Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 26 de setembro de 2020

Nota do Editor


Neste dia, 27 de setembro, domingo, não haverão postagens, em virtude de que estarei completando um par de meias primaveris.

atenciosamente
José Feldman

Varal de Trovas n. 390

 


Stanislaw Ponte Preta (Latricério [Com o perdão da palavra])


Tinha um linguajar difícil, o Latricério. Já de nome era ruinzinho, que Latricério não é lá nomenclatura muito desejada. E era aí que começavam os seus erros.

Foi porteiro lá do prédio durante muito tempo. Era prestativo e bom sujeito, mas sempre com o grave defeito de pensar que sabia e entendia de tudo. Aliás, acabou despedido por isso mesmo. Um dia enguiçou a descarga do vaso sanitário de um apartamento e ele achou que sabia endireitar. O síndico do prédio já ia chamar um bombeiro, quando Latricério apareceu dizendo que deixassem por sua conta. Dizem que o dono do banheiro protestou, na lembrança talvez de outros malfadados consertos feitos pelo serviçal porteiro. Mas o síndico acalmou-o com esta desculpa excelente:

— Deixe ele consertar, afinal são quase xarás e lá se entendem.

Dono da permissão, o nosso amigo — até hoje ninguém sabe explicar por quê — fez um rápido exame no aparelho em pane e desceu aos fundos do edifício, avisando antes que o defeito era "nos cano de orige".

Lá embaixo, começou a mexer na caixa do gás e, às tantas, quase provoca uma tremenda explosão. Passado o susto e a certeza de mais esse desserviço, a paciência do síndico atingiu o seu limite máximo e o porteiro foi despedido.

Latricério arrumou sua trouxa e partiu para nunca mais, deixando tristezas para duas pessoas: para a empregada do 801, que era sua namorada, e para mim, que via nele uma grande personagem.

Lembro-me que, mesmo tendo sido, por diversas vezes, vítima de suas habilidades, lamentei o ocorrido, dando todo o meu apoio ao Latricério e afirmando-lhe que fora precipitação do síndico. Na hora da despedida, passei-lhe às mãos uma estampa do American Bank Note no valor de quinhentos cruzeiros, oferecendo ainda, como prêmio de consolação, uma horrenda gravata, cheia de coqueiros dourados, virgem de uso, pois nela não tocara desde o meu aniversário, dia em que o Bill — o americano do 602 — a trouxera como lembrança da data.

Mas, como ficou dito acima, Latricério tinha um linguajar difícil, e é preciso explicar por quê. Falava tudo errado, misturando palavras, trocando-lhes o sentido e empregando os mais estranhos termos para definir as coisas mais elementares. Afora as expressões atribuídas a todos os "mal-falantes", como "compromisso de cafiaspirina", "vento encarnado", "libras estrelinhas" etc., tinha erros só seus. No dia em que estiveram lá no prédio, por exemplo, uns avaliadores da firma a quem o proprietário ia hipotecar o imóvel, o porteiro, depois de acompanhá-los na vistoria, veio contar a novidade:

— Magine, doutor! Eles viero avalsá as impoteca!

É claro que, no princípio, não foi fácil compreender as coisas que ele dizia, mas, Com o tempo, acabei me acostumando. Por isso não estranhei quando os ladrões entraram no apartamento de dona Vera, então sob sua guarda, e ele veio me dizer, intrigado:

— Não compreendo como eles entraro. Pois as portas tava tudo "aritmeticamente" fechadas.

Tentar emendar-lhe os erros era em pura perda. O melhor era deixar como estava. Com sua maneira de falar, afinal, conseguira tornar-se uma das figuras mais populares do quarteirão e eu, longe de corrigir-lhe as besteiras, às vezes falava como ele até, para melhor me fazer entender.

Foi assim no dia em que, com a devida licença do proprietário, mandei derrubar uma parede e inaugurei uma nova janela, com jardineira por fora, onde pretendia plantar uns gerânios. Estava eu a admirar a obra, quando surgiu o Latricério para louvá-la.

— Ainda não está completa — disse eu — falta colocar umas persianas pelo lado de fora.

Ele deu logo o seu palpite:

— Não adianta, doutor. Aí bate muito sol e vai morre tudo.

Percebi que jamais soubera o que vinha a ser persiana e tratei de explicar à sua moda:

— Não diga tolice, persiana é um negócio parecido com Venezuela.

— Ah, bem, Venezuela — repetiu.

E acrescentou:
— Pensei que fosse "arguma pranta".

Fonte:
Stanislaw Ponte Preta. Dois amigos e um chato. Ed. Moderna, 1996

Rubens Luiz Sartori (Poemas Avulsos) 3


ESTRADAS ANTIGAS

Serpenteando os morros e as canhadas,
imperavam majestosas,
as antigas estradas, velhas picadas,
aplainadas nos cascos dos animais,
nas diuturnas carreteadas.
Poeirentas. Tranquilas. Lamacentas.
Veredas do desbravamento alinhavadas.

Estreitas as estradas dos campos e das serras,
com valetas e cancelas; mateadas e lorotas.
Foi um momento. Sumiram as gaiatas,
as carroças e as pousadas ao relento.

Nas novas pistas modernizadas.
não há mais marcela nem carqueja no barranco,
só as fugas da terra lavada.
Fenderam as pedras. Rasgaram os montes.
Endireitaram as encruzilhadas,
esconderam as sangas e secaram as fontes.
Tudo ficou novo, mas nem tanto...

Hoje esquecidas, desviadas, encurtadas.
Os aterros e pontilhões das modernas estradas asfaltadas,
são como mármore entalhado de túmulos estilizados,
a sepultar no seu ventre os peraus do passado.

E nas sendas do tempo,
as estradas antigas
são marcas esquecidas, agredidas,
da aurora do progresso que,
possesso,
destrói a própria vida...
****************************************

MÃE! SE AMA E NÃO SE DEFINE

Figura humana e divina,
que gera amor e fascina,
dispõe sem tempo do tempo,
não tem sequer um momento.

Descanso é coisa dos outros,
pode tudo, ama e faz,
pros filhos tudo lhe apraz,
não tem olhos nem pra choro,
quando seu filho, um tesouro,
lhe busca o seio de vida,
que só nela tem guarida,
para entender o seu tempo;
que pro marido é só vento,
que passa e vai para o mundo.

E ela como um segundo,
age, pratica e se dá.

Tudo pra ela é sem dor,
na graça, no peito de amor,
que se esparrama em aceite,
oferece ao seu filho seu leite,
que é vida, coisa sublime,
por isso mãe não se explica,
se ama e não se define.
****************************************

ROSEIRA - VIDA EM ESPINHOS

I - Que coisa mais dadivosa,
um ramo de rosa florido.
É arbusto agreste e temido,
pelos espinhos que tem,
no caule seco e esguio,
porém, fulgura no estio
a flor tão bela e charmosa.

II - No eito de uma existência,
não há quem não tenha furado,
um dedo, um braço enroscado
num galho duma roseira.
Má sorte, diz a parteira.
a quem nasce em dia nublado,
pra começar sua vivência.


Il l- Quanta vez em sua casa
um vivente viu-se atado.
no meio do emaranhado,
dos galhos de uma roseira;
de pegajosas maneiras,
fustigam qualquer pedaço
e, ao sair-se dos laçaços,
se fica co'corpo em brasa.

IV - Vale tudo na emoção:
ser espinhado ou riscado
pelo galho da roseira,
ao passar à trepadeira
na visita à casa amada,
onde fica aquerenciada
nossa "flor" do coração.

V - Assim, como registro somente.
a história de uma roseira,
que ficou a vida inteira
esperando sua colheita;
mas todos fizeram desfeita,
nenhuma flor extraída,
e ela desiludida,
murchou e secou para sempre.

Fonte:
Rubens Luiz Sartori (org.). Compêndio da Academia Mourãoense de Letras.  Campo Mourão/PR: UNESPAR/FECILCAM, 2004.
Livro enviado por Sinclair Pozza Casemiro

Contos e Lendas do Mundo (Espanha: O Califa, o Pastor e a Felicidade)


Um dia, o califa de Bagdá saiu para caçar com sua comitiva. Quis a má sorte que seu cavalo se assustasse e partisse em disparada pelos campos, sem que ele pudesse controlá-lo. Os homens que acompanhavam o califa tentaram segui-lo. Mas o cavalo corria tanto, que logo o perderam  de vista.  

Em vão o califa lutava, puxando as rédeas e gritando  para conter o animal. Mas de nada adiantava. De repente,  cavalo e cavaleiro se aproximaram de um precipício. Os  dois já iam despencar, quando um pobre pastor de cabras, que ali cuidava de seu rebanho, correu e conseguiu segurar  o cavalo.  

O califa, ao ver o quanto o pastor tinha se arriscado  para salvar-lhe a vida, pensou: "Vou oferecer-lhe a felicidade como recompensa por seu ato heroico." E jurou, pela própria  barba, que haveria de conceder tudo o que ele lhe pedisse.  

No dia seguinte, o pastor se apresentou na corte do califa e foi recebido imediatamente. O pastor se chamava Ben Adab  e possuía um rebanho de cinquenta cabras.

Disse ao califa  que gostaria muito de aumentar o rebanho para cem cabras e, para isso, necessitava de mais cinquenta.  

Olhando-o com gratidão, o califa respondeu: – Vejo que você se contenta com pouco. Portanto, além  das cinquenta cabras, eu lhe darei uma pequena casa e um  pedaço de terra, onde seu rebanho poderá pastar.

O pastor saiu do palácio muito contente, pensando que aquilo, sim, era a felicidade... Ganhar mais do que havia  pedido: além das cinquenta cabras, uma casa e um bom pasto.  

O pastor instalou-se em seu novo lar, soltou o rebanho de cem cabras nas terras que agora lhe pertenciam e fez amizade com os novos vizinhos. Certo dia, um deles lhe contou  que tinha uma ótima casa, além de duzentas cabras e vastas  pastagens.  

Naquela noite, o pastor não conseguiu dormir, pensando  no rebanho do vizinho e dizendo a si mesmo: "Como fui estúpido! Por que não pedi mais cabras ao califa? Se eu tivesse  feito isso, hoje seria um homem tão próspero quanto meu vizinho..."  

Ficou remoendo esses pensamentos até altas horas. Por fim, vencido pela angústia e pelo cansaço, acabou adormecendo. Na manhã seguinte, apresentou-se no palácio, cabisbaixo e constrangido. Pediu para ver o califa, que o recebeu  cordialmente.  

Relutante, o pastor falou sobre os pensamentos que o  haviam perturbado durante a noite. O califa riu:  - Homem, não era preciso ter perdido o sono por uma  coisa tão simples.  

Depois, o califa contou ao pastor que tinha jurado, por sua barba, que lhe concederia tudo o que desejasse. E concluiu:  

- Claro que vou lhe dar mais cem cabras. Assim, você ficará com um rebanho igual ao de seu vizinho.  

O pastor saiu do palácio, muito feliz. Mas, no caminho de volta para casa, começou a pensar: "Quer dizer que se eu  pedisse duzentas, trezentas ou mil cabras, o califa me daria.  Puxa, como sou idiota! Agora tenho somente duzentas."  

Passou alguns dias ruminando esses pensamentos. Por fim, animou-se a retornar ao palácio. Disse ao califa que ainda não se sentia completamente feliz. Necessitava de mais cabras e de pastagens maiores para alimentá-las. O califa, que  havia jurado satisfazer todos os desejos de seu salvador,  atendeu o pedido.

Entusiasmado, o pastor foi para casa, dizendo a si mesmo que enfim havia encontrado a felicidade.  

Mas a certeza durou pouco. Logo o pastor voltou a sentir-se frustrado. Começou a pensar e repensar sua situação, até que decidiu não mais viver no campo e sim na corte. E lá se instalou, com o consentimento e ajuda do califa.  

Entretanto, o pastor não mudava nunca... Primeiro, ganhou uma casa confortável perto do palácio. Depois, insatisfeito, manifestou o desejo de ter uma casa maior. Ganhou-a e, pouco tempo depois, pediu um palacete... E logo o palacete pareceu acanhado demais, em comparação com outros, mais luxuosos. O mesmo aconteceu em relação aos animais: em vez de cabras, preferiu mulas. Depois, em vez de mulas, preferiu cavalos puro-sangue... E o califa, como sempre, satisfez seus desejos.

A ambição do pastor estendeu-se também às relações sociais. Se antes ele se contentava em conversar ocasionalmente com os vizinhos, agora queria promover jantares, recepções e festas dispendiosas, com muitos comes e bebes, para centenas de convidados.

O califa começava a se inquietar com os constantes pedidos do pastor. Mas havia jurado, por sua barba, que o atenderia sempre. Por isso, continuava cedendo.

Nem assim o ambicioso Ben Adab se dava por feliz. Certo dia, sentindo-se mais frustrado do que nunca, dirigiu-se ao palácio e disse ao califa:

- O senhor se ofereceu para me proporcionar a felicidade. E jurou que me daria tudo o que eu pedisse.

- De fato - respondeu o califa. - E se até agora você não alcançou a felicidade, com certeza não foi por minha culpa.

- Nesse caso... - disse Ben Adab - o que realmente preciso para me sentir feliz é ser califa. Portanto, quero que o  senhor me conceda, por algum tempo, seu título e seu posto.

Diante dessas palavras, o califa mandou chamar o barbeiro real e, ali mesmo, ordenou que lhe raspasse a barba. Depois, dirigiu-se ao pastor:

- Agora, nada mais me obriga a cumprir o juramento, pois já não tenho barba. Consequentemente, você não tem  motivos para continuar aqui. Portanto, voltará a ser o que  sempre foi.  

O califa ordenou aos criados que despojassem Ben Adab  de tudo o que possuía. Em seguida, mandou que o levassem de volta ao lugar onde o encontrara pela primeira vez.  

Até hoje Ben Adab lá continua, com sua eterna insatisfação e suas cinquenta cabras, pobre como no dia em que conheceu o califa.  


Fonte:
Yara Maria Camillo (org.). Contos populares espanhóis. 2005.

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Varal de Trovas n. 389

 


Arquivo Spina 12 (Solange Colombara)

 


A. A. de Assis (Maringá Gota a Gota) Saudade do Grande Hotel


Toda vez que passo em frente bate uma forte e bonita saudade. Um bom pedaço da história de Maringá teve o seu epicentro ali. Era a sala vip da cidade, o ponto de encontro das lideranças que na época determinavam rumos.

Lembro-me bem de ter estado lá na fase de acabamento da obra, junto com um grupo de jornalistas. Foi quando conheci o querido pioneiro Joaquim Moleirinho, com quem anos após tive longa convivência no Rotary. Joaquim Moleirinho e Joaquim Caetano vieram de Portugal como artífices especializados em construções com madeira. Foram os responsáveis pela instalação dos telhados, janelas e outras peças que deram aquele toque de nobreza ao edifício. Os dois acabaram fincando raízes aqui, como proprietários do Frigorífico Central.

Idealizado pelo arquiteto paulista José Augusto Belucci (o mesmo que projetou a nossa Catedral) o Grande Hotel foi inaugurado em 1956. Ao construí-lo, a intenção da Companhia Melhoramentos era ter um lugar classudo onde hospedar investidores caixa-alta que vinham comprar terras na região; o hotel cumpriu, porém, função social e política bem mais ampla.

Haviam dois belos espaços de festas, o Salão Amarelo e o Salão Azul, palcos de grandes bailes, banquetes, formaturas, reuniões do Rotary e do Lions. Nas tardes de domingo, matinês dançantes do badalado Clube dos Solteiros. Havia também um bar bem moderninho onde se reuniam, principalmente nos domingos de manhã, políticos, empresários, jornalistas – uma espécie de “senadinho”. Quem quisesse encontrar um dos ilustres da urbe era só ir ao bar do Grande Hotel. Cada qual centralizando uma roda de admiradores, lá estavam Haroldo Leon Peres, Renato Celidônio, Túlio Vargas, a turma toda.

Ali dormiu muita gente famosa: Joubert de Carvalho, os astros e estrelas que vieram para o Festival de Cinema, Pelé, o goleiro Yashin, J.G. de Araújo Jorge, José Mauro Vasconcelos, Elis Regina, Jair Rodrigues, Nelson Gonçalves, Jânio Quadros, Carlos Lacerda, Adhemar de Barros, Ney Braga, Paulo Pimentel...

O gerente geral era o Doutor Herbert Mayer, um alemão superpreparado que entendia tudo de hotelaria, culinária, etiqueta – essas coisas chiques de gente fina. Durante algum tempo ele foi também dono do restaurante mais requintado que a cidade conheceu nas primeiras décadas, o Lord Lovat. Nos seus últimos anos foi secretário executivo da ACIM.

Mas um dia o hotel foi vendido e (que pena) trocaram o nome: mudou para Ferraretto, depois Bandeirantes. Com isso a casa perdeu muito do seu antigo ar de filme clássico. A geração pioneira até hoje não se conformou com tal mudança. Pior: pouco após fechou de vez.

Agora está lá aquele prédio lindo, num dos espaços mais valorizados de Maringá, esperando que finalmente se decida que destino dar a ele. Bom seria que fosse aproveitado como Casa da Cultura, com museu, biblioteca, auditórios, salas para reuniões de grupos culturais etc. Quem sabe um dia?...
===============================================
(Crônica publicada no Jornal do Povo – Maringá – 10-9-2020)

Fonte:
Texto enviado pelo autor.

Clara Andrade Miranda de Araújo (Poemas Avulsos)


ÁRVORE DA VIDA

De criança eu me lembro, de uma visão bela
Onde uma árvore pequena, como eu, havia
Invadindo-me a vida, naquele instante,
Em que o mundo a mim se atrevia

No tronco se abria uma porta e eu adentrava,
Sempre de manhãzinha, olhos fechados, ainda,
Tão espaçosa, de luz intensa era a casa,
Como se ali morasse, eterno, o sol do meio-dia.

O tempo me consumiu em dilemas
E a criança escondeu-se nas incertezas e espinhos,
Da minha construção restaram, apenas, caquilhos
Que fui juntando pelos caminhos

Começo a regressar à casa, agora, mansão edificada
Em novos alicerces que o Mestre me ensinou
A retirar das tempestades, das quedas, no tempo
Em que ao meu lado caminhou

Pressinto a escadaria, onde os primeiros passos
Em direção à porta que finalmente se abrirá
No momento esperado, há de me acolher no seu amor
O grande construtor da vida, o Espírito Sagrado!
****************************************

ESTRANGEIRISMO

Pobre do nosso idioma
Que o estrangeirismo assola
Pra se falar hoje em dia
Na língua é preciso mola

Estar bem na vida é o must
O habitat é um flat
Onde o chic é ter um site
Relax na Internet

My darling tem mais um hobby
Diz o brother da society
Em weekend no Blue Moon
Com Sunday e soda light
Ganhei charm e new look
Usando training de strech
Se o stress te deixa down
Vá comer chips ou fresh

No window uma homepage
E um fax modem na house
Pra convidar pro new age
É só clicar o seu mouse

I love you para o baby
I’m sorry, como dói,
Recado só por e-mail,
Ou pelo office boy

Play back num happy end
En passant com champignon
Ticket num happy hour
Champagne no reveillon

O baby look dá o tom
Antigo é o pullover
Na rua tem dance street
Cantor da moda é um cover

Special é uma star
Que usa Babouche ou um Nike
O fashion é o black tie
Desconfiou é insight

Bye bye que eu vou pros States
Trabalhar num workshop
Na bag só um Rocaille
De cotton blue levo um top
Talvez eu vire uma lady
Ou uma star superpop.
****************************************

MINHAS MÃOS

Não eram assim essas mãos, elas já foram belas,
Mãos de crianças que davam vida
Às bonecas de milho, puxavam o rabo do gato
E o fio preparativo das teias agarradas às janelas
Regiam o canto do galo no terreiro, o latido do cão,
Naquele mundo brejeiro iniciavam a própria construção
Nos castelinhos de areia

Em tempos não matinais, já pelo meio-dia,
Arregaçaram mangas, no inverno e no verão,
Retiraram a brisa para as lembranças, enxugando lágrimas,
Distanciadas do caloroso e paterno abraço,
Embalaram berço com o canto do meu amor materno,
E na dor, exaustas, prepararam unguento para estranhas feridas,

Essas mãos, hoje cansadas, nunca foram ausentes,
Regeram de um jeito singular como o tempo quis
A sinfonia de semblantes jovens, durante quase uma vida inteira
E com devoção, manusearam nobres instrumentos:
Livros, apagador, giz,...
E recolheram tanta luz de uma aquarela
Ansiosa por colorir o meu mundo submerso
Que não puderam suportar e assim escurecidas,
Cicatrizes de um tempo prisioneiro
Elas vão escorregadias por entre os dedos,
Pintando em arremedo, as páginas em branco na forma de verso.
****************************************

ÚLTIMA FLOR DO LÁCIO

"Última flor do Lácio inculta e bela"
Pelo mar em caravelas
Um dia chegou aqui
Num distante mês de abril,
Lusitana mãe de um povo alvissareiro
Ao encontro de um guerreiro
Forte e valente Brasil.

D'além mar ela chegou,
Em pés descalços caminhou,
Porta-voz de outra bandeira
Que fiel, um som nasala,
Soletrou em outras falas
A beleza do beabá.

Sua riqueza é que faz a doce lavra,
Dona de toda palavra,
Me ensinou a cantar
Amor a ti ó língua portuguesa.

E a boa mãe, língua materna,
Veio para ser eterna, morando na voz da gente
E o poeta que esse canto assim encerra,
Ao beijar a minha terra
Deixaria num prefácio
Que pra sempre eu vou amar
A "última flor do Lácio"

"Quem é que traz à voz tanta beleza
É com certeza nossa língua portuguesa"

Fonte:
Rubens Luiz Sartori (org.). Compêndio da Academia Mourãoense de Letras.  Campo Mourão/PR: UNESPAR/FECILCAM, 2004.
Livro enviado por Sinclair Pozza Casemiro

Contos e Lendas do Brasil (O Cantador de Modinhas)


Houve um tempo em que os bichos falavam. Mantinham entre si uma sociedade em que discutiam os assuntos mais palpitantes e que se relacionavam com os seus interesses. Nada ficava por apreciar. conversava-se à vontade numa tagarelice abundante e desprevenida. Nessa sociedade se encontrava de tudo desde orador até o funileiro. Alfaiates e marceneiros, vaqueiros e ferreiros, viviam todos trabalhando em cooperação, daí resultando uma vida regradamente feliz. Os acontecimentos se sucediam com certa normalidade. Os crimes não eram frequentes, lá, um ou outro só para se dizer que havia transgressores da lei, alguns espíritos mais rebeldes que não se sujeitavam facilmente ao estabelecido. Também se ia verificar o que fora — e a conclusão era que o ocorrido quase sempre não passava de fruto de ímpetos não contidos.

Entre os bichos mais educados não se via essa novidade de lutas pessoais. Somente no meio mais baixo é que se notava um certo desalinho nas atitudes. As ordens eram terminantes: nenhuma tolerância quanto aos transgressores. Aquele que cometesse uma falta podia ficar certo de que a punição não se faria tardar. Teria de vir e de ser aplicada para exemplo a outros indivíduos menos avisados. Havia, pois, ordem estabelecida. A sociedade dos bichos podia servir de modelo a outras sociedades mal organizadas. Quando eles falavam muito é que a coisa se transtornava um pouco. Um começo de confusão não se fazia esperar. De modo que as discussões eram terminantemente proibidas e parecia bem acertada a medida, porque sempre elas originavam conflitos lamentáveis, fazendo lembrar as competições políticas nas suas arengas na praça pública, correrias, tiros e o governo de seu, palitando os dentes.  E por falar em políticos, havia entre os bichos, bichos poetas, bichos homens de letras, médicos, advogados, engenheiros, havia de tudo, até cantadores de serenatas e tocadores de violão.

Num meio tão ilustre se destacavam o cachorro e o gato — aquele um famigerado cantador de modinhas e este gostando das ressonâncias do pinho, deitando-o no peito e de suas cordas tirando sons melancólicos. Nas noite de lua clara se acendia no coração dos dois um desejo louco de sair pelas ruas da cidade a tocar e a cantar. As namoradas não podiam dormir mais, perdiam o sossego com uma serenata assim, quebrando o silêncio da madrugada e sobretudo, trazendo-lhes recordações agradáveis ao sentimentalismo lacrimoso. E o cachorro e o gato ali no duro: derramados no  afeto, empenhados na obra de conquistar corações femininos. O cachorro tinha uma voz sonora e melodiosa, era um perigo que o gato precisava evitar quanto antes, acabar com aquilo que já estava lhe prejudicando; embora tocasse violão como ninguém e nele pusesse todos os dengues de sua alma de felino. Ouviam mais a voz do que a música. Esta ficava num plano mesmo, precisava ser posto em situação mais destacada.

A astúcia entrou em maquinações demoradas, cuja execução dependia apenas de um momento favorável. havia de chegar a hora. E essa hora desde muito inquietava o gato na sua macieza, na sua aparente impassibilidade. A inveja não fora feita para sua raça. O predicado maior era mesmo o de sibaritismo. A voluptuosidade surgia sempre como o prazer máximo e adorado pela sua gente que tudo conseguia da vida com o algodão dos pés e a agilidade dos movimentos oportunos. Mas uma noite incutindo solertemente no espírito do cachorro que a sua voz poderia ser muito melhor do que era. Estava no seu querer torná-la mais cheia e vigorosa nos acentos, muito mais ressonante nos agudos, macia e adocicada nos seus contornos líricos — era só ele mesmo querer e pronto, fazia-se a modificação com a maior rapidez possível. Insistiu na obra catequizadora. e foi perguntando com insistência se a operação transformadora requeria sacrifício extraordinário. a resposta não variava: "qual nada, coisa nenhuma, vagabunda mesmo, qualquer um suportará bem". E rematava: "a questão é você querer".

O convencimento fez-se afinal. Decidiu o cachorro a empreender a modificação orientada pelo gato. Este convenceu ao amigo sentimental que a sua voz ficaria muito melhor se a boca fosse rasgada nos cantos até perto das orelhas. Ficaria com bastante espaço para tornar a voz mais melodiosa e mais cheia de liberdade. Aceita a proposta, começou a rasgá-la a faca. Cortou-a ele mesmo um pedaço. Experimentou como ficava e começou então a uivar, coisa que nunca havia feito. Porém nem desconfiou e perguntou: "que tal?". Teve como resposta do gato: "está chegando no ponto". Animado com isso, mordido de ambição por possuir uma voz mais rica do que a que tinha, tratou de rasgar mais a boca até, como propunha o gato, à "vizinhança das orelhas". A ferida sangrava demais e precisava de ser curada quanto antes. Foi o que se fez. Depois de vários dias de tratamento ficou finalmente bom e em condições de prosseguir na realização de suas serenatas ao luar. Marcou o dia para ensaiar e ouvir o regalo da voz nova que obtivera.

A desilusão foi, entretanto, a mais completa possível porque agora somente fazia era latir. Na primeira etapa uivou, na segunda latiu. Estava perdido para sempre com a operação que fizera. A raça que dependia de sua virilidade de chefe sultânico iria ficar privada eternamente da voz que fazia o encanto das madrugadas cheias de sombras emocionais. Diante de tamanha decepção não havia outra alternativa senão declarar guerra eterna ao gato. Aonde ele estivesse, a perseguição se impunha como uma necessidade de uma raça digna, aviltada, todavia, na confiança e na sua boa fé.

Afirmam que nasceu desse dia a rivalidade entre cão e gato. Pelo menos é o que se diz nos engenhos da várzea.

Fonte:
Ademar Vidal, in Luís da Câmara Cascudo. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1986.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Varal de Trovas n. 388

 


Daniel Maurício (Poética) 2

 


Olivaldo Júnior (Um Coração, Também) Para Caio Fernando Abreu


Debruço-me sobre meu próprio corpo, cansado, exausto de tanto horror cotidiano. Busco uma música, um copo bem grande com água, um suco, uma fruta, um pouco de paz em meio à guerra sabe-se lá pelo quê, por quê, muito menos por quem. Quem me deixou aqui? Quem me mandou descer à Terra e cumprir meus dias como alguém? Mas alguém me disse: Deus. E escuto, de repente, o som de Bach numa vitrola, o som de Bach em “louva-ação”.

Cansado, quero um corpo menos denso, uma lua menos nova, um tempo para o sono. Sonso, o senso me pede: Um coração, também. Mas um que bata ao mesmo ritmo do seu, à mesma cardiofrequência e que se pareça um pouco infenso à dor, essa (in)constante solidão que perpetua os homens e as mulheres nos barzinhos, sempre a ouvir MPB, sempre a rir sem ter ouvido a piada infame que aquele “amigo” que se encontra por acaso conta ao léu. Argh!

Leve como uma pluma, quero a luz ao fim do túnel, algo que me diga que devia, ou deveria, ser assim: Aos (censurado) anos, mas ainda sem ninguém!. Alguém, o senso, me pede: Um coração, também. Parece que o senso comum quer mesmo que eu tenha um coração que me cutuque, me belisque e me machuque, mas, coração, ‘tá valendo, vale tudo, nesse caso. Quem não quer alguém que o veja, imperfeito como você é, e ‘pire’? Quem não quer, né?

Exausto, deito a cabeça em minhas letras e me elevo a poeta, a escritor, a letrista, a beletrista, a quixotesco e a qualquer outra coisa que me iluda e me faça aproveitar a sobra de minhas sombras em minha arte, parte de mim, mina de ouro para um artista, um artífice das horas, que se tornam dias, que se tornam meses, que se tornam anos, que se tornam décadas, que me tornam nada mais, nada menos, que um homem solitário e triste... Ah, que tempo!

Busco uma música, um copo bem grande com água, um suco, uma fruta, um pouco de paz em meio à guerra sabe-se lá pelo quê, por quê, muito menos por quem. Quieto, o senso me lembra: Um coração, também. Algum vermelho vivo, algum amigo que me ligue e que se ligue no que eu penso. Algum apenso que dispense apresentações. Algum abismo em que eu me atreva a experimentar minhas asas que, com barbante, luz e cola, improvisei. Um coração.

Fonte:
Texto enviado pelo autor.

Baú de Trovas XVI (Para Descontrair)


O amor, para ser gostoso,
jamais deve ser pamonha!
Tem de ser escandaloso,
cego, surdo e sem-vergonha...
A. A. DE ASSIS
- - - - - -
Lá vêm os noivos chegando!
Assisto a festa... e depois,
fico invejoso pensando
no festa só deles dois...
ADAUTO GONDIM
- - - - - –
O coração da mulher
com o eleitor se parece:
não vota em quem prometeu
e elege quem não merece...
ADELINO MOREIRA MARQUES
- - - - - -
Hoje os chapéus das senhoras,
cheios de azelhas o véus,
são capachos, são vassouras,
são tudo, menos chapéus.
ANTÔNIO ALEIXO
- - - - - -
"Meu signo é Peixes! Querido,
não pareço uma sereia?"
E o marido, aborrecido:
— "Qual nada! És uma baleia!...”
APARÍCIO FERNANDES
- - - - - -
Quem da sogra fala mal,
naturalmente se esquece:
neste mundo cada qual
tem a sogra que merece.
AUGUSTO ASTÉRIO DE CAMPOS
- - - - - -
Nesta vidinha cansada,
ando há muito a meditar:
— Como é bom não fazer nada
para depois descansar!...
AUGUSTO LINHARES
- - - - - -
Ao vê-lo descer inerme,
em meio a tanto aparato,
disse um verme a outro verme:
— Vou comprar bicarbonato!
CARLOS GUIMARÃES
- - - - - -
Eu quis, na cara ou coroa,
saber se és minha ou do Zé.
Fiquei na mesma. Esta é boa!
— O níquel caiu em pé!
COLBERT RANGEL COELHO
- - - - - -
Dia das Mães! Não se esqueça
dos presentes de ninguém:
— por incrível que pareça,
sua sogra é mãe também!...
DULCÍDIO B. MOREIRA
- - - - - -
Engraçado, mas profundo,
não sei se já percebeste:
hoje, as almas do outro mundo
têm medo das almas deste.
DURVAL MENDONÇA
- - - - - -
— Doutor, desejo cortar
do cão o rabo que agita:
Não quero vê-lo abanar
quando a sogra me visita...
ÉDISON RUIVO DE SOUZA
- - - - - –
Se mulher bela é vaidosa
é uma coisa muito justa.
Mas, se a feia quer ser bela,
quanto a vaidade lhe custa?!...
EDOARDO MARIO GRANATA
- - - - - -
Faz concurso. Depois disso,
passa a exercer a função.
Conta tempo de serviço?
Tempo, sim; serviço, não...
ENRIQUE DE RESENDE
- - - - - -
Quando eu morrer, meus amigos,
ah, que vos fulmine um raio,
se em mau velório contardes
piadas de papagaio...
EUGÊNIO PEREIRA CLÁUDIO
- - - - - -
O meu guarda-chuva tem
este mistério tamanho;
– se o levo, a chuva não vem,
mas se o deixo... tomo um banho!
HERALDO LISBÔA
- - - - - -
Matou, foi preso e não freia
nem perde as sanhas malvadas:
na cela de uma cadeia,
mata palavras cruzadas!
ILDEFONSO DE PAULA
- - - - - -
É tão feio e gordo, eu creio
que não se chega a um acordo:
se ele é mais gordo que feio,
se ele é mais feio que gordo.
J. DIAS DE MORAES
- - - - - -
Do jeito em que a moda vai,
de uma coisa eu me convenço:
— não demora, e a mulher sai
de bota, peruca... e lenço!
JORGE ROCHA
- - - - - -
Dos males do teu feitiço
tanta gente já sofreu,
que Deus disse: — Eu não fiz isso!
Disse o Diabo: — Nem eu!
JOSÉ RODRIGUES
- - - - - -
Jurou eterna viuvez...
Chorou tanto e — quem diria...
durou apenas um mês
a solidão de Maria!...
JOUBERT DE ARAÚJO SILVA
- - - - - -
São tão caros, atualmente,
os remédios, seu Doutor,
que não fazem bem à gente...
fazem bem ao vendedor.
MAGDALENA LÉA
- - - - - -
Não queiras jamais um caso
resolver lá na Justiça.
É prazo, prazo e mais prazo,
e mais que prazo: é preguiça!
PAULO EMÍLIO PINTO
- - - - - –
Que sirva, para o mesquinho,
este epitáfio tremendo:
— "Aqui jaz um mau velhinho,
que só foi justo morrendo…
RODRIGUES CRÉSPO
- - - - - –
Não tendo de quem falar,
cuspindo infâmias a esmo,
costuma se confessar
pra falar mal de si mesmo...
SYLVIO MACHADO

Fonte:
Aparício Fernandes. A Trova no Brasil: história e antologia. São Cristovão/RJ: Artenova, 1972.

Aparecido Raimundo de Souza (Parte 18: Um “Pato” Entre os Espinhos da Morgaça)


DUAS VIATURAS DA POLÍCIA CIVIL estão estacionadas estrategicamente na Avenida Sousa Lima. Uma delas, quase em frente ao restaurante Bardana Cozinha Natural, colado na portaria do Condomínio do Edifício Tebas. A outra, na esquina sobre a calçada da Sousa Lima com a Avenida Nossa Senhora de Copacabana. No Edifício Tebas, em face de um telefonema anônimo, alguém informou que estaria escondido um dos maiores traficantes da Baixada Fluminense. Um policial disfarçado de gari, se posiciona em ‘campana’, encostado ao murinho do buffet Bardana.

Outros quatro, vestidos com as roupas dos Correios, circulam no curto espaço entre a avenida Nossa Senhora de Copacabana, o Bar Buda de Fora e a Avenida Atlântica. O delegado Chicago, chefe da operação ‘Êxtase invisível’, finge ler as noticias dos jornais dependuradas numa banca de revistas. Na verdade, ele espreita toda a movimentação do quarteirão, enquanto chupa um picolé que acabou de comprar de um vendedor ambulante que cruzou em direção à praia.

Num dado momento, ainda com o sorvete nas mãos, o sisudo homem da lei atravessa a rua e se dirige ao policial gari:

— E ai, ele entrou?

— Se for o da foto que tenho aqui no bolso, positivo.

— Droga! Quanto tempo?

— Dois minutos, senhor.

O delegado se irrita:

— Dois minutos? Por que não me avisou?

O policial gari confirma o que disse e acrescenta:

— Achei que o senhor também tivesse visto o mesmo que eu, senhor. Evitei o rádio para não...

O delegado se enfurece:

— Para não o quê? Não é possível. O suspeito adentra no prédio e você come mosca?

— Eu, chefe? Quero dizer, positivo. Comi. Foi no momento em que o senhor cruzou indo para o outro lado.

— Inadmissível! Sequer pisquei.

— O senhor se descuidou...

O delegado franze o cenho:

— Que foi que disse? Me descuidei? Está me chamando de relapso?

— Sim, perdão, senhor, de forma alguma doutor. Que é isso!

O delegado joga o sorvete no chão, toca o interfone, se identifica ao porteiro e, após a passagem ser aberta, caminha em direção ao sujeito que lhe concede acesso.

Renova a exibição da sua função metendo o distintivo na fuça do infeliz. Puxa do bolso uma fotografia:

— Viu este homem?

O porteiro prontamente responde:

— Acabou de subir.

— Tem certeza?

— Absoluta.

— Qual o andar do meliante?

— De quem, doutor?

— Deste vagabundo que acabou de passar debaixo de seu nariz.

— Décimo, senhor...

O delegado corre para o elevador social. O porteiro vai na cola dele. Prende a porta. Fala:

— Senhor...

— Solta esta geringonça, seu imbecil. Quer ser preso por obstrução policial?

Assim que o delegado some da recepção, o elevador de serviço se abre e, dele sai, a figura que todo o aparato policial da Cidade Maravilhosa está nos calcanhares. Em suas mãos, uma cachorrinha late desesperadamente em vista do contentamento em saber que irá passear:

— Bozé, o ‘delega’ subiu?

— Quem, senhor?

— O delegado, seu idiota.

— Sim senhor... Mas...

— Perguntou alguma coisa a você?

— Não.

— Bozé, seu Mané: sou eu.

— Credo, seu Defuntino! Com este disfarce, só Jesus! Bigode, peruca, vestido com jaleco de médico, estetoscópio no pescoço... Se o senhor não me fala... Fique tranquilo. Disse ao chato do delegado que o senhor subiu para o décimo.

— Legal. Valeu!

— Apesar disso, tome cuidado seu Defuntino. Tá vendo aquele lixeiro grudado ali no Bardana?

— Sim. O que tem ele?

— É um agente camuflado.

— Ótimo. Continue de ‘butuca’. Vou levar a Xuxa para dar uma voltinha... Se liga...

— Deixa comigo...

Defuntino sai, passa numa boa pelo policial embuçado e segue em direção à Avenida Atlântica. O delegado retorna à portaria. O porteiro, se adianta a ele:

— Achou quem o senhor procura?

O delegado fulmina o funcionário. Está pra lá de possesso. Não fala, grita:

— Claro que não, seu quadrúpede. Qual o apartamento do meliante?

— De quem, senhor?

— Deste cara que lhe mostrei a foto. Veja de novo.

— 1.001.

O delegado berra ao policial gari. O porteiro libera o ingresso para que ele se aproxime. Enquanto isto, tira do bolso uma folha de papel. Na verdade, um mandado de prisão:

— Passe um rádio para os demais. Quero dois homens pelas escadas, e um em cada elevador. 1.001.

— Que diabo é isto, doutor?

— O cafofo do suspeito.

Os ‘tiras’ que andavam lá fora, na calçada, com os uniformes dos correios, pintam no pedaço. O policial varredor de rua repassa as ordens:

— Gil e Caju, pelas escadas, Goiaba, no elevador de serviço. Eu e você Tinhoso, mais o doutor delegado, no social.

— Qual a cachanga?

— 1.001. Vai, vai, vai...

Todos somem das vistas do Bozé. Retorna, à cena, uma exuberante mulher lindamente maquiada e acondicionada numa longa indumentária vermelha de tirar o fôlego. Ela toca o interfone:

— Pois não, senhora?

— Bozé, seu palhaço... Abre depressa. Sou eu...

— Eu quem? Nunca lhe vi mais gorda!

— Bozé, sou eu, Defuntino.

— Cruz credo, seu Defuntino! Vestido, digo, vestida de granfina, empoleirada no salto alto... Com todo respeito, a boneca está divina. Desculpe. Cadê a Xuxa?

— Psiu! Fale baixo. Tá me tirando? Deixe de brincadeira. Deixei a cadelinha no apartamento da minha irmã. Como você sabe, ela reside logo aqui na esquina da Atlântica. Cadê ‘os tira?’

— 1.001.

— Boa, boa...

A confusão não poderia ter sido pior. O pacato prédio quase vem à baixo. Os policiais chegam no 1.001 e mandam ver. Metem os pés, arrombam a porta. Fato desastroso. Residência do juiz de direito, doutor Claustroférico da Assunção Baioneta, titular de uma das varas criminais do fórum central do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na Erasmo Braga.

A situação. Os policiais invadem o apartamento. O juiz almoça tranquilamente junto com a esposa e os filhos. Quando o delegado chega botando a porta no chão, exibindo mandado de prisão e o enfiando na goela do magistrado, ordenando que seus comissários algemem até os cachorros, o sujeito da capa preta sai do sério. Ato contínuo, usando das suas prerrogativas e privilégios, distribui carteirada à torto e a direito, puxa arma de fogo e o quadro se agrava. A militar e a guarda municipal são acionadas. Todo o perímetro da Sousa Lima, entre a Avenida Nossa Senhora de Copacabana e a Avenida Atlântica, bem como o pacato Edifício Tebas se vê, de repente, cercado pelo menos por umas vinte viaturas e uma centena de policiais das operações táticas especiais, todos mascarados e armados até os dentes.

Até uma ambulância encosta no pedaço. Sem falar na massa de curiosos. Lá em cima, apesar de todo mundo se identificando, ou tentando, a coisa segue degringoladamente bagunçada. O edifício, em peso, movido pelo estardalhaço, debanda para os corredores, outros ocupam janelas, como, igualmente, a galera que está no restaurante se aglomera para ver o que acontece. Em meio a toda balbúrdia, o caldo engrossa e se avoluma no décimo andar. Neste interregno, o bandido mais procurado do Rio de Janeiro, metido em sua longa fatiota vermelha de parar o comércio, escapa da reta. Faz meia volta e tranquilamente deixa o edifício dando linha à pipa.

Como sempre, a corda rebenta para o lado do mais fraco. Sobra para o pobre do porteiro, o Bozé. O desditoso sai preso, algemado e conduzido para o 13º Distrito Policial situado na Avenida Nossa senhora de Copacabana, em frente a antiga Galeria Alaska. Segundo declaração do delegado Chicago à imprensa: “Ação merecida, pelo fato dele, o funcionário do edifício Tebas, ter fornecido o número do apartamento errado e supostamente ajudado a dar fuga a um perigoso criminoso procurado em todos os cantos do Rio de Janeiro”.

Fonte:
Aparecido Raimundo de Souza. Comédias da vida na privada. RJ: AMC-GUEDES, 2020.
Texto enviado pelo autor.

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Varal de Trovas n. 387

 


Daniel Maurício (Poética) 1

 


Carlos Drummond de Andrade (Calça Literária)


É assíduo leitor de blusas, camisas, saias, calças estampadas. Não lhe escapa um exemplar  novo. Parece desligado, e observa tudo. Segundo ele, as peças de indumentária, masculina e feminina, ostentando símbolos e nomes de universidades americanas, manchetes, páginas de jornal, retratos de Pelé e Jimi Hendrix, apelos ao amor que não à guerra, etc., há muito deixaram de ser originais.  Constituem invólucros rotineiros de pessoas de qualquer idade. A gente estranha é uma camisa inteiramente nua de dizeres ou figuras, a roupa que não diz nada, só roupa. Hoje, lê-se mais nos tecidos do que nos livros, e não é ler apenas, é ver cinema e televisão, pois os corpos, ao se moverem, dinamizam as figuras estampadas. O que, de um modo ou de outro, contribui para a cultura de massas. Informa:

-  Estou pensando em aproveitar esse material para fins especificamente didáticos. Através dele, ensinar Geografia, História, Matemática, Medicina de Urgência, Imposto de Renda, Ortografia Desmistificada, essas coisas. O indivíduo cobre-se e vai distribuindo ciência. Ou aprendendo. Vinte minutos no busque aula! Classes ao ar livre, na feira, na fila. Escola dinâmica.

- Você sozinho é um Mobral 1971.

- Ontem eu li uma calça comprida, de mulher, que à primeira vista não tinha nada de especial. Estava escrita como tantas outras. Mas o texto (não confundir com textura) me chamou a atenção. Geralmente, calças e blusas não são literárias. Trazem notícias, anúncios,  slogans, mas versos, ainda não tinha visto. Pois essa tinha poemas em  português, de Camões ao Vinícius.

- Tomou nota?

- Claro. Aliás, a usuária foi muito gentil. Percebendo que  eu mirava a parte  inferior  do  seu  revestimento,  gratificou-me  com  um sorriso que eu traduzi assim: "Pode mirar mais". E eu mirei. Aí, puxei da caneta, e ela sorriu outra vez, como quem diz: "Pode copiar  também". Copiei.

- Tudo?

- Tudo, não. A dona da calça estava sentada na sala de espera do cinema. Só o que era visível. Depois se levantou, foi ao bebedouro, deu tempo para eu colher mais alguma coisa, no ir e vir. Não tive coragem de pedir-lhe que desse umas voltas. Você compreende: sou tímido.

- Estou vendo.

- Foi a primeira calça literária, totalmente poética do meu conhecimento. Feita em São Paulo? Talvez. Caracteres pretos sobre fundo branco. Versos em todas as direções. De Bilac, de Cecília, de Bandeira, de Castro Alves, de Fernando Pessoa. Uma antologia, bicho. Sem ordem, naturalmente. Escuta aí: Onde  vais  à tardezinha, morena flor do sertão? O que eu adoro em ti é a vida. Aqui outrora retumbaram hinos. Oh abelha imaginativa! o que o desejo inventa… Vou-me embora pra Pasárgada. Amor é fogo que arde sem se ver. Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho. No monte de amor andei, por ter de monteiro fama, sem tomar gamo nem gama. Clorindas e Belindas brincam no tempo das berlindas. Eu tenho amado tanto e não conheço o amor. Estrela Vésper do pastor errante. 'Tamos em pleno mar: dois infinitos ali se alteiam.

- Beleza.

- Não é? Tem  mais. Transforma-se o amador na coisa amada. Antônia, você parece uma lagarta listrada. Dona Janaína, rainha do mar, dai-me licença para eu também brincar no vosso reinado. Por que não nasci eu um simples vaga-lume? Não queiras indagar do meu  segredo. Mas que seja infinito enquanto dure. Cantando espalharei por toda parte. Tudo não escondido perde a graça. O emamomo floresce em frente do teu postigo. Crisântemo divino aberto em meio da solidão... Tinha uma pedra no meio do caminho.

- Isso já é prosa, amizade.

- É mesmo. Em todo caso, trata-se da primeira calça poética luso-brasileira. Os poetas que tratem de defender seus direitos autorais. A menos que considerem uma honra vestir de versos as mulheres.

Fonte:
Carlos Drummond de Andrade. De Notícias & Não-Notícias Faz-se a Crônica. RJ: José Olympio, 1974.

Rubens Luiz Sartori (Poemas Avulsos) 2


AMOR

As dores fortes da ausência,
se reencontram no amor.
Amor, essa coisa bendita,
que nos agarra qual fita,
de uma dança de pares,
que se encontram em olhares,
um de cada lado carente,
outro só, buscando silente,
numa pessoa, seu ser.

O ser de si e de alguém,
é como folha no vento,
que ao cair à distância,
se perde longe do galho,
que forte antes era ânsia;
agora é só um retalho,
que balança ao relento,
sem vida. fraco e aquém,
não é mais nada, é ninguém...

Mas qual! é sempre alegria,
quando o amor surge, possesso.
Faz do hoje um novo dia;
faz da morte um retrocesso;
faz de conta que não conta,
o passar dos dias, dos anos
e apesar dos desenganos,
com amor tudo é presente,
traz de volta o riso ausente,
e nos transforma em mais gente.
****************************************

AO MEU CACHORRO GETÚLIO!

O meu cachorro Getúlio,
é amigo fiel devotado.
É para mim, meu orgulho;
é parceiro apaixonado.

Descende da raça canina,
valente e fenomenal.
É forte, sem vitamina,
cumpre instinto sem igual.

É filho do "velho Xirú",
cão bravo de muita luta;
pioneiro na "Quero-Quero"
seu reinado sem disputa,

Acoa na sua vigilância;
defende-me, por ideal.
Guardião de toda a Estância,
sem pagamento ou metal.

Nunca nos faltem "Getúlios";
nunca falte um cão fiel,
passarão tempos e "julhos",
terei cão até no céu.
****************************************
 
 QUANDO EU NASCER DE NOVO...
E QUANDO EU NÃO MAIS EXISTIR...


Quando eu nascer de novo.
quero viver com mais risco.
Quero cruzar mais fronteiras,
conhecer montanhas e rios.
Andar na chuva de noite,
sentir o prazer do arrepio.
mirar o além d'horizonte,
sorver o vento e o frio.
Quero ver quanto eu arrisco...

Sonhar meus sonhos sombrios,
de ter que ser mais humano.
Buscar meu ego constante.
Olhar a vida de frente.
Amar a tudo que quero,
nadarem rios de vontade.
Conhecer a noite do tempo,
jogar meus jogos de amor.
Sentir de longe a saudade,
viver a cada minuto,
como se fosse um condor...

E quando eu não mais existir,
que vivam meus passos perdidos,
meus dias de muito tormento,
e todos meus beijos de amor
relembrem meus olhos vibrantes
e a pouca poesia que sobrou.
Que todos se lembrem de mim,
não como um homem apenas.
mas como alguém que sonhou...
****************************************

VELHA PONTE

Velha ponte de meu rio de infância
ligaste os sonhos de amor-criança.

Velha ponte de meu rio de infância,
quantos sonhos que eu sonhei com ânsia,

Foste ponte, de saudades quantas.
Foste rio, de águas limpas, tantas.

Velha ponte de meu rio de infância,
quanta vida deste a tantos sonhos.


Fonte:

Rubens Luiz Sartori (org.). Compêndio da Academia Mourãoense de Letras.  Campo Mourão/PR: UNESPAR/FECILCAM, 2004.
Livro enviado por Sinclair Pozza Casemiro

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to