Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Domingos Freire Cardoso (Poemas Escolhidos)


A VIDA É UM FIO NEGRO D’ AMARGURAS

A vida é um fio negro de amarguras
Que usamos ao pescoço, como adorno
E tão difícil é dar-lhe um contorno
Que a dor que traz não cabe entre molduras.

Fio de que descendem as nervuras
Que os nervos nos esmagam, como um torno
E o mal que nos provocam, sem retorno
Despedaça os sentidos com fraturas.

Lenitivos são poucos e fugazes
E mostram-se impotentes e incapazes
De um alívio nos dar a tal sofrer.

Inocentes de culpas e algemados
À triste sina somos condenados
De nunca desistirmos de viver.

SÓ SÃO CAMINHOS OS CAMINHOS ABERTOS

Só são caminhos os caminhos abertos
Pela força invisível da Poesia
Varinha de condão da fantasia
Que os corações cativos faz libertos.

Atalhos retalhados descobertos
Pelos sons mais a sua ortografia
Que grava dos fonemas a harmonia
Que os sentidos nos trazem tão despertos.

Por nós fala a palavra que é escrita
Pela mão desse amor que em nós habita
Como a pedra se entrega a um cinzel.

Já morto fica vivo na palavra
Um homem quando a sua mente lavra
O chão fértil das folhas de papel.

DEPOIS DO CIRCO JÁ TER IDO EMBORA

Depois de o circo já ter ido embora
Quedou-se por aqui, abandonado
Um trágico palhaço desolado
Que a pintura esborrata quando chora.

Vivendo a praguejar a negra hora
Em que o emprego sujo o pôs de lado
Gasta os seus dias, porco e ensebado
À margem da cidade que o devora.

Crianças, risos, músicas e palmas
São visões do passado, mas sem almas
Fantasmas que no peito ele escondeu.

Acordo, estremunhado, já noite alta
Preso à dúvida atroz que então me assalta:
Saber se esse palhaço não sou eu…

NUNCA A AUSÊNCIA FOI TÃO VIVA E TÃO LEMBRADA

Nunca a ausência foi tão viva e tão lembrada
Como na hora em que a noite me envolvia
E entre os lençóis da cama eu não te via 
Leve e linda, despida e perfumada.

Não estava franzida a tua almofada
E o vulto do teu corpo não crescia
No leito onde o meu, só, permanecia
Abraçado a tudo que agora é nada.

Partiste, sem aviso e sem adeus
Dos meus olhos que tu fizeste ateus
Pois a fé que eu tinha tu a levaste.

Que voltes sem demora eu peço e rogo
Se o não fizeres penso que me afogo
Neste imenso vazio que deixaste.

MEU CANTO MAIS LAMENTO DO QUE ALERTA

Meu canto, mais lamento do que alerta
Morre ao sereno nesta noite fria
Que prolonga no tempo essa agonia
De não achar qualquer janela aberta.

Meu canto, menos prece e mais oferta
Andou de porta em porta em afonia
Sofrendo as agressões da invernia
Que castiga a minha alma descoberta.

Guardo as notas, a pauta, a melodia
Da trova, da canção ou elegia
Que ninguém se dispôs a escutar.

Se um dia alguém me perguntar por ela
Direi que era a luz de uma frágil vela
Que se apagou por não ter um altar.

PÓ DE ESTRELAS LANÇADO PELO CHÃO

Pó de estrelas lançado pelo chão
Havia nos caminhos onde errei
Sem respeitar as regras nem a lei
Carregando pecados sem perdão.

Sem uma companhia, nem de um cão
Corri montes e vales que eu nem sei
Levando o medo às sendas que trilhei
Pois me achavam com cara de ladrão.

De pouco vale o berço ou nascimento
Para ter honra, fama ou luzimento
A acrescer à fortuna já herdada.

Das estrelas o pó meu chão juncou
Mas sei que valho apenas o que eu sou
E tudo é muito pouco ou quase nada…

LÁ ONDE A LUZ DO ÚLTIMO LAMPIÃO

Lá onde a luz do último lampião
Se esmaga contra os vidros das janelas
Moram casas de portas amarelas
Sempre abertas ao pó da solidão.

Portas sem trinco em casas sem ter cão
Qualquer um pode entrar sem mais cautelas
Nas mucosas vazias dessas goelas
Onde as mágoas e dores servem de pão.

O fundo dessa rua é dos fantasmas
Vizinhos são os vícios e os miasmas
Que ali acham o fim do seu caminho.

A noite fica tão negra e deserta
Que até o lampião de chama incerta
Tem receio de ali viver sozinho.

NA RUA EM QUE O POEMA É ORAÇÃO

Na rua em que o poema é oração
As rimas ordenadas se repetem
Na cadência dos sons que nos remetem
Para o ritmo do próprio coração.

A luz morta de um velho lampião
Vela pelas estrofes que refletem
A alma das palavras que prometem
Um mundo de magia e de emoção.

O poema assim rezado ganha vida
Em cada ladainha repetida
Com devoção, calor, carinho e fé.

E o poeta que, inspirado, o escreveu
Um pedaço de si a todos deu
Pois nele é que se mostra tal qual é.

PEDI AO CORAÇÃO QUE SE CALASSE

Pedi ao coração que se calasse
E se tornasse um mestre da mudez
Que os olhos falam mais na limpidez
Do brilho com que veste a tua face.

Ficamos ambos quedos nesse impasse
De passos presos pela timidez
Mas o amor, na verdade da nudez
Fez-se eterno no tempo desse enlace.

Mas, feliz, ele não me obedeceu
E o claro dia não entardeceu
Suspenso do pulsar dos corações.

A luz nos ilumina, de mansinho
Para que não se perca no caminho
A alegria que ri sem ter razões.

Fonte: CARDOSO, Domingos Freire. Por entre poetas. Aveiro/Portugal: Edição do autor, 2016

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to