Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Isabel Furini (Poemas Avulsos) I

O POETA

Sonha com poemas 
e acorda na noite, 
escrevendo com os dedos 
versos no ar.

Adora 
navegar sobre ondas de folhas em branco, 
velejar nos cadernos novos, 
pular sobre areias de palavras, 
correr na praia procurando o Verbo. 
Livros, cadernos, papéis e mais papéis...

Continua a lutar com ondas indomáveis, 
organiza os termos, 
mas só ancora no oceano dos sentimentos. 
Nesse instante, 
o poeta compreende o poder do caos primordial.

TULIPAS

Lateja a vida nos meteoros das cores e das formas.
A artista pinta tulipas
no universo da tela,
e as flores alegram as retinas.

A MAGIA DO POETA

Serpenteiam os versos
de Quintana...
Caravanas de Poemas batem à porta do poeta,
tangem liras,
cata-ventos...
lâmpadas dilaceram a escuridão
dos pensamentos. 
Espelho mágico
reflete
o aprendiz de feiticeiro.

Versos... infinitos versos
acenam,
entoam canções. 
O poeta dança, dança...
Sombras começam a rir
na escuridão.

Os versos flutuam ao luar
e desenham
diadema de diamantes
na testa do poeta. 
Poeta?
Epigramático?
Dono de infinitos roteiros
e mármore e obsidiana...
Serpenteiam os versos de Quintana!..

REFLEXÃO

Fácil é a crítica, 
difícil a auto-crítica.
Fácil é reclamar,
difícil assumir o nosso destino.

POEMAS CORCUNDAS

Estes, meus poemas corcundas, são apenas
lembranças nebulosas, 
alfinetes no oceano de tristezas. 
Transitam famintos de letras e de verbos
e ao esculpi-los nas águas
só permanece erguida a ideia-semente ,
rocha de granito
arranhada pelas garras dos leões 
e  pelas unhas dos suicidas,
chicoteada 
na busca sem descanso das palavras.

META

A poesia é a meta do poeta.
- metida a poeta -
ser poeta   é minha meta.
A poesia é a meta de minha meta.

O VÉU

Na viagem da vida

os poema, as flores
e os sonhos arrasadores
são artifícios da alma para retirar o véu
revelar o seu lado oculto
e surpreender o nosso eu

esse eu
sempre obnubilado
com infantilidades.

O POÇO

a Poesia é poço sem fundo
 (profunda loucura)
às vezes é euforia
e outras vezes é triste agonia

Poesia é trovão
que ensurdece as ruas
ou é vento galáctico
arrasando
o lado escuro da Lua.

OBSCURO RETRATO DE CLARICE

Duas Luas (torrentes impetuosas,
espelhos de paixão)
soterradas nas órbitas dos olhos
e nos lábios
agulhas de palavras (palavras fascinam
os ouvidos e o fluxo do pensamento crava
estacas na areia).

Planta rosas (carmesins e indestrutíveis rosas
que resistem a foice de Cronos).

Enfeitiçados contornos transfiguram a realidade
entre ondas e monólitos de pedra,
A Paixão segundo G.H.
quebra intrincados muros de angustias,
abrem-se perfumadas pétalas artísticas
e no orbe da solidão
é cinzelada a paixão de Clarice.

ISOLADO

o poema faz uma marca na ampulheta
(tenta acelerar o tempo)

o poema ama as flores do jardim
mas odeia ficar isolado no caderno
e fazer parte do conjunto de trastes velhos
esquecidos no porão

LABIRINTO DE PAPEL

sombras sobre o palco
o mundo de papel é destruído
pelas traças
e a realidade quebra a ilusão do mundo

o poeta observa o mundo do avesso
descobre paragens de espanto
avança
desvela o mistério
da criação poética
e dança
no labirinto da subjetividade

nos muros do labirinto
sobrevivem fragmentos do passado
imagens e palavras
e as dúvidas ocultas nas retinas
que em surdina
perguntam sobre amores quase olvidados.

AS NEREIDAS E OS CORVOS

a dama (da ma)drugada
chama um poeta
para poetizar as nuvens
e as ondas do mar
e às belas Nereidas
e cantar às profundezas

o  poeta solicita um copo
de elixir sagrado
elixir criado na Constelação do Corvo

o mar respira e as Nereidas cantam
mas as gaivotas (des)mentem
as palavras veementes
dos duendes
(do outro mundo)

gaivotas e corvos
são amigos no mundo astral
mas somente as Nereidas
guardam as palavras de um mágico funeral

enquanto as Nereidas cantam
os corvos crocitam
aos ouvidos humanos poemas puros e sagrados
que serão cinzelados no momento final.

CHUVA POÉTICA

                                              Dedicado à Cassandra Joerque

os corvos crocitam
nos campos de trigo
sob a Chuva Poética

nesses campos florescem
diversos poemas
que alimentam as almas
com belos perfumes
de rosas, jasmins e alfazemas

porque a Poesia é água
que abençoa a Terra.

Fontes

Um comentário:

Isabel Furini disse...

Muito obrigada por divulgar os meus trabalhos, prezado poeta Feldman.

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to