Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 16 de outubro de 2016

Aparecido Raimundo de Souza (Sufoco)

   
Tibúrcio Carequinha, o mais novo louco do pedaço, havia chegado de outro sanatório não fazia uma semana. Viera transferido, pois aprontara além dos limites e o diretor não aguentava mais olhar para a cara dele. O sujeito não parecia um doido desses que se veem todos os dias, ao contrário, às vezes fazia coisas de gente normal, noutras perdia o controle e mordia os próprios olhos, arrancando da boca uma velha dentadura, e, com ela, dando a entender que mastigava os órgãos da visão como se tivesse saboreando um delicioso naco de carne. Tão logo se viu solto, no pátio, para o banho de sol, junto com os demais internos, achou, no chão, não se sabe como (talvez por descuido de algum funcionário), uma dessas facas enormes de cozinha, bem afiada, jogada num canto, perto do portão que acessava um imenso jardim. De posse dela, o primeiro que cruzou na frente resolveu correr atrás. O infeliz era o Benedito Torrado, um sujeitinho boa praça, que prestava serviços na enfermaria. Tibúrcio correu para cima dele, a arma na mão, atitude ameaçadora.

— Em guarda! Vou te pegar para fazer picadinho!


Benedito Torrado, ao se deparar com o sujeito vindo em sua direção jogou para o alto umas caixas de remédios que trazia e danou a correr e a gritar:— Socorro, pelo amor de Deus, alguém me ajude!

O alerta chamou a atenção dos demais. O pátio inteiro, repleto de doentes, se transformou numa plateia muda e indiferente, cheia de rostos desfigurados, a maioria com a boca aberta, alguns babando, outros dialogando como vento, mas, no geral, todos sem denotar um pingo de calor humano.

Na verdade Benedito estava desesperado, temeroso, as faces petrificadas, as pernas bambas. Tibúrcio não queria saber de nada. Com a faca na mão esquerda, dava a impressão, não de um louco varrido, mais se assemelhava a um animal sanguinário à cata da sua presa.

— Por tudo quanto é mais sagrado: alguém faça alguma coisa!

Os que trabalhavam em outros pavilhões, bem como os da administração, pararam com seus afazeres, levados pelo clamor dos berros de Tibúrcio, e, mais ainda, pelo sufoco do pobre do enfermeiro. Sem exceção, todos arregaçaram as mangas e se puseram a acudir, ou pelo menos tentar obstacular que o aloprado transformasse o desditoso numa vítima fatal.

De um minuto para outro, uma pequena multidão corria, estabanada, de um lado para outro, na esperança de deter o desmiolado do Tibúrcio. Todavia, a criatura, com a arma empunhada, se esquivava ligeira, arisca, ao tempo que desenhava golpes no ar, e, por essa razão, não havia quem ousasse chegar muito perto. O diretor geral foi acionado. Largou o café e voou para o hospital. Enquanto isso, nada parecia deter Tibúrcio e a sua faca de lâmina afiada.

— Vou te pegar! Vou te pegar!

A cena, não fosse por demais hilariante, poderia até ser filmada,e, certamente, daria uma boa vídeo– cacetada, num desses programas de televisão onde seus apresentadores fazem chacota e ganham ibope exibindo as mazelas de seus consanguíneos, tirando, claro, a agonia do enfermeiro com Tibúrcio grudado nas costas dele, rindo, gesticulando e fazendo caretas esquisitas. A galera tentava, em vão, botar as mãos no maluco, mas o desgraçado demonstrava uma agilidade com as pernas e um raciocínio muito rápido e acima de qualquer suspeita. Benedito Torrado, por seu turno, não aguentava mais lutar, ou melhor, correr em círculos, voltando sempre ao mesmo ponto de partida, sem achar uma saída segura. Sentia que a vida estava por um fio, que os seus trinta anos andavam prestes a ser arrancados pelo corte certeiro de uma faca de cozinha nas mãos de um débil mental completamente fora de si.

Atônito e sem saída, se debulhava em lágrimas copiosamente.Quase sem ar, urinara nas calças e não via como se livrar daquela figura hostil que, a cada minuto, mais e mais se aproximava, para lhe desfechar o golpe de misericórdia.Certo que não morreria só. A turma de amigos, o diretor, a secretária do diretor, os estagiários da seção de informática e até dois seguranças se puseram em auxílio, mas ninguém, na verdade, se atrevia a peitar Tibúrcio e lhe tomar a coragem que carregava na mão fortemente armada pela presença fatídica da faca assassina. Acionaram a polícia militar. Dezoito soldados fortemente armados partiram para o hospício.

— Nada de revólveres. Esse Zé Mané é apenas um louco. Não atirem, por favor…

O médico psiquiatra também deu as caras assim que telefonaram para o consultório dele:

— Doutor, o que fazemos?

— Tragam a camisa de força.

— Sem violência.

— Sem violência? E o que é que estamos assistindo aqui? Por acaso os dois mocinhos ali resolveram brincar de pega-pega?

Completamente baqueado e sem forças, finalmente o louco do Tibúrcio conseguiu encurralar o Benedito Torrado num canto em que não havia por onde escapar. Ou o cidadão morria de susto ou se deixava matar. Foi exatamente nessa hora que o enfermeiro perdeu o controle, a compostura, a vergonha. Vendo Tibúrcio, a dois passos dele, a faca reluzindo apontada em sua direção, caiu de joelhos e implorou:

— Não me mate, amigo. Não me mate. Não lhe fiz nada. Leve em conta que tenho mulher e uma filhinha com menos de uma semana de vida para criar.

Na cauda de Tibúrcio uma massa de amedrontados estancara, sem ação, parada, colada ao chão, estática, sem respirar. Nem a polícia que deveria entrar em ação teve o bom senso de fazer alguma coisa útil que colocasse um fim definitivo naquele martírio.

Aconteceu, então, o inesperado, o imprevisível. Tibúrcio entregou a faca na mão trêmula do enfermeiro, e, na maior cara de pau, disse para o desgraçado:

— Tome. Agora é a sua vez. Eu saio desembestado e você dispara nos meus calcanhares!

Fonte:
SOUZA, Aparecido Raimundo de. Parada de Sucessos. SP: Ed. Sucesso, 2012.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to