Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Ernesto Von Rückert (1949)

Segundo ocupante da Cadeira 21, eleito a 24 de junho, na sucessão de Alexandre de Alencar, tendo como patrono Visconde de Taunay. Tomou posse na Academia de Letras de Viçosa (ALV), no dia 18 de novembro de 2004, em sessão solene, sendo saudado pelo Acadêmico José Levy de Oliveira.

Nascido no Rio de Janeiro em 1949, filho de Fernando von Rückert (carioca) e Lygia Barbosa von Rückert (gaúcha), funcionários públicos, Ernesto von Rückert foi criado em Barbacena, para onde se mudou aos dois anos. Fez seus estudos primários (séries iniciais do Ensino Fundamental) no Grupo Escolar Pio XI e o Ginásio (séries finais do Ensino Fundamental) e o Científico (Ensino Médio) no Colégio Estadual Professor Soares Ferreira, daquela cidade, tendo sempre sobressaído como o primeiro aluno da turma, pelo que recebeu premiações em suas formaturas.

Sendo seu avô paterno austríaco, sua avó paterna portuguesa, seu avô materno baiano, sua avó materna gaúcha e ele criado em Minas Gerais, adquiriu uma pluralidade muitas vezes conflitante de modos de viver, que assimilou com proveito.

Em sua juventude participou como militante da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), tendo sido Congregado Mariano e católico fervoroso. Abandonou a TFP em 1970 por dissidência ideológica com seus princípios.

Licenciou-se em Matemática em 1971 pela Faculdade de Filosofia de Barbacena, hoje pertencente à UNIPAC e completou o bacharelado como aluno especial na Universidade Federal de Viçosa (UFV), em 1978. Em 1982 concluiu o mestrado em Física, na área de Cosmologia e Gravitação, no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), no Rio de Janeiro.

Desde o primeiro ano da faculdade passou a lecionar, tendo sido professor da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), da Escola Agrícola Diaulas Abreu e da Faculdade de Filosofia da UNIPAC, em Barbacena, da Faculdade de Filosofia da hoje Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) e da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em 1976 veio para Viçosa como professor do Departamento de Física da UFV, onde permaneceu até sua aposentadoria como Professor Adjunto em 1996. Na UFV participou da criação do Curso de Física, do qual foi coordenador, exerceu as funções de Chefe do Departamento de Física, Presidente do Conselho de Graduação (cargo atualmente denominado Pró-Reitor de Ensino), Presidente da Comissão do Vestibular e Assessor e Chefe de Gabinete do Reitor. Durante esse tempo lecionou Física Geral, Mecânica Clássica, Eletromagnetismo, Ótica, Estrutura da Matéria, Física Quântica, Física Estatística, Teoria da Relatividade e Métodos Matemáticos da Física, tendo formulado o currículo e o programa de 21 disciplinas do Bacharelado em Física. Desde 1997 é professor do Colégio Anglo de Viçosa, do Ensino Médio, sendo, desde 1999, seu Vice-Diretor. Ao longo de sua carreira, ministrou mais de 11 mil aulas no Ensino Médio e mais de 7.500 aulas no Ensino Superior.

Nessa atividade escreveu e publicou inúmeras apostilas e monografias, na EPCAR, na UFV, no CBPF e no ANGLO.

Como pesquisador tem trabalhos publicados na área de Teoria da Relatividade Geral, tendo orientado trabalhos de iniciação científica no assunto.

Foi homenageado dos formandos do Colégio Anglo e seis vezes do Curso de Física da UFV, tendo proferido cinco Aulas da Saudade do mesmo curso e uma do Curso de Matemática.

Proferiu inúmeras palestras e ministrou vários cursos de extensão.

Tem dois filhos de seu primeiro casamento: Érika Alessandra (1978 - Engenheira de Alimentos, Especialista) e Dimitri Aleksander (1981 - Médico Veterinário, Mestranda). De seu segundo casamento, com Maria de Fátima Resende, tem quatro enteados(as): Adla (1980 - Economista Doméstica, Mestranda), Amanda (1982 - Licenciada em Letras), Márcio (1984 - Graduando em Cooperativismo) e Mayra (1986 - Pré-Vestibulanda).

Desde cedo demonstrou seu pendor pelas artes, tendo estudado piano por três anos e feito algumas composições juvenis, pintado algumas telas a óleo e escrito poesias, que tenciona reunir e publicar brevemente. Iniciou sua biblioteca e sua discoteca clássica ainda na adolescência, tendo a isso dedicado parcela significativa de seus proventos, o que lhe possibilitou reunir quase seis mil volumes de livros e três mil discos. Sua paixão, no entanto, é a Filosofia, a que sempre dedicou boa parte do seu tempo de leituras e estudos. Outra de suas atividades é a informática, de que já ministrou vários cursos avançados sobre planilha de dados, computação gráfica e computação algébrica, além de desenvolver programas e criar ilustrações.

Avesso a qualquer tipo de rótulo revela ser um livre pensador cético e racionalista, vendo tanto o lado humanista da ciência como a face científica do humanismo. Sua postura essencialmente ética inspira-se no estoicismo, todavia fundindo-se dialeticamente com a visão epicurista de uma pessoa que crê na felicidade como o bem superior da existência, enquanto luta pela prevalência do bem e pela maximização da felicidade do maior número de seres e a disseminação da beleza em todos os aspectos da vida. Igualitário ao extremo considera que a sociedade não pode distinguir, nos direitos, nos deveres e em qualquer outro aspecto, as pessoas pelo sexo, raça, crença, opção sexual, origem, riqueza ou o que seja que as diferencie. No aspecto político defende a utopia ácrata e todos os esforços no sentido de alcançá-la objetivamente no futuro. Atualmente não professa nenhuma religião, mas permanece na incansável busca do entendimento do Universo e da verdade real sobre todas as coisas.

Nesse caminho aprecia a maravilha do mundo, a beleza da arte e da ciência, o prazer do amor, fazendo do seu trabalho um lazer e o máximo possível para ajudar a todos de todas as maneiras, engajando-se na disseminação da arte, da cultura e da ciência, especialmente para a juventude menos favorecida. Produz e apresenta semanalmente um programa de Música Clássica na Rádio FM Universitária da UFV.

Fonte:
www.alv.org.br/portal/userinfo.php?uid=20

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to