Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 16 de julho de 2017

Chuva de Versos 474

Uma Trova de Campo Mourão/PR
Sinclair Pozza Casemiro

Tu surgiste em minha vida
qual a rosa esfacelada,
pra eu juntar em terna lida
tuas dores, doce amada!
_____________________
Um Poema de Magé/RJ
Demétrio Pereira Sena

AO PROFESSOR ANALFABETO

Leia os olhos expostos da criança;
cada vírgula, ponto e reticência;
veja quanta inocência se perdeu
no desleixo de afetos de vanguarda...

Interprete a leitura dos olhares
e silêncios que dançam solitários,
quando explode o paiol da rebeldia
nos aquários formais do "beabá"...

Seja um mestre que sabe ler mais fundo,
muito além da presença "indesejada"
do menino que a fada não domou...

Ache a fonte que jorra no deserto
sob tantos valores reprimidos
pelo duro alfabeto do descaso...
_____________________
Uma Trova Hispânica de Cuba/USA
Gisela Cueto Lacomba

La brisa teje una danza
de colores y armonía.
Con arpegios de bonanza
se crea la poesía.
_____________________
Um Poema de Muriqui/RJ
Denize Vieira Mota

OS POEMAS QUE TE DOU

Os poemas que te dou
escrevi nos meus momentos mais puros
feito pergaminhos guardo-os em gavetas perfumadas

Os poemas que te dou
escrevi desnudando minha alma
abrindo as portas de meu coração

os poemas que te dou
escrevi em momento de puro êxtase
por isso cada recordação é preciosa

Esses poemas
escrevi enquanto dormias ao meu lado
e podia sentir a tua respiração

Ah!! Os poemas que te dou
são teus, somente teus
e não importa que já não estejas mais ao meu lado
Não meu amor, a felicidade que vivi é para sempre minha

amor verdadeiro não morre
vive nas recordações
e acalenta as noites de solidão

E quando outros amores aportam em nosso cais
Novos poemas nascem...mas iguais.
Nunca mais...
_____________________
Uma Trova de Balneário Camboriú/SC
Ari Santos de Campos

Hoje o sol nasceu tão lindo,
tão lindo, até me confundo:
- será que Deus está rindo
ou rindo está nosso mundo!
_____________________
Um Poema do Rio de Janeiro/RJ
Eliane Gonçalves

A ORQUESTRA DA VIDA

No ritmo alternado da vida
Dei passos certos e errados
Mas isso não me importa
Se em cada movimento
A partitura dessa vida sofrida
Era sentir a melodia do amor

No descompasso do maestro
Criei uma canção inédita
Refiz a melodia, ora desafinada
Mantive a pura sintonia da alma 
Mostrei que era impossível resistir
A voz de um coração sonhador

Hoje,
Se a vida permitir editar
Os meus versos, ora reversos
Serei som e melodia, enfim
Na sinfonia de meus desejos
Regida por atos de amor

Na minha dança ou andança
Quero ir ao céu do prazer
Ser a musa dos passos angelicais
a musicalidade de nossos corpos
Ser prelúdio e ter poslúdio
A escolhida de sua eterna dança

Na orquestra da vida
_____________________
Trovadores que deixaram Saudades
Sônia Maria Ditzel Martelo 
Ponta Grossa/PR

Nesta quadra da existência,
criança brinca segura
onde a vida é só inocência
revestida de luz pura.
_____________________
Um Poetrix de São Paulo/SP
Lúcia C.

poetiso, infinita busca

veredas obliquas
solilóquios ásperos
encontro meu sertão
_____________________
Um Poema de Mangaratiba/RJ
Elischa Dewes

O VERBO AMAR

O céu pintou o jardim de azul marinho
E a Dália brilha em pingos de Luar...
E a florescente luz que rasga o mar
Me mostra eu te levando meu carinho...

Sou rosa machucada pelo espinho
Sem ter como o perfume te entregar...
E tu, que'stás esperando pra buscar
Em minha essência... teu dourado vinho?

Segue a vida, e entre a cortina rendada,
Parece-me que a Lua está vendada
Pois não espelha ao meu-teu terno olhar...

Mas tudo em mim... alma, pele e poesia
Mostram saber que serei tua um dia
Aí entenderás o verbo amar!
_____________________
Uma Trova Humorística do Rio de Janeiro/RJ
César Torraca

Se o marido chega tarde,
em silêncio, sem tropel,
é a mulher quem faz o alarde,
com seu rolo de pastel!
_____________________
Um Poetrix de São Paulo/SP
Marcos Salun

nave de mim

Para onde vais?
Com que porto sonhas?
Qual será teu cais?
_____________________
Um Poema de Niterói/RJ
Elizabeth Assad 

A ARTE DE UM CORAÇÃO

Divago em traços coloridos sobre
a tela, que pouco a pouco
tomam forma e compõe a minha solidão.

As tintas se misturam
e novas cores surgem, vejo meu
vazio exposto, transpondo
o universo, ganhando mundo e
estampado na frigidez do tecido,
minha saudade grita seu nome.

Eis que surge a arte, que perdida
no mais profundo sentimento
do artista, se define.

A explícita forma de pinceladas
vermelhas, traz a lembrança 
de seus lábios, 
sinto seu beijo como poesia.

Percebo em cada cor,
um momento compartilhado, 
meu coração através de minhas mãos,
expressa o quanto te amo.
_____________________
Recordando Velhas Canções
Conto de areia 
(1974) 

Romildo S. Bastos e Toninho

É água no mar, é maré cheia ô, mareia ô mareia,
é água no mar
É água no mar é maré cheia ô mareia ô mareia

Contam que toda tristeza que tem na Bahia
Nasceu de uns olhos morenos molhados de mar
Não sei se é conto de areia ou se é fantasia
Que a luz da candeia alumia pra gente contar
Um dia a morena enfeitada de rosas e rendas
Abriu seu sorriso de moça e pediu pra dançar
A noite emprestou as estrelas bordadas de prata
E as águas de Amaralina eram gotas de luar

Era um peito só cheio de promessa era só
Era um peito só cheio de promessa era só

Quem foi que mandou o seu amor se fazer de canoeiro
O vento que rola nas palmas arrasta o veleiro
E leva pro meio das águas de Iemanjá
E o mestre valente vagueia
olhando pra areia sem poder chegar
Adeus amor, adeus meu amor não me espere
porque eu já vou me embora
Pro reino que esconde os tesouros de minha senhora
Desfia colares de conchas pra vida passar
E deixa de olhar pro veleiro

Adeus meu amor eu não vou mais voltar
Foi beira-mar, foi beira-mar quem chamou
Foi beira-mar ê, foi beira-mar
_____________________
Uma Trova de Sorocaba/SP
Dorothy Jansson Moretti

No sobe e desce da escada,
tenho a estranha sensação
que a vida é uma escorregada
no tobogã da ilusão.
_____________________
Um Poema de Santa Maria Madalena/RJ
Euridice Hespanhol

LIBERDADE

Liberdade é o mar que beija a areia,
O céu livre em espaço triunfal
A noite plena de estrelas, a lua derradeira,
O dia imenso de luz, o toque divinal

Liberdade é um sonho SEM FRONTEIRAS,
Um coração que pulsa, vibrando de emoção
Um amor intenso, rompendo barreiras,
vencendo os limites do próprio coração.

Liberdade é o amor que renuncia,
Em benefício de um outro amor igual
Um gesto simples que abafa o egoísmo,
Apaga o ódio, perdoa todo o mal.

Liberdade é enxergar além dos olhos,
Olhar o mundo com total compreensão
É ver a vida além da própria vida
E libertar-se de si mesmo,
Grilhão por grilhão!
_____________________
Um Poetrix de São Leopoldo/RS
Mardilê Fabre

velhice

Uma a uma pingam as horas...
Só, vence a barreira dos dias.
Persevera no tempo.
_____________________
Uma Trova de São Paulo/SP
Jaime Pina da Silveira

Quisera - ao descer a escada
que conduz ao fim da vida -
ao vislumbrar a alvorada,
sentir-me um sol na subida.
_____________________
Um Poema de São Pedro da Serra/RJ
Jane Dias

POESIA, SIMPLESMENTE

E a poesia vem assim tão simplesmente
Aos versos, pensamentos dessa gente
E com brilho, plena de fulgor
Fala de raça, alegria, dor de amor.

E encanta a quem atenta e ouve
Nutre, alimenta, embala, envolve.
E o poema vai voando por aí
Como garça, andorinha, colibri

Com graça de bailarina, rodopia, dança
Trazendo luz, trazendo paz e esperança.
E a poesia segue assim o seu destino:
Transforma o que era velho em menino
Vibrando a alma de qualquer idade
Com ideal de amor, de paz, de liberdade.

E o coração que vibra, canta, sente
Espalha por aí flor e semente
A se eternizar nos braços da emoção
A viver de poesia, simplesmente...
_____________________
Uma Trova de Santos/SP
Nair Lopes Rodrigues

Na ponte, sigo o caminho
que me leva até as montanhas,
onde o sol faz o seu ninho
em cores lindas..tamanhas!

_____________________
Hinos de Cidades Brasileiras
Cruzeiro do Oeste/PR

Demandando o agreste sertão.
Das bandeiras jesuítas imortais.
A marcharem buscando ideais.
Pois, fundaram plena de sucesso.
Cruzeiro do Oeste, sentinela do progresso!

Dos albores da história
És testemunha, ó cidade!
Eis que surge a vitória
Cheia de felicidade!

Berço de amor e amizade.
Terra mais linda não há.
Viverás a eternidade
Recanto feliz do Paraná!

Estes campos verdejantes.
Sua beleza singular
Que teus triunfantes 
Não se cansem de exaltar!

Estas tantas riquezas mil.
É preciso que se some
O valor do povo varonil
A fé que ensina o seu nome!

Berço de amor e amizade.
Terra mais linda não há.
Viverás a eternidade
Recanto feliz do Paraná!
_____________________
Um Poetrix de Curitiba/PR
Marilda Confortin

borboletário

bateram asas, as palavras
crisálida vazia
hora de chocar larvas
_____________________
Um Poema de Macaé/RJ
Lira Vargas

MADRUGADA

Vem! A madrugada trouxe saudade de seus beijos
As folhas de outono fizeram tapete no chão
Vem! A brisa soa como o choro dos amantes que se foram
A madrugada trouxe recordações,
Vem, meu corpo conhece seu cheiro.
A brisa desfolhou a árvore que abrigou
Nossas juras de amor!
Vem! A folha no chão, são tapetes do outono.
Promessa de nova vida
A brisa chora como o choro dos amantes
A noite trouxe saudade!
Vem! Prometo trocar juras de amor.
Como o outono promete novas vidas
Chora brisa
A madrugada ! Sinal de saudade
O outono chegou nessa madrugada
De saudade
De saudade.
_____________________
Uma Trova de Pelotas/RS
Olga Maria Dias Ferreira

Nada importa, na descida,
se não ocorrer desvio;
os deslizes da subida
é que mostram desafio...

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to