Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 7 de junho de 2014

Marcelo Spalding (O Nome das Personagens)

Eu já batizei personagens e filhos e posso dizer: batizar uma personagem é bem mais difícil. Ocorre que a personagem você batiza depois que ela existe como forma de representar suas características ou pelo menos ajudar nessa composição. Já um filho você batiza sem saber sua cor, sua personalidade, seus sonhos.

Numa ficção, não veremos o nome de Clara numa personagem de pele escura, a não ser que esse seja o conflito ou parte do conflito da trama. Não teremos um Pedro dócil, já virou até clichê o nome de Pedro para personagens durões como uma pedra. Não veremos um apelido diminutivo para um bandido ou um personagem grande, a não ser com objetivo cômico. E não teremos um sobrenome de origem alemã numa personagem ou trama que não tenha nenhuma relação com a colonização alemã.

Dar nome aos personagens, portanto, requer cuidado e planejamento. Você deve considerar, em ordem:

1) A personalidade da personagem;
2) A sonoridade do nome;
3) Se o nome não é semelhante a outros nomes da trama;
4) A possibilidade que o nome dá de apelidos ou contrações, a fim de evitar sua repetição excessiva.

Num de meus livros, Vencer em Ilhas Tortas mudei o nome de duas personagens. Uma delas se chamava Jane, era uma homenagem a uma escritora amiga. Só que o livro é juvenil, e nessa faixa etária quase ninguém se chama Jane. Sem contar a velha referência a Tarzan. Mudei para Marília, mais fácil.

Outro personagem se chamava Charles. Só que a história se passa num país africano de língua portuguesa em que chegou um imigrante inglês, Michel, que disputava espaço com os moradores do local. O Charles era nativo daquele país de língua portuguesa, então troquei o nome para Júlio, evitando a confusão.

No mesmo livro, o nome do protagonista foi escolhido de forma consciente, para evitar a repetição: Carlos Eduardo. Alguns, na história, o chamam assim, inclusive o narrador, algumas vezes. Mas seu apelido Cauê é o mais usado. E a avó, quando conversa com o neto, o chama de Carlinhos. Foi uma técnica interessante porque nem precisava dizer que era a avó quem falava, pois só ela chamava o protagonista de Carlinhos.

Nunca use nomes próprios completos de pessoas conhecidas. E eu diria que você deve evitar até de usar nomes de conhecidos em personagens que possam lembrá-los. Isso, além de evitar processos judiciais, evita constrangimentos.

Eu mesmo, em outro livro, As cinco pontas de uma estrela, em que há cinco protagonistas, atribuí inicialmente uma letra para cada um: A, B, C, D e E. Depois é que fui escolhendo os nomes. O quinto se chamaria Eduardo, nome do meu irmão e um nome comum com a letra E. O problema é que o personagem se envolve com drogas na história e meu irmão tinha 14 anos na época: imagina a reação da minha mãe ao ler o livro! Mudei o nome para Eloi. Ninguém se chama Eloi por aqui.

É muito comum, principalmente em contos, o autor não dar nome a seus personagens. A vantagem é que esse personagem pode ser qualquer um, aumentando a chance de nos identificarmos com ele. Só que a grande desvantagem é o texto ficar confuso, em especial se há mais de um personagem. Aí seremos obrigados a usar muitos "ele / ela" e isso dificultará nosso texto mais do que ajudará.

Na dúvida, portanto, opte por nomes simples como João, Pedro, Ricardo, Carolina, Isabel. Só use nomes compostos se fizer sentido para a história, se for uma informação relevante para o enredo ou se isso ajudar a compor a personalidade da personagem. Alguns autores procuram o significado dos nomes, a simbologia ou até a a numerologia para compor suas personagens. É uma possibilidade, mas não precisa revelar ao leitor, são informações de bastidor.
=====================
Marcelo Spalding ministra o Curso de Criação Literária Online

    O curso de Criação Literária Online traz conceitos e técnicas de criação literária para aprimorar o texto de quem aprecia literatura ou quer ser escritor. O curso é indicado tanto para quem é escritor e quer aprimorar o seu ofício com técnicas e teorias quanto para quem quer se iniciar na vida literária, pois a troca de textos com o professor permitirá um olhar mais técnico e crítico de seu trabalho.

    • Curso a distância: faça de onde e quando quiser pela internet;
    • Atividades lidas e comentadas pessoalmente pelo Prof. Dr. Marcelo Spalding;
    • 15 aulas + 18 conceitos-chave + 4 desafios de escrita criativa;
    • Todas as aulas já publicadas no início do curso, dando liberdade a você;
    • A oficina literária online com maior quantidade de material exclusivo;
    • Mais de 200 alunos só nos primeiros dois anos do curso;
    • Início imediato.

    Duração: 3 meses (30 horas/aula)
    Investimento: R$ 180,00 para o curso todo

 Faça inscrições em http://www.cursosdeescrita.com.br/criacaoliteraria_matp.php

Fonte:
Marcelo Spalding in http://www.cursosdeescrita.com.br/4197/o-nome-das-personagens

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to