Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Contos Populares do Tibete (A Oração que foi Escutada)

O pequeno cômodo brilhava à luz das lamparinas de gordura colocadas com esmo sobre a mesinha baixa diante do altar. Neste, podiam-se distinguir os objetos sagrados: os livros santos envolvidos num pano, a imagem de Buda, um retrato emoldurado do Dalai lama, xícaras de ofertório de prata; e, na parede do fundo, com a fumaça do incenso enroscando-se à sua volta, o tanka1 que reproduzia a divindade tutelar e padroeira do Tibete: Chenrezik, o bodhisattva da compaixão, com onze cabeças e mil braços. Pelas outras paredes do pequeno cômodo, havia quadros de outras divindades, todas elas objeto de devoção para o povo do Tibete. Havia uma representando Dolma, o aspecto feminino da compaixão, e Jamyang (Manjushri), o bodhisattva da sabedoria.2

Esse cômodo, o oratório, era o mais rico da pequenina vivenda. O povo do Tibete era muito religioso, e suas vidas giravam em torno dos ensinamentos de Buda, tal como estes haviam sido explicados pelos grandes mestres e santos que tinham alcançado o estado final de iluminação. As pessoas acreditavam que os grandes santos, embora tendo chegado ao estado de iluminação, ainda se preocupavam pelo bem de todos os seres, e que aqui permaneciam para protegê-los e guiá-los em seu caminho por esta e por suas outras vidas futuras.

Assim o acreditava também uma velhinha que estava sentada num canto da capela, a desfiar nos dedos as contas do seu rosário e a repetir, lentamente, a oração de Chenrezik: OM MANI PADME HUM. Uma e outra vez, a poderosa oração brotava dos seus lábios. A anciã vivia preocupada, pois era uma viúva sem dinheiro nem terras: tudo o que possuía no mundo era a sua única filha.. E ela achava que, sem um dote pata oferecer, a moça jamais iria ser pretendida pelos homens ricos da região, e, portanto. iria viver a vida inteira na miséria. Não era por sua própria vida que ela se preocupava, pois a sua vida quase já se havia consumido, mas desejava, de todo o coração que a vida de sua filha pudesse ser próspera e feliz. Por isto é que rezava.

E sucedeu que um homem pobre, de uma aldeia vizinha, tinha ouvido falar da filha da anciã, e, quando a vira, ficara tão impressionado com a sua beleza, que determinou faze-la sua esposa. Ele sabia que não seria fácil que a mãe da moça consentisse no casamento da filha com um homem de uma condição tão humilde quanto a sua. Por isso, tramou fazer com que a mãe acreditasse que era um homem próspero e rico.

Escondendo-se na capela da casa da velhinha, ele esperou que ela entrasse, fizesse as suas oferendas de alimentos e se sentasse num canto a rezar. A anciã rezava e rezava com fervor, pedindo aos deuses que mandassem um rico marido para tomar sua filha em casamento. O pobre homem ficou escutando até que ela terminasse o pedido. E, no exato momento em que ela se dispunha a deixar a capela, ele falou:

A velhinha se assustou ao ouvir a voz. E, como não visse ninguém mais no local, acreditou que fosse a voz dos deuses. Ouviu a voz dizer-lhe que, no dia seguinte num cavalo branco, apareceria um homem rico para pedir-lhe a filha em casamento.

A anciã não cabia em si de contentamento. Ela e a filha limparam a casa inteirinha, a fim de deixá-la preparada para receber o homem rico que os deuses iam enviar para marido da moça. Depois de preparar a comida, a velhinha foi dizer aos vizinhos que ficassem prevenidos para a grande festa do dia seguinte, pois que a sua única filha ia se casar com um homem rico.

E, no outro dia, a anciã e a filha se levantaram bem cedo. Os pássaros cantavam e o azul do céu contrastava com o vermelho dos picos das montanhas, banhados pela luz do sol que nascia A velhinha e a moça estavam emocionadas e contentes. Sentaram-se na parte de fora da pequena casa e ficaram esperando a chegada do homem do cavalo.

Não muito tempo depois, ele apareceu no horizonte. E, enquanto o homem se aproximava a cavalo da casa, a filha ia sentindo a angústia cansada pelos súbitos pressentimentos que a dominavam. Perguntava-se como seria ele, se elegante e bom; se a sua vida de casada iria ser tranquila e feliz como ela sempre havia desejado; e perguntas como estas lhe vinham a mente. Mas depois lembrou que este homem era uma dádiva dos deuses, de modo que ela não deveria sentir temor algum.

Até que, enfim, homem pobre, vestido com roupas que os vizinhos lhe haviam emprestado e montado no cavalo branco que era o único que possuía parou diante da casinha da anciã. Desmontou, sorriu para a moça e tomou a mão dela entre as suas. Contendo a emoção com muita dificuldade, a velhinha pediu ao homem que entrasse na casa e descansasse um pouco. Ele assim o fez. E, depois de terem conversado por algum tempo, ele pediu à anciã a mão de sua filha em casamento.

O regozijo foi grande. Celebrou-se a festa e todos os vizinhos e amigos vieram para desejar ao casal a maior felicidade, pois dava para se perceber que aquele casamento havia sido mesmo determinado pelo céu.

O homem pobre chamou a moça e, colocadas as poucas coisas que pertenciam a ela num baú, os dois partiram rumo à humilde casa dele, numa aldeia vizinha. Durante a viagem, o homem começou a se inquietar pela impostura que havia praticado. Tinha medo que a moça gritasse e berrasse quando soubesse que ele não era, em absoluto, um homem rico, mas, sim, um camponês muito humilde; temia, também, que ela fugisse e ele a perdesse para sempre.

Preocupado por esses pensamentos, o homem pobre concebeu um plano. Tirou as coisas da moça do baú e as enterrou. Depois, disse a ela que se enfiasse no baú, pois iria fazer-lhe uma surpresa quando chegassem à casa. Quando a moça já estava dentro do baú, o homem o fechou à chave e o colocou numa valeta que havia num caminho da floresta. Depois, se dirigiu à sua casa.

Chegando lá, o homem pobre foi correndo aos vizinhos mais próximos, e, contando-lhes que trazia para casa uma recém-casada, logicamente nervosa, preveniu-os de que, se ouvissem gritos e berros durante a noite, não se preocupassem. Depois, pôs ferrolhos novos e fortes na casa, a fim de que a moça não pudesse escapar.

Enquanto o homem pobre estava em sua casa, um homem rico e de influência foi dar justo no lugar onde a moça estava fechada no baú, esperando a volta do marido. O homem rico e influente ordenou a seus servidores que abrissem o baú, e, quando viu a moça dentro, ficou tão impressionado com a sua rara e delicada beleza, que a levou com ele. Dentro do baú, no lugar da moça, deixou um urso feroz.

O homem pobre voltou em busca da esposa; amarrou uma corda em volta do baú e o arrastou até a sua casa. Já dentro desta, abriu o baú e... ficou aterrado diante do urso feroz — de uma ferocidade que, naturalmente, se havia exacerbado durante o trajeto dentro do baú e pela violência do tratamento. O homem pobre gritou e berrou a mais não poder, pedindo ajuda, enquanto o urso o atacava, mas os vizinhos não fizeram caso do barulho, pois o próprio homem os havia prevenido a respeito.

E assim, o homem pobre, que havia tramado todo aquele embuste com a pretensão de ser um deus, acabou morrendo nas garras de um urso selvagem. E a moça viveu para sempre mais feliz do que nunca, como esposa de um homem rico e influente. As orações da anciã haviam sido escutadas.
__________________________________
Notas
1. Um tanka (thang-sku, "algo que se enrola") é uma pintura sobre tela geralmente de algodão, que num dos bordos, ou em ambos, leva uma ripa ou uma vara de bambu que permite possa ser enrolada. Quase sempre a pintura é emoldurada com um brocado de seda.
A confecção de um lanka está sujeita a regras precisas, transmitidas pela tradição, e nada deve à improvisação ou ao subjetivismo. Os lankas, no geral, são de tema sagrado e constituem, rigorosamente, da mesma forma que os ícones cristãos, suportes de medição. Não obstante, os narradores ambulantes também levavam lankas com representações de caráter épico e narrativo, que ilustravam lendas populares e acontecimentos.
2. Manjusrí (em tibetano, 'Jam-d pai) é um bodhisattva que personifica a Sabedoria da mente completamente iluminada. Aparece sempre, na iconografia tibetana, brandindo na mão direita uma espada flamígera, a qual corta a raiz da ignorância.


Fonte:
Jayang Rinpoche. Contos Populares do Tibete. (Tradução: Lenis E. Gemignani de Almeida).

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to