Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 30 de julho de 2017

A. A. de Assis (Microcrônicas) Parte I


1
No princípio era a paz.
Até que uma vez uma cerca se fez.
2
Tão simples, meu santo: “Ame e faça
o que quiser”. O resto é discurso.
3
Terra prometida. A fé abre ao meio o mar
para o amor passar.
4
Estrela cadente. Vaga-lumes
se alvoroçam cobiçando a vaga.
5
Ao luar, no Paraíso, o primeiro jantar
a dois. Que deu no que deu.
6
Posso viver sem ter nada;
porém jamais sem ter-nura.
7
Florzinha silvestre no jardim
do shopping-center. Êxodo rural.
8
Assanhadas rosas. Disputam
a preferência de um raio de sol.
9
Quem foi que afinal tantas florestas
derrubou? Foi o pica-pau?...
10
No meio do pasto um ponto
de exclamação. Último coqueiro.
11
Nobre girassol. Como podem,
no mercado, chamá-lo commodity?
12
Mosca na parede. Avisem
à lagartixa que o jantar chegou.
13
Mão de jardineiro. Num leve toque
faz do esterco a flor.
14
Me explique, violeta, explique: como pode,
tão humilde, ser você tão chique?
15
Corrija-se a tempo. Mais de mater
que magistra necessita o mundo.
16
Se tiver apoio, bem que pode
um dia virar trigo o joio.
17
Li num alfarrábio: de pobre se sobe
a rico, porém não de rico a sábio.
18
Na Idade da Pedra talvez já se
comentasse: – É uma pedra a idade.
19
Sabiá caçando. Nem só
de gorjeios vive, mas também de insetos.
20
Perdoa, Platão. Transformamos
a Kallipolis numa Bad City...
21
Outrora havia banda no coreto
do jardim. Onde mora o outrora?
22
Pra lá e pra cá. Enfim,
de que lado ficará o pêndulo?
23
Dizem que a cigarra nada faz
senão cantar. Ah, é indispensável.
24
Troca de alianças.
O futuro escolhido a dedo.
25
Curvada, a velhinha cata
o cocô do cãozinho. Civilização.
26
Ah, espelho meu. Cada vez
que em ti me vejo, vejo menos eu.
27
Na segunda, até os segundos
seguem devagar.
28
Maringá feliz. Abriga e escuta ainda
sabiás e bem-te-vis.
29
Um pingo de luz no topo do
arranha-céu. Brincando de estrela.
30
Parábola bela. Mas e a mãe
do filho pródigo, onde estava ela?
31
Balança o palanque. O peso
na consciência do nobre orador.
32
As rosas no cio. Sedutoramente
esperam pelo beija-flor.

Fontes:
Microcrônicas enviadas pelo autor.
Imagem: criação por J.Feldman

sábado, 29 de julho de 2017

Anibal Beça (Poemas Escolhidos)

ARS POÉTICA

Nesse afago do meu fado afogado
as águas já me sabem nadador.
A rês na travessia marejada
gado da grei de um mar revelador.

Vou e volto lambendo o sal do fardo
língua no labirinto, ardendo em cor
furtiva, enquanto messe temperada,
da tribo das palavras sou cantor.

Procuro em frio exílio tipográfico
o verbo mais sonoro em melodia
o ritmo para a cal de um pasto cáustico.

Sou boi e sou vaqueiro dia a dia
no laço entrelaçado fiz-me prático
catador de capins nas pradarias.

BOLERO DAS ÁGUAS

O passo no compasso dois por quatro
acode meu suplício de afogado
afastando de mim sedento cálice
em submerso bolero de águas tantas.

A sede dança seca na garganta
curtindo signos, fala ressequida
para a língua de couro, lixa tântala,
alisando palavras rebuçadas.

Quanto alfenim no alfanje que se enfeita
para montar as ancas de égua moura.
Lábia flamenca lambe leve as oiças,

é rito muezim ditando a dança:
no dois pra cá me levo em dois pra lá,
nas águas do regaço vou-me e lavo-me.

JOROPO PARA TIMPLES E HARPA

Em duas asas prontas para o voo
assim se foi em par a minha vida
e com rilhar de dentes me perdoo
trilhando as horas nuas na medida

Bilros tecendo rendas amarelas
bordando em vão um tempo já remoto
no sol dos girassóis da cidadela
canto um recanto que me faz devoto

A dor que existe em mim raiz que medra
no rastro mais sombrio as minhas luas
talvez não fora Sísifo ou a pedra

que encontro todo dia pelas ruas
ao revirar as heras nessa redra
trilhando na medida as horas nuas

MALA COM ALÇA

É da lama essa mala que retiro
para subir a encosta (como a pedra
que Sísifo ainda empurra todo dia)
numa viagem cheia de sequelas.

Não há como negar tantos espinhos
na travessia turva de mistérios
que vão-se descobrindo nos caminhos:
a mão negada, a fome, o vitupério,

o rito solidário que esquecemos
em troca a vaidade transitória.
Somos do barro e ao barro voltaremos.

A verdade do Homem e de sua Hora
vem com mala e alça, disto sabemos,
mais o peso do corpo e sua história.

MANHÃ

A manhã nasce das muitas janelas
deste sereno corpo fatigado,
sede  dos meus caminhos sem cancelas,
na luz de muitos astros albergados.

Casa em que me recolho das mazelas,
dos louros, derroteiros, lado a lado,
para de mim ouvir franca sequela:
Ecce Homo! Eis o triste camuflado.

Essa tristeza antiga em residência,
às vezes se constrói em face alegre,
máscara sem eu mesmo em aparência

num carnaval insólito em seu frege.
O que me salva a cor nessa vivência
é saber que a poesia é quem me rege.

NOSSA LÍNGUA
(para o poeta Antoniel Campos)

O doce som de mel que sai da boca
na língua da saudade e do crepúsculo
vem adoçando o mar de conchas ocas
em mansa voz domando tons maiúsculos.

É bela fiandeira em sua roca
tecendo a fala forte com seu músculo
na hora que é preciso sai da toca
como fera que sabe o tomo e o opúsculo.

Dizer e maldizer do mel ao fel
é fado de cantigas tão antigas
desde Camões, Bandeira a Antoniel,

este jovem poeta que se abriga
na língua portuguesa em verso e fala
nau de calado ao mar que não se cala.

PARA QUE SERVE A POESIA?

De servir-se utensílio dia a dia
utilidade prática aplicada,
o nada sobre o nada anula o nada
por desvendar mistério na magia.

O sonho em fantasia iluminada
aqui se oferta em módica quantia
por camelôs de palavras aladas
marreteiros de mansa mercancia.

De pagamento, apenas um sorriso
de nuvens, uma fatia de grama
de orvalho e o fugaz fulgor de astro arisco.

Serena sentença em sina servida,
seu valor se aquilata e se esparrama
na livre chama acesa de quem ama.

PROFISSÃO DE FÉ

Meu verso quero enxuto mas sonoro
levando na cantiga essa alegria
colhida no compasso que decoro
com pés de vento soltos na harmonia.

Na dança das palavras me enamoro
prossigo passional na melodia
amante da metáfora em meus poros
já vou vagando em vasta arritmia .

No voo aliterado sigo o rumo
dos mares mais remotos navegados
e em faias de catraias me consumo.

É meu rito subscrito e bem firmado
sem o temor do velho e seu resumo
num eterno retorno renovado.

OLHAR

As grades que me prendem são teus olhos,
aquática prisão, cela telúrica,
liana que me enrosca e me desfolha
no tronco tosco dessa árvore lúbrica.

No sol de Gláucia apenas me recolho
e, sendo assim, o sido se faz público
num pelourinho aberto com seus folhos
zurzindo seu chicote em gestos lúdicos.

Perau de feras, circo de centelha
regendo as águas tépidas de escamas
no fogo da (a)ventura da parelha.

Tudo em suor e sal o amor proclama:
No mar do teu olhar a onda se espelha
na chama que me queima e que te inflama.

Olivaldo Junior (Pequeno conto de estrela)

O menino se chamava João. Tinha sete anos e meio. Um detalhe: queria alcançar as estrelas. Já lhe haviam dito que, se quisesse mesmo isso, tinha que ser astronauta. "'Astronáutico'?", dizia ele para si mesmo, que não entendia bem o que uma coisa tinha a ver com outra. Não queria ser nenhum "astronáutico", nem nada, só queria uma coisa: alcançar as estrelas. Seria pedir muito, seria?!

Assim, depois de um tempo, adolescente, seu desejo de alcançar as estrelas foi se diluindo no universo interior de quem tem mais o que fazer que só sonhar com o (im)possível. A mente do pequeno João já fixara bem os mandamentos da vida em duo, em trio, em quarteto, em quinteto, em múltiplos coletivos. A vida em sociedade era o seu alvo. Aliás, de quem não é? Onde seu quorum?

João não tinha muitos amigos. Nunca os teve. Tinha muitos, inúmeros conhecidos. Quantos contatos mesmo no Face? Não sei, não sei. O que sei é que, certo dia, numa noite sem lua, bem preta, um vagalume adentrou o quarto do jovem e, no meio da tela do computador, pousou sua esperança. Um vaga-lume? Sim, um vaga-lume, um resistente. Não se viam muitos mais ultimamente. Será que os pesticidas também estão acabando com eles? João não sabia. O que sabia é que, enfim, sua primeira estrela o alcançara.

Fonte:
O Autor

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Trovador Homenageado (Zelito Magalhães)


A brisa que embala o galho,
a flor que brota do chão,
as gotas puras de orvalho,
tudo tem de Deus a mão.

Agi errado, não minto   
cometi tanta faceta!
Por isso, agora me sinto
um Romeu sem Julieta.

A moral de muita gente
é como um rio profundo:
Por cima tão transparente
com tanto lodo no fundo.

A pátria dos desgraçados
não tem bandeira nem nome,
pra que tantos rebuscados
onde se morre de fome?

Bendita sejas, ó trova!
Floresces os dias meus...
Em ti eu vejo a prova
de que estou perto de Deus.

Brincar de amar é brincar
com fogo – toma cuidado!
Porque tu podes queimar,
com o risco de ser queimado.

Buscando novo horizonte
na vida de pecador,
procuro fazer a ponte
que liga a paz ao amor.

Devolvo as cartas a quem
em meu amor não quis crer,
restando os beijos, porém,
que não posso devolver.
   
Eficaz, útil e perfeita
é a dádiva que seja
dada com a mão direita,
que a esquerda não veja.

É linda, é pura, é bela
nossa amizade de irmão,
que liga meu nome ao dela
por um traço de união.

É Natal! Sinos dobrando
em emoção diferente,
parece os anjos cantando
dentro de nós, docemente.

É por demais curioso
ver a lua o mar flertando:
Na cheia – é furioso.
No minguante – fica brando.   

Merece ser imitado
o gesto do mar bravio;
aceita, sem salgado
a água doce do rio.

Na cidade de Natal
vi moça alegremente
usando fio-dental
em lugar que não tem dente.

Nos olhos do sertanejo
que pede ao céu bom inverno,
o sertão sofrido eu vejo
ardendo qual um inferno.

Ó mãe que me deste a vida,
que por mim tanto sofreu.
Em troca, minha querida:
- Vivas tu – que morra eu!

O nosso amor decantei
em feitio de oração,
sendo tão puro, não sei
porque ruiu, veio ao chão.

Ontem passeei com ela,
era noite enluarada.
Eu não sei qual a mais bela,
se a lua ou a namorada.

O Papa Paulo Segundo
ao nos deixar, eu garanto
perdeu um justo o mundo,
mas ganhou o céu um santo.

O poeta é vidente,
inspirado nas estrelas,
pois nem precisa ser crente,
ele acredita sem vê-las.

O poeta, minha gente
não é de todo feliz,
pois nunca diz o que sente,
nem sempre sente o que diz.

O poeta nasce feito,
bem diz o velho refrão:
As rimas lhe saem do peito
forjadas no coração.

Para nos manter de pé   
nesta vida de maldade,
é preciso termos Fé,
Esperança e Caridade.

Passa mais um carnaval,
quantos disfarces... enganos...
Sob a máscara original
a mesma de todos os anos.
 
Quão triste é o ofício
desse coveiro que vai
no auge do sacrifício
enterrar o próprio pai.

Quem bondade mostrar quer
às vezes, perde o que tem,
pois violão e mulher
nunca se empresta a ninguém.

Sempre fiz o meu escudo
desta verdade sagrada,
o pouco com Deus é tudo,
o tudo sem Deus é nada.
                   
Tal qual as nuvens passando
no imenso azul do céu,
também vou assim vagando
por este mundo ao léu.

Concurso literário Nacional de Poesia em Trova (Prazo: 30 de setembro) –

 II Láurea Cidade Poesia
 
10 anos da Seção UBT de Bragança Paulista

Tema para Veteranos e Novatos: TRAJETO

Prazo: 30 de setembro de 2017

1 trova inédita, lírica ou filosófica, devendo constar a palavra-tema na trova. 

Enviar para lola@pratagarcia.com até 30 de setembro de 2017. 

No assunto escrever “Láurea”. Identificação completa no corpo do e-mail e se é Novato ou Veterano.

As 10 trovas classificadas da categoria Veteranos, mais as 10 da categoria Novatos integrarão a antologia prevista aos vencedores do V PRÊMIO LITERÁRIO CIDADE POESIA, promovido pela ASES - Associação de Escritores de Bragança Paulista. Os vencedores receberão 2 exemplares.

Lóla Prata

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Olivaldo Júnior (Dois microcontos sobre amizade)

A lanterna da amizade

O Poeta jamais podia supor que encontraria um amigo. Mas, numa esquina de sua vida, num dezembro longínquo, o Músico apareceu em seu caminho e acendeu a luz.

Desde então, por onde quer que vá, uma lanterna, flutuante e amarela luz, o acompanha, dando a ele um sol só seu, mesmo quando a chuva cai, mesmo a interior.

Faz muito tempo que o Músico não visita o Poeta. Mas a lanterna da amizade ainda pisca em certas datas, na esperança de que o Músico, lá de longe, a redescubra.
______________________________________

O olhar daquele homem

Éramos dois homens e um elo eterno a nos ligar: o da amizade. Havíamos nos encontrado por acaso (se é que existe mesmo o acaso). Seu olhar me dizia tudo de si.

Assim, por um tempo, nos víamos sempre que dava, e quase nunca era fácil. Agendas difíceis, amigos sem Face, fomos ficando longe, você na “China”, e eu, só.

O olhar daquele homem, no entanto, se entranhou no meu e, durante o meu dia, várias vezes é com os olhos dele que eu vejo a vida. Poderia chorar... Mas, hoje, não.

Fonte:
O Autor

Chuva de Versos n. 475


Uma Trova de Curitiba/PR
Vanda Fagundes Queiroz


Quem segue, apenas querendo
ver o ponto de chegada,
nem sabe que está perdendo
o prazer de olhar a estrada...
___________________
Um Poema de Ponta Grossa/PR
Odenir Follador

UM IDÍLIO


Naquele bosque junto a um campo em flor,
na tarde em que o sol declinava no horizonte
entre os tépido sopros de uma brisa leve
saturada dos perfumes das flores agrestes!

O sol se quedava sobre as verdes árvores
em seus últimos brilhantes e dourados raios,
iluminando seus lindos olhos semicerrados
que se abriam lânguidos e vagarosamente!

Fitei os seus olhos azuis tão fascinantes
buscando por seus íntimos pensamentos;
que segredos ó, minha amada consistes,
que me torturas assim profundamente?

Seu sorriso singelo e puro como um beijo,
que se desprendia lentamente de sua boca
através de seus lábios vermelhos e úmidos
pousando na alma daquele que a deseja.

Então, sobre a relva à sombra da noite
entre os rumores e sussurros da floresta,
uniram-se nossos doces beijos e abraços
á luz brilhante e límpida da estrela d’alva!
___________________
Uma Trova Hispânica da Argentina
María Cristina Fervier


Bajo el puente de la vida
tu sonrisa me hechizó,
a seguirte me convida
cual bandera que se izó.
___________________
Um Poema de Blumenau/SC
Dorothy de Brito Steil

VERDILHA RENDEIRA


Minha linda verdilha rendeira,
Ávida de vida, beleza e nobreza,
És, dentre todas, a mais faceira.
De contornos brilhantes
Resplandeces ao calor deste sol
Escaldante, ardente e penetrante.

Tuas encostas são massageadas
Pelo mar, que dança e que beija,
Embalado pelas ondas cantantes
E espumantes, que em delírio,
Toca teus suaves contornos.

Neste balé harmonioso,
Cadenciado e cheio de vigor,
Aceitas que vagas murmurantes,
Gravem na tua branca e fina areia,
Versos carregados de Amor.

Minha verde ilha querida,
Dos esportes aquáticos,
Dos banhos e folguedos,
Das mulheres rendeiras,
Das donzelas Faceiras,

Das belas doceiras,
Lindas,
Namoradeiras,
Que enfeitam e embelezam
Esta ilha, esta "belezura",
Ainda cheia de ternura.

Floripa,
Das saudosas serestas,
Dos belos carnavais e
Do povo sempre em festa.
Tuas encostas ornadas pelo garapuvu*
Embelezam, seduzem e encantam,
Com tuas flores e cores
O imenso e belo céu,
Sempre azul
Onde o nativo pintou de verde e amarelo
Esta ilha, este coração e este mar,
Deixando-os muito mais belos
Pra gente sonhar, viver e amar.
__________
* árvore símbolo de Florianópolis.
___________________
Uma Trova de São José dos Campos/SP
Amilton M. Monteiro


Tomara Deus eu consiga,
para melhorar meu ser,
agir tal qual a formiga
que do querer faz poder!
___________________
Uma Glosa de Porto Alegre/RS
Gislaine Canales

NÃO AMAR...

MOTE:
Não amar nem ser amado,
é o mesmo que não ser nada,
é pisar no chão eivado
de acúleos pelas estradas.
(Abel B. Pereira)

GLOSA:

Não amar nem ser amado,
viver sempre em solidão,
sem presente e sem passado,
faz chorar o coração!

Viver sem amor, é triste,
é o mesmo que não ser nada,
pois somente, o nada existe
na solitária jornada!

Estar, assim, angustiado,
nos leva á desilusão,
é pisar no chão eivado
(descalços) – de pés-no-chão!

Sozinhos e sem carinhos,
somente as nossas pegadas
deixaremos, nos caminhos
de acúleos pelas estradas.
___________________
Um Poema de Florianópolis/SC
Grace Spiller

AH! SE EU FOSSE UM POETA-JARDINEIRO...


Se eu fosse um poeta-jardineiro
Plantaria versos nos jardins dos corações
Perfumaria as avenidas e as praças
Incitando as gentes somente às boas ações!

Se eu fosse um jardineiro-poeta
Plantaria flores de mil e um perfumes
Flores que cheirassem a versos
E versos que clareassem qual lume!

Ah! Se eu fosse da palavra um esteta
Ou então um artista de jardim
De bom grado levaria a sina de poeta

Poetando a paz e à guerra pondo fim!
Ah! Se eu fosse um poeta-jardineiro
Plantaria um poema com perfume de jasmim!
___________________
Trovadores que deixaram Saudades
Ruth Farah Nacif Lutterback
Cantagalo/RJ


Setembro se despedindo...
A primavera a reinar
a natureza florindo
... colírio de amor no ar!
___________________
Um Poetrix de Belém/PA
Marília Baêtas

murmúrio


debaixo das cobertas
são sons suaves
de noites sem dormir
___________________
Um Poema de Indaial/SC
Isabel Mir

O HOMO SAPIENS


O homem conversa
Com o cachorro
Sobre o gato
Em cima da mesa

O cachorro finge
Que entende
Observando o gato
Em cima da mesa

O gato se preocupa
Com o cachorro
Levantando o rabo
Debaixo da mesa

O rato come tranquilamente
Enquanto o homem
Pensa que tudo sabe
Em cima da mesa
___________________
Uma Trova Humorística de São Paulo/SP
Marina Bruna


Ansioso, espera a "clonagem"
o trambiqueiro Ademar
pra mandar a sua imagem
trabalhar no seu lugar...
___________________
Um Poetrix de Ribatejo/Portugal
Martinho Branco


noturno

A lua lava o rosto
Nas águas fulgentes
Do teu olhar
___________________
Um Poema de Blumenau/SC
Isnelda Weise

CÓRREGO I


Escorre com cautela entre os pedregulhos,
E tomba no mar de utopia que te aguarda
Sem pressa.
Qual prova irrefutável da esperança,
De vida que não cansa
De insistir.
E prossegue....

Espreguiça-te languidamente:
Entre realidade e palco,
Entre afeição e desencanto,
Entre existência e extinção,
Rumo ao infindável
E terno sonho meu.
_
Recordando Velhas Canções
Na rua, na chuva, na fazenda
(1974)

Hyldon de Souza Silva


Não estou disposto
A esquecer seu rosto de vez
E acho que é tão normal
Dizem que sou louco
Por eu ter um gosto assim
Gostar de quem não gosta de mim

Jogue suas mãos para o céu
E agradeça se acaso tiver
Alguém que você gostaria que
Estivesse sempre com você
Na rua, na chuva ou na fazenda
Ou numa casinha de sapê
___________________
Uma Trova de Belo Horizonte/MG
Clevane Pessoa

Debaixo de minhas penas,
eu confesso penas leves,
nem são crimes, pois apenas,
reações de ciúmes breves...
___________________
Um Poema de Joaçaba/SC
Jaime Telles

TRATO ABSTRATO...


Prova do fato
Flagra do ato
Nó que desato
E reato
No toque, no tato
No topo do sapato
No jeito beato
No bronze mulato
No nitrato
No extrato
Na luz do retrato
No esmalte do prato
Na paz do regato
No tom do desacato
No nome Adeodato
No bicho do mato
O litro e no literato.
Do ingrato, fujo a jato
Meu mouse, meu rato
Te acho, te cato
E, estupefato
Procuro o barato
Deste papo chato.
___________________
Um Poetrix de Criciúma/SC
Odete Ronchi Baltazar

outono


As árvores nuas,
exibem silhuetas
de provocar inveja.
___________________
Uma Trova de Fortaleza/CE
Zelito Magalhães


Agi errado, não minto   
Cometi tanta faceta!
Por isso, agora me sinto
Um Romeu sem Julieta.
___________________
Um Poema de Itajaí/SC
João da Cruz Ramos Filho

ITAJAÍ


ITAJAÍ, onde se alimentam os sonhos...
que se realizam,
quase de maneira mágica
e espontânea.

ITAJAÍ, onde a criança vive a expectativa
de um futuro melhor.
Quanto aos anciãos, seguem tranquilamente
ao longo do caminho, colhendo
as últimas flores que o ocaso
oferece.

ITAJAÍ, onde a gaivota fez o ninho,
e a garça passeia confiante,
brincando, livremente, ás margens
do rio que tem o nome da majestosa
cidade.

ITAJAÍ, onde o sol nasce com
tanto vigor que, às vezes, nos parece
que é daqui que se infundem
todas as reverberações para
o universo.

ITAJAÍ, berço do rei dos mares,
o nosso pescador.
Esse guerreiro valente, que mescla
sua própria vida, com porções
de tristeza, alegria e amor.

ITAJAÍ, onde a cultura busca espaço,
em forma de pintura, teatro, música e
poesia.

ITAJAÍ, pequena... grandiosa.
Humilde... hospitaleira, miscigenada.
ITAJAÍ é Porto, é festa... é marejada.
___________________
Uma Trova de Santos/SP
Antonio Colavite Filho


Quando, em idade, eu avanço,
me lembro deste ditado:
-“se a morte, enfim é um descanso,
prefiro viver cansado!!!”
___________________
Hinos de Cidades Brasileiras
Guaraci/PR


I
Guaraci, o teu solo hospitaleiro,
Cercado de verdes cafezais
Para teu povo és orgulho verdadeiro,
O mais sagrado dos teus ideais.

Coro
Guaraci minha cidade,
Hei de amar-te por toda eternidade
II
Está no labor a razão deste sucesso,
Que há de conduzir-te pela senda do progresso
Terra abençoada de riquezas mil
És o recanto feliz do meu Brasil.
Coro
Guaraci minha cidade,
Hei de amar-te por toda a eternidade
III
És monumento aos teus fundadores,
És hoje a glória de teus colonizadores
Que num pioneirismo ousado e sem rival,
Construíram esta joia sem igual.
Coro
Guaraci minha cidade;
Hei de amar-te por toda eternidade
IV
És a razão maior de um ideal,
viverá sempre em nosso coração
Do Paraná és celeiro natural,
Salve! Salve! Abençoado torrão
Coro
Guaraci minha cidade;
Hei de amar-te por toda eternidade
V
Guaraci, o teu solo hospitaleiro,
Cercado de verdes cafezais
Para teu povo és orgulho verdadeiro,
O mais sagrado dos teus ideais.
Coro
Guaraci minha cidade;
Hei de amar-te por toda eternidade.
___________________
Um Poetrix de Salvador/BA
Goulart Gomes

pessoix


um terço de mim delira
um terço de mim pondera
outro terço: ah! quem dera!
___________________
Um Poema de Pinhalão/PR
Lairton Trovão de Andrade

POEMA SOMBRIO


Palavras soltas, sem sentido algum,
Revoam sons, borboleteando à-toa,
Versos inversos de cores desbotadas,
Sombras que passam silenciando tudo.

Lágrimas áridas ferindo entranhas,
Choro de corações sem nenhum eco,
Deserto humano de securas tantas,
Alma sem vida - paradoxo estranho.

Tombara a flora por devassas mãos,
Agonizando os rios na destruição,
A terra infértil vem chorar seus frutos,
Que há tantos anos já não são provados.

Ó oxigênio, como és vil vocábulo!
Tudo perece neste mundo inglório,
Espaço inútil a atmosfera ocupa,
Onde a razão irracional tornara-se.

Ah, quanta dor existe nesta angústia!
Schopenhauer não sou nem sou o Nietzsche,
Mas vejo o desamor ferindo o mundo,
Com sofrimento à natureza humana!

E o que dizer da mais sangrenta guerra,
Da paz a morte que suplica vida?
O que será deste planeta insano
E destes seres que ideais tiveram?

Ó tu que amor profundo ainda sentes,
Tudo há de transformar co´amor somente,
Nenhum milagre salvará o Planeta,
Se não houver no amor vital semente!
___________________
Uma Trova de Curitiba/PR
Vanda Alves


Em meus tempos de criança,
pelas poças, num tropel,
lançava minha esperança,
em barquinhos de papel…

terça-feira, 18 de julho de 2017

Eliana Ruiz Jimenez (Dia do Trovador)


O poeta é detentor de uma sensibilidade aguçada e tem a necessidade de compartilhar a sua visão emocional e os seus sentimentos com as outras pessoas, transformando essas impressões em versos, que podem ser livres, ou em formatos predeterminados, como na trova, por exemplo.

Os versos livres costumam surgir de repente e arrebatam o poeta onde ele estiver. É preciso segurar a ideia, transpô-la imediatamente para o papel antes que o sopro inspirador se dilua e as palavras se percam.

Já a trova é a expressão poética trabalhada. De formato rígido, requer métrica e rimas, além da expressão de um pensamento completo em quatro versos, sendo que o último arremata a reflexão com um grande final.

Habilidoso, o trovador precisa adequar o querer dizer na precisão das sete sílabas tônicas e ainda provocar no leitor a empatia com a saudade sentida, com o coração partido e – por que não dizer? – com as reminiscências que cada um traz consigo.

Audacioso, o trovador elabora a trova com sofisticação, procurando justapor as palavras num encaixe cuidadoso, observando tanto a forma como a sonoridade, procurando a rima inédita, notável. Vale pensar, refazer, pois o que importa é o resultado perfeito.

A trova é, portanto, a ideia sintetizada, a comunicação imediata, que pode trazer tanto um pensamento filosófico como a sabedoria da experiência, o humor ou o lirismo.

Quando finalmente pronta, a trova é como o filho criado, independente, que percorre o mundo levando a mensagem de seu criador.

Nesse oceano de trovas brilhantes, os trovadores são amigos fraternos que, embalados pela mesma inspiração poética, vão compartilhando a vida nos versos, falem eles das dores sentidas ou das alegrias da jornada.

No dia 18 de julho, data de nascimento de Luiz Otávio, responsável pela consolidação do movimento trovadoresco no Brasil, é comemorado o dia do trovador, data em que todos os poetas e admiradores dessa bela e requintada expressão poética relembram o saudoso e querido amigo, principalmente com a leitura de suas belas trovas, tão contemporâneas, que nos deixam a certeza de um homem que viveu à frente de seu tempo.

Fonte:
http://poesiasurbanasetrovas.blogspot.com.br/p/trovas.html


José Feldman (O Trovador)


O Trovador

         Hoje é o Dia Nacional do Trovador. E, em homenagem a este dia, tantas e tantas trovas são colocadas. Mas, afinal quem é o trovador?
         Trovas são os nossos sonhos, nossos momentos de tristeza, de revolta, de solidão, de alegria, de amor, de fé.
         Os trovadores carregam dentro de si uma bagagem enorme de suas realizações, decepções, sonhos e principalmente, doação.
         O trovador doa-se, para poder compartilhar o momento com os outros. É como se recebesse um pão e deste fizesse brotar tantos e tantos pãezinhos para que pudesse saciar a nossa fome de esperança.
         O trovador é coração, é alma, é sangue, é lágrima, é riso.
         O trovador busca em cada cantinho escondido da vida um mínimo que seja de um grão de areia para poder mostrar ao mundo, e transformar este grão em uma praia enorme para que todos possam aproveita-la e se encantar com a maravilha que é um mero grão.
         O trovador é luz. É luz que ilumina o caminho de muitos que vivem nas trevas. É luz daqueles que a perderam nas encruzilhadas da vida.
         O trovador é sonho. Tantos sonhos são sonhados, e o trovador carrega nestes quatro versos sonhos que se perderam na névoa do tempo.
         Enfim, o trovador é amor. É o amor dos apaixonados, o amor dos casados e dos que ainda um dia irão amar. É o amor de amigos, o amor ao próximo, o amor aos animais.
         O trovador foi, é e sempre será VIDA!
         Meus parabéns a todos os trovadores, todos que batalharam e batalham para manter esta chama acesa.
         São tantos nomes, por isto deixo os meus parabéns a TODOS OS TROVADORES E AMANTES DA TROVA.
         E em especial o meu muito obrigado a Luiz Otávio, nosso mestre maior, o estopim do movimento trovadoresco.
(José Feldman)
 

Artur de Azevedo (Poemas Escolhidos)


AS ESTÁTUAS

No dia em que na terra te sumiram,
Eu fui ver-te defunta sobre a essa*,
Fechados para sempre — oh, sorte avessa!
Aqueles olhos que me seduziram.

À luz do sol uma janela abriram,
E o jardim avistei onde, oh, condessa,
Uma noite perdemos a cabeça,
E as estátuas de mármore sorriram...

Saíste por aquela mesma porta
Onde outrora os teus lábios me esperaram,
Cheios do amor que ainda me conforta.

Quando o jardim saudoso atravessaram
Seis homens com o esquife em que ias morta,
As estátuas de mármore choraram!
________________
*estrado alto sobre o qual se coloca o ataúde ou a representação de um morto a quem se deseja prestar honras

ETERNA DOR 

Já te esqueceram todos neste mundo...
Só eu, meu doce amor, só eu me lembro,
Daquela escura noite de setembro
Em que da cova te deixei no fundo.

Desde esse dia um látego iracundo
Açoitando-me está, membro por membro.
Por isso que de ti não me deslembro,
Nem com outra te meço ou te confundo.

Quando, entre os brancos mausoléus, perdido,
Vou chorar minha acerba desventura,
Eu tenho a sensação de haver morrido!

E até, meu doce amor, se me afigura,
Ao beijar o teu túmulo esquecido,
Que beijo a minha própria sepultura!
________________

MUSA INFELIZ

Todo o cuidado nestas rimas ponho;
Musa, peço-te, pois, que me remetas
Versos que tenham rútilas facetas,
E não revelem trovador bisonho.

Meia noite bateu. Sai risonho...
Brilhava - oh, musa, não me comprometas! -
O mais belo de todos os planetas
N'um céu que parecia um céu de sonho.

O mais belo de todos os prazeres
Gozei, à doce luz dos olhos pretos
Da mais bela de todas as mulheres!

Pobres quartetos! míseros tercetos!...
Musa, musa infeliz, dar-me não queres.
O mais belo de todos os sonetos!...
________________

O MURO

Com justa maldição já te não falto,
Desalmado pedreiro, que tão alto
Fizeste o muro de jardim que cerca,
A habitação da minha namorada!

Baldado esforço! Qual o quê! Não salto!
Não quero espapaçar-me neste asfalto!
Fortuna, amor, prazer, tudo se perca!
Ah, maldito pedreiro, alma danada!

Furioso diante das paredes altas,
Consolação debalde vos procuro,
Peito que saltas, perna que não saltas!

Que lamente, que chore o fado escuro,
Quem fora o mais ditoso dos peraltas,
Se não fosse tão alto aquele muro!
________________

O RELÓGIO

Quando não vens, formosa desumana,
E, saudoso de ti, sem ti me deito,
Fica tão esperançoso o nosso leito,
Que me parece o campo de Sant'Ana!

Quando não vens, oh, pálida tirana,
Torna-se lúgubre o quartinho estreito!
Com muitas flores, flor, debalde o enfeito:
Falta-lhe a flor das flores soberana.

Se vens, é natural que isso me apraza;
Mas, se não vens, quanta amargura, quanta!
As próprias coisas sentem n'esta casa!

É o relógio, porém, que mais me espanta,
Pois, se não vens, o mísero se atrasa,
E, se vens, o ditoso se adianta!
________________

SONETO DRAMÁTICO

"O Incesto". Drama em 3 atos. Ato primeiro:
Jardim. Velho castelo iluminado ao fundo.
O cavaleiro jura um casto amor profundo,
E a castelã resiste... Um fâmulo matreiro

Vem dizer que o barão suspeita o cavaleiro...
Ele foge, ela grita... — Apito! — Ato segundo:
Um salão do castelo. O barão, iracundo,
Sabe de tudo... Horror! Vingança! — Ato terceiro:

Em casa do galã, que, sentado, trabalha,
Entra o barão armado e diz: "Morre, tirano,
Que me roubaste a honra e me roubaste o amor!"

O mancebo descobre o peito. — "Uma medalha!
Quem ta deu?!" — "Minha mãe!" — "Meu filho!" Cai o pano...
À cena o autor! à cena o autor! à cena o autor!
________________

TERTULIANO, O PASPALHÃO

Tertuliano, frívolo peralta,
Que foi um paspalhão desde fedelho,
Tipo incapaz de ouvir um bom conselho,
Tipo que, morto, não faria falta;

Lá um dia deixou de andar à malta
E, indo à casa do pai, honrado velho,
A sós na sala, diante de um espelho,
À própria imagem disse em voz bem alta:

— Tertuliano, és um rapaz formoso!
És simpático, és rico, és talentoso!
Que mais no mundo se te faz preciso?
Penetrando na sala, o pai sisudo,
Que por trás da cortina ouvira tudo,
Severamente respondeu: — Juízo!
________________

33 GRAUS À SOMBRA

Calor que os colarinhos me descolas,
Vê como tenho as roupas ensopadas!
Já tomei não sei quantas cajuadas!
Já gastei não sei quantas ventarolas!

Canícula que a toda a gente amolas
E me privas de algumas namoradas.
As pobres ficam; as remediadas,
Perseguidas por ti, vão dando as solas!

Do nosso "high-life" as pálidas donzelas,
Como um bando travesso de andorinhas
Para as montanhas vão, batendo as asas...

Sem me dizer adeus, voou com elas
A mais gentil das namoradas minhas!
Dize, meu anjo, é certo que te casas?
________________

VEM

Escrúpulos?...Escrúpulos!...Tolice!...
Corre aos meus braços! Vem! Não tenhas pejo!
Traze o teu beijo ao encontro do meu beijo,
E deixa-os lá dizer que isto é doidice!

Não esperes o gelo da velhice,
Não sufoques o lúbrico desejo
Que nos teus olhos úmidos eu vejo!
Foges de mim?... Farias mal? .... Quem disse?

Ora o dever! - o coração não deve!
O amor, se é verdadeiro, não ultraja
Nem mancha a fama embora alva de neve.

Vem!... que o sangue férvido reaja!
Amemo-nos, amor, que a vida é breve,
E outra vida melhor talvez não haja!

Como Escrever um Limerique

Um limerique é um poema curto, cômico e quase musical que beira o absurdo ou o obsceno. O nome do poema é geralmente considerado como uma referência à cidade irlandesa de Limerick, que é onde acredita-se tenha tido origem, mas seu uso foi documentado pela primeira vez na Inglaterra em 1846, quando Edward Lear publicou A Book of Nonsense, (e, portanto, o dia do Limerique é celebrado no seu aniversário, 12 de maio). Para escrever um, você precisa de um pouco de prática, mas não vai demorar para você ficar viciado em criar rimas espirituosas e imaginativas.

1
Aprenda as características básicas de um limerique.

Padrão de rimas. Um limerique tem cinco versos: o primeiro, o segundo e o quinto rimam entre si, e o terceiro e o quarto entre eles.

Número de sílabas. O primeiro, segundo e quinto versos devem ter oito ou nove sílabas, enquanto o terceiro e o quarto devem ter cinco ou seis.

Métrica. Um limerique tem um certo “ritmo” criado pela ênfase dada às sílabas.

Verso Anapéstico – duas sílabas curtas seguidas por uma longa (pa-pa-pam, pa-pa-pam) 

Aqui vai um exemplo (note que a ênfase naturalmente cai nas sílabas entre aspas): 
Es-ta-“rei” a-ma-“nhã” por-a-“qui”/ Es-tu-“dan”-do,o-ter-“ná”-rio-ca-“paz”

Verso Anfíbraco – uma sílaba longa entre duas curtas (pa-pam-pa, pa-pam-pa. Exemplo: 

No-“ber”-ço pen”den”te de “ra”mos flo”ri”dos/Em “que eu” peque”ni”no fe”liz” dormi”ta”va.

Os versos podem começar com duas, uma ou ocasionalmente nenhuma sílaba átona. Alguns preferem continuar o ritmo de uma linha para a próxima, especialmente quando uma frase continua na linha seguinte, mas isso não é essencial.

2
Escolha o fim do seu primeiro verso, geralmente um lugar. Por exemplo, São “Pau”lo. Note que a primeira sílaba de Paulo é tônica, resultando em uma sílaba curta no fim do verso. Outro exemplo: Bau”ru”. Note que a segunda sílaba de Bauru é tônica.

3
Pense em diversas palavras que rimem com o fim do primeiro verso. Deixe a história e a graça do seu limerique se originarem das rimas que pensar. Desse modo você vai parecer engraçado, espirituoso e esperto. 

Exemplo 1: Como a sílaba tônica de Paulo é a primeira, você terá que rimar a palavra toda. Algumas palavras que vêm à mente: alto, falo, calo, calvo, fidalgo. 

Exemplo 2: Em Bauru a sílaba tônica é a segunda, então você só precisa encontrar uma rima para ela. Algumas palavras que vêm à mente: Canguru, jaburu, baiacu. Anote sua própria lista.

4
Faça associações com as palavras rimadas. 

Exemplo 1: Com palavras como alto, calvo e fidalgo você pode fazer um limerique sobre um senhor e suas qualidades. 

Exemplo 2: Com a combinação azul, baiacu e jaburu, você pode pensar em um limerique sobre animais coloridos. Vá pela lista que criou e invente pequenas histórias sobre o que pode ter acontecido e como suas ideias podem estar relacionadas.

5
Escolha uma história que te atraia, e decida quem é a pessoa que você introduz no primeiro verso. O que é importante sobre ela? Você vai se concentrar na profissão ou status social dela, ou na idade, saúde ou fase da vida? 

Exemplo 1: Para o limerique de São Paulo, você pode escolher a palavra “idoso.” 

Exemplo 2: Para o limerique de Bauru, você pode escolher “animais”.

6
Escreva o primeiro verso de acordo com a métrica. 

Exemplo 1: A sílaba tônica de idoso é a segunda. Em São Paulo, a sílaba do meio é a tônica. Isso significa que precisamos de mais três sílabas, e a do meio deve ser tônica. Então temos: “Um homem idoso de São Paulo.” 

Exemplo 2: Animais é formado por duas sílabas curtas e uma longa. Combinado com Bauru, isso nos deixa com quatro sílabas restantes. Você pode resolver isso, por exemplo, assim: Animais no fogão em Bauru.

7
Escolha uma situação ou ação com a qual começar o limerique. Esse é o início da sua história ou piada. Use uma das rimas da lista. 

Exemplo 1: “Um homem idoso de São Paulo, era bom, mas um tanto calvo.” 

Exemplo 2: “Animais no calor de Bauru, era um cachorro e um baiacu.” Note como a rima no verso 2 parece se adequar com o assunto do verso 1, quando na verdade é o contrário.

8
Pense em uma reviravolta para sua história, tendo em mente as rimas do terceiro e quarto verso, mas salve a piada para o último verso. 

Exemplo 1: Algumas partes da história podem ficar avacalhadas, já que limeriques muitas vezes beiram o obsceno. Por exemplo, você pode fazer os hormônios do herói se descontrolarem (sem deixar muito explícito). Que tal: “Ele sempre sonhava, que uma moça amava ”? 

Exemplo 2: Pensando em baiacu e jaburu, você pode ter percebido como animal é uma palavra com muitas rimas.

9
Volte para a sua lista de rimas e encontre uma boa para encerrar a história com uma boa piada. Essa é a parte mais difícil. Não desanime se os seus primeiros limeriques não são engraçados o bastante. Lembre-se primeiramente de que é tudo uma questão de gosto e em segundo lugar: tudo precisa de prática. 

Exemplo 1: “Um homem idoso de São Paulo, era bom, mas um tanto calvo. Ele sempre sonhava, que uma moça amava, mas ele caiu do cavalo.” 

Exemplo 2: “Animais no calor de Bauru, era um cachorro e um baiacu.” “Foram cozidos, quase comidos, mas tinham sabor de jaburu.”

Dicas

Passe por todo o alfabeto para achar rimas. Isso vai te ajudar a lembrar rapidamente de um grande número de rimas. Por exemplo, pegue a palavra “Wiki” e troque o W por todas as letras do alfabeto. Quando você tiver passado mentalmente por todas as 26 letras, você terá: dique, fique, pique, tique. Também há dicionários de rima que podem ajudar.

Tente começar a primeira linha com “Era uma vez um ____ de ____”. Assim fica mais fácil.

Escolha animais, plantas ou pessoas como tópicos no começo. Não comece com nada abstrato demais.

Se você estiver sem saber como continuar, tente dar uma olhada em alguns limeriques que outras pessoas escreveram. Os limeriques de cada escritor tem sua atmosfera especial. Você nunca sabe qual deles pode quebrar seu bloqueio de escritor.

Bata palmas quando ler seus limeriques em voz alta. Isso vai te ajudar com a métrica do poema, e a verificar se está com o ritmo certo.

No Brasil, a arte do limerique também foi representada por escritores como Joaquim de Sousândrade e Clarice Lispector, sendo que os mais famosos foram escritos pela escritora de livros infantis Tatiana Belinky.

Poemas de amor são difíceis de escrever. Limeriques são piadas, não poemas de amor.

Quando você tiver dominado o básico, experimente rima interna, aliteração ou assonância para deixar seu poema ainda mais especial.

Exemplo de Limeriques

1
Ao ver uma velha coroca
fritando um filé de minhoca
o Zé Minhocão
falou pro irmão:
“Não achas melhor ir pra toca?”
Tatiana Belinky

2
Amarrei uma fita no dedo
Para não esquecer o segredo
Mas, reparem que azar
Esqueci de lembrar
Ai, que medo!
Tatiana Belinky

3
"Tremelique" ataca no escuro
(O susto é um páreo duro!)!
O cara atacado
É um gato escaldado
Que vive em cima do muro!
Tatiana Belinky

4
Eu ontem comi agrião
Temperado com açafrão
 Me deu um piriri
Que quase morri
Com minhas calças na mão!
Pedro Antônio de Oliveira

5
Pela longa rua da feira
tem tudo de bom e primeira;
vê-se a granel,
quentinho. pastel...
Tem até gente barraqueira.
Nilton Manoel

6
Professor, é com letra de mão?
Sim! cursiva nesta lição.
Quem escreve de pé
tendo no aluno fé,
é professor de profissão.
Nilton Manoel

Fonte principal:
http://pt.wikihow.com/Escrever-um-Limerique

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to