Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Paleta de Versos n. 1

Obs: Republicado. Faltou uma estrofe do Nei Garcez

Nei Garcez
(Curitiba/PR)

RIO DOCE

Nasci rio, na campina,
pra irrigar a propriedade,
e a avareza me assassina
com dejetos e maldade.

Sempre fui bem cristalino,
saciando a sociedade,
mas mudaram meu destino
que é o sustento à humanidade.

Irrigando esta campina,
noite adentro, ou sol à pino,
o “poder”, vem, e assassina
o meu leito cristalino.

Vou morrendo como rio,
poluído, com mal cheiro...
Já não ouço qualquer pio
de um só pássaro pesqueiro!

O “poder”, sem dar guarida,
porque sempre está lucrando,
não respeita a própria vida...
Fui Rio Doce, hoje amargando!

Como pode um peixe vivo
viver dentro da água impura,
se eu sou rio, tão nocivo,
e o meu leito é sepultura!
Jaz, ainda agonizante,
e morrendo de impureza,
faço o apelo torturante:
- “salvem minha natureza”!

Sem um peixe para a rede
das pessoas que aqui vêm,
já não mato a própria sede
de matar fome de alguém!


Amargando, vivo em pranto,
pois meu leito se angustia
- Minas ao Espírito Santo -
dizimando a Ecologia!
____________________________

Luiz Poeta
(Rio de Janeiro/RJ)

SERENA ABSTRAÇÃO

Às vezes tua ausência me visita
…bonita…e te torna tão real,
Que toda sedução que nela habita,
Parece infinita… e passional.

Abraço-a com lágrimas nos olhos,
Sorrindo e colorindo o teu olhar,
O amor é como o mar… e eu ?...os abrolhos
Deixando a saudade me açoitar.

Às vezes, como vens, tu distancias
De mim, essa utopia tão serena
Que traz as mais fugazes fantasias,

Mas fazem tão feliz meu coração,
Que a minha alegria mais amena
Transforma-se em serena abstração. 
_______________________

Neyde Bohon
(Itajaí/SC)

NA RUA

Na calçada poça d'gua
Por dias, guarda esperança
Corre tropeça na ansiedade
Continua...

O vento sopra ilusões
Suspiros! Novo pensamento...
Ah, novamente a ansiedade!
Calçada, passos em linhas quebradas

No ardor da fantasia
Mente doida enluarada!

Destino ou acaso,coração acelerado
Do outro lado da rua, VOCÊ.
_________________________________

Clarice da Costa
(Biguaçu/SC)

O BARCO

O mar levou
para bem longe
onde não se vê o fim
e nem a linha
do seu horizonte;
Revoadas de pássaros
passam
enquanto a vida
lentamente
vai esvaindo;
O tempo
não marca o curso
e o barco
fica à deriva.
____________________________

Samuel da Costa
(Itajaí/SC)

NOTA DO DIA
Para Vanessa Martins DA Maia

Vem consorte meu
Vem para mim
Quero-te todos os dias
Todas as noites
Para todo o sempre

Não pela metade
Em sintéticos nanospedaços
Algarismos alquebrados
Livres a vagar
Pelo cosmo infindo

Quero-te por inteiro
Meu sacrossanto amor
Perdido em tempos de guerra
Quero-te 
Em tempos de paz

Simplesmente quero-te
Somente para mim
E mais ninguém

Quero-te
Como o vento abraça
E levanta 
A branca areia da praia

Como a brisa
Balança intempestivamente
Os galhos das tundras
Mais altas
E eleva a folha seca
Para além do infinito

Quero-te
Como uma diáfana árdea
A ruflar 
As alabastrinas asas
Que ascende ao céu
Embrenha-se 
Nas alvas nuvens 
E desaparece 
No níveo imaginário
Do menestrel contemporâneo
Em tempos 
De realidade liquefeita
Do aedo surrealista

Quero-te enamorado meu
Em tempos pós-modernos
Como o poetiza nefelibata
Que ama
Na realidade abstrata

Não tarde amando meu
Vem voando nas asas
De Ícaro
Espero-te nua 
Na alcova em chamas 
____________________________

João Batista Xavier Oliveira
(Bauru/SP)

TOM MAIOR
Em Memória de Tom Jobim (1927 – 1994)

Hoje chorei muito por uma pessoa
de uma vida intensa e também produtiva
que abraçou a causa tão lúcida e viva;
um mundo melhor que na pauta ressoa.

Os pássaros choram e a flor sempre-viva
insiste em viver pois a vida é tão boa.
O som da floresta não se esparze à toa;
alcança infinito na canção que ativa.

JOBIM, o seu nome, um canto de guerra
que exalta a paisagem soando na terra
os ecos audazes no apelo da paz.

O tempo não passa a quem sempre passeia
no enlevo das mentes que pautam na areia
eterna Ipanema que o mar não desfaz !
____________________________

Pajo
(Formiga/MG)

SIMPLESMENTE MULHER 

A você mulher 
Que por si só já é virtude 

Que traz no ventre a vida 
E no peito, a coragem 

No coração, o aconchego 
E nos braços, o filho que acalenta 

De olhar no horizonte 
Na busca do filho ausente 

Que o lar administra 
O suor do pai que em você confia 

No leito do filho doente 
Braços de Morfeu que não lhe aceita 

Que da vida é flor que enfeita 
Conselheira, esposa, mãe, trabalhadora, amiga 

A você por ser 
Simplesmente... mulher.
________________________________

Isabel Furini 
(Curitiba/PR)

ULULA

Ulula a poesia  
exilada do mundo consumista
mas enraizada
nas profundezas
da alma humana.
___________________

Ruth Farah
(Cantagalo/RJ)

TODOS PELA PAZ

Neste mundo ameaçado
pela maldade cruel,
parece terem montado
nova Torre de Babel.
Peçamos em oração
que os novos canhões de guerra,
em vez de destruição,
detonem amor na Terra.
"Vamos todos nos unir"
é um lema dos cristãos,
devendo a paz garantir
_ela está em nossas mãos.
Começando em cada lar
e no trabalho, também,
as pessoas vão se amar
visando somente o bem.

Respeitar o ser humano
com tal solidariedade
é um exemplo soberano
para toda a humanidade.
Com real inteligência
de sentimento profundo,
dando um basta à violência,
salvaremos nosso mundo.
Quando povos e nações
se consideram irmanados,
não há discriminações
_ direitos são respeitados.
Queremos, neste milênio,
seja o lema natural
dos povos igual convênio:


manter a Paz Mundial!

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to