Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 3 de novembro de 2015

José Feldman (1954)



            José Feldman nasce na cidade de São Paulo, no dia 27 de setembro de 1954, filho de Moisés e Mina Feldman. Aos 6 anos de idade aprendeu a jogar xadrez com seu pai.
            Desde os 10 anos mostra aptidão para a escrita, ao escrever pequenos contos baseados em personagens de história em quadrinhos. Nesta época, trabalha com seu pai para ajudar na casa. Com cerca de 13 anos de idade, escreve as suas primeiras poesias. Na época já lia muitos livros e revistas. Primeiros livros foram a coleção de Monteiro Lobato dada por seu pai. Com cerca de 15 anos de idade participou de concursos de poesia sem sucesso.            
Em 1975, concluiu o curso Técnico de Laboratórios Médicos, ingressando no mesmo ano de sua formatura no Hospital das Clínicas da FMUSP, em São Paulo, onde trabalhou por cerca de 15 anos .

            Desde 1973, com uma fome enorme de conhecimento, realizou vários cursos, como Filosofia no Instituto Palas Athena, Italiano na Associação de Cultura Afro-Brasileira, Inglês no Instituto Roosevelt e Instituto Norte Americano, Leitura Dinâmica e Desinibição e Criatividade, no Instituto Dynamics Cymel, Arte Dramática no Instituto Macunaíma, Filosofia no Centro de Estudos Filosóficos Pró-Vida, além de participar de diversas palestras e encontros de literatura.
            Em 1975, devido a enfermidade de seu pai (que faleceu em 1980, com 65 anos de idade), auxilia-o na direção de clube de xadrez no Instituto Cultural Israelita Brasileiro (ICIB), assumindo definitivamente a diretoria em 1978, até o ano de 1996. Neste período, foi auxiliar de diretoria, arbitro e professor de xadrez no Xadrez Clube Sorocaba e no Clube de Regatas Tietê.
            Também, no ICIB, pertence a diretoria cultural, promovendo diversos eventos musicais, além da Oficina de Trovas, ministrada pelo grande trovador Izo Goldman.
            Neste período começa a dar maior ênfase também à literatura, ao fazer, na Casa Mário de Andrade (Oficina da Palavra) o curso de Poesia Viva, com a poetisa Eunice Arruda, curso de literatura com Mario Amato, Ficção Cientifica na literatura e no cinema com o escritor de renome internacional já falecido, André G. Carneiro com quem manteve amizade desde então, além da Oficina de Trovas com Izo Goldman.
            Cursou a Faculdade de Psicologia, nas Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), mas tendo de abandonar devido a falta de recursos financeiros para se manter.
            Na literatura continuou tentando ainda concursos de poesia na Livraria Freitas Bastos e Scortecci, mas ainda sem sucesso. Com as trovas, obteve pela primeira vez uma menção honrosa no Concurso de Cruz Alta(RS). Tornou-se membro da Casa do Poeta Lampião de Gaz, a convite do presidente desta Casa, Walter Rossi.
            Casou-se em 1995 com a poetisa, escritora e tradutora paranaense Alba Krishna Topan. Em 1999 mudam-se para Curitiba, e em 2001 para a cidade de Ubiratã, a cerca de 70 km de Cascavel (PR).
            Em Ubiratã, foi eleito em 2001 vice presidente da diretoria provisória, da Associação dos Literatos de Ubiratã (ALIUBI), tendo contato com poetas da região. Assumiu a Delegacia de Ubiratã, pela União Brasileira de Trovadores, auxiliando na elaboração do Boletim Paraná em Trovas com a presidente da UBT Paraná Vânia Ennes, o secretário Nei Garcez e o grande trovador A. A. de Assis. Foi um dos fundadores, em 2006, da Companhia Ubiratanense Independente de Cinema Amador.
            Participou de concursos de contos em Portugal e França. Também participou de torneios de xadrez regionais, sendo vencedor e vice em alguns torneios.
            Percebendo o pouco acesso das pessoas à literatura, e mesmo o baixo nível de leitura, começou a ler muito e se dedicar a literatura, criando deste modo um boletim, de nome Singrando Horizontes, que era feito principalmente em dados obtidos na internet e revistas, que abrangia tudo de literatura (contos, cronicas, artigos, biografias, poesias, curiosidades da lingua, noticias do mundo, estudos de livros, etc.), e começou a distribuir por e-mail para inicialmente amigos, trovadores e associações. Com o tempo foi descobrindo novos endereços e distribuiu em escolas, universidades, academias do Brasil Inteiro, além de Estados Unidos e Portugal.
            O Boletim foi indicado para ser inserido nos anais da Casa Legislativa Maçonica, que segundo as palavras do magistrado , Mestre Maçom e Deputado da Loja "Os Templários", de Curitiba, PR, Valter Martins de Toledo (falecido): "Existem alguns samaritanos da cultura/educação espalhados aqui e acolá, preocupados, sempre, com essa lamentável situação cultural da população brasileira. Eis que, vez por outra, surge em longínquos rincões pátrios, cidadãos de paciência franciscana e de porte intelectual incomum, verdadeiros abnegados, apresentando projetos de primeira qualidade, como é o caso do "Boletim Singrando Horizontes", editado pelo Professor José Feldman, no Paraná, recente, pois veio à lume em 2007 mas já fez publicar, via internet mais de 400 artigos de excelente qualidade literária e bom gosto temático, conforme bem o demonstra o Boletim n. 8, de 2008, nele realçando-se a excelente abordagem sobre Machado de Assis, em comemoração do seu centenário de nascimento. Iniciativa como esta, nos oferta esperança e merece aplausos, não podendo ficar desconhecida ou ser enviada para as prateleiras da história. Merece nosso apoio e gratidão, com votos parabenizatórios, e com a sua inserção nos anais desta casa legislativa maçonica".
      Criou o Blog Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes (http://singrandohorizontes.blogspot.com/) seguindo os mesmos moldes do boletim, com muito mais conteúdo, postados diariamente, iniciado ao final de dezembro de 2007, contando atualmente com mais de 1.500.000 visitas, além de cerca de 300 assinantes.
       Torna-se membro da Unión Hispanomundial de Escritores (UHE).
       No mês de junho de 2008, efetuou uma palestra na Academia de Letras de Maringá, onde discursou sobre o Panorama da Literatura no Brasil.
       Em novembro de 2008, a convite do escritor Sorocabano, o jornalista Douglas Lara, passou a ser membro da ONE (Ordem Nacional dos Escritores), recebendo o medalhão das mãos do presidente da ONE, José Verdasca, em 19 de dezembro de 2008, no Gabinete de Leitura, em Sorocaba.
        Nas palavras de Vãnia Maria Souza Ennes, presidente da UBT Estadual do Paraná: É com grata emoção que a diretoria da UBT Estadual do Paraná vem acompanhando seu magnífico trabalho, há mais de 1 ano. Dia após dia, Feldman, você se supera na arte de produzir, criar e disseminar a cultura poética e literária no âmbito nacional e internacional. Cada vez mais, podemos observar a sua sensibilidade que está exposta, claramente, no Pavilhão Literário Cultural Singrando Horizontes, desde dezembro de 2007 a março de 2009 e que muito orgulha o nosso Paraná.É um belíssimo desempenho cultural !!! A oportunidade de poder apreciar seu site, ler, reler, participar, aprender com ele, são atitudes que nos induzem seguir adiante e, nos fazem muito bem. Portanto, receba nossos mais calorosos aplausos com as saudações trovadorescas.
            Em março de 2009, foi convidado para a Cadeira Vitalícia da Academia de Letras do Brasil, pelo seu presidente, o Dr. Mario Carabajal, assumindo em 12 de agosto de 2009, em Piracicaba, representando o Estado do Paraná, na cadeira n.1, tendo por patrono Paulo Leminski, ocasião em que além de receber o diploma de imortal, recebeu o título de Doutor Honoris Causa das mãos do presidente da ALB. Foi nomeado presidente da ALB/Paraná e Vice-Presidente do Conselho de Ética, gestão de agosto 2009 a agosto de 2014.
            A Academia de Letras do Brasil reconhece as suas expressivas atividades culturais a nível Nacional e Internacional, atuando como Embaixador  das Letras. Mérito por seu trabalho cultural que com força e dedicação confere ao Brasil um exemplo de participação ativa e viva, contribuindo para o engrandecimento e reconhecimento dos valores que caracterizam a cultura brasileira.
Dr. Mário Carabajal (Presidente Nacional da Academia de Letras do Brasil)
            Criou em janeiro de 2010 a Revista Virtual O Voo da Gralha Azul, Almanaque Paraná e Santuário de Trovas (em imagens). Em janeiro de 2012 cria a Coleção Memória Viva, inicialmente com 2 e-livretos: Paraná Trovadoresco, com trovas de trovadores do estado, seguindo-se São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e outros estados.
            Em 2011 radica-se na cidade de Maringá/PR, onde ingressa na Seção Maringá da UBT.
            Desde então, torna-se a convite dos presidentes das Academia de Letras de Teófilo Otoni/MG e Academia Formiguense de Letras/MG, acadêmico correspondente. Membro da Sociedade Mundial de Poetas; Associação Internacional de Escritores e Artistas, Associação Poetas Del Mundo e Confraria Brasileira de Letras.
            Participa de concursos de trovas, e na qualidade de Novo Trovador consegue obter algumas premiações, o que lhe eleva à categoria de Veterano.
            Segundo o Presidente Nacional da UBT, Luiz Carlos Abritta: Pessoas como você elevam a trova a patamares cada vez maiores. Sua atividade intelectual é impressionante e os beneficiados somos todos nós. Parabéns, José Feldman, incansável batalhador cultural !
            Em 2015, a convite do presidente do Movimento União Cultural, Luiz Antonio Cardoso, nomeado Conselheiro Estadual do Paraná. Neste mesmo ano, a convite do Conde Carlos Venttura, presidente da Academia de Letras do Brasil/ Seção Suiça, localizada em Berna, torna-se Acadêmico Correspondente, recebendo ainda uma comenda, a Medalha de Mérito Litero-Cultural Euclides da Cunha, a mais alta honraria cedida por esta Casa.
            Em 2015, recebe em Curitiba, das mãos do Presidente Estadual da UBT no Paraná, Dr. Maurício Friedrich, a Medalha de Mérito Cultural “Heitor Stockler de França”.
            Criador do Almanaque Chuva de Versos, como uma forma de dar continuidade as “Mensagens Poéticas” do potiguar Ademar Macedo, falecido, divulgando a literatura brasileira  e internacional, em forma de pequenos e-books distribuídos semanalmente por email e postados em sites específicos.
            Deste modo granjeou a amizade e respeito de escritores de todos gêneros, desde os altos escalões até os ainda desconhecidos, do Brasil e exterior.
            Possui participação na apresentação dos livros em papel:
Átila José Borges. Matando o Porco, Eu Contos. (Introdução do Livro); Isabel Furini. Passageiros do Espelho. (Apresentação do livro); Isabel Furini. Quero ser escritor: Livro 1 – Cronicas.(Cronica: Filas, filas e mais filas, ou Por que não fiquei dormindo em minha cama?); Isabel Furini. Os Corvos de Van Gogh. (Apresentação do pintor: “Van Gogh, o gênio atormentado”), Vânia Maria Souza Ennes. Paraná em Trovas. (com uma trova); Vânia Maria Souza Ennes (com trova e a apresentação do livro “Paraná em trovas”)
            E-books:
            Coleção Memória Viva (Trovas): Paraná, São Paulo, Rio Rio Grande do Norte; Minas Gerais; Rio de Janeiro; Santa Catarina e Ceará.
            Coleção Memória Viva (In Memoriam) Hermoclydes S. Franco; Francisco Neves Macedo; Ademar Macedo.
            Santuário de Trovas (Trovas em Imagens): 3 volumes
            Almanaque Paraná (Trovadores do Paraná): 12 números
            Trova Brasil (Trovadores de todo o Brasil): 16 números
            Almanaque O Voo da Gralha Azul*: 9 números
            Boletim Literário Singrando Horizontes*: 13 números
            Almanaque Chuva de Versos: 432 números
* Estes além de diversos gêneros poéticos, possuíam contos, crônicas, entrevistas, expressões regionais, história das academias, etc.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to