Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 12 de julho de 2013

IZO GOLDMAN, por ele mesmo



É tão "soft" o meu vizinho,
seu "cooper" tão devagar,
que até correndo sozinho,
chega em segundo lugar...

    Nasci  em  Porto  Alegre, em 06 /11/1932, filho  de Alberto e Esperança Goldman, estudei no Colégio Julio de Castilhos até os 12 anos quando, por motivos familiares, mudei-me para São Paulo.

    Em São Paulo estudei no Liceu Pasteur e no Colégio Vera Cruz, mas não cheguei a completar o científico, como era chamado na época.

    Mais tarde  trabalhei  na  loja de meu pai  até que, querendo independência, fui trabalhar na Texaco no controle de distribuição de combustível.

    Sai da Texaco para casar e montar um armazém de secos e molhados; tendo dois filhos Márcio e Hélio; vendi o armazém e fui trabalhar como propagandista no Laboratório Pfizer onde passei a Supervisor e Gerente de Filial.

    Por motivos pessoais mudei-me para Niterói e, ainda dentro do ramo, trabalhei no Instituto Fontoura, fabricante do Biotônico  Fontoura, como Gerente de Filial e posteriormente, voltando a São Paulo fui Gerente de Vendas da Revlon e depois da Yardley  no  ramo de perfumaria e cosméticos.

    Com estas colocações acabei conhecendo grande parte do Brasil.

    Separado de minha esposa, tive uma companheira e, com ela, dois filhos Ivan e Tatiana.

    Com a mudança para Niterói propiciei meu começo na Trova, de uma forma curiosa: dava um Curso de Chefia e Liderança para jovens no Clube Hebraica .

    Ao  mesmo tempo a Trovadora Madalena Léa fazia, no Clube, palestras sobre Psicologia Infantil, onde os pais se queixavam de que ela só dava razão para as crianças.

    Certo  dia, Madalena ainda não havia chegado e passando pela sala, deixei um recado:

Esta seria uma cena
de não se esquecer jamais,
ver a dona Madalena
dar razão aos pobres pais...

    Quando ambos saímos de nossas  reuniões, nos encontramos e a conversa foi até  quase  meia noite.
   
Madalena  me explicando o que era a Trova e a UBT e insistindo para que eu entrasse na UBT-Seção Rio de Janeiro.

    O problema é que as reuniões da UBT-Rio  eram domingos à tarde e eu jogava futebol de salão pela manhã, então ficava difícil jogar, almoçar, ir para as barcas, atravessar para o Rio  e,  ainda tomar condução  até  o  local  da  reunião.

    Era muito para mim!

    O tempo passou  e  em  outubro de 1972 houve eleições, eu que só lia os jornais do Rio, tive que comprar o “Fluminense” de Niterói, para ver onde votava.

    Depois de votar, fiquei folheando o jornal e me deparei com a seguinte matéria: “Trovadores de Niterói fazem seu Concurso”.

    Li, achei  interessante,  lembrando Madalena Léa e resolvi concorrer.

    Mandei cinco Trovas no Tema “Tiradentes”, sendo três de pé quebrado!

Em  novembro  recebi  a  comunicação de que havia ganho uma Menção Honrosa!

Fui  à festa de entrega de prêmios, no Teatro Municipal de Niterói, e fiquei encantado, embora não conhecesse ninguém; ouvi alguém comentar de um Concurso em Curitiba e, curioso, aproximei-me de um Trovador alto, trajando calça preta, camisa branca e paletó azul.

-“O Senhor é de Curitiba?”

Ele me olhou, lá do alto, como se fosse um pecado eu não saber de onde ele era, e respondeu:

-“Eu sou da UBT Nova Friburgo”.

Era Rodolpho Abbud de que mais tarde me tornei amigo.

Mas descobri que o Tema Humorístico em Curitiba era “Biquini”.

Resolvi concorrer e mandei cinco das minhas “Trovas”, sendo três de pé quebrado.

A Presidente da UBT-Curitiba era Vera Vargas que usava os  Concursos  para descobrir “Novos Trovadores “ da seguinte forma: quando aparecia um nome “Novo” ela passava um telegrama:

“Parabéns! Você foi premiado nos Jogos Florais de Curitiba.    

Procure.................(dava o nome do Delegado ou Presidente da Seção de onde era o premiado)!

    Isto fazia com que o Delegado ou Presidente “trouxesse para a UBT o novo Trovador.

    Recebi um telegrama assim, constando o nome de Milton Nunes Loureiro e, fui procurá-lo: eu havia ganho uma Menção Honrosa em “Biquini”!

    Fiquei todo feliz e pensei vaidosamente:

     - “Eu  sou bom mesmo! Dois Concursos e duas premiações!

    Depois descobri que não era bem assim, eu tinha que aprender muito!

    Passei  a  freqüentar as reuniões na casa do Milton, junto com Manita, Sávio Soares de Souza e outros Trovadores.

     Percorri  todos os “sebos” de Niterói e do Rio procurando, comprando livros de Trovas ou sobre a Trova.

     Na época, como Gerente de Vendas de uma multinacional, eu viajava muito, Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Salvador, Recife e Belém e em todas estas cidades eu garimpei livros de ou sobre a Trova.

    Assim, fui formando  minha modesta biblioteca de Trovador e também a realmente fazer Trova.

    Hoje, decorrido quase 40 anos, tenho cerca de 700 ou 750 Trovas premiadas:

sou Magnífico Trovador na UBT-Nova Friburgo;
Emérito Trovador na UBT – Pouso Alegre e
possuo o Prêmio “Lilinha Fernandes” da UBT Porto Alegre;
em 2000 fiz um livro: “Trovas de quem ama a Trova”, com 300 Trovas, que se encontra esgotado.
   
Creio que minha maior contribuição para o Movimento Trovadoresco foram as inúmeras Oficinas de  Trova que fiz e alguns Concursos onde fui o Organizador; tendo feito também um “Jogral de Trovas” apresentado em diversos lugares sempre com muito sucesso.

    Por volta da 1977 mudei-me para São Paulo, com a recomendação do Presidente Nacional da UBT de organizar a Seção Local.

    Cheguei a São Paulo com uma lista de nove Trovadores: três já haviam falecido, três tinham mudado de endereço e três não ouviam falar há muito tempo da UBT!

    O “Presidente da Seção” era Antonio Lafayete, substituindo Tereza Cavalheiro que havia deixado a Seção.

    O Lafayete era Vice-Presidente da Casa do Poeta, onde não se falou nenhuma palavra sobre Trova; ao final da reunião fui conversar com o “Presidente”, me apresentei e, ele, muito feliz disse que poderíamos incentivar a Trova em São Paulo.

    Mas, depois de três meses descobri que nada se fazia pela Trova.

    Em contato com o Presidente Estadual mostrei a situação.

    Ele tentou de tudo para que movimento deslanchasse, mas não conseguiu nada.

    A solução drástica foi desativar a Seção e criar no seu lugar uma Delegacia, e nomear um Delegado.

    Comecei a trabalhar e alguns meses depois fiz uma reunião em minha casa, com nove Trovadores.

    Em 1977 comecei a fazer circulares com os Concursos em andamento e, finalmente, em agosto de 1978 saiu o primeiro número do “Informativo”.

    Ainda em 78 fizemos um Concurso para Novos Trovadores com o Tema Trova ( Lírica e Humorística); recebemos 83 Trovas e os vencedores foram, em Trovas Líricas: - Alice B. de Oliveira; Fernando A. Costa (3) Maria Luiz M. Campos; Maristela Giorgi e Regina Melillo de Souza (4).

    Em Humorísticas: Fernando A. Costa, Maria Luiza M. Campos e Maristela Giorgio.

    Continuamos em 1978, foi feita uma circular para colher dados e sugestões dos Trovadores, muito bem aceita e respondida por todos que a esta altura, já era dezesseis.

    Em março de 1979 fizemos o I Concurso Nacional. Tema: Comunidade; e, em maio sai “oficialmente” o Nº 1 do Informativo.

    Em novembro, dia 10, de 1979, uma Reunião Especial elevando a Delegacia a Seção com as presenças de Carolina Ramos ( Presidente Regional da UBT); Dias Monteiro ( Presidente Estadual da UBT), ao mesmo tempo foi feita a eleição da Diretoria da Seção e, eu fui eleito Presidente; houve 28 Trovadores presentes.

    Em outubro de 79 foi criada a categoria de “Assinante do Informativo” que começou logo com vinte assinantes.

    E assim a história continua,

    em setembro de 1981 fui eleito Presidente Estadual da UBT;            

em 1981 o Concurso Nacional de Trova “Monteiro Lobato” e

    em 1982 o Concurso Intersedes e a publicação de uma ficha completa, para atualizar o arquivo da UBT, além da criação da UBT São Bernardo do Campo e início da publicação de Trovas, uma página inteira, na Drogazeta.

    Em setembro o Concurso de Trovas da Drogazeta (Drogasil); e, Tarde da Trova, no Terraço Itália, de onde foram jogadas 300 Trovas Coloridas sobre São Paulo.

    Em setembro artigo citando o Sr. Eno Teodoro  Wanke e refutando suas opiniões sobre a UBT . (Falando de Trova) Informativo Nº 52.

    Ia esquecendo, em julho de 1981 conseguimos junto à ECT a emissão e uso de um carimbo comemorativo do “Dia do Trovador”.

    Em outubro de 1982, reeleito Presidente da Seção São Paulo.

    Abril de 1983, Nº 58, artigo contra a criação de uma Associação Nacional de Trovas por Eno Theodoro Wanke.

    Em Agosto de 1983 o I Concurso Nacional de Trovas de São Paulo.

    Já indo mais adiante, foram Presidentes da UBT –São Paulo, Thalma Tavares, Domitilla Borges Beltrame e atualmente Selma Patti Spinelli.

    Uma curiosidade: possuo uma coleção de imagens não religiosas de São Francisco de Assis, Padroeiro dos Trovadores, pela admiração que tenho à uma das maiores figuras que o mundo já conheceu.

    Minha contribuição pelo Movimento Trovadoresco deve ser julgado pelos Trovadores do Brasil, será mais justo.

    O que eu não conseguí  é o sonho de todos os Trovadores do Brasil: uma sede própria para a UBT-Nacional. Isto é claro, teria o problema de troca do Presidente Nacional mas, é um sonho, e não é proibido sonhar!

Fonte:
União Brasileira de Trovadores do Estado de São Paulo

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to