Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 30 de agosto de 2015

Goulart Gomes (Poetrix)



A FILOSOFIA A GOLPES DE MARTELO
ela disse "Nietzsche"
ele falou "Saúde"
incompatibilidade de academias
ANTES QUE O SOL NASÇA
Imagine um dia assim
Luzes rasgando a aurora
A manhã, embriagada, perdendo a hora
BAILARINA
na ponta dos pés
rodopiam
o mundo e nós, juntos
ESPELHO D'ÁGUA
as trutas se banham nas nuvens
enquanto o sol rompe as gotas
navego ou flutuo?
minimalista
nunca minto
às vezes, apenas
encolho a verdade
MISSIVA
começo com minha graça
termino com votos de paz
minhas mal-tratadas linhas
QUATRO ELEMENTOS
tu, no ar; eu, na água
ambos, na terra
em brasa
SOBRE ESTA PEDRA ERGUEREI
Molhada. A gema intumescida
Por sobre, a relva
Caverna escondida
SÉRIE "TAROT"
TAROTRIX 0 – O POETA
louco de Deus
bardo bobo
revolucionando o mundo
TAROTRIX 1 – O MAGO
jovem, sou Hermes
ancião, Merlin:
o que está acima, está em mim
TAROTRIX 2 – A SACERDOTISA
em tuas mãos, a verdade
nos teus olhos, a ternura
mulher, em divindade
TAROTRIX 3 – A IMPERATRIX
com as mãos no cetro
despe o manto
entre risos, faz-se rainha
TAROTRIX 4 – O IMPERADOR
meu reino entre quatro paredes
um império se ergue
nos lençóis deste leito
TAROTRIX 5 – O HIEROFANTE
se o papa é pop
e o bispo, milionário
quero São Pedro para empresário!
TAROTRIX 6 – OS AMANTES
desde o Éden
impossível escolha
entre Lilith e Eva
TAROTRIX 7 – O VEÍCULO
Apolo, Arjuna, São Cristóvão
as setas da alma
apontam a direção
TAROTRIX 8 – A JUSTIÇA
o Universo dança.
entre causa e efeito
equilibra-se uma sentença
TAROTRIX 9 – O EREMITA
quando o silêncio fala
no vazio das coisas:
encontro íntimo
TAROTRIX 10 – A FORTUNA
meneios de Shiva
segredos de Esfinge
as Moiras tecem confidências
TAROTRIX 11 – A FORÇA
confidências entre a bela e a fera
“Força Sempre”
diz-me ela
TAROTRIX 12 – O SUSPENSO
sobre o precipício
imponho-me o suplício
promessas de Prometeu
TAROTRIX 13 – O CEIFA(DOR)
romper casulos
quebrar as cascas
renascer a cada morte
TAROTRIX 14 – A TEMPERANÇA
como quem enterra a semente
para repartir o pão
aguardo uma nova estação
TAROTRIX 15 – O DEMÔNIO
O corpo pede!
- Nada em demasia,
O Oráculo, repetia
TAROTRIX 16 – A TORRE
- Quem vem lá?, grito ao fantasma
e do eco do eco do meu medo
- Sou tu, responde o espelho
TAROTRIX 17 – A ESPERANÇA
imortal, habitas meu peito
em teus olhos, a eternidade
meu mundo pelo teu beijo
TAROTRIX 18 – A LUA
um outro lado, ignorado
meio-Ogum, meio-dragão
lunático, aluado
  
TAROTRIX 19 – O SOL
a luz se faz
fogo que não arde
tudo é vida, e nada mais
TAROTRIX 20 – O JULGAMENTO
diante dos meus pecados
sou promotor, juiz e advogado:
em paz, pronuncio meu veredicto
TAROTRIX 21 – O UNIVERSO
a matéria se transforma,
a energia flui; eu, penso.
Deus, faz Poesias...

             
José Goulart de Souza Gomes nasceu em Salvador/BA, em 1965. Administrador de Empresas, pós-graduado em Literatura Brasileira (UCSAL) e em Gestão de Comunicação Integrada (ESPM-RJ). Atua na área de Comunicação Empresarial. É espiritualista e pesquisador de ficção científica. Fundador do Grupo Cultural Pórtico (1995) e criador da linguagem poética Poetrix (1999). Obteve dezenas de prêmios em concursos de poesia, prosa e festivais de música e participou de mais de 50 coletâneas publicadas no Brasil, Cuba, Espanha, USA, Itália, França e Coréia do Sul e tem trabalhos divulgados em vários outros países. Coordenador do Movimento Internacional Poetrix e do Grupo Cultural Pórtico. Como editor alternativo propiciou a publicação de 56 livros e coletâneas de novos autores.
Algumas obras:
 Anda Luz (1987); Todo Desejo (1990); Sob a Pele (1994); Esfinge Lunar e Outros Enigmas (2001); Trix, Poemetos Tropi-kais (1999); Minimal, dos males o menor (2007); A Divina Comédia no Cordel (1989); Todo Tipo de Gente, contos (2003), 501 Poetrix: para ler antes do amanhecer (2011).
Fontes:
Goulart Gomes. Minimal, dos males o menor. Salvador/BA: Copygraf, 2007.
Goulart Gomes (org.). 501 Poetrix: para ler antes do amanhecer. Lauro de Freitas/BA: Livro.com, 2011.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to