando dormia, 
sempre sonhei acordado. 
Quando o seu barco partia, 
sonhava estar ao seu lado.

Hinos de Cidades Brasileiras
Espigão Alto do Iguaçu/PR

I
Espigão minha terra adorada
Tu nasceste entre verdes pinheirais
Tua gente orgulhosa e cativa
Tu fulguras entre as matas naturais.
Grandiosa pela própria natureza
Com teu povo conseguiste conquistar
No presente o trabalho e a certeza
No futuro a riqueza sem par.


REFRÃO
Espigão Alto do Iguaçu
És querido e abençoado por Deus
Lindo berço que tanto amamos
És orgulho de todos os filhos teus.
Espigão nesta tua Bandeira
A esperança para sempre nós dará
Desfraldando majestosa
Neste céu do nosso Paraná.

II
Espigão com tua independência
E o teu povo lado a lado a caminhar
Pioneiros desbravando o teu solo
Com tua gente conseguiste conquistar.
Estes rios que correm em teu seio
O teu rico solo sempre a irrigar
Teu porvir se espelha em tua grandeza
Terra querida hei de sempre te amar.

Um Poetrix de Ipiaú/BA
Jussara Midlej

pathos

essa vida quer
religamento:
enquanto hesito, fragmento.

Um Poema de Londrina/PR
Benvinda Leite Palma

NOSSO AMOR...

Foi como sonhamos...
Acordados
Nas longas noites de solidão
As estrelas, 
Amigas verdadeiras
Iluminaram nossa imaginação...
A lua, cheia,
De graça 
Fiel companheira
Cobriu-nos com o manto de 
Seu encanto...
Enxugou-nos
O pranto da emoção
Trouxe para nosso leito
O calor do beijo voraz
A fúria incontrolável
Do desejo tenaz
O deleite
O prazer
A paz!
Ficamos paralisados
Entorpecidos
Embriagados
Um amor puro
Sublime...
Lindo!
Um amor sísmico
Casto
Inexorável
Infindo!
Livre do pecado
Livre do castigo
Pela fonte dos deuses
Purificado
Por Afrodite
invejado 
Por Eros
Desejado
Abençoado por Deus!

Uma Trova Humorística de São Paulo/SP
Humberto Poeta

Há duas coisas bem opostas
que nos matam de repente:
- um vento por trás das costas
e uma sogra pela frente!


Um comentário:

Neyde Arte Artesanato disse...

Parabéns ao incansável literato José Feldman pela escolha do verso da capa, abraço

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to