Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 1 de março de 2017

Antonio Brás Constante (O Céu e o Inferno por Telefone – Parte Dois)

Alguns assuntos não se esgotam em um único texto, principalmente se o tema for telemarketing, pois suas ligações também não se encerram após o nosso primeiro “não”, com seus atendentes invadindo nossa privacidade através de nossos ouvidos.

Para alguns, essas ligações podem vir a caracterizar certo “status social”. Por exemplo: Fulano com jeito esnobe em meio a sua seleta roda de amigos, vestindo um smoking impecável e degustando um pequeno pedaço de bombom “Ferrero Roche”, olha para todos em sua volta e lhes diz com um leve sorriso irônico que recebe cerca de cinco ligações por dia das tais operadoras. Deixando seus conhecidos cheios de inveja, por receberem no máximo duas.

Outra teoria que ganha força, graças à insistência desse pessoal que nos atormenta com seus telefonemas, é que talvez as ligações do telemarketing não tenham tão somente o intuito de querer vender algo, mas que se trataria na verdade de uma rede de apostas internacional. Onde quanto mais difícil fosse o “cliente”, menores seriam as chances entre os apostadores.

Os supostos “atendentes” seriam homens e mulheres treinados na arte da persuasão. Artistas do telefone. Tratados como verdadeiros “astros” pelos apostadores. Recebendo cachês milionários por suas atuações. Alguns seriam políticos desempregados, que descobririam no telemarketing um novo jeito de enganar as pessoas, disfarçados como persistentes e irritantes vendedores.

As apostas girariam tanto na parte da compra, quanto na parte das reclamações, reafirmando a idéia de “céu” (compras), ou “inferno” (reclamações) por telefone. No segundo caso se analisaria a paciência do cliente, ou mesmo sua memória. Isso explicaria os números cheios de letras que recebemos por parte do suporte técnico, cada vez que tentamos abrir uma reclamação, onde nos fornecem um código gigantesco e complexo denominado “protocolo”, nos fazendo crer que pelo tamanho daquele código, deve existir uma infinidade de pessoas reclamando.

Ao se tentar verificar o andamento da reclamação, o atendente que finalmente lhe atendesse diria que você anotou o número errado, e que deverá refazer o chamado. Para cada nova reclamação lhe perguntam de tudo, até a cor dos pêlos de seu cachorro (mesmo que você não tenha cachorros).

Voltando a teoria das apostas, nelas nada seria desperdiçado. Jogariam entre outras coisas: quanto à pessoa gastou, se ela é convencida de forma rápida, quantos produtos comprou, se suportou com calma toda sabatina de espera na hora de reclamar, Etc.

Enfim, às vendas por telefone vem cada vez mais se alastrando em nosso meio, parecendo uma epidemia que procura se incubar em nossa conta corrente (via debito em conta), atacando através de nosso cartão de crédito. Invadindo nossos lares e atormentando nossa paz. Tudo isto ao custo de uma ligação.

Fonte: O Autor

Trovadores de Curitiba e suas Trovas

No clarão da velha chama,
de ritmos e de valores,
curitibano conclama:
rimai por nós, trovadores!
Andrea Motta
-
Vou cantar uma canção
que externe a minha alegria,
por tê-la em meu coração
todas as horas do dia.
Ângelo Batista
-
Curitiba é chão de amores,
toda feita de candura.
O seu perfume é de flores...
Deus namora lá da altura.
 Apollo Taborda França
-
Chega de pranto, sorria
das coisas que vê na vida.
Faça uma trova por dia,
que é saúde garantida.
Ceciliano Ennes
-
Foi minha melhor colheita,
a colheita abençoada,
foi a colheita perfeita,
colheita da minha amada.
César Augusto Ribas Sovinski
-
Para um futuro de paz
flores nós vamos plantando,
neste momento fugaz
por onde vamos passando.
Cyroba Ritzman
-
Toda beleza do mundo
cabe na rosa ,no entanto,
pode o vento em um segundo,
desfazer tão belo encanto!
Eliane Queiróz Gabardo
-
Preparei-me longamente
quanto pude me enfeitar,
e saí toda contente...
Mas ninguém me viu passar.
Janske N. Schlenker
-
Das sementes que plantou,
você terá o resultado,
quando  a terra que lavrou,
 for plantada com cuidado!
José Arildo Vieira
-
Inda que seja utopia
penso não ser sonho vão:
quero ver pão e alegria
na mesa de cada irmão.
Lilia Souza
-
Qual filho mais querido
aquele que a mãe mais gosta?
Se existe algum preferido,
nem ela sabe a resposta.
Luiz Hélio Friedrich
-
Lançando versos ao vento,
ali bem perto do mar,
delirando no relento,
jogo trovinhas ao ar!
Lygia Lopes dos Santos
-
Com um semblante inocente,
dorme criança na praça.
Baixinho chora carente,
numa noite que não passa.
Madalena Ferrante Pizzatto
-
Nós nascemos detentores
de um enredo e trama urdida,
para sermos os atores
no grande palco da vida.
Mamed Zauit
-
Se Curitiba entrelaça
arte, vida e ecologia...
o  pinheiro cede a taça,
brinda toda essa magia.
        Maria Conceição Fagundes
-
Na Olimpíada da trova
Curitiba dá o tesouro
com a UBT que se inova
em seu Jubileu de Ouro!
Maria da Graça Stinglin
-
Diferente do perfume
daquele jardim florido,
peço que nunca se esfume,
nosso amor, ora vivido. 
Marlene Friedrich
-
Teve um infarto na cama,
a noiva, toda frajola,
ao ver que, em vez de pijama,
o noivo pôs camisola!
Maurício N. Friedrich
-
Na Bienal, sem faixa etária,
entre as letras do “á-bê-cê”,
Curitiba Literária
só depende de você!
Nei Garcez
-
Olhando ao longe o passado...
É com imenso prazer
que hoje vejo, deslumbrado,
a nossa UBT crescer.
Orlando Woczikoski
-
Quanta inocência perdida
na atualidade doente;
por ela, a luta renhida,
nos salva, o ser persistente.
Osíris Haddad
-
Entidade centenária
tudo faz com alegria,
Curitiba Literária
encontra-se na poesia.
Paulo Walbach
-
Naquela mulher me intriga
o seu corpo em desacordo:
faz a lipo da barriga...
Mas não faz a do olho gordo!
     Roza de Oliveira
-
Sou Ubirajara, ou Bira.
Por maluco, não me tome.
Amo trovas e Bartira,
“Trovadoido” é codinome!
Silvio Fergon
-
As orquídeas e as rosas,
aos amantes ofereço,
por serem flores cheirosas,
motivo de grande apreço.
Syomara Torres Guerra
-
Dobrem-se todos os sinos
aclamando o menestrel.
Transformou trovas em hinos,
revigorou seu papel.
Valterlei Salmazzo
-
Na vida vivo tentando
tramar meu mundo risonho
pois a tristeza vem quando
existe a ausência de um sonho.
Vanda Alves
-
Da vida o imenso valor
pode estar num... quase nada!
Como ver brotar a flor
entre as fendas da calçada.
Vanda F. Queiroz
-
As melhores gargalhadas
chegam sempre de repente
em cenas abobalhadas
e tomam conta da gente.
Vânia Ennes
-
Já não sei se dói mais,
na estrada de tantos trilhos,
soltar-se da mão dos pais...
ou soltar da mão dos filhos.
      Wandira F. Queiroz
-
Silêncio minha alma dorme,
sonhando seus devaneios...
sonha mil sonhos conforme,
a musa dos meus anseios.
Wellesley Nascimento
-
No grande jogo da vida
sorvi belo amor, profundo!
Viver vida bem vivida
é o melhor bingo do mundo!
Yaramara de Castro Araújo

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to