Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Varal de Trovas n. 255


Aparecido Raimundo de Souza (Romantismo Corrompido)


DONA ADRIANA DE FIGUEIREDO, setenta e dois anos, era do tipo romântica. Sonhadora. Aliás, sempre fora sonhadora. Tudo levava a sua imaginação a viajar além do alcance das vistas. Uma palavra dita aqui, outra ali, uma frase que alguém dissesse, um bichinho que pousasse na sua roupa, uma lufada de vento mais ameno que tocasse seu rosto, um raio de sol quente que a fizesse suar, uma lua bonita que surgisse resplandescente no infinito da noite, o mar, o mar, então, uau!, exercia uma onda forte em sua cabeça e a fazia navegar por terras nunca antes pisadas.

Enfim, qualquer pequena coisinha insignificante para as outras pessoas fazia dona Adriana de Figueiredo viajar  por  espaços cada vez mais espetaculosos. Seu Gabriel Figueiredo, o marido, mais velho que ela cinco anos, ao contrário da devotada esposa, nada tinha de romântico. Se mostrava vazio, longe dessas blandícias* que encantam os que vivem de pequenas melifluidades*. No geral, a criatura não se limitava a teorias, encarava sempre as coisas pelo lado positivo. Em resumo, seu Gabriel Figueiredo, na acepção da palavra, sem tirar nem "destirar", um prático de carteirinha e sindicato.

Certa manhã, ao não ver o marido sair cedo de casa, para uma viagem de um mês, três dias depois, já em clima de saudade, decidiu lhe mandar uma mensagem. Escreveu: “Amor da minha vida. Se estiver rindo, me mande um sorriso.  Se estiver chorando, me mande lágrimas. Se estiver com saudades, me mande um recadinho. Se estiver dormindo, me mande seu sonho. Quero sonha-los junto com você, e tentar fazer dele a sua melhor realidade”.

Não parou aí. Seguiu adiante: “Saiba que amo você, demais e onde quer que esteja, a distância nunca se fará pesada e densa”. Mandou. Uma hora depois o celular deu sinais de vida e dona Adriana de Figueiredo, pressurosa pela resposta, apressada para saber do companheiro de tantos anos de vida em comum, sobretudo, agitada e impaciente, com a sua ausência, leu o que a sua cara metade escrevera de volta: “Adri, estou no banheiro! O que faço?”.
_____________________________________
* Vocabulário (Dicionário Aurélio)
Blandícias – carícias.
Melifluidades – maneiras doces.


Fonte:
Texto enviado pelo escritor.

Luiz Gonzaga da Silva (Trova e Cidadania) Ecologia – Consciência Ecológica


Tudo o que fere a terra fere também os filhos da terra (Cacique Seattle).

A frase do cacique Seattle resume tudo, mas os ignorantes "civilizados" não entendem assim. Foi necessário se criar uma disciplina para disciplinar o que seria suficiente o bom senso. E os ecologistas ainda muitas vezes são acusados de exagero. Muitos cientistas ainda afirmam, conscientemente ou por interesses escusos, que as suas previsões são exageradas e sem base científica. Como se a apreensão da realidade não tivesse nenhum valor.

Do bom ar que respiramos
depende a nossa energia,
por isso é que precisamos
defender a ecologia.
Ivaniso Galhardo - RN

Defender a ecologia    '
da Amazônia ao Pantanal,
além de soberania
é urgência Nacional
Pedro Grilo - RN

É tanta a maldade insana...
Mas cresce, dia após dia,
um grito que nos irmana
pela nossa ecologia!
Mara Melinni Garcia - RN

Na angústia das mais estranhas,
estão chorando as cascatas:
são murmúrios das montanhas
refletindo a dor das matas.
Cláudio de Cápua - SP

Não nos cansamos de ferir a terra e tudo o que ela produz. E ferir a nós próprios num grande processo suicida! As riquezas que ela contém são destruídas alucinadamente. Destruímos a sua cobertura verde, as matas e todo tipo de vegetação. A palavra de ordem dos ambiciosos é o desmatamento. Não importa as consequências.

O grande desmatamento,
por ganância ou esperteza,
põe rugas de sofrimento
no rosto da natureza...
Ademar Macedo - RN

Clareiras a cada instante!...
A madeira posta à venda!...
E a mata, tão verdejante,
aos poucos, virando lenda!
Wagner Marques Lopes - MG

A Natureza hoje chora
a cruel devastação
que faz o verde ir embora
e veste de cinza o chão!…
Sônia Maria Ditzel Martelo - PR

Corta-se a mata nativa,
fica o tempo a céu aberto...
É a força bruta, nociva,
na construção do deserto.
Djalma Alves da Mota - RN

De cada galho abatido
em silêncio a seiva escorre,
mostrando o pranto sentido
de uma floresta que morre.
Marina Bruna - SP

Numa planta derrubada,
num incêndio florestal,
abre-se a porta de entrada
pra o aquecimento global!
Ademar Macedo - RN

Salvemos nossa floresta
com um alerta geral,
pois o caos se manifesta:
o aquecimento global
José Aureilson Cordeiro Abreu - CE

Além disso, ainda nos deparamos com as queimadas, inconscientes ou criminosas. O trovador denuncia este crime e clama por soluções.
 

Queimada!... A terra ferida
clama por um povo forte
que faça brotar a vida
onde o fogo impôs a morte!
José Lucas de Barros - RN

O homem, insano, incendeia
a natureza e as quimeras,
sem perceber que semeia
solidões sem primaveras...
Maria Lua - RJ

Em criminosas queimadas
por ambição desmedida,
vê-se, nas vidas ceifadas,
o extinção da própria vida!
Almerinda Fernandes Liporage - RJ

Nessas queimadas sem dó,
o homem constrói seu futuro:
- Uma floresta de pó
e um negro pulmão impuro!
Jair Figueiredo - RN

Pela queimada vencida,
fez-se a floresta em carvão...
Morreu o verde da vida,
deixando enlutado o chão!
Thereza Costa Val - MG
 

Um perigo sempre à vista,
uma ilusão, com certeza,
é o balão que perde a pista,
destruindo a natureza.
Mifori - SP

Mas a insanidade não para por aí. Escavamos as entranhas da terra à procura dos seus metais para transformá-los em vil metal, produzindo as riquezas sórdidas de muitas empresas e seus donos. Para transformar os metais em máquinas e automóveis que irão contribuir para aumentar a produção de gases tóxicos e o aquecimento do planeta. Com esses metais produzimos quinquilharias que vão enfeitar as vitrines do "progresso". Sem sequer pensarmos no sofrimento dos seres humanos que são explorados nesse processo, nas minas e nas cidades.
 

Aos insanos não ocorre
pensar na dor e o dilema
de quem trabalha e até morre
na exploração mais extrema.
Gonzaga da Silva - RN

Se a extração desses metais fosse menos predatória e o seu produto fosse distribuído, aproveitado por todos... Mas nem isso ocorre. Pelo contrário, o que temos visto são as tragédias provocadas pela irresponsabilidade criminosa das mineradoras. E o trovador se pergunta:

Ó Pátria dos metais nobres,
das vastidões e grandezas,
por que nós somos tão pobres
num chão de tantas riquezas?
Clarindo Batista Araújo - RN

Tens, Brasil, belo gigante,
solo rico e gente nobre.
Sendo um país abundante,
por que teu povo é tão pobre?...
Therezinha Ferreira - RJ

Nos campos que a relva cobre,
minérios em profusão...
fui só um menino pobre
sem escola, pés no chão...
Campos Sales - SP

Com o superpovoamento do mundo, milhões de toneladas de lixo são descartados todos os dias no solo e nos mananciais aquíferos. Um terço do alimento produzido é desperdiçado e jogado na natureza, enquanto milhões de pessoas passam fome. Ao menos deveríamos reciclar todo este lixo.

Além de necessidade,
e se é feita com capricho,
faz-se nobre a atividade
da reciclagem do lixo.
Gonzaga da Silva - RN

Onde o povo é consciente
todo o lixo é reciclado,
mas onde o povo é demente
nem o homem é bem tratado.
Gonzaga da Silva - RN

Por menor que seja, creia,
o lixo é problema certo:
de pequenos grãos de areia
é que se forma o deserto!
António Juracy Siqueira - PA

Embora o planeta Terra seja constituído de 75% de água, apenas 3% desse total é própria para o consumo humano. Portanto, toda a atenção deveria ser dada à conservação desse produto tão indispensável à vida.

Água, três partes da Terra,
não sejas causa perdida,
mas grande troféu de guerra!
Divina Deusa da Vida!
Osires Haddad – PR
 

De casta fonte nascida
em cristalina pureza,
a água é a essência da vida
e a alma da natureza!
A. A. de Assis - PR

Que a ganância descabida
poupe os bens fundamentais.
Sem ouro mantém-se a vida,
sem água limpa, jamais.
Adilson Maia - RJ

Nem ouro, nem pedra rara,
nada que vem de um garimpo,
vale um fio de água clara
no leito de um rio limpo!...
Aloísio Alves da Costa - CE

Nas águas turvas dos rios,
os venenos poluidores
nos darão dias sombrios
e primaveras sem flores...
Marina Bruna - SP

Águas turvas poluídas
por ações irracionais,
abrindo novas feridas
nas nossas fontes vitais...
Djalma Alves da Mota - RN

Faz-se um rio assoreado
sem a mata ciliar...
O amanhã chora o passado
ao ver a água minguar!
Wagner Marques Lopes - MG

Renovadas sejam vidas
pelos mares deste mundo...
Sem mais águas poluídas,
desde a tona até o fundo.
Wagner Marques Lopes - MG

É dinheiro abençoado,
merecedor de elogio,
todo aquele que é usado
ao despoluir um rio!
Maria Eliana Palma - PR

Concluímos este tópico sobre a ecologia, fazendo uma indagação angustiante: até quando poderemos nos deleitar com imagens como estas?

Envolta em brilhos e cores,
a natureza se esmera
para, em delírio de flores,
eclodir na primavera.
Wanda de Paula Mourthé - MG

Numa ternura infinita
a lua, com mãos de prata,
vem prender laços de fita
nas tranças verdes da mata.
Amália Max - PR

Por entre os ramos festivos
de lindas flores e ninhos,
o Sol põe renda de crivos
na toalha dos caminhos.
Maria Thereza Cavalheiro - SP

Diviso ao longe, altaneiro,
em meu pedaço de chão,
a ternura de um pinheiro
colorindo a solidão...
Milton Nunes Loureiro - RJ

Fonte:
Luiz Gonzaga da Silva (org.). Trova e Cidadania. Natal/RN, abril de 2019.
Livro enviado pelo autor.

Humberto de Campos (A Festa da Inteligência)


Por especial deferência do sr. ministro das Relações Exteriores, foi-me permitido, anteontem, nos "Diários", tomar parte, como diplomata, nas homenagens prestadas pela intelectualidade brasileira a Sua Majestade o Rei da Bélgica. Relegado para as filas destinadas aos jovens funcionários do Itamarati, não foi sem custo que consegui aproximar-me do local distribuído aos homens de ciências e de letras, cujos paramentos, tirados às sete cores do arco-íris, davam à solenidade um tom de magnificência, de luxo, de riqueza, verdadeiramente excepcional. Ao lado dos fardões acadêmicos, faiscantes de ouro, berravam o vermelho dos capelos, o verde das murças, o negro das becas, assinalando, no tumulto das cores, os catedráticos das Faculdades de Medicina e de Direito, os membros do Instituto Histórico, os doutores da Ordem dos Advogados. E como se não bastasse o aspecto magnificente das vestimentas, cintilavam por toda a parte as medalhas, os crachás, as condecorações de todos os países do mundo, como se tivesse caído sobre aquela assembleia de sábios uma luminosa chuva de pedrarias.

A atual sociedade brasileira, educada nos costumes igualitários da República, não pode ver, entretanto, a sério, essas manifestações suntuosas da vaidade humana. Deslumbrados com o que viam, os espíritos divagavam, tontos, sem compreender a legítima expressão daquele espetáculo. Dessa verdade lamentável, tive eu vários documentos, que me causaram a mim verdadeira indignação. A minha primeira desilusão foi à entrada do Sr. barão de Ramiz Galvão, o velho e glorioso fidalgo do Império. Trajando uma casaca irrepreensível, o eminente educador trazia ao peito, do ombro à cintura, e de ambos os lados, todas as suas condecorações. Eram a da Rosa, do Brasil; a de Santiago, de Espanha; a da Ordem de Cristo, de Portugal; a da Legião de Honra, da França; a do Elefante Azul, da Pérsia; a de Estanislau, da Polônia; a da Ordem do Latrão, do Vaticano; e tudo isso no meio de passadeiras, bentinhos, cordões, amuletos, fitas, distintivos, medalhas e penduricalhos, obtidos em sessenta anos de discursos e magistério. À chegada do venerando professor, houve um deslumbramento; e o primeiro comentário, de uma senhora colocada nas proximidades do corpo diplomático, foi, logo, este:

- Meu Deus! Parece... porta de casa de brinquedos!

A entrada do desembargador Ataulfo de Paiva, da Academia de Letras, causou o mesmo pasmo, o mesmo espanto, a mesma admiração. Ornamentado com as suas dezenove condecorações, postas em destaque pela sua faixa vermelha de Cavaleiro de São Maurício e pela originalidade do seu cordão da Ordem do Dragão, da China, o ilustre magistrado estava deslumbrante. Sem perder a calma, o primeiro a registrar, com espírito, a sua situação, foi ele próprio.

- De onde vem, desembargador? - indagou, com graça, à entrada do salão, a Sra. Santos Lobo.

E ele, sorrindo:

- Da festa da Penha, excelentíssima!

Dentro, no recinto dos homens eminentes, destacavam-se, também, pela singularidade, os distintivos de Carlos Malheiro Dias. Antigo fidalgo da Casa Real Portuguesa o brilhante escritor vestia uma capa em vermelho e preto, semeada de comendas azuis, de crachás amarelos, de medalhas reluzentes, a emergirem de um oceano de fitas simbólicas, pertencentes a vinte ordens diversas. Ao vê-lo indagou uma senhora:

- Que capa é aquela do Dr. Malheiro Pias?

E a outra explicou:

- É uma capa... da "Revista da Semana", menina!

A impressão geral daquele publico republicano, foi interpretada, porém, entre tantos episódios, por uma frase, ouvida por mim no termo da festa. Comprimindo-se com arte, apertando-se com elegância, empurrando-se com delicadeza, a multidão procurava a porta de saída, quando encontrei à minha frente um grupo de moças, no meio do qual ia um cavalheiro idoso, afogado até o pescoço na sua enorme beca de professor de Direito. Oprimido de um lado, empurrado de outro. o educador defendia-se aflitamente, quando uma das filhas lembrou, compadecida:

- Porque papai não tira... o dominó?

E o Carnaval caiu na rua.

Fonte:
Humberto de Campos. A Serpente de Bronze. 1925.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Varal de Trovas n. 254


Francisca Júlia (O Cão)


Alfredinho possuía um cão que se chamava Lobo. Era grande como os maiores da sua raça, o pelo crespo, inteiramente negro e dotado de uma coragem e força que o faziam temido por todos.

À noite, quando o soltavam no quintal. Lobo escondia-se na sombra dos muros, e aí ficava, imóvel e alerta, à espera dos ladrões. Mas estes, que lhe temiam a ferocidade, não se arriscavam a galgar o muro.

No entanto, este cão, apesar do seu aspecto feroz, dos seus olhos sanguíneos e duros, que fitavam tudo com aspereza, e da sua boca rasgada, guarnecida de dentes afiados, era manso como um cordeiro para o seu pequeno amo, que lhe alisava o pelo e lhe dava beijos no focinho.

Viam-nos sempre juntos, Alfredinho e Lobo, amigos inseparáveis, — aquele, mal sustentando-se nas perninhas fracas, este, ostentando sua corpulência de fera. Às vezes iam passear juntos até ao campo, e Lobo acompanhava o seu amiguinho, seguindo-lhe todos os movimentos, obedecendo a todos os seus gestos, num desejo de adivinhar os seus mais ínfimos pensamentos.

Alfredinho, com ser uma criança de cinco anos apenas, compreendia esta dedicação e retribuía ao seu amigo do mesmo modo, tratando-o com o maior carinho, zangando-se com os criados se lhe davam uma ração pequena ou se lha davam com grosseria.

Certa vez, um homem rico, muito amante de cães, dirigiu-se ao pai de Alfredinho e ofereceu-lhe uma soma avultada para a compra de Lobo.

O pai recusou-se a vendê-lo, dizendo:

— Este cão é o melhor amigo do meu filho, acompanha-o por toda a parte. Se algum dia este digno animal perecer, meu filho não poderá sobreviver-lhe, tal será o desgosto que há de sentir.

O homem foi-se embora, não sem ter lançado de soslaio um olhar invejoso sobre o cão.

De fato, não havia ninguém que não admirasse Lobo, o seu corpo volumoso ornado de um pelo crespo e macio, as suas patas enormes armadas de unhas pontudas e curvas, como as de um leopardo, e o seu peito largo e forte como uma couraça.

Alfredinho, quando tinha três anos, era um menino doente, extremamente débil.

Seu pai, que o amava muito, fazia-lhe todas as vontades, satisfazia-lhe todos os desejos, com medo de contrariá-lo ou aborrecê-lo. Alfredinho, porém, dotado de sentimentos generosos e boa alma, nunca abusou, como fazem geralmente as crianças da sua idade, das delicadezas de que era cercado.

Nessa época, num dia de muita chuva, em que o vento passava impetuosamente em uivos prolongados, Alfredinho, trêmulo de susto, ouviu um gemido triste que vinha da rua. Mandou ver o que era.

— Era um cão muito magro, disseram, e coberto de lepra.

Alfredinho. piedoso como era, pediu ao pai com os olhos cheios de lágrimas que recolhessem o pobre cão, que lhe dessem agasalho.

O cão entrou, encharcado da água da chuva, tremendo de frio. Seu aspecto era repugnante: magríssimo, as costelas salientes, imundo e coberto de lepra.

Todos recusaram-se a recebê-lo.

O menino tanto insistiu, chorou e bateu o pé, que o pai resolveu, não sem escrúpulo e nojo, ficar com o cão.

Deram-lhe o nome de Lobo pelo ar selvagem que tinha.

Pouco a pouco, alimentando-se bem, sujeitando-se ao tratamento da lepra que lhe cobria o pelo, o cão foi engordando, e em pouco tempo tornou-se um animal lindo e afagado por todos.

Durante o dia seguia Alfredinho aos passeios, sacudindo a cauda, fazendo-o rir com suas graças; à noite soltavam-no no quintal para defender as galinhas e as hortaliças do assalto dos malfeitores.

O seu pequeno amo, uma manhã, depois de haver pedido licença ao pai, convidou-o a um passeio ao campo, para caçar borboletas e cigarras.

O cão acompanhou-o.

Alfredinho corria pelos atalhos, escondia-se nas touças de verdura, tentando iludir a vigilância de Lobo.

Cansado, porém, de tanto brincar, deitou-se na relva e adormeceu.

O cão deitou-se também, alerta sempre contra qualquer perigo, disposto, se fosse preciso, a defender o seu querido amiguinho.

Nesse instante uma cobra traiçoeira, arrastando-se por entre as folhas, aproximou-se do lugar em que estavam, pronta para picar a criança e matá-la com sua peçonha mortal.

Lobo, que a tinha pressentido, voltou-se de repente e atacou-a em botes furiosos.

Matou-a. Enquanto a serpente estava estrebuchando no chão, crivada de dentadas, o cão, que tinha sido picado, gemia, penetrado de dores lancinantes.

Pobre e fiel animal!

Minutos após, Lobo, arrojando-se no chão, esgotado de forças, chegou até onde estava o seu amiguinho, lambeu-lhe as mãos carinhosamente e morreu num doloroso gemido.

Fonte:
Poeteiro Iba Mendes

J. G. de Araújo Jorge (O Canto da Terra) 9


PALAVRAS AO HOMEM CÉTICO
(A Monteiro Lobato - 1943)
  
Não troques ( tu que realmente tão pouco tens de teu,
tu que não tens nada além do ar que respiras,
do sol que te aquece, das estrelas do céu,)
- não troques por nada deste mundo
oh! meu irmão,
o teu direito de sofrer, de lutar e de morrer,
pelo teu pensamento
e pela tua convicção!

Por em verdade te digo, que nada vale mais
do que esse sofrimento amplo e profundo,
que nada vale mais que a tua liberdade
não importa que esteja sujeita aos rigores da vida
ou à intempérie do mundo!

Vive por ela, sofre por ela, morre por ela,
e terás para a tua vida, ou para a tua morte
a mais sublime razão,
e por pior que a tua vida tenha sido,
terá sido uma Vida, e terás sido um Homem! oh! meu irmão!

Não troques jamais os percalços e os sofrimentos,
as incertezas e os perigos
da tua independência,
nem tolhas a ousadia da tua consciência
e as ânsias do teu coração,
- por esse bem-estar da subserviência
ou pelo comodismo humilhante e bastardo
de qualquer escravidão!

Que te bastem, se preciso, o ar, o sol, as estrelas,
as alvoradas e os crepúsculos, o mar e o céu,
que não são de ninguém,
mas não vendas tua alma por um pouco de ouro
nem troques teu destino por uma migalha
que ao te matar a fome
te destrói também!

Que te bastem, se preciso, os caminhos do mundo
que nunca tiveram dono
desde a mais remota idade,
e que num mundo a seguir, em rebanhos, tocado,
pejas tu, o animal indócil, desgarrado!
- da liberdade!


Não traias teu ideal por fraqueza e impaciência,
antes vela o silêncio digno, e atento, aguarda
o instante em que terás de lutar por aquilo
que é de todos os homens, e portanto, é teu!
Que, às vezes, como o sol, a liberdade tarda
mas como o sol também, ela não falha nunca ,
e será tanto mais bela
quanto mais negra a noite que a antecedeu!
...................................................................

e mil vezes bendito serás, na tua espera ansiosa, na tua revolta,
e no teu viril insubordinamento,
porque então compreendeste o silêncio da nossa dor
e a beleza heroica
do nosso sofrimento!
****************************************

PALAVRAS AO POETA DO MEU SÉCULO
(A Eudes Barros - 1940)

No teu verso
existirá a neurose de todos os homens esgotados
ou excitados
pelos prazeres,
e a neurose de todos os seres
exaustos
pelo trabalho,
pela ambição!

E a vertigem do moto-contínuo das coisas
na terra
e nos espaços!
E a volúpia doentia dos seres livres ou recalcados
nos segundos de loucura
e de sublimação . . .

E a revolta de todos os que já sentiram fome
e dos que ainda à sentirão!

E a amargura dos que não encontram nas noites frias,
às horas mortas,
senão o vão das portas
e as escadarias...

E a tragédia de mil raízes profundas e sombrias
que bruxoleia nos olhos baços
das proxenetas*...
(como o sol, quando põe estilhaços
de luz)
que parecem laivos de pus
- na água podre das poças d'água nas sarjetas!...
- na água podre das poças d'água nos pauis!

E a ousadia e o destemor da estirpe incurável
dos sonhadores e terroristas,
dos agitadores e incendiários,
dos teóricos e utopistas,
e dos revolucionários...
E o estoicismo e a abnegação dos santos, dos apóstolos
e dos missionários!

A fé cristã dos mártires, a força dos condutores
de povos
e o entusiasmo, e a coragem, e a eloquência dos novos!
E a angústia dos que já tiveram um lar
e já tiveram trabalho,
os que vivem na vida andando a esmo
numa ansiosa vigília
- os que não têm mais lar
mas ainda têm família!...

No teu verso existirá
o desespero dos anônimos e desgraçados,
dos forçados à impotência
e em verdade incapazes,
dos que nasceram escultores e perderam as mãos,
dos que trouxeram o tormento surdo
do gênio de Beethoven,
os que, adorando a música e os seus sons, não ouvem...

E a agonia cruciante dos que têm olhos para ver,
coração para sentir,
mãos para ofertar
- e, suprema e fatal de todas as ironias!
não podem chorar
nem socorrer
e só podem ofertar as tristes mãos vazias...

E a desgraça dos que chegaram ao mínimo de humanidade
pensando na dor alheia,
para sublimá-la na explosão inútil de uma obra
frágil como a areia...

No teu verso existirá a incoerência,
o paradoxo, o desconexo,
a miséria, a opulência,
e o flagrante de todas as desigualdades
e injustiças
de um século complexo...

E por isso o teu verso será o instantâneo vivo
da própria evolução,
será o monólogo, doloroso, hamletiano,
de um tempo desumano!
****************************************

PALAVRAS AO TRABALHADOR BRASILEIRO

(Aos que lutam e morrem na Baixada Fluminense)
(A Procópio Ferreira – 1941 )


Glória a ti, trabalhador obscuro, trabalhador brasileiro,
- glória aos teus músculos, à tua força, à tua vontade  
e à tua abnegação,
desconhecido obreiro
da nacionalidade
e da Civilização!  

Glória à tua coragem cabocla, ao teu desprendimento
cheio de lances épicos e bravios,
e ao teu construtivo heroísmo
tanta vez ignorado,
- glória a ti que arrostaste* as febres, as sezões*, o impaludismo*
sem desmorecimento
e repuseste em seu leito as águas de cada rio  
transviado!

A ti que mergulhaste o corpo nos pântanos infectos
e nos lodos doentios,
cheios de miasmas* mortais e multidões de insetos,
na decomposição dos corpos dos cadáveres
dos rios...

Glória a ti, que transformaste milhares, milhares e milhares,
muitos milhares de hectares
de terras incultiváveis e abandonadas
num imenso celeiro?
Glória a ti, à ferramenta humilde que põe calos de ferro
em tua mão,
glória à tua enxada
abençoada,
oh! trabalhador brasileiro!
oh! meu irmão!

Dragaste o pantanal e revolveste a terra,
e saneaste a terra, e transformaste a terra
estéril,
a gleba malsã*,
- num campo redivivo, no ventre largo e fecundo
de um novo vale, de um novo mundo
de Canaã!

Ressuscitaste assim, e libertaste assim, prisioneiras regiões
do império das maleitas,
e hoje livres os chãos dos matagais hirsutos
livres os campos das cheias, das inundações,
- as terras são promessas de colheitas
e as sementes serão flores, serão frutos
na festa das plantações!

Glória a ti, - obreiro incansável e obscuro
que a essas regiões perdidas, inúteis e sem futuro,
a essa terra escrava
onde a estrada não chegava
onde a raiz não medrava
onde o homem não punha o pé,
- levaste a tua força, o teu trabalho, a tua fé,
o teu labor, titânico, profundo,
o teu suor,
e fizeste do nada, um mundo! e farás desse mundo
um mundo ainda maior!

Glória a ti que repetiste nas carnes amaldiçoadas
daqueles chãos vazios, daqueles mortos pauis*,
(que eram como feridas gangrenadas
enchendo a terra de pus,)
- o milagre da vida, o milagre do Lázaro
da história de Jesus!

E eis que tudo ressurge, que os campos palpitam de seiva,
que as terras todas vibram ressuscitadas,
e desaparecem até, das chagas já curadas,
os sinais e as cicatrizes!
.................................................................................................

Amanhã
sobre os chãos despertos e resolutos
sobre os chãos enxutos,
ao trabalho de cada dia
e em horas mais felizes,
vergarão os galhos verdes com as mãos pesadas de frutos,
e dentro da terra úmida, numa alvoroçada alegria
se entrelaçarão as raízes!

Amanhã
os trilhos marcarão na epiderme do solo
a imagem infinita do progresso!

Os campos se encherão de penachos bizarros
e passará na noite a visão instantânea de um "expresso"
serpenteando na sombra o cordão luminoso
dos seus carros;
e pelas tardes bucólicas e platônicas
se ouvirá nos caminhos a música feliz das rodas sinfônicas
de outros carros...

Amanhã
continuarás ainda em tua luta
eterna e ininterrupta, ;
multiplicando as culturas, alargando horizontes,
replantando florestas, perfurando montes,
abrindo leitos de rios e algemando-os com as pontes,
e aproveitando as energias de suas forças dispersadas
dando rumo e correnteza às águas estagnadas!

Amanhã
continuarás perfilando pelos campos, pelas encostas
até onde a vista alcançar,
- as divisões dos cafezais de farda verde e de botões vermelhos
que parecem marchar,
- e os batalhões dos algodoais de capacetes brancos,
e os extensos canaviais de estandartes ao vento,
e os verdes milharais de espada em riste, no ar!

Até os louros trigais, filhos de velhas raças emigrantes
altivos e belos      
ondeando pelos montes, aos bandos, aos mil,
e que há bem pouco chegaram de suas terras distantes       
marcharão também com seus penachos amarelos
da cor do sol do Brasil!

Hás de ver que todos se perfilarão
ao toque de reunir dos teus músculos
maiúsculos,
na parada do trabalho que te engrandeceu,
do trabalho que marcha, que avança e se expande,
porque o Brasil é grande!
porque o Brasil é teu!

Na tua fronte plebeia
o suor de cada dia escreve uma epopeia,
e escrevem sobre a terra um capítulo heroico
os teus pés sempre nus,
- glória a ti, trabalhador obscuro, trabalhador brasileiro,
tens o peito viril de esplêndido guerreiro
condecorado de sol!
condecorado de luz!
___________________________
Vocabulário (Dicionário Aurélio)
Arrostaste – Enfrentaste.
Impaludismo – Malária.
Malsã – insalubre, maléfica, doentia.
Miasma – Emanação fétida oriunda de animais ou plantas em decomposição.
Pauis – (plural de paul) Pântanos.
Proxeneta – Intermediário, por dinheiro, em casos amorosos.
Sezões – Febres intermitentes ou periódicas.


Fonte:
J.G. de Araújo Jorge. O Canto da Terra. 1945.

Fernando Sabino (Eloquência singular)


Mal iniciara seu discurso, o deputado embatucou:

- Senhor Presidente: não sou daqueles que...

O verbo ia para o singular ou para o plural? Tudo indicava o plural. No entanto, podia perfeitamente ser o singular:

- Não sou daqueles que...

Não sou daqueles que recusam... No plural soava melhor. Mas era preciso precaver-se contra essas armadilhas da linguagem - que recusa? – ele que tão facilmente caía nelas, e era logo massacrado com um  aparte.

Não sou daqueles que... Resolveu ganhar tempo:

- ... embora perfeitamente cônscio das minhas altas responsabilidades, como representante do povo nesta Casa, não sou...

Daqueles que recusa, evidentemente. Como é que podia ter pensado em plural? Era um desses casos que os gramáticos registram nas suas questiúnculas de português: ia para o singular, não tinha dúvida. Idiotismo de linguagem, devia ser.

- ... daqueles que, em momentos de extrema gravidade, como este que  o Brasil atravessa.

Safara-se porque nem se lembrava do verbo que pretendia usar:

- Não sou daqueles que...

Daqueles que o quê? Qualquer coisa, contanto que atravessasse de uma vez essa traiçoeira pinguela gramatical em que sua oratória lamentavelmente se havia metido  logo de saída. Mas a concordância? Qualquer verbo servia, desde que conjugado corretamente, no  singular. Ou no plural:

- Não sou daqueles que, dizia eu - e é bom que se repita sempre, senhor Presidente, para que possamos ser dignos da confiança em nós depositada...

Intercalava orações e mais orações, voltando sempre ao ponto de partida, incapaz de se definir por esta ou aquela concordância. Ambas com aparência castiça. Ambas legítimas. Ambas gramaticalmente lídimas (legítimas), segundo o vernáculo:

- Neste momento tão grave para os destinos da nossa nacionalidade.

Ambas  legítimas? Não, não podia ser. Sabia bem que a expressão "daqueles que" era coisa já estudada e decidida por tudo quanto é gramaticóide por aí, qualquer um sabia que levava sempre o verbo ao plural:

... não sou daqueles que, conforme afirmava...

Ou ao singular? Há exceções, e aquela bem podia ser uma delas. Daqueles que. Não sou UM daqueles que. Um que recusa, daqueles que recusam. Ah! o verbo era recusar:

- Senhor Presidente. Meus nobres colegas.

A concordância que fosse para o diabo. Intercalou mais uma oração e foi em frente com bravura, disposto a tudo, afirmando não ser daqueles que...

- Como?

Acolheu a interrupção com um suspiro de alívio:

- Não ouvi bem o aparte do nobre deputado.

Silêncio. Ninguém dera aparte nenhum.

- Vossa Excelência, por obséquio, queira falar mais alto, que não ouvi bem - e apontava, agoniado, um dos deputados mais próximos.

- Eu? Mas eu não disse nada...

- Terei o maior prazer em responder ao aparte do nobre colega.  Qualquer aparte.

O silêncio continuava. Interessados, os demais deputados se agrupavam em torno do orador, aguardando o desfecho daquela agonia, que agora já era, como no verso de Bilac, a agonia do herói e a agonia da tarde.

- Que é que você acha? cochichou um.

- Acho que vai para o singular.

- Pois eu não: para o plural, é lógico.

O orador prosseguia na sua luta:

- Como afirmava no começo de meu discurso, senhor Presidente...

Tirou o lenço do bolso e enxugou o suor da testa. Vontade de aproveitar-se do gesto e pedir ajuda ao próprio Presidente da mesa: por favor, apura aí pra mim como é que é, me tira desta.

- Quero comunicar ao nobre orador que o seu tempo se acha esgotado.

- Apenas algumas palavras, senhor Presidente, para terminar o meu discurso: e antes de terminar, quero deixar bem claro que, a esta altura de minha existência, depois de mais de vinte anos de vida pública.

E entrava por novos desvios:

- Muito embora... sabendo perfeitamente... os imperativos de minha consciência cívica. ...Senhor  Presidente... e o declaro peremptoriamente... não sou daqueles que...

O Presidente voltou a adverti-lo de que seu tempo se esgotara. Não havia mais por onde fugir:

- Senhor Presidente, meus nobres colegas!

Resolveu arrematar de qualquer maneira. Encheu o peito e desfechou:

- Em suma: não sou daqueles. Tenho dito.

Houve um suspiro de alívio em todo o plenário, as palmas romperam. Muito bem! Muito bem! O orador foi vivamente cumprimentado.

Fonte:
Fernando Sabino. A Companheira  de  Viagem.  RJ: Sabiá, 1972.

terça-feira, 28 de abril de 2020

Varal de Trovas n. 253


Arthur de Azevedo (Uma Carga de Sono)


    Como o Alfredo tinha que partir para Minas às 5 horas da manhã, entendeu que o meio mais seguro de não perder o trem, o que mais de uma vez lhe sucedera, era passar a noite em claro.

    Assim foi. Esteve no teatro até meia-noite, foi cear com alguns amigos, demorou-se no restaurante até as 2 horas, deu um passeio de carro pela Avenida Beira-Mar e, às 5 horas, estava comodamente sentado no trem, de guarda-pó e boné de viagem.

    Partiu o carro ainda ao lusco-fusco, só ali pelas alturas do Encantado o sol resolveu entrar lentamente pelas portinholas.

    O Alfredo começou então a examinar um casal que estava sentado diante dele. Começou pelo marido: era um sujeito vulgaríssimo, que se parecia com todo o mundo, e tanto poderia ser negociante como empregado público, industrial, etc. Tinha uma dessas caras inexpressivas, que se adaptam a todas as profissões.

    Passou o Alfredo a examinar a senhora e não pôde conter um gesto de surpresa reconhecendo nela uma bonita mulher que um dia encontrara num bonde das Laranjeiras, e o namorara escandalosamente.

    Havia oito meses que o Alfredo a procurava por toda a parte, passando em vão repetidas vezes pela casa daquele bairro onde ela entrara quando saiu do bonde.

    O não tê-la encontrado nunca mais lhe exacerbara a impressão amorosa deixada no seu espírito, mais que no seu coração, por aquela formosa mulher, e não se pode exprimir a alegria que lhe produziu a presença dela naquele trem, embora acompanhada por um indivíduo que, pelos modos, tinha direitos adquiridos sobre ela.

    A desconhecida animou o rapaz com um desses sorrisos com que as mulheres, num segundo, se entregam de corpo e alma a um homem, e como os dois namorados não podiam apertar a mão um do outro, serviram-se dos pés como intérpretes dos seus sentimentos. Felizmente o Alfredo não tinha calos, que, se os tivesse, ficariam em petição de miséria.

    Era impossível qualquer outra correspondência que não fosse aquela, porque o marido não arredava pé dali. O Alfredo alimentava uma vaga esperança de que ele descesse na estação de Belém para tomar café, mas qual, o homenzinho era inamovível.

    Na Barra do Pirai o casal subiu ao restaurante para almoçar, e o Alfredo subiu também, mas não lhe foi possível chegar à fala.

    Depois do almoço, o pobre namorado começou a sentir os efeitos da noite passada em claro: as pálpebras pesavam-lhe como se fossem de chumbo, e ele fazia esforços heroicos para não dormir; mas o sono foi implacável, e, quando o trem passou por Juiz de Fora, já ele dormia a sono solto, esquecido dos olhos e do pé da sua bela companheira de viagem.

    Foi perto de Palmira que o desgraçado acordou, e - oh, desgraça! - estavam vazios os dois lugares defronte dele. A moça desaparecera... quando?... onde?... em que estação?... Era impossível sabê-lo!

    O Alfredo passou os olhos estremunhados por todo o vagão, na esperança de que ela e o marido houvessem simplesmente mudado de lugar. Nada!.

    Só então reparou que tinha na mão um anúncio de hotel, desses que em cada estação atiram aos passageiros.

    Ele dispunha-se a deitar fora esse pedaço de papel inútil, quando reparou que nas costas do anúncio havia qualquer coisa escrita a lápis, com letra de mulher.

    E o Alfredo leu: "Quem ama não dorme."

    Nunca mais a viu.

Fonte:
Arthur de Azevedo. Contos Vários.

Carlos Ribeiro Rocha (Baú de Trovas)


A lua é também rendeira,
e o trovador tem razão:
sua luz sobre a mangueira
faz a renda sobre o chão...
- - - - - –

Amigo, seja cordato,
que a vida é sempre esse jogo;
o fogo — incendeia o mato,
a fonte — elimina o fogo.
- - - - - –

A Natureza, exultante,
põe versos, por compaixão,
sobre o papel palpitante
do meu pobre coração.
- - - - - –

Ao pé do morro cravado,
qual o antigo Prometeu,
está o pequeno povoado
onde o poeta nasceu.
- - - - - –

Ao tempo da minha infância
não tive Norte nem Sul,
não sabia que, à distância,
toda serra é sempre azul.
- - - - - –

A pedra da estrada arreda,
e o mal não impera aqui,
quando, pensando na queda,
a gente cai mesmo em si.
- - - - - –

Bebo lições eloquentes
e escuto de Deus um hino,
nas asas verde-fulgentes
de um beija-flor pequenino.
- - - - - –

De ser magro, minha gente,
não tenho — confesso — mágoa,
o rio, em sua nascente,
é também filete d'água.
- - - - - –

Detesto a intriga, o revide,
porque, na vida, o que alcanço
é o dia — para que eu lide,
e a noite — para o descanso.
- - - - - –

Escuta-me, trova amada,
mesmo triste e cismarento:
como o cipó, na galhada,
te envolvo num pensamento.
- - - - - –

Essa cena, vez em quando,
contemplo, manhã bem cedo:
as trepadeiras botando
laçarotes no arvoredo.
- - - - - –

Está sendo bem feliz
e dando felicidade,
quem, injuriado, não diz
aquilo que tem vontade.
- - - - - –

Eu sinto grande euforia
quando a trova vou tecer,
— é meu pão de cada dia,
sem ela não sei viver.
- - - - - –

Lá nas serras passeando,
aprendi um tanto mais:
eu vi as pedras chorando
sem glândulas sensoriais.
- - - - - –

Minhas trovas — Primavera
sobre as durezas da vida,
são aquilo que eu quisera:
— estrada sempre florida.
- - - - - –

Morrer nos causa pavor,
porque não temos lembrado
de que — morrendo de amor,
damos vida ao ser amado.
- - - - - –

O nome do meu Colégio?
Ninguém suas letras soma;
Nunca tive o privilégio
de receber um diploma.
- - - - - –

O sovina e o pistoleiro
fazem coisas parecidas:
Cede a vida — por dinheiro,
por dinheiro — arranca vidas.
- - - - - –

Ouço da saudade o grito
vibrando uma tarde inteira,
naquele canto bonito
da nambu, na capoeira.
- - - - - –

O vento, com pé macio,
passou pelo meu jardim,
e como guri vadio,
nas minhas rosas deu fim.
- - - - - –

Para escrever, inspirado,
no horizonte os olhos fito,
com o coração mergulhado
nas belezas do Infinito,
- - - - - –

Para minha mãe, viúva,
neste maio de esplendor,
quero rogar-te uma chuva
de luz e bênçãos, Senhor.
- - - - - –

Pedi hoje, também ontem,
rogo a Deus o dia inteiro,
para que trovas despontem
fresquinhas, no meu canteiro.
- - - - - –

Pequenez é coisa feia?
Grandeza é documentário?
— Pequeno é o grão de areia,
mas enguiça um maquinário.
- - - - - –

Piedosa, mãe Natureza
vendo a terra assim despida,
teceu um manto (lindeza!)
e a deixou verde e florida.
- - - - - –

Poeta, se queres, venha
escutar a voz da mágoa
pela garganta rouquenha
do boqueirão do Olho d'Agua.
- - - - - –

Quadro que nos enternece,
pintura de que se gosta:
a água evapora — é a prece,
e a chuva cai — a resposta.
- - - - - –

Que quadro lindo, estupendo!
— Por entre as brechas do morro,
raízes longas, descendo,
pedindo à terra socorro...
- - - - - –

Querendo trova perfeita,
rabisco, lápis em punho,
mas depois da trova feita,
volto à busca do rascunho.
- - - - - –

Saiba, amigo, que Deus brilha
na face dessas estrelas;
quem quer ver de Deus a trilha,
procure somente vê-las.
- - - - - –

Sem Colégio, encontro tudo
no livro da Natureza,
e como não tive estudo,
— sou ave no visgo presa.
- - - - - –

Se queres "bandeira branca",
procura assim praticar:
O orgulho — de ti arranca,
' planta amor no seu lugar.
- - - - - –

Se queres viver tranquilo,
ouve em ti mesmo essa voz:
Seremos somente aquilo
que construímos em nós.
- - - - - –

Sou de crer, ninguém resiste
a força desse episódio:
Sai o amor, aflito e triste,
quando no lar entra o ódio.
- - - - - –

Tem mais valor, entre os meus,
muito mais do que um retrato,
meus versos simples, plebeus,
que me retratam, de fato.
- - - - - –

Trovador, que belo enredo
para uma trova louçã:
na pia do sol, bem cedo,
lava seu rosto a manhã.
- - - - - –

Tua casinha, menina,
bem no sopé da ladeira,
é o lírio da colina
que quanto menor, mais cheira!

Fonte:
Aparício Fernandes (org.). Anuário de Poetas do Brasil – Volume 4. Rio de Janeiro: Folha Carioca, 1979.

Carlos Ribeiro Rocha (1923 – 2011)


Um dos mais notáveis poetas do Brasil. Nascido na cidade de Ipupiara, Bahia, próximo à Chapada Diamantina, em 4 de novembro de 1923, faleceu em 27 de novembro de 2011, em Salvador, Bahia.

Carlos Ribeiro Rocha é no dizer do sociólogo e crítico literário, Mário Ribeiro Martins, “o poeta da natureza, para quem a oportunidade não sorriu, mas cuja poesia é um sorriso eterno.”

Filho de Manoel Ribeiro dos Santos e de Maria Ribeiro. Nascido em Ipupiara, foi registrado em Gentio do Ouro, Bahia. Foi criado pelo seu pai adotivo Herculano Rocha e dona Bibi. Durante muito tempo viveu em Santo Inácio, Bahia. Mudou-se para Xiquexique, tornando-se contador. Transferiu-se para Salvador e depois para Itamaraju, Bahia, onde um de seus filhos é Juiz do Trabalho. Em 2002, retornou a Xiquexique, residindo ao lado de suas filhas Maria Luiza e Eunice. Em 2010 foi residir em Salvador.

Autodidata, o poeta baiano, com o apoio da comunidade, fundou em Santo Inácio, o Ginásio Diamantino (CNEC), do qual foi professor de Português durante dois anos seguidos. No início de sua carreira também fora professor municipal e particular em Ibitunane, Ibipeba e Ipupiara.

Por concurso público, tornou-se Coletor Federal, tendo residido em Santo Inácio, Xique-Xique, Itamaraju e Salvador, mas foi no interior da Bahia, onde teceu a maioria dos seus versos.

Cronista, sonetista e trovador fluente, aprendeu com a natureza e com os livros, sem frequentar, contudo, as salas de um Colégio, como ele mesmo afirma em suas trovas:

Colégio sem endereço/é o que me fez bacharel…/Nas trovas que sempre teço/é que brilha o meu anel.” “Sem Colégio, encontro tudo/ no livro da Natureza,/e como não tive estudo,/sou ave no visgo presa.” “O nome do meu Colégio?/Ninguém suas letras soma:/Nunca tive o privilégio/de receber um diploma.

Editou alguns livros, entre outros: “Harpa Sertaneja”, “Pingos De Mim”, “Meditações, Lições”, “Café Requentado”, “28 Sons” e “Coroa De Sonetos”.

O poeta não se prendeu a formas e a nenhuma corrente literária, por isso sua poesia é gostosa de ser lida, é harmônica e livre, como ele mesmo diz: “Não sou parnasiano, não pertenço/a escola alguma da arte modernista,/porquanto escrevo como sinto e penso… Se anel não tenho, mesmo de ametista,/ nas maravilhas desse livro imenso/ hei de encontrar a glória da conquista.

Sensível aos problemas brasileiros, especialmente do trabalhador simples e desvalido do Nordeste, empunha sua pena e diz: “ Pega da enxada – seu fuzil sagrado, e as ervas más fulmina do roçado, cantando sempre a chula da vitória. Eu te amo, lavrador abandonado… Se não podes por mim ser amparado, quero, ao menos, contar a tua história!

Não esqueceu, porém, das crianças abandonadas: “Cheirando cola, sem comida, sem escola, sem um barraco ao menos como lar, dá pena ver meninos a cumprir duros destinos, só aprendendo a roubar!… Faz vergonha aos Presidentes ver meninos nas vielas, com as bocas cheias de dentes e sem nada nas panelas”…

Com um toque de mestre, ele fala dos garimpeiros: “Ousado e firme, o garimpeiro busca,/no seio virginal do solo amado,/ a gema rara, que deslumbra e ofusca,/apagando as agruras do passado… Aquela joia pondo sobre a palma,/o altivo garimpeiro sente na alma/a brisa da ventura, tão serena! Também o bardo, com valor e calma,/um verso vai buscar no fundo da alma,/coberto ainda de saudade e pena!

Muito mais se poderia dizer da poesia de Carlos Ribeiro Rocha, que, não obstante ter participado do Anuário de Poetas do Brasil, Rio de Janeiro, organizado pelo saudoso Aparício Fernandes, em 1978, volume 1 e 1979, volume 4, infelizmente só é conhecido na Bahia e nos meios alternativos, onde goza de prestígio e do merecido respeito, mas seu nome consta no Dicionário Bio-Bibliográfico Regional do Brasil, do escritor Mário Ribeiro Martins, no site usinadeletras.com.br em Ensaios.

Membro de diferentes entidades sociais, culturais e de classe, entre as quais, Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras, Ordem Brasileira de Poetas Sonetistas, Clube Baiano de Trovas, Academia Brasileira de Trova. Fundou, juntamente com outros confrades, a Academia de Letras de Xiquexique, onde ocupou a Cadeira 01, sendo seu Presidente.

Fonte:
Filemon F. Martins. Carlos Ribeiro Rocha e sua poesia. Disponível em Usina de Letras.

Ruth Guimarães (Os Três Desejos)


Um velho e uma velha, numa noite de frio, de muito frio mesmo, quando os animais se extanguiam em suas tocas, e o vento descabelava as árvores, sentaram-se diante de um bom fogo de lenha, na taipa do fogão.

Sentaram-se e ficaram. Não conversavam, pois não tinham assunto. Pouco saíam de casa, não trabalhavam, a não ser na sua rocinha, não frequentavam a casa dos outros, não liam jornais, nem livros, nem iam ao cinema, nem a teatro, não viajavam. Portanto, não tinham assunto. Deixaram-se estar muito calados, espiando as alegres labaredas, e esfregando de vez em quando as mãos engelhadas (envelhecidas). Foi ficando tarde, e eles não se animavam a ir para a cama, onde não se aqueceriam os seus velhos ossos, por falta de cobertores. Havia mais: a cabana tinha frinchas por todos os lados. Somente diante do fogo estavam bem. E assim foram ficando.

Já fazia muitas horas que estavam calados, olhando o fogo. A lenha se consumiu, no lugar das chamas ficou um brasido (grande quantidade de brasas) vermelho, alegre, com uns estalidos frequentes, o ar acima dele cintilava, relumeava, parecia vivo, o fogo era como um duendezinho que segredava coisas.

Sentiram fome. O velho olhava desconsolado do brasido para o fumeiro, onde não se pendurava nem um triste pedaço de chouriço. A velha seguiu-lhe o olhar e pôs em palavras o pensamento de ambos:

- Que bom, se caísse nesse brasido um pedaço bem grande de linguiça de carne de porco, temperada com uma pimentinha do reino e alho e cebola. E caindo, começasse a chiar, estalando, o cheiro se espalhando pela casa inteira. Ai, como havia de ser delicioso comê-la!

Nessa hora, os anjos do céu estavam dizendo amém. No mesmo instante caiu na brasa, tal como a velha dissera, um pedaço bem grande de linguiça de porco. Grossa, gordurenta, os pedaços de toucinho aparecendo, através da tripa fina, transparente, bem curada e seca. A linguiça se retorcia, assando, e o cheiro se espalhou, de bom tempero e de vianda (carne) curtida como se deve. Engoliam os velhos em seco, antegozando o momento de manducar (comer) o bom-bocado, quando o velho se lembrou de uma coisa em que ainda não pensara. Com efeito, se o pedido de linguiça fora tão prontamente atendido, um outro pedido, de dinheiro, por exemplo, seria atendido no momento, do mesmo modo.

– Estúpida – rosnou para a mulher. – Pedir linguiça. Bem se vê que você nasceu pobre, num monte de lixo. Por que não pediu riqueza, não pediu joias, não pediu dinheiro? Por que?

A velha se encolheu:

- Que sabia eu de pedidos? Como podia adivinhar que… que…

- Estúpida – tornou a gritar o velho, exasperado. - Sabe o que eu queria?

E antes de raciocinar, levado pela raiva, formulou o segundo desejo:

- Que essa linguiça saísse das brasas e se pendurasse no seu nariz!

O pedaço de linguiça deu um volteio, subiu e, diante do velho estupefato, grudou-se ao nariz da mulher.

– Uai! – berrou a mulher.

Agarrou-se à linguiça com as duas mãos, puxou, o velho foi ajudá-la.

– Aiaiaiaiaiai! Ai ai!

Puxa que puxa, a linguiça nada de sair.

A velha, desesperada, gritou:

- Eu quero já já, que essa linguiça…

- Não! – gritou o marido, tapando-lhe a boca com a mão. – Não. Vamos pedir uma coisa mais valiosa. Mulherzinha do meu coração! Deixa a linguiça aí, que não está incomodando tanto. Vamos pedir uma bonita casa.

– Não! – berrava a velha.

– Então um terreno com um formoso lago no centro.

– Não.

– Então uma arca cheia de moedas de ouro.

– Não e não.

Aproveitando-se de um momento em que o marido se distraiu e não teve tempo de lhe tapar a boca, ela falou, depressa:

- Quero que se desprenda do meu nariz essa linguiça.

E assim, viram eles satisfeitos os seus três desejos.

Fonte:
Ruth Guimarães. Lendas e Fábulas do Brasil. 1964.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Varal de Trovas n. 252


Aparecido Raimundo de Souza (Infinita às Latitudes)


(Obs. do Blog: As palavras com asteriscos, o significado está no vocabulário ao final do texto)
 
Para Ellen, minha neta, com uma dúzia de velinhas esta noite...

ELLEN TEM UM SORRISO VEROSSÍMIL que me encanta mais que qualquer joia preciosa de altíssimo valor. Quando estou a seu lado, traço caminhos incógnitos, dentro de sendas que ainda não foram percorridas. Embora velho na idade, com o acúmulo de décadas sobre os costados, me hipnotizo diante de pequenas coisas corriqueiras, e volto a ser menino embalado na energia das suas primaveras. Às vezes, me assemelho a folhas soltas ao vento, espalhadas como meses de um ano anfigúrico* e assombrado.

Apesar desse incidente, o destino cansado dos meus janeiros passados, se endireitou e se aprumou. Criou vida nova dentro das picadas que percorremos mundo afora. Belezas insuspeitáveis desfraldaram formas eloquentes e afloraram, espavoridas, rugindo como feras circunspectas me fazendo esquecer a fadiga dos dias tristes e enfadonhos, me desmemorizando completamente dos momentos lúgubres e consternados e à espera de um milagre que parecia impossível. Um insólito que não se fez esperar e se iniciou prodigioso quando ela nem pensava em ser concebida na barriga da mãe. 

A vozinha dela... Só o sussurro da sua fala chegando suave em meus ouvidos se faz bastante para me inebriar, dando a impressão de perceber, ao longe, uma espécie de cantar melodioso como um viveiro de pássaros.  Me lembro como se fosse hoje... Num dado instante tresloucando plenitudes, ela nasceu. Coroou choramingando e se faz milagre e se expandiu como partículas desprendidas de brechas taciturnas. Com o passar do tempo, abriu novos desvãos, fazendo surgir, magnânimes, entre receios e mistérios, uma nova e cálida esperança, esperança até então destituída de brilho e cor. 

Nesse carrossel girando em meio a um parque das emoções, mais de uma década se consumiu. A minha princesa, num cotidiano que se renovou a cada minuto, seguiu faceira, ilustrando, com a sua meiguice, o quadro do meu agora, fazendo, ao deslizar meticuloso de sua mão sobre o mágico pincel, que a paisagem entojada* do meu porvir fosse mais sutil, elegante e meticulosamente sonhadora. Talvez até mais branda... Como chuva benfazeja lavando e iludindo meu cansaço de pés descalços e claudicantes, ela quem sabe mais à frente, mais à depois, me arranje, junto às benignidades do Eterno, a chave-chance, para que o meu anfêmero*, por aqui, seja mais gostoso de ser vivido.

Doze anos atrás, Ellen chegou arrebentando fadigas e rabugices. Preencheu espaços vagos dentro da solidão que me sufocava o direito de ser feliz. Num passe de suntuosa galardia, coagulou as minhas dores, solidificou as angústias, sarou meus machucados abertos e renovou, com forte dose de adrenalina a alma espuriada*, ao tempo em que tendenciou o meu agora-hoje envolto em grossas camadas de tristezas e dissabores, num grandiloquente estado novo, como se eu tivesse renascido, inteiro e intocável, noutra encarnação espiritual.

A danadinha não parou por aí. Viajou mais longe. Soube agitar com gestos imperceptíveis as minhas particularidades. Desbancou as dependências carentes que me acorrentavam. Modificou, num piscar de gestos ternos, meus domínios e habitações, colocando,  em  lugar (do que até então se fazia negrura, treva e sombra), uma luminosidade resplandescente, contagiosa, imensurável e perene. De súbito, meu corpo compungidamente escravizado e prisioneiro, se  safou do recluso em que se achava encarcerado.

Um ser forte e remoçado dentro de mim se avivou, se agigantou e se desprendeu, sobretudo se desagarrou da subjugação, do amarrado, do tolhido de movimentos.  Em razão disso, de inopinado, como bomba de pavio aceso, explodi.  Revivi, renasci, me reformei dos pés à cabeça, investido nas brasas incandescentes dessas horas pungentes que se multiplicaram dentro do comprazimento que passou a fluir intermitentemente no interior de minha pequena e agora imensa alma e,  de roldão,  se  abriu e se alargou em clima de festa.

Na mesma agulha da bússola do tempo, a aura dos meus percalços, até então obscurecida e adoentada por uma insatisfacão esquisita, igualmente se livrou do horror, e reacendeu como estrela de primeira grandeza no absoluto do meu olhar. Deixei de ser um palhaço obumbrado* com o incêndio do circo, um qualquer, sem eira nem beira, peso morto e cativado, pomo das desavenças que eu mesmo criei em meu próprio derredor chumbado aos grilhões de uma espécie rara de filariose galopante. Estou, pois, graças a ela, vivendo num gozar de sopros livres. Abandonei, num desvio insulado, as elocubrações desnecessárias que me apoquentavam os  sentidos. 

Mudei o curso dos meus horizontes. Ellen me fez liberto. Deixei de ser pedra atada a cânhamo no pescoço das minhas imbecilidades. Percebi, a tempo, que não valia a pena morrer num mar revolto em solidariedade a um afogado intransigente. Eu precisava seguir em frente, viver. Viver por mim, por ela. Viver intensamente. Afinal de contas, a minha mocinha se tornou meu objetivo maior, a parcela viril das minhas alacridades*, meu respirar de alento, meu resistir fervoroso, enfim, meu  minuto imperceptível. Ellen versejou a solmização* do meu novo canto de paz, e nesse momento ocupa o lugar mor do meu irrepetitível nesse corre-corre que às vezes ainda tenta me tirar do sério.

Tem essa linda e encantada garotinha, o dom, o condão  mavioso de multiplicar meus pensamentos acima da gravidade de qualquer instante que pense em me fazer desanimar. Por ela, agora e sempre, viajarei dentro de meus devaneios a mil por hora. Transpassarei abismos verticais sem limites, ao derradeiro em que sentirei, no coração, o desejar irrequieto e palpitante da minha felicidade se agitando, fremente, frenética, excitada, ebulitiva, tempestuosa e arteira, como bandeira ao sabor do conflagrado. Ellen, doze anos atrás, germinou de Érica, a minha primeira filha e, além de um pedacinho do meu delicioso presente de Deus, se fez neta também e mais que isso, virou filha e neta. Neta e filha.

Se faz, se fez, mais que a soma de duas. Se tornou múltipla, tátil, dentro do meu espírito de avô coruja, de pai bobão, avô babão, adulador, derretido, que voltou a ser criança grande diante da sua irrequietabilidade moleca. Ellen é proprietária de visões que cingem o mundo. É dona de sorrisos que fazem renascer o amor a cada tocar de pele na sua melhor forma de expressão. Essa pétala de flor rara e maviosa, vai um pouco além do impossível: generosamente benevolente, a minha Ellen enfeita meus dias pósteros.

Tornou mais coeso esse segredo lacrado às minhas horas. Aqueceu como se o astro-rei lá do divorciado firmamento decorasse, cá embaixo, um novo céu à minha imaginação de avô. Nesse fundir de fortes emoções, eu pai, avô, avô, pai... Posterguei  e ainda agora, adio, abjuro, denego. Me perco sem saber como não ser Feliz e Realizado. De fato, sou realizado e feliz. Na verdade, embora prosperamente entrelaçado e irmanado a um Ser Superior que me vigia dia e noite, confesso, NUNCA PODEREI SER EU, COMPLETAMENTE, SEM ESSE AMOR EM MIM…
________________________
Vocabulário (Dicionário Houaiss):
Alacridade – grande alegria, animação intensa; vivacidade.
Anfêmero – cotidiano, diário.
Anfigúrico – desordenado e sem nexo.
Entojada – presunçosa, vaidosa.
Espuriada – ilegítima, adulterada.
Obumbrado – obscuredio, sombreado.
Solmização – solfejo.


Fonte:
Texto enviado pelo autor.

Silvia Araújo Motta (Cordel Coletivo: As Gigantes Lições do Coronavírus) II


Mote do Poeta-Cordelista Marconi Araújo.
Presidente da Academia de Cordel da Paraíba.

“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”


Cordel Coletivo Virtual nº 7.147

[Quarentena é normal] poeta diz...
Acredite! Lô Borges faz cantar
Quem chegar à janela vai olhar
infinita esperança! Fé bendiz:
Medicina promete ver raiz ...
Pandemia aqui, cresce mais agora;
O Grupo Hermes Pardini, a arte enflora:
Ser humano quer ver o sol brilhante.
“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”
****************************************

Cordel Coletivo Virtual nº 7.149


A mudança no mundo vai chegar;
A quarentena vem trazer também
além da dor, saudade de um alguém
que já está em segundo plano,agora.
Sem abraço e sem beijo foi embora.
Vida mais leve muda o foco nato
na elevação do ser, entendo o fato.
Todos somos um; sigo o sextante.
“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”
****************************************
Cordel Coletivo Virtual nº 7.150


Precisamos ter paz em nossa vida;
em tudo ver o lado bom que existe.
Deus tem poder de cura, mas persiste:
É preciso cuidado, pois partida
vai depender saber que o mal insiste.
Raiz do Bem encontra seu lugar:
ao meditar o som do mantra, ao dar:
esperança e buscar  força; avante.
“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”
****************************************

Cordel Coletivo Virtual nº 7.151

Hospitais de Campanha vem criar
urgente ação que ajuda quer trazer.
Profissionais atendem, fazem crer
que a vocação que salva vida é mar:
a maré alta, aos olhos faz amar ...
Ondas de paz que estão no próprio ser
em Deus  Supremo; acolhe o bem-querer,
mas  o livre-arbítrio põe estrela errante ...
“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”
****************************************

Cordel Coletivo Virtual nº 7.152


Os curados são poucos, mas com alta,
voltam ao lar! Festejam, vão cantar .
Tudo enfrentaram! Crise fez chorar.
Família, amigos fazem muita falta.
Agradecer a Deus está na pauta.
A pandemia espalha dor e parte ...
O contágio é que assusta ver encarte.
Contaminados? Vida não garante.
“A lição do corona é tão gigante
que é marcante pra toda geração.”

Fonte:
Recanto das Letras

Malba Tahan (A Lenda do Lago de Szira)



Das profundezas a ti clamo, ó Senhor!
Davi, Salmos, 130, 1.


Nas imensas planícies geladas da Sibéria, muitas léguas distante da pitoresca Korelinsk, existe um lago — Szira-Kul —, reservatório imenso de águas salgadas, no fundo do qual o professor Iezhov, geólogo russo, descobriu as ruínas de antiquíssima cidade.

Como explicar a existência daqueles palácios e templos sepultados nas profundezas do lago de Szira?

Interessante e sugestiva lenda tártara explica a origem das misteriosas ruínas que dormem sob o tranquilo lençol das águas do famoso lago siberiano.

Ouçamos a curiosa fantasia.

Reza a lenda que no vale estreito, que as águas do Szira cobrem atualmente, existia, outrora, próspera e rica cidade habitada pelos tártaros Ouigur — povo guerreiro que chegou a dominar grande parte da Ásia Central. Em suntuoso templo dessa rica metrópole encontrava-se, sob grande laje, sepultado o corpo de Almagor, o último rei Ouigur.

Quis o destino que os mongóis de Gengis Khan invadissem os domínios de Almagor. Atacada pelo poderoso inimigo, a cidade foi facilmente vencida e saqueada. Os bárbaros conquistadores massacraram os homens e escravizaram as mulheres.

No dia em que a cidade caiu em poder dos mongóis, rompeu-se, como por encanto, a pedra que cobria o túmulo do rei Almagor. A sombra imponente desse monarca surgiu e fez-se ouvir, lúgubre, impressionante a sua voz:

— Chorai, ó mulheres tártaras! Chorai lágrimas salgadas de aflição e desespero! Chegou o último dia do povo Ouigur!

Sensibilizadas com as palavras do rei tão querido, que o amor à pátria fizera erguer da tumba, as mulheres puseram-se a chorar. E prantearam suas amarguras, dia e noite, sem descanso. Ordenaram os vencedores que elas dessem fim àquelas lamentações aflitivas. As mulheres de Ouigur, porém, não atenderam à intimação dos tiranos e continuaram com seus gemidos e soluços. Era ordem do rei Almagor, e que faziam elas senão obedecer ao rei?

Os guerreiros de Gengis Khan, exasperados com aquelas lamúrias intermináveis e impelidos por indomável furor sanguinário, degolaram, sem piedade, todas as prisioneiras. As infelizes escravas, porém, mesmo depois de mortas, continuaram a chorar incessantemente, e as suas lágrimas ardentes e abundantes, em gotas e gotas sem fim, formaram caudalosa corrente. Esse rio de prantos invadiu o vale, submergindo jardins, palácios e mesquitas luxuosas.

Surgiu, assim, formado pelas lágrimas das inditosas esposas tártaras, o lago de Szira, em cujo seio dorme, para sempre, a cidade de Almagor.

E ainda hoje (afirmam os menos incrédulos) o viajante que se aproxima, no silêncio da noite, das margens do famoso lago ouve o eco de estranho clamor, longínquo e misterioso, que se perde pelas estepes geladas. É a voz do rei Almagor no seu último e desesperado apelo:

— Chorai, ó mulheres tártaras, chorai!

Asseguram os sábios pesquisadores, é mais fácil, talvez, acreditar nessa lenda do que descobrir, dentro dos ditames, postulados e princípios da ciência, uma hipótese capaz de explicar a origem daquelas ruínas misteriosas que repousam no fundo de um lago gelado em meio da planície siberiana.

Fonte:
Malba Tahan. Novas Lendas Orientais.

Agatha Christie (Resenha de Livros) 9


A MORTE DA SRA. MCGINTY
Mrs. McGinty’s Dead


James Bentley estava desempregado, sem dinheiro e devia dois meses de aluguel à Sra. McGinty. Assim, o assassinato dela parecia um caso muito simples, já que Bentley tinha todos os motivos para cometer o crime. Levado a julgamento, ele é considerado culpado e condenado à morte. Mas o superintendente Spence duvida do veredicto e pede a Hercule Poirot que investigue o crime. Poirot se depara com um assassino impiedoso e sabe que precisa trabalhar depressa para evitar que um homem inocente seja enforcado e, também, para salvar sua própria vida.
****************************************

UM PASSE DE MÁGICA
They Do It with Mirrors


Uma atmosfera estranha ronda a velha mansão de Stonygates. Assustada, a proprietária Carrie Louise - uma mulher gentil, rica e bondosa que trabalha com jovens delinquentes e é incapaz de cometer qualquer injustiça - recorre à velha amiga Miss Marple. Três dias depois da chegada da simpática velhinha de St. Mary Mead, um dos funcionários da casa é assassinado, e ela começa a suspeitar que a amiga está sendo lentamente envenenada.
****************************************

CEM GRAMAS DE CENTEIO
A Pocket Full of Rye


Na Vila do Tejo tinha acontecido três assassinatos, quando uma velha senhorita - “encantadora, inocente, branca e risonha” - chegou à porta da luxuosa e sinistra mansão. O elegante e eficiente inspetor Neele, encarregado da investigação dos três homicídios, não imaginava que essa doce velhinha, a senhorita Marple, possuía um olfato especial para o crime, um profundo conhecimento das paixões humanas e uma mente extraordinariamente lúcida. Poucos minutos depois da chegada, Marple descobre a relação e a coerência de alguns detalhes, aparentemente absurdos e incongruentes, que o assassino deixou nos corpos das suas vítimas: um punhado de grãos de centeio, num bolsinho da primeira, e um pregador de roupa preso ao nariz da terceira. Baseando-se na letra de uma antiga canção infantil, Marple emprega sua infalível lógica para revelar ao inspetor Neele a identidade de um criminoso aparentemente livre de qualquer suspeita.
****************************************

DEPOIS DO FUNERAL
After the Funeral

Considerada desequilibrada e tola pelos parentes. Cora Albernethie tem o estranho costume de sempre acertar em seus inusitados palpites. Se este “hábito” muitas vezes lhe traz pequenos problemas e inimizades, um dia ocorre o pior: ela acaba tendo que enfrentar a própria família quando decide afirmar, após o enterro de seu irmão Richard, que ele foi assassinado. Todas as evidências estão contra esta nova “intuição” de Cora, mas o incansável detetive Hercule Poirot sabe que os fatos mais evidentes podem às vezes funcionar como uma cortina de fumaça, por trás da qual a verdade costuma se esconder.
****************************************

UM DESTINO IGNORADO
Destination Unknown


Um a um, os maiores gênios da ciência somem misteriosamente. O último é Thomas Betterton, um jovem pesquisador, responsável pela descoberta de um novo processo de fissão nuclear. Intrigada com o caso, a Scotland Yard convoca o agente Jessop para investigar a motivação por trás dos desaparecimentos. Mas isso não seria suficiente. O serviço secreto inglês também recorre à bela Hilary Craven, enviada para uma missão suicida: assumir a identidade da esposa de Betterton, partindo para um destino ignorado…
****************************************

MORTE NA RUA HICKORY
Hickory, Dickory, Dock


Três erros de datilografia numa carta, escrita pela eficiente secretária Srta. Lemon, chamam a atenção do perfeccionista patrão Hercule Poirot. Uma série de pequenos furtos cometidos em uma pensão de estudantes atormentam a supervisora. Dois fatos aparentemente sem ligação são as peças principais de um quebra-cabeça, que vai sendo montado por Poirot. Aos poucos, o jogo vai tomando forma e o detetive percebe que está na trilha de um perigoso assassino.
****************************************

A EXTRAVAGÂNCIA DO MORTO
Dead Man’s Folly


Tão perigoso quanto brincar com fogo é brincar de assassinato, uma vez que esse tipo de brincadeira pode se transformar em uma trágica realidade. A personagem Ariadne Oliver, autora de romances policiais, organiza um jogo na mansão do milionário George Sttubs, uma variante do Caça ao Tesouro, então transformado em Caça ao Assassino. Mas, logo, ela tem a intuição de que um assassino de verdade poderia se aproveitar do jogo para matar alguém. Por isso, convida Hercule Poirot para fazer a entrega dos prêmios. Confirmando as suspeitas de Ariadne, uma vítima de mentira torna-se um cadáver de verdade. Quem terá estrangulado a pobre menina? O infalível Poirot acaba encontrando a resposta para esta e outras perguntas, embora não possa impedir que o assassino mate outras vezes. Afinal, como diz o grande detetive, “o assassinato é um hábito”.
****************************************

TESTEMUNHA OCULAR DO CRIME
4.50 from Paddington


Os criminosos deveriam tomar cuidado com as velhas senhoras, cujos olhos cansados tudo veem, e cujas mentes, conhecedoras da natureza humana, podem supor as piores intenções por trás da mais inocente aparência. O assassino deste romance cai na besteira de estrangular uma mulher em um trem enquanto é observado discretamente pela velha senhora Macgillicuddy. Mas o azar do estrangulador não termina aí, porque a senhora Macgillicuddy é amiga da solteirona Miss Marple, uma simpática Poirot de saias, tão sagaz quanto o grande detetive belga.
****************************************

PUNIÇÃO PARA A INOCÊNCIA
Ordeal by Innocence


Um incidente inesperado impede Jacko Argyle de cumprir pena de prisão perpétua pelo assassinato de sua mãe adotiva, a milionária Rachel Argyle: ele morre de pneumonia na cadeia, poucos meses depois da condenação. Mas algum tempo depois o caso, que já parecia encerrado, sofre uma súbita reviravolta com a chegada de um desconhecido, o estranho Dr. Calgary, que afirma a inocência de Jacko. Quem seria então o culpado? Caberá a Calgary desvendar o mistério, que a própria família Argyle insiste agora em esconder.
****************************************

UM GATO ENTRE OS POMBOS
Cat Among the Pigeons


O famoso e mundialmente conhecido colégio Meadowbank, um símbolo da tradição britânica pode ficar com sua reputação arrasada após uma série de assassinatos que poderiam parecer impossíveis aos olhos das professoras e alunas. Três assassinatos inexplicáveis no pavilhão de esportes da instituição. A polícia local não consegue explicar os crimes e nem encontra uma pista que possa ajudar a solucionar o enigma. Até que entra em ação o detetive belga Hercule Poirot. Ele põe as suas “pequenas células cinzentas” para funcionar e segue uma trilha de sangue e espionagem que começa em Ramat, no Oriente Médio, e vai até os muros de Meadowbank.
****************************************

A AVENTURA DO PUDIM DE NATAL
The Adventure of the Christmas Pudding


Durante um Natal que prometia ser monótono e aborrecido, Hercule Poirot lança mão de sua inteligência e seu senso de humor para impedir o roubo de um valiosíssimo rubi… Com seu faro inconfundível, Miss Marple investiga o cruel assassinato de uma mulher… No interior de um baú espanhol, um cadáver desafia as autoridades e o talento do genial detetive belga… Estas e outras aventuras integram a nova coletânea de contos que trazem a marca registrada da “velha dama” Agatha Christie, e que os leitores certamente hão de saborear com indiscutível prazer.

A Aventura do Pudim de Natal
Para tentar resolver o caso do roubo de um rubi, Poirot é convidado a passar o Natal em uma casa que celebra a festa da forma tradicional inglesa. No dia de Natal ele recebe um bilhete avisando a não comer o pudim de passas. Analisando o comportamento das pessoas da casa Poirot tenta descobrir onde está o rubi desaparecido e quem o roubou.

O Mistério do Baú Espanhol
Na manhã seguinte à uma reunião informal na casa do Major Rich, seu mordomo William Burgess encontra o Sr. Clayton morto dentro do baú espanhol da sala de estar. O Major Rich é preso por suspeita do assassinato. A Sra Clayton pede a Poirot que descubra quem realmente matou seu marido, pois não acredita na culpa de seu amigo.

O Reprimido
O Sr Reuben Astwell é encontrado morto no seu escritório. Antes de sua morte, ele tinha discutido com seu irmão, sua mulher e seu secretário. Mas quem acaba sendo incriminado é o seu sobrinho, pois o mordomo o ouviu chegar em casa antes da morte do tio. Hercule Poirot é chamado para descobrir se o sobrinho realmente matou o Sr Astwell ou se foi outra pessoa.

O Caso das Amoras Pretas
Durante um jantar com o seu amigo Henry Bonnignton, Hercule Poirot conversa com a garçonete e descobre que um cliente sempre vai ao restaurante nos mesmos dias e horários e sempre pede os mesmos pratos há 10 anos. Quando fica sabendo que o cliente mudou seus hábitos repentinamente fica desconfiado e resolve investigar o motivo da mudança.

O Sonho
Hercule Poirot é chamado à casa do Sr. Benedict Farley para um encontro. Lá ele diz a Poirot que sempre sonha que se mata com um tiro. Pouco tempo depois o sonho se torna realidade e o detetive investiga essa morte para tentar confirmar se foi um suicídio ou se alguém se aproveitou desse sonho para assassinar o Sr. Farley.

A Extravagância de Greenshaw
A estranha moradora de uma casa mais estranha ainda é assassinada com uma flecha no pescoço, e nenhuma das pessoas que moram na casa tiveram a oportunidade de matá-la. Ninguém sabe quem ficará com sua herança. Felizmente Miss Marple está por perto para desvendar esse mistério.

Fonte:
http://users.hotlink.com.br/pmgi/agatha/index.html

domingo, 26 de abril de 2020

Varal de Trovas n. 251


Hélio Serejo (Porque é Triste o Jaburu)


Nessa hora dúbia que ainda é dia e ainda não é noite, uma imensa tristeza se apodera dessa ave esquisita. É o jaburu, num dormitar profundo, nem sequer agita o longo pescoço, parecendo então um empalhado espécime de museu.

Nas grandes noites da cheia, move as asas poderosas e caminha de um lado para outro, lento e meditativo, como a montar guarda naquela lagoa que é, desde há muito tempo, o seu pouso, a sua morada.

Vive sempre só e quando acontece aparecer um intruso abre-lhe guerra e luta ferozmente.

Na hora crepuscular o seu voo nos faz lembrar velhas imagens de contos de fadas.

Quem viajar pelos sertões de Mato Grosso, mormente pela zona sul, há de encontrar à margem dos rios, ou à beira das lagoas, uma ave cinzento escura, pernas grossas, triste e esquisita, que tem, constantemente a cabeça voltada para a terra...

É o jaburu...

Todas as tardes, ali escorado ele está numa perna só, tristonho e cabisbaixo.

Sobre a tristeza mística dessa ave há a seguinte versão:


Mandi, indiozinho guerreiro, quebrando os preceitos sagrados da sua religião, deixou-se um dia apaixonar perdidamente por Ituna a mais formosa mulher da tribo de Morembi.

O pai queria fazê-lo cacique, mas para isso era preciso, conforme dizia o pajé, que o filho não se casasse enquanto não passassem cinco luas, depois de ter recebido do pai o tacape de guerreiro e o diadema de morubixaba. Mas Mandi, que já havia consultado as águas da lagoa sagrada, sabia perfeitamente que a primeira lua muito longe estava ainda. Por isso não podia esperar. Antes perder a soberania de cacique do que ficar sem o amor daquela que Tupã mandara do céu, para alegria de seu coração na terra.

E Mandi não esperou, nem tampouco ouviu as súplicas angustiosas do pai velhinho e doente...

Karin revoltou-se e, num momento de ódio, rogou uma praga terrível contra o filho.

Todas as tardes, inevitavelmente, Mandi ia encontrar-se com Ituna à beira da lagoa sagrada e ali ficavam, horas a fio, a contemplar a majestade de Phoébus, que se ocultava aos poucos, na curva ensanguentada do horizonte.

Mas nunca estavam sós.

Uma ave de plumagem cinzento-escura, pescoço encolhido, descansando sobre uma das pernas, vinha fazer-lhes companhia. E os dois se divertiam a jogar migalhas de frutas adocicadas ou miolo saboroso do "quipiá" para aquela ave mansa e esquisita apanhar com o seu bico grosso e forte. E em pouco tempo eram três que todas as tardes vinham admirar, à beira da lagoa, a sublimidade da luta do dia contra as trevas...

Ficara tão manso o jaburu que vinha tirar-lhes da palma da mão a fruta adocicada ou o miolo saboroso.

Uma tarde, porém, umas nuvens densas e pesadas englobavam-se para os lados do poente, com prenúncio de borrasca iminente.

Na tribo dos Araés ia uma balbúrdia medonha.

Karin, o valente e destemido guerreiro cacique, estava agonizante. As sombras daquela noite sem alvorada começavam a cair lentamente, sobre sua cabeça.

De quando em quando, pavoroso e medonho, um relâmpago rasgava o céu. O pajé, mãos cruzadas, cabeça caída sobre o peito, rezava baixinho. Mulheres e crianças imitavam-no.

Quando percebeu que era chegada a hora, Karin chamou Mandi e entregou-lhe o tacape de guerreiro e o diadema de morubixaba.

Lá fora "coroando", o novo tuchaua, um grupo de Araés dançava ao som de uma música fúnebre...

Mandi beijou a fronte bronzeada do pai e retirou-se. Na frente da palafita, mãos em conchas, sem dar atenção aos que o saudavam, olhou em baixo e viu, por entre o clarão de um relâmpago, o vulto de Ituna que o esperava.

Não pôde conter-se. Atirou para um lados os troféus sagrados que há pouco o pai lhe dera, e desceu a encosta em desabalada carreira. Lá estava Ituna, a formosa virgem que Tupã mandara do céu para a alegria do seu coração na terra.

Mandi contornou-lhe o corpinho delgado com seus braços longos e vigorosos e ia forçá-la para satisfação do seu incontido e lúbrico desejo, quando um raio, rasgando as trevas, veio cair-lhe em plena cabeça, fulminando-o juntamente com a índia virgem. No outro dia já muito tarde, o pajé encontrou-os caídos sobre a relva úmida, os corpos estreitamente unidos, num abraços impressionante — o abraço da morte.

Lá estava também, meio idiotizado, o cismarento jaburu. Nessa mesma tarde um grupo de Araés abria duas tíbis nas terras de Pendejan, o heróico tuchaua, pai de Karin, que ali tombara um dia, em defesa da tribo varado pelas balas dos guerreiros brancos. Uma delas para receber o corpo do bravo cacique; a outra aberta ao lado da lagoa sagrada para sepultar os dois jovens que tombaram fulminados, ante os olhos irados de Tupã, na hora da consumação do pecado...

O jaburu, tristonho e imóvel tudo presenciara sem nada compreender.

E quando a última pá de terra caiu sobre a tíbi dos dois pecadores, ele voou e partiu.

Mas todas as tardes voltava, vinha esperar como de costume que alguém lhe atirasse a fruta adocicada ou o miolo saboroso. Mas em vão. Nunca mais os viu voltar, alegres como dantes!

Dai por diante o jaburu tornou-se mais triste ainda; as penas foram caindo aos poucos e a cabeça vergou sob o peso tremendo da dor... Mas ele não desanimava. Todas as tardes, ali estava descansando sobre uma das pernas, em cima daquele amontoado de terra, os olhos cravados no chão, na esperança de ver surgir, debaixo dos seus pés, aquelas duas almas amigas.

E é por isso que o jaburu é uma ave assim tão triste e esquisita e vive à margem dos rios ou à beira das lagoas, tendo sempre os olhos amargurados voltados para a terra.

Fonte:
Hélio Serejo. in Jornal do Folclore. São Paulo. janeiro de 1960.

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to