Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Milton S. Souza (Nem Sei Porque Sou Assim)


Nem sei porque sou assim:
Cada sonho que acalento
Se agarra tanto aqui dentro
Que vira parte de mim.

Fui assim desde criança
Sonhador incorrigível
Procurando no impossível
Uma luz ... uma esperança.
Pareço pombinha mansa
Mas não gosto de enganar
Se um sonho me faz voar
Nem um corisco me alcança.

O sonho nos assegura
Que o céu não é tão distante
Ele grita... e nos garante
Que vale a pena a procura.
Quem sonha se transfigura
Mudando o brilho do ollhar,
Que sonha pode mudar
Qualquer sorte... por mais dura.

Nem sei porque sou assim:
cada sonho que acalento
se agarra tanto aqui dentro
que vira parte de mim.

Por isso é que choro tanto
Ao ver um sonho morrer
Sonhar é mais que viver:
É da vida ter o encanto.
Cada sonho é um acalanto
Que embala nossa alma...E traz
Um misto de guerra e paz
No feitiço do seu canto.

Um sonho pode fazer
O inverno virar verão,
Pode entrar num coração
Quietinho...sem ninguém ver
Pode até mesmo acender
Alguma estrela apagada,
E as vezes, sem trazer nada
Enche a gente de prazer.

Sonhar é uma forma bonita
De atender o que a alma exige
Somente um sonho corrige
qualquer vida mal escrita.
E quando a gente acredita
Torna reto o rumo torto
E até mesmo um sonho morto
Muitas vezes ressuscita

Se sonhando eu sempre vim
Porque é assim meu coração,
Pouco me importa a razão
Desse meu sonhar sem fim.
Nem sei porque sou assim:
cada sonho que acalento
se agarra tanto aqui dentro
que vira parte de mim.

Érika Lourenço Jurandy (Querida Mãe)


Aqui sentada na varanda, olhando para as nuvens que correm sem parar, lembro-me de quando te senti, pela primeira vez, em minha vida. Foi quando passei a enxergar, ainda com tenra idade. Sem entender o que era aquela imensidão azul acima da minha cabeça, vi algo tão lindo que, mais tarde, descobri ser o céu. Quantas vezes depois, deitada na grama verde e junto às belas flores que você me deu, contemplei aquele azul sem igual, com os matizes que só você sabe como pintar. Vi, nas nuvens brancas e fofinhas, as formas e histórias que você decidia me contar. E todas as vezes que estive desanimada, você tratou de me fazer ver o lindo cenário que, de graça, me oferecia, para acalmar meu coração.

Nas noites, me deu a lua e as estrelas, a luz delas e a ciranda dos astros, me mostrando que seu amor por mim era infinito, tão infinito quanto aquelas luzes brilhantes lá em cima. Fez-me, além de feliz por ter tanta beleza ao redor, uma quase poeta, trazendo inspirações nas noites frias ou com belo firmamento, com lua nova ou minguante, não importa. Sempre me deu uma noite para poder ver, me inspirar e descansar.

Mesmo sabendo da minha fobia por ambientes com grandes extensões de água, não deixou de preservar minha saúde e vida, me dando os rios, os lagos, as cachoeiras, os mares. Apesar de nunca me obrigar a ir até esses belos locais, ainda assim, deixa-os por mim, pois sabe das minhas necessidades físicas e tem plena consciência de que necessito de água para manter-me viva! Como boa e zelosa mãe, me respeita e cuida de mim, aceitando minhas limitações com suas belezas naturais e gratuitas.

Tendo em mente que eu necessitaria de irmãos, me deu muitos, de diferentes tipos e comportamentos, que possuem o nome de animais, embora prefira chama-los de irmãos menores – ou nem tanto! – que ainda não aprenderam a falar. Com eles aprendi o valor da vida, do amor verdadeiro, da amizade e devoção. Aprendi a respeitar os diferentes, a ter delicadeza, a ser mais humana. Com eles estou sempre perto de você.

Para deixar meus ambientes coloridos, frescos e sempre com bom ar, livre de perigos respiratórios, fez nascer as mais belas plantas, árvores e flores. Todas com seus coloridos, com seus orvalhos, com suas sínteses e fotossínteses. Complexas, belas e plenas. Raras, fáceis de encontrar. Tamanhos e folhagens variados, tanta criatividade que nem sei como consegue tanto para me ofertar. Além disso, providenciou que muitas pudessem me oferecer alimentos, os frutos deliciosos, que ajudam na minha saúde e alimentação saudável. Por que só uma mãe zelosa como você pensa em tudo, nos mínimos detalhes.

A terra que existe, com todas as suas propriedades e camadas, com todo o poder de fazer nascer e crescer, demonstra a sua vontade de me fazer ver que tenho solo que me proporciona alicerce para construir minha vida, nos mais variados sentidos.

Não tenho palavras para descrever o quanto és maravilhosa e o quanto sou grata por ter nascido no seu seio, sendo um de seus filhos. Gratidão é pouco para dar-te, diante de tudo o que faz por mim. 

Infelizmente, nem todos os meus irmãos sabem o valor que possui e o quanto devem cuidar de ti. Destroem tudo o que oferece de bom grado e ainda reclamam quando, em determinados momentos, se insurge contra os danos que lhe propiciam. Aliás, você nunca revida o mal que te fazem; tudo de ruim que atribuem a você não passa de consequências dos malfeitos que realizam, acreditando que não haverá efeito colateral. Não pensam eles, os filhos ingratos, que são vítimas de suas próprias condutas maculosas, porque você é uma mãe sem igual e, como tal, ama seus filhos, mesmo os não merecedores.

Ah minha mãe Terra, minha querida Mãe Gaia. Aquela que cuida de mim até o fim, fazendo com que voltemos a seu seio quando acreditamos que chegamos ao nosso fim, a morte. É nela que nos unimos a ti novamente, mostrando que todos somos seus filhos, nem sempre tão gratos, mas seus.

(Medalha de Prata no V Concurso de Literatura da Natureza, Categoria Prosa)

Fonte:

domingo, 15 de julho de 2018

José Feldman (Álbum de Trovas) 28


Ulysses Lins de Albuquerque (Cristais Poéticos)


QUADRAS

1
Quando na Terra surgias,
Cobriu-se o Espaço de um véu...
Vênus disse às Três-Marias:
"Falta uma estrela no Céu!"
2
Toda de branco, cismando, 
Pareces-me (e ver suponho) 
Uma garça se banhando
No lago azul do meu Sonho.
3
No deserto que me oprime, -  
 − Beduíno da Ilusão, −
És a miragem sublime
Que me deslumbra a visão.
4
Se ela sorrindo me fita,
Eu penso, e sei que é certeza:
Não há obra mais bonita
Nos reinos da Natureza.
5
Os amores que eternizam 
Lauras, Beatrizes, Leonores,
− Os que não se realizam −
São sempre os grandes amores.
6
Quando eu a vejo, tão bela, 
Fico logo sem ação,
Pois leio nos olhos dela 
Meu mandato de prisão.

POEMAS

ADEUS

Ah, para que falar na linda história
De um amor que talvez nem chegue ao fim!
Não. Vou guardá-la a um canto da memória,
Como um segredo a sepultar-se em mim.

Esse amor foi talvez a maior glória
Que em altos sonhos aspirei; e, enfim,
Não passa de miragem transitória...
— Para o poeta, quase tudo é assim!

Quero apenas dizer-te na hora extrema
Da despedida, neste pobre poema,
Uma palavra simplesmente: Adeus.

Mas neste Adeus minha alma, te enlaçando,
Ficará junto a ti, talvez — bailando,
Qual doida abelha — à flor dos lábios teus.

À MARGEM DE UM POEMA OLEGARIANO 
à minha neta Maria Regina

A cigarra cantou, cantou... e um dia,
Lá da ingazeira em flor, rolava ao chão.
As formigas cercaram-na. Caía
Ali perto, uma flor, na ocasião.

Delas, um bando diligente agia.
E uma pétala à flor colhendo, então,
Nela posta a boêmia, lá saía
O enterro... — Parecia procissão!

As que carpiam, longe, a companheira,
Foram pousar na copa da ingazeira
Que, a estremecer, deixando cair flor,

Salvava — junto às aves em cantigas —
O carinho, a nobreza das formigas,
Carregando a cigarra... num andor.

FALANDO AO CORAÇÃO 
a meu neto Rogério

Alto lá, coração! Refreia as ânsias
Que estão — eu sinto — a fermentar no peito.
Recorda bem aquelas circunstâncias
Em que me embaracei por teu respeito.

Vê que as águas dos rios às distâncias,
Nas margens, vão; mas retornando ao leito,
No húmus que espalham, cheio de fragrâncias
O vale, empós, lembra um jardim perfeito.

Segue esse exemplo, e escuta, velho amigo:
Já me impeliste às bordas do perigo
E hoje, à voz da razão subordinado,

Só me resta conter os teus arrancos.
Por ti, ganhei muitos cabelos brancos...
Tem paciência: ficas enjaulado!

NATAL 
a José Wamberto

Natal da minha infância! — Lá na aldeia,
Badala o sino. A celebrar em frente
Da ermida, o Padre Colombet folheia
O Missal... ergue os braços lentamente...

De em meio à multidão surge a voz cheia
De Joaquim Padre — o preto alto, imponente, —
E o som do seu Bendito empolga e enleia
A alma cristã daquela boa gente.

A casa de meu pai era um cortiço.
Até de madrugada em rebuliço
O pobre lugarejo (hoje é cidade...).

E agora eu, a evocar aquilo tudo,
Quando chega o Natal, — assisto, mudo,
Rolar a minha noite de saudade!

NINHO ABANDONADO 
a João Torres Bandeira

Que és hoje, peito meu? — Casa vazia,
Onde no entanto, as ilusões, outrora,
Ofertavam-me o vinho da Poesia,
Embalando-me aos cânticos da aurora.

Mas — por culpa, de quem? Nem sei! — um dia,
Todas, bailando, a rir, foram-se embora;
E desde então, na angústia que a excrucia,
Minha alma — esta alma de criança — chora.

E nunca mais um riso, um canto, um hino,
Foi quebrar o silêncio impressionante
Do ninho abandonado ao seu destino.

Apenas, alta noite, às gargalhadas,
Dele em redor, o vento frio, uivante,
Lembra um triste clamor de almas penadas.

PANTEÍSMO 
às minhas netas Ângela e Sílvia

Vinde, ó poetas, músicos, pintores,
Ver e ouvir o conjunto de beleza,
— O verde, sombra e luz, gorjeios, flores, —
Que em seu seio nos mostra a Natureza!

Quando, em êxtase, admiro esses primores
De harmonia, de graça, de pureza,
Vejo o mundo sorrir-me em róseas cores,
A vida para mim tem mais grandeza.

Quanto me empolga esse esplendor selvagem
Da floresta, e — um encanto na paisagem —
Da canafístula os festões de flor!

E eu sonhando em gravar tanta magia,
Numa tela, na pauta ou na poesia,
Sem ser poeta, músico ou pintor!

ROSA MURCHA

Como outrora eu te vi, graciosa e bela,
— Rosa humana de sonhos orvalhada!
Eras um misto, assim, de flor e estrela,
Irradiando o esplendor de uma alvorada.

Foram os anos perseguindo aquela
Rara beleza, aos poucos desgastada;
E à ação do tempo o encanto se esfacela
— Ah, murcha rosa! — e tudo em breve é nada!

Perfumaste de amor o meu caminho,
Na rósea quadra em que era um sonho a vida,
Para mim, junto a ti, Flor sem espinho!

— Ilusão da perdida mocidade!
Minha alma ainda te beija, enternecida,
E hoje sente um espinho: — é o da saudade.

VELHA MUSA 
à minha neta Maria Cristina

A velha Musa, há tempos escondida
De mim, volta de manso ao meu casebre,
Onde, por vezes, eu ardendo em febre,
Tive-a a velar-me — terna irmã querida.

Em alto canto o trovador celebre
A sua vinda. E a dar-me alento à vida,
Ela demore até que, desprendida
De minhas mãos, a harpa, a cair, se quebre.

Tendo-a a meu lado, não me atemorizo,
Mesmo quando entre sombras já diviso
A funérea visão que, em hora morta,

Ao redor dos enfermos baila e ronda...
Não estou só. Se ela me espreita e sonda,
Durmo tranquilo. Deixo aberta a porta.

Ulysses Lins de Albuquerque (1889 – 1979)

Ulisses (também grafado Ulysses) Lins de Albuquerque nasceu em Sertânia (PE) , em 9 de maio de 1889, filho de Manuel Coelho Lins de Albuquerque e de Teresa Lins de Siqueira. 

Funcionário público, formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Recife. Foi professor interino, em 1904, e teve uma escola particular. Nomeado pelo governador Sigismundo Gonçalves, foi agente do Tesouro na Coletoria Estadual e agente fiscal do Imposto de Consumo em Pernambuco. Transferido para São Paulo, em 1938, atuou na advocacia e na indústria agropecuária, aposentou-se em 1940.. Em 1945, elegeu-se constituinte e, depois, deputado federal por Pernambuco, na legenda do Partido Social Democrático (PSD). Preocupado com o andamento das obras realizadas pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF), destacou-se na defesa da construção da usina hidrelétrica de Paulo Afonso.

Após a promulgação da nova Carta (18/9/1946), passou a exercer o mandato na legislatura ordinária, tornando-se membro da Comissão de Transportes e Comunicações da Câmara. Reelegeu-se deputado federal nos pleitos de outubro de 1950 e de 1954 e, ao final do último mandato, em janeiro de 1959, deixou a Câmara, não voltando a exercer cargos públicos eletivos.

Foi membro da Academia Pernambucana de Letras e seu representante na federação das Academias do Brasil, sócio do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano e membro do Instituto Genealógico de Pernambuco.

Foi casado com Rosa Bezerra Lins de Albuquerque, com quem teve nove filhos.

Faleceu no Rio de Janeiro em 29 de dezembro de 1979.

Publicou Pedúnculos (1916), Ao sol do sertão (poesia, 1922), Mestres e discípulos (1927), De joelhos (com o pseudônimo de Bilac Sobrinho, 1930), Livro de Inach (1933), Um sertanejo e o sertão (memórias, 1957, 2ª ed., 1976), Chico Dandim (romance, 1974), O boi de ouro e outras histórias (1975), Fogo e cinza, Sertão mártir, Hino à gleba, Alma da terra, Estrada de espinho, Moxotó brabo, Sol poente e Três Ribeiras.

O arquivo de Ulisses Lins encontra-se depositado no Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas.

Fontes:

Carlos Drummond de Andrade (Assalto)

Na feira, a gorda senhora protestou a altos brados contra o preço do chuchu:

— Isto é um assalto!

Houve um rebuliço. Os que estavam perto fugiram. Alguém, correndo, foi chamar o guarda. Um minuto depois, a rua inteira, atravancada, mas provida de admirável serviço de comunicação espontânea, sabia que se estava perpetrando um assalto ao banco. Mas que banco? Havia banco naquela rua? Evidente que sim, pois do contrário como poderia ser assaltado?

— Um assalto! Um assalto! — a senhora continuava a exclamar, e quem não tinha escutado escutou, multiplicando a notícia. Aquela voz subindo do mar de barracas e legumes era como a própria sirena policial, documentando, por seu uivo, a ocorrência grave, que fatalmente se estaria consumando ali, na claridade do dia, sem que ninguém pudesse evitá-la.

Moleques de carrinho corriam em todas as direções, atropelando-se uns aos outros. Queriam salvar as mercadorias que transportavam. Não era o instinto de propriedade que os impelia. Sentiam-se responsáveis pelo transporte. E no atropelo da fuga, pacotes rasgavam-se, melancias rolavam, tomates esborrachavam-se no asfalto. Se a fruta cai no chão, já não é de ninguém; é de qualquer um, inclusive do transportador. Em ocasiões de assalto, quem é que vai reclamar uma penca de bananas meio amassadas?

— Olha o assalto! Tem um assalto ali adiante!

O ônibus na rua transversal parou para assuntar. Passageiros ergueram-se, puseram o nariz para fora. Não se via nada. O motorista desceu, desceu o trocador, um passageiro advertiu:

— No que você vai a fim de ver o assalto, eles assaltam sua caixa.

Ele nem escutou. Então os passageiros também acharam de bom alvitre abandonar o veículo, na ânsia de saber, que vem movendo o homem desde a idade da pedra até a idade do módulo lunar. Outros ônibus pararam, a rua entupiu.

— Melhor. Todas as ruas estão bloqueadas. Assim eles não podem dar no pé.

— É uma mulher que chefia o bando!

— Já sei. A tal dondoca loura.

— A loura assalta em São Paulo. Aqui é a morena.

— Uma gorda. Está de metralhadora. Eu vi.

— Minha Nossa Senhora, o mundo está virado!

— Vai ver que está caçando é marido.

— Não brinca numa hora dessas. Olha aí sangue escorrendo!

— Sangue nada, tomate.

Na confusão, circularam notícias diversas. O assalto fora a uma joalheria, as vitrinas tinham sido esmigalhadas a bala. E havia joias pelo chão, braceletes, relógios. O que os bandidos não levaram, na pressa, era agora objeto de saque popular. Morreram no mínimo duas pessoas, e três estavam gravemente feridas.

Barracas derrubadas assinalavam o ímpeto da convulsão coletiva. Era preciso abrir caminho a todo custo. No rumo do assalto, para ver, e no rumo contrário, para escapar. Os grupos divergentes chocavam-se, e às vezes trocavam de direção: quem fugia dava marcha a ré, quem queria espiar era arrastado pela massa oposta. Os edifícios de apartamentos tinham fechado suas portas, logo que o primeiro foi invadido por pessoas que pretendiam, ao mesmo tempo, salvar o pelo e contemplar lá de cima. Janelas e balcões apinhados de moradores, que gritavam:

— Pega! Pega! Correu pra lá!

— Olha ela ali!

— Eles entraram na Kombi ali adiante!

— É um mascarado! Não, são dois mascarados!

Ouviu-se nitidamente o pipocar de uma metralhadora, a pequena distância. Foi um deitar-no-chão geral, e como não havia espaço, uns caíam por cima de outros. Cessou o ruído. Voltou. Que assalto era esse, dilatado no tempo, repetido, confuso?

— Olha o diabo daquele escurinho tocando matraca! E a gente com dor de barriga, pensando que era metralhadora!

Caíram em cima do garoto, que soverteu na multidão. A senhora gorda apareceu, muito vermelha, protestando sempre:

— É um assalto! Chuchu por aquele preço é um verdadeiro assalto!

Fonte:
Carlos Drummond de Andrade. 70 Historinhas. 
São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

sábado, 14 de julho de 2018

Gislaine Canales (1938 - 2018)

Faleceu sexta-feira, 13 de abril de 2018, em Porto Alegre/RS,  aos 80 anos de idade, a poetisa e trovadora gaúcha Gislaine Canales.


sexta-feira, 13 de julho de 2018

J. G. de Araújo Jorge (Poemas Seletos) I


AS CHAVES
A Fernando Torquato Oliveira

Felizes os homens que tem as chaves
porque só encontram portas abertas...


Como podem tantos homens dormir sossegados e felizes
de portas fechadas,
quando essas portas se fecham para tantos homens
que ficam sempre ao relento
e nunca podem entrar?

Neste mundo de tantas portas,
quando teremos cada um, a sua chave,
e a sua hora de voltar?...

A BANDA

Meu verso será como a banda
tocará música para o povo.

Irá para o coreto da praça fazer retreta
passará pelas ruas com um carneirinho branco
- é a mascote -,
as mulheres virão de avental à janela,
os homens pararão o trabalho e atravessarão a rua,
e os garotos, - ah, os garotos! - acompanharão a banda.. .

Tocarei o Hino da Liberdade, tocarei a Marcha do Socialismo,
às vezes uma valsa - Danúbio Azul -
e a Protofonia do Guarani.

De qualquer forma todos me ouvirão:
estarei no coreto da praça - os instrumentos brilhando-
e os garotos me acompanharão pela rua
até o futuro.

Se preciso - se preciso - estarei à frente das tropas
abrindo passagem para a bandeira.

A FESTA TRISTE

Não, o Natal não é uma festa alegre,
é uma festa triste.

De repente
as crianças (logo as crianças!)
separam o mundo em duas metades
desiguais:
- de um lado, a abastança, indiferente ou piedosa;
do outro, a necessidade, a mendigar seus restos
como há milênios faz...

As crianças (logo as crianças!)
Algumas com presentes, brinquedos, esperanças,
e as puras alegrias que o bom Velhinho
lhes traz do céu;
outras, sem terem nada, e mesmo tendo pais,
são "órfãos do Natal",
não tem Papai Noel...

Não. Neste mundo como está,
(neste mundo profano
que a um olhar mais humano
não resiste),
o Natal pode ser uma festa,
(quem contesta?)
mas é uma festa triste…

A GELADEIRA

Os capitalistas, os donos do mundo
não conhecerão esta pura alegria.

Esperar a geladeira nova
e a geladeira nova chegar.

O caminhão que para, o vulto branco que desce,
o cuidado do homem rude que nunca a possuirá,
uma faísca de sol nos metais de fecho de abrir,
os meninos que param em roda do caminhão, assistindo,
e eu, de camarote, da sacada do apartamento
assistindo.

Os capitalistas não conhecerão esta pura alegria:
esperar a geladeira
a geladeira de sete pés, branca e iluminada
que afinal chegou.

Agora haverá coca-cola, crush, e água gelada pra visita
e pavê de chocolate, e quanta coisa gostosa
que o frio preservará com seu sopro imortal.

O dial da geladeira  não faz jorrar música
mas fala inglês: "defrost, fast, freese, box";

Gosto de abrir a geladeira, 
ela se acende toda quando eu a toco,
fica festiva, bela e alegre, 
na sua brancura imaculada
e nos seus metais rebrilhando.

Sinto o hálito frio que me envolve o rosto
me apanha as mãos,
e uma emoção primária de conforto me dissolve
quando ela se abre para mim, feliz e sortida
nas suas entranhas burguesas.

Esta pura alegria, esta higiênica alegria
não sentirão os capitalistas,
é privilégio dos que vem de baixo, 
escalando a vida como alpinistas,
para encontrar a neve e o frio das alturas
na sua geladeira branca e cheia de sol!

A MESMA HISTÓRIA... 

A história continua a mesma:
- um dia, um soldado (ou será civil?)
também não faz diferença,
baterá à tua porta,
estarás almoçando, ou estarás escrevendo,
estarás amando, ou apenas dormindo, não importa,
e te dirá que a pátria precisa de ti.

Ninguém perguntará tua opinião. Não tens escolha:
- tens que ir, assim farão todos,
senão a pátria dirá que és um desertor, (ou quem sabe? um covarde)
e todos acreditarão e todos te perseguirão.

Largaras tua mulher na cama, deixaras teus filhos na mesa;
abandonarás teu arado, a receberás uma linda metralhadora.
No lugar da cátedra, do laboratório, da oficina,
dirigirás um poderoso tanque ou um superbombardeiro;
deixaras a máquina de escrever, o tear, e pincel, o linotipo,
e levaras um fuzil;
saltaras de pára-quedas - as imensas    medusas do espaço, -
ou descarregarás bombas H sobre outras mulheres e outros filhos
pois teus olhos não distinguirão os seres humanas
das pedras do chão.

Não te perguntarão se tens pais, esposa ou filhos
que dependem de tua presença
se sobreviverão para esperar-te
nem mesmo te garantirão se ficarão protegidos.

Tambores, cornetas, hinos e ordens marciais
não te deixarão pensar:
reaprenderás a marchar
enquanto o medo te espreitará todas as horas,
e, quem sabe? te tornará um futuro candidato
a paciente de um hospital psiquiátrico.

A história continuará a mesma:
- um dia, o Governo se lembrará que existes,
e te mandará buscar onde estiveres:
e te dará instrução militar, farda vistosa, armas modernas,
galões nos ombros, medalhas, homenagens,
tudo de graça,
para morrer pela pátria.
....................

Ah, meu Deus,
quando chegará aquele dia, em que os Governos
se lembrarão de nos chamar
para viver pela pátria?

ALGUM SENTIDO

Não falo das torres altas, das torres engradeadas,
isolado nas alturas, olhando tudo distante,
sem a exuberância, sem os detalhes insignificantes
que são as grandezas trágicas da vida...

Não estou longe, não sou reflexo, não sou eco,
não sou um som perdido que ninguém sabe a origem...

Sou a boca que grita, a boca que pronuncia o som,
a mão que se eleva, não o gesto irreconhecível,
o coração que bateu, não a pulsação anônima,
a alma que luta, não o espírito que se acovardou
num canto introvertido...

Não falo do meu quarto fechado onde me tranquei a sete chaves
para não ouvir a algazarra dos tempos,
e a agitação das ruas,
nem receio descer os degraus que me levam à multidão
porque em verdade a nossa revolta não tem degraus!

Não temo as suas explosões porque seus estilhaços nunca me ferirão
nem atingirão nunca os que tiverem coragem de ser justos
e os que não se atropelam com a própria consciência...

Falo das ruas e das praças, estou perdido no meio da multidão,
não tenho medo porque eu sou ela e porque ela está em mim,
seu corpo fala pela minha voz na hora da compreensão
sinto a responsabilidade de falar em nome de seu destino...

Não me fechei na torre alta, isolado e indiferente,
meus pés estão no chão
sei que todas as torres altas, ante a avalanche dos tempos
se destruirão…

Fonte: 
J. G. de Araújo Jorge. O Poeta na Praça. 1981.

Élton Carvalho (Jardim de Trovas)


A esperança, como a vaga,
insistente, não se cansa:
se uma esperança se apaga,
se acende nova esperança!

A mulher do cabra tem
apelido de “Jangada”
porque ela, às vezes, não vem,
ou volta.... de madrugada.

Angústia é mágoa, é desgosto
que transparece no olhar
e mostra o pranto no rosto
dos que não sabem chorar.

A proveta não gerou,
e um doutor meio zureta
fez exame e constatou:
menopausa... de proveta!

A sorte, como as rendeiras
sem seu labor persistente,
com suas mãos feiticeiras,
tece o Destino da gente...

A ventura, às vezes, mente:
promete que vem, insiste,
e marca encontro com a gente
na esquina que não existe!...

Coitadinha, está zureta
e anda triste por aí...
deu um grilo na proveta
e o bebê só faz cri-cri!

Conservando a imagem bela
de um amor que não se esquece,
a saudade é uma aquarela
que nem o tempo esmaece...

Dá-me outro inferno ao morrer,
mas não me curvo a Teus pés...
Se não me deixaste ver,
não quero ver quem Tu és!

De barro, Deus fez um homem,
da costela, uma mulher.
– E as sogras, que nos consomem,
fez de um espeto qualquer...

Deus, num requinte de zelos,
em milagroso improviso,
pôs a noite em teus cabelos,
e a aurora no teu sorriso.

Diz o velho, com ternura,
depois de um beijo que espoca:
– Meu bem, minha dentadura
não ficou na tua boca?

Doces visões do passado:
meu pai, irmãos, minha irmã e...
– e aquele jeito encantado
de tudo de minha mãe!

Do coreto pequenino,
da pracinha e o chafariz,
restam restos de um menino
que sonhava ser feliz...

Ele enrolava, enrolava,
e a enrolação era tanta
que, às vezes, quando falava
sentia um nó na garganta.

Em que infinito se esconde
esse Deus tão grande assim?
E minha fé me responde:
– Não se esconde. Mora em mim!

É triste vê-las, meninas,
restos de infância na face,
vendendo amor nas esquinas,
como se amor se comprasse...

Fazer biquíni ela sabe,
mas o próprio faz tão mini
que eu nem sei como é que cabe
tudo “aquilo” no biquíni...

Fui pescar com meu vizinho,
mas, logo que pus a vara,
veio um cavalo-marinho,
me deu um coice... na cara!

Fui ver a fonte falada
que jorra no pé do monte,
e, ao ver você debruçada,
vi tudo... e não vi a fonte!

Genro é minha distração,
que pena ter dez, somente.
Eu queria uma porção:
genro distrai tanto a gente...

Jamais estrelas persiga
quem não alcança a amplidão,
que o mérito da formiga
é achar migalhas no chão...

Levando a esperança ao mundo,
ao sair da Santa Sé,
tornou-se Paulo Segundo
o Peregrino da Fé!

Minha sogra não reclama
do bom trato que lhe dou.
Até de filho me chama
– Só não diz que filho eu sou.

Na hora da confusão
minha sogra é sempre assim:
nem sabe quem tem razão,
solta os cachorros em mim!

Não me agradeças, amigo,
porque te auxilio assim...
Apenas faço contigo
o que farias por mim!

Na solidão que me arrasa,
órfão de amor e carinho,
enchi de espelhos a casa
pra não me sentir sozinho.

Num cego, as palavras boas
calam bem mais do que em nós,
que o cego julga as pessoas
pelo que mostram na voz...

Num milagroso improviso,
com seu divino pincel,
Deus pintou o Paraíso
quando fez Vila Isabel!

Para fugir às rotinas,
na esperança de mudar,
cansei de dobrar esquinas
e dar no mesmo lugar.

Pelos abismos profundos,
nos confins da Terra imensa,
no mais distante dos mundos,
DEUS é a infinita presença!

Porque a verdade transpira
e nos mostra a realidade,
jamais o véu da mentira
esconde a luz da verdade!

Quem perdeu amor recente
e se ressente de amor,
se apega à cinza ainda quente,
porque sente algum calor...

Seguindo um rumo impreciso
que o nosso destino tece,
cada dia é um improviso
que a vida nos oferece.

Se há casa comercial
que engana o freguês à beça,
a drogaria é legal:
vende “drogas”, mas confessa!

Sentem os rudes e os sábios
– menos os pobres ateus
que a prece é a alma nos lábios
quando se fala com Deus.

Servir tem sido o meu fado:
já balizei tantas rotas
e, hoje, farol apagado,
sirvo de pouso às gaivotas...

Socorre, irmão, no caminho,
teu irmão que nada tem...
Não existe irmão sozinho:
todo irmão é irmão de alguém!

Solidão –a alma embotada
velando a própria agonia.
Uma cadeira ocupada
ao lado de outra vazia...

Só num trabalho fecundo,
semeando amor, poderemos
construir um novo mundo
melhor que o mundo que temos!

Subindo o morro, cansado,
quase pedindo socorro,
foi que eu vi porque é chamado
aquele troço de... MORRO!

Trocador... triste ironia,
não troca o que lhe convém:
se trocasse, então, iria
trocar a vida que tem...

Tu sempre estavas PREsente
e AUsente, querida, estás,
– UMA SÍLABA somente
que diferença que faz!

Vem, palhaço, sem tardança,
com teus trejeitos, teus chistes,
e acorda a alegre criança
que dorme nos homens tristes...

Zé, que faz a comida,
lava a roupa, se arrebenta,
diz: – Não aguento esta vida !
E a sogra, rindo, diz: – GUENTA...

Fonte:
União Brasileira de Trovadores Porto Alegre - RS. 
Trovas de Maria Nascimento Santos Carvalho e Élton Carvalho. 
Coleção Terra e Céu, vol. C. Porto Alegre/RS: Texto Certo, 2017.

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to