Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 24 de junho de 2017

Angélica Villela Santos (Trovas)

1
À astúcia utilizada, 
bato palmas, brindo a vinho, 
se a mentira, derrotada, 
à verdade abrir caminho! 
2
A Belinha, mãe solteira, 
disse ao padre, em confissão: 
- Nunca fui namoradeira; 
a culpa...foi do "apagão"...! 
3
Abraçadas, as crianças
que contemplam o infinito,
representam esperanças
de um futuro sem conflito!
4
Abre-se o chão e recebe
as sementes do plantio
e fertilmente concebe
frutos no colo macio.
5
A correnteza da idade
é mutável, já se disse:
revolta na mocidade,
calma na infância e velhice.
6
A formiga, em seu carreiro,
trabalho e força revela;
pelo bem do formigueiro
constantemente ela zela.
7
A inspiração, num abraço, 
arrebata os escritores, 
aos poetas dá o compasso, 
faz vencer os trovadores. 
8
A lembrança, na velhice,
sempre traz a mocidade,
que, qual sombra, com meiguice,
abraça a terceira idade...
9
A lua cheia é artista
que em sombras pinta uma tela
de beleza nunca vista
e só mostrada por ela.
10
A mocinha reclamou
mas o ceguinho, no baile,
passando a mão, explicou:
- A minha dança é em braile!!!
11
À noite, após a enxurrada
que o meu barquinho levou,
eu fico olhando, encantada,
o céu que Deus enfeitou...
12
Ante as portas, lado a lado,
a que está aberta nos tenta.
Porém, tenhamos cuidado:
nem sempre é o fácil que alenta!
13
Ao Brasil e Portugal, 
- elos que ligam carinho - 
num brinde internacional 
ergamos taças de vinho 
14
A pipa que a nossa infância
faz ao mais alto chegar,
representa a nossa ânsia
de nossa vida elevar.
15
Após noite tenebrosa,
envolta em forte neblina,
chega ao porto a nau, garbosa,
que o sol nascente ilumina!
16
A praça enfeita a cidade,
é o seu cartão de visita;
representa, na verdade,
seu coração, que palpita.
17
Apreciando a natureza,
- belo por-do-sol no mar -
um casal, vendo a beleza,
mais amor vai externar.
18
A queimada, tão nociva,
para a terra é uma agressão;
vai-se a floresta nativa,
fica só desolação…
19
A redenção dos escravos
 foi de Isabel um presente
 para pôr fim aos agravos
 sofridos por essa gente.
20
Às vezes a caridade,
que a paz e a esperança aspira,
põe no lugar da verdade
uma piedosa mentira...
21
Até ao bebermos vinho,
procuramos ser iguais,
mostrando o nosso carinho,
que não acaba jamais!
22
A vovó foi assaltada 
numa viagem de turismo 
e passou a temporada 
numa praia de nudismo!!! 
23
Batida por forte vento,
quer minha nau soçobrar;
porém, na fé tenho alento
para em meu Deus me apoiar.
24
Buscando a Felicidade
ao longo dos dias meus,
sigo a seta da Verdade,
que indica o reino de Deus!
25
Cantando na chuva, o ator,
fez sucesso no passado.
Também bom sapateador,
o Gene Kelly é lembrado.
26
Céu e mata refletindo
nas águas claras de um rio,
a nós estão exibindo
um meio-ambiente sadio!
27
Com amor sempre presente
e a força da educação,
livraremos o carente
dos grilhões da exploração!
28
Com um grito de alegria
e uma passagem na mão,
o retirante anuncia
que já chove no sertão!
29
Com tudo desmoronando 
na batalha pela vida, 
só a Fé fica amparando 
a coragem combalida. 
30
Com versos a se espalharem,
eu subo morros, ao léu,
para meus sonhos se alçarem
até as nuvens do céu!
31
Crianças são como flores
que enfeitam na Primavera.
São buquês de várias cores
que a natureza libera.
32
Dança a nuvem, descuidada, 
ignorando a sua sina. 
Porém, depois, já pesada, 
morre, em chuva repentina... 
33
Das janelas da memória 
que ainda consigo abrir, 
só do amor revejo a história 
que ficou, a me iludir... 
34
Da UBT é o fundador, 
pela trova batalhou; 
Luiz Otávio, vencedor, 
ao pódio a trova levou! 
35
De manhã, formando um elo, 
jangadas singram o anil, 
compondo o quadro mais belo 
dos mares do meu Brasil! 
36
Devagar, mas com prazer,
o homem, sem ficar a esmo,
usa o cinzel do Saber,
vai modelando a si mesmo.
37
Doce sorriso, olhar terno,
minha sogra, tão querida,
ocupa um lugar materno
nas trilhas de minha vida.
38
Do coreto “ela” saiu
sob apupos e sem jeito
pois a peruca caiu
e a “cantora”... era o prefeito!
39
Em festa branca e amarela,
embelezando o jardim,
margaridas, numa tela,
abrem-se todas pra mim!
40
Em frente ao computador
a namorada moderna
manda beijos ao amor
e com mensagens alterna.
41
Estas fotos que estou vendo
me remetem ao passado:
é uma viagem, percorrendo
o que me foi muito amado...
42
Eu senti, na despedida, 
( e a verdade constatei) 
o gosto de sal, querida, 
quando teus olhos beijei... 
43
Fugindo pela janela,
o “Don Juan” quis “dar no pé”.
- Um fantasma! gritou ela.
E o marido: - Agora é!
44
Fui passear na Argentina
e logo o tango aprendi.
Porém, sou má bailarina
e o meu parceiro perdi...
45
Guaratinguetá, querida,
és deste Vale a rainha!
E eu carrego em minha vida
o orgulho de seres minha!
46
Hoje é diferente o lar:
não compartilha e encolheu,...
Pois quem manda é o celular
e até o Lulu tem o seu!!!
47
Humilde e sempre sorrindo,
levando a pomba da paz,
vai Francisco, distribuindo
a esperança que nos traz!
48
Já não mais sonha o excluído 
em ser feliz na cidade, 
pois, na favela, abatido, 
vive a dura realidade! 
49
Junto à bola, uma criança,
na pobreza do sertão,
sonha e acalenta a esperança
de um dia ser campeão...
50
Lá... no fim da caminhada, 
as lembranças sobraçando, 
a saudade está postada, 
nossa chegada aguardando... 
51
Lembro que quando eu, menino,
meu carro quebrou na estrada,
voltou pra casa o cão Bino
e trouxe a ajuda almejada!
52
Meia noite...ou meio dia?
O meu relógio quebrei.
E, na minha nostalgia,
se é dia ou noite...não sei...
53
Meu coração, na gaiola
do teu amor, ficou preso;
mas, ali, ele estiola,
na tortura do desprezo...
54
Na caravana da vida,
 se sou levada ao deserto,
 procuro a trilha batida
 que Deus deixou em aberto.
55
Na história da Humanidade, 
sempre lutas, desavenças... 
Mas só a fraternidade 
porá fim às malquerenças. 
56
Nada maior eu ordeno 
para meus versos compor, 
que um espaço bem pequeno 
para pôr trovas de amor! 
57
Na manhã que vai surgindo, 
nada há que mais encante, 
que o orvalho a relva cobrindo 
como um manto cintilante! 
58
Não sou mais celibatário
e vou encontrar meu bem,
nem que seja necessário
eu correr atrás do trem!
59
Nas longas noites de estio,
eu ouço estranha canção:
São os lamentos do rio
morrendo de poluição...
60
Nas ruas, negros dançando,
 nas senzalas, emoção;
 sons de grilhões se soltando,
 anunciando a redenção!
61
No belo painel pintado 
pelo Sol, no fim do dia, 
o horizonte é transformado 
num cenário de magia! 
62
No céu azul de verão, 
se espreguiça nuvem bela: 
ora uma flor...um pavão... 
que a imaginação modela... 
63
No circo ele era o palhaço, 
mas, ao perder seu amor, 
todo aquele estardalhaço 
foi o disfarce da dor. 
64
Nos jardins, bela e vaidosa,
enfeita-se a natureza:
recende a aroma de rosa
e põe brincos-de-princesa!
65
No sonho do trovador,
há sempre um mar e uma lua,
que o inspiram a compor
a mais bela trova sua !
66
O bruxulear de uma chama
de vela, gasta e mortiça,
lembra o excluído que clama
por respeito e por justiça!
67
O chão dourado do outono, 
sua beleza exibindo, 
é o leito que vela o sono 
das folhas que vão caindo... 
68
O ladrão sentiu fraqueza 
quando nos muros corria; 
escorregou e...ó surpresa! 
Caiu... na Delegacia! 
69
O modelo achou-se esperto 
e desfilou de pirata. 
Mas, logo foi descoberto, 
ao fugir de uma barata... 
70
O trem, em sua passagem, 
pela estação da cidade, 
de um amor leva a mensagem 
e faz descer a saudade... 
71
Pela luz da abolição
 por Isabel proclamada,
 das trevas da escravidão
 a Pátria foi libertada! 
72
Pelo ciúme acuada, 
sem pensar no que fazia, 
eu apaguei a pegada 
que ao teu amor conduzia. 
73
Planta nas leiras da lida
as sementes dos teus dons,
e terás, por toda a vida,
fartura de frutos bons!
74
Por entre o verde da mata,
permeia o rio azulado,
que nas cheias arrebata
árvores, casas e o gado.
75
Por este gesto tão nobre,
foi chamada Redenção,
para que o ato desdobre
lembranças da Abolição!
76
Presente é como migalha
que mal se nota cair,
pois é um fio de navalha
entre o passado e o porvir...
77
Quando a montanha escalar,
buscando sucesso e glória,
deixe a humildade levar
a bandeira da vitória!
78
Quando eu lembro e se avantaja
minha vida de criança,
só a saudade viaja
nos trens da minha lembrança...
79
Quando ilusões apagaram 
as luzes daquele encanto, 
meus olhos se transformaram 
numa vertente de pranto... 
80
Quando o outono bate às portas
de um cansado coração,
sonhos viram folhas mortas
sarabandeando no chão...
81
Reticência...nada dizes 
ao coração de quem ama; 
só pões ali cicatrizes 
que a dúvida mais inflama! 
82
Salve, Monteiro Lobato, 
pois Taubaté elevaste! 
O teu talento eu constato 
na grande obra que deixaste! 
83
São as mãos do mundo inteiro
que, numa união fraternal,
formam sustento altaneiro
para a paz universal!
84
Se a Humanidade souber 
sobre o bem que a trova faz, 
dela fará, se quiser, 
o maior elo da paz! 
85
Se todo homem semear 
somente o amor verdadeiro, 
vai, por certo, abarrotar 
de paz, um amplo celeiro! 
86
Só o poeta vai poder 
com seu dom puro e singelo, 
a realidade envolver 
no sonho mais suave e belo! 
87
Sou mochileiro constante,
sempre um amor a buscar,
mesmo sabendo que adiante
só névoas vou encontrar.
88
Tão logo a chuva chegou, 
trazendo vida ao sertão, 
o retirante vibrou, 
com a passagem na mão! 
89
Toma a trova, por inteiro,
todos nós, os trovadores.
de Luiz Otávio, o pioneiro,
somos todos seguidores.
90
Tudo acabou em quimera
na tarde chuvosa e fria
e a grande perda me espera
dentro da casa vazia...
91
Um bom livro nos envolve, 
dá prazer e distração; 
é um amigo que dissolve 
o amargor da solidão! 
92
Um passeio no canal,
numa gôndola, em Veneza,
envolve qualquer casal
em romantismo e beleza!
93
Um tropeço desastrado 
na bengala do compadre, 
jogou o noivo, assustado, 
direto em cima do padre! 
94
Vai-se o dia, vem a noite 
e a minha dor não descansa, 
pois a saudade é um açoite 
brandido pela lembrança! 
95
Velha ponte de madeira
ligando a roça à cidade,
foi a passagem primeira
do meu sonho à realidade.
96
Vendo na imagem de um santo, 
que lhe faltavam os dentes, 
diz a devota, com espanto: 
- Que dentistas mais descrentes!! 
97
Zumbindo sobre as corolas,
de delicada beleza,
os insetos são violas
na orquestra da Natureza!

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to