Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 31 de janeiro de 2016

Contos Populares do Tibete (O Tesouro Perdido)

O sol poente se afundava detrás dos picos gelados das montanhas, tornando-os vermelhos como brasas. Nos terraços das casas de Lhasa, os meninos faziam subir seus papagaios de vivas cores, presos a fios polvilhados de pó de vidro. Corriam e saltavam, entrecruzando-se — e os papagaios iam seguindo seus movimentos —, e riam, em alvoroço, tentando cortarem-se, uns dos outros, os fios dos papagaios. Um menino de uns seis anos estava sentado junto ao tio, um monge vestido de hábito marrom. Observavam o papagaio do menino subindo cada vez mais no céu. Mantido pelo vento, estava tão alto, que parecia que não se movia. Sem deixar de olhar o papagaio, o menino disse:

— Me conte um conto, tio.

O monge sorriu ternamente.

— Uma história antiga, vamos!

E o monge começou, então:

"Um pai disse a seu filho:

— Vou morrer logo, meu filho. Leve o meu ouro para a sua casa. É seu. Mas lembre-se de que não deve confiar em ninguém. Nem sequer na sua esposa.

O pai acreditava que o filho — cujo nome era Sonam — soubesse seguir seu conselho e que compreendesse como acontecem as coisas no mundo.

Sonam tinha um grande amigo, de nome Tamchu. Quando crianças, tinham ido junto à escola, e, todas as tardes, brincavam do jogo de volante com o pé. Tamchu vivia na aldeia próxima, com a mulher e dois filhos pequenos.

Certo dia, Sonam decidiu sair em peregrinação ao mosteiro santo. Antes de partir, lembrou-se de que, quando vivo, o pai lhe havia dito que não confiasse em ninguém. Mas, ao pensar no amigo Tamchu, não pôde admitir que as palavras do pai devessem ser aplicadas também a este. Não, a Tamchu, não. E assim, levou suas duas bolsas de pepitas de ouro à casa do amigo e lhe disse:

— Tamchu, por favor, guarde-me o ouro enquanto eu estiver fora. Este é o ouro que meu pai me deixou, ao morrer.

Tamchu respondeu:

— Oh, sim, naturalmente. Guardarei o seu ouro com muito cuidado, e, quando voltar de sua peregrinação, você aqui o encontrará. Você não tem por que se preocupar. Somos bons amigos, não somos?

— E assim — continuou o monge —, passou-se um ano e Sonam voltou da sua peregrinação. Foi à casa de Tamchu e pediu ao amigo:

— Você pode me devolver o ouro, Tamchu?

— Oh, eu sinto tanto, Sonam! Aconteceu uma desgraça, uma grande desgraça! O ouro se converteu em areia! — respondeu Tamchu, olhando o amigo com cara de quem estava desesperado.

Mas, Sonam, enquanto o amigo lhe contava o estranho acontecimento, não pareceu surpreso e, depois de alguns minutos de silêncio, disse:

— Está bem, Tamchu, não se preocupe. Você fez tudo o que pôde para vigiar o meu ouro.

E os dois amigos comeram juntos em paz, como se a perda do ouro tivesse sido esquecida por completo. Ao entardecer, Sonam disse ao amigo:

— Tamchu, eu gostaria de cuidar dos seus filhos durante uns meses, já que não tenho minha própria família. Gostaria de dar-lhes boa comida e boa roupa. Eles seriam muito felizes em minha casa.

— Muito boa idéia, Sonam!, disse Tamchu, pensando:

"Embora ele tenha perdido todo o seu ouro nas minhas mãos, ainda quer cuidar de meus filhos. Sem dúvida, é uma ótima pessoa". E, assim, acrescentou: Naturalmente, Sonam. Você pode levar meus filhos pelo tempo que quiser.

Sonam levou as crianças para a sua casa e tratou deles muito bem. Mas comprou dois macaquinhos e pôs neles os nomes dos meninos. Durante os dias que se seguiram, adestrou os monos para que, quando ele chamasse: "Tendzin, venha aqui!", o macaquinho maior corresse para ele; e, quando chamasse: "Thupten, venha aqui!", o macaquinho menor também fosse em direção a ele. Os macaquinhos entenderam muito bem e aprenderam muito rapidamente.

Passado o tempo, quando Tamchu foi buscar os filhos, Sonam mostrou uma cara muito triste ao amigo:

— Oh, eu sinto tanto, Tamchu — disse. Aconteceu uma desgraça, uma grande desgraça! Seus filhos se converteram em macacos!

Tamchu ficou muito triste e chamou os filhos por seus nomes. Imediatamente, apareceram os dois macaquinhos e correram para ele. Tomaram a mão de Tamchu e dançaram à sua volta, como se fossem menininhos. Tamchu ficou desolado e perguntou ao amigo:

— Sonam, que podemos fazer? Como podemos fazer com que estes macacos se convertam de novo em meus filhos?

Sonam mostrou-se pensativo por uns instantes e depois respondeu:

— Isso é fácil, meu amigo, mas vamos precisar de muito ouro,

— De quanto? — perguntou Tamchu.

— De umas duas bolsas de pepitas de ouro, pelo menos,

— Tão logo possa, trarei as bolsas de ouro — disse Tamchu, e saiu correndo para sua casa.

Mais tarde, voltou e deu o ouro ao amigo. Sonam o pegou e disse a Tamchu que esperasse enquanto ele subia ao andar de cima.. No fim de alguns momentos, desceu.

— Aqui estão, Tamchu.. Transformei os macacos em sereshumanos de novo, em seus filhos..

Tamchu ficou encantado por recobrar seus filhos, mas olhou com vergonha para Somam. Logo depois, porem, os dois amigos caíram no riso.'"

Ao terminar a história, o próprio monge começou a rir, ao ver como o fio do papagaio de seu sobrinho havia sido cortado enquanto escutava o relato. Ambos contemplaram o papagaio que flutuava sobre o vale e voava para os dourados telhados de Potala

Fonte:
Jayang Rinpoche. Contos Populares do Tibete. (Tradução: Lenis E. Gemignani de Almeida).

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to