Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 31 de julho de 2016

Folclore Japonês (A História da Princesa Hase)

Muitos e muitos anos atrás, vivia em Nara, a antiga capital do Japão, um sábio ministro imperial, o Príncipe Toyonari Fujiwara. Sua esposa era uma mulher de origem nobre, gentil e com uma beleza exuberante, chamada Murasaki hime (Princesa Violeta).

Toyonari e a bela Violeta casaram  quando muito jovens ​​por suas respectivas famílias, de acordo com o tradicional costume japonês, e viveram juntos e felizes desde então. Tinham, no entanto, um motivo de grande tristeza, com o passar dos anos nenhuma criança nasceu. Isso os tornara muito infelizes, pois tanto ansiavam por um filho que cresceria para alegrar sua velhice, levar o nome da família adiante, e perpetuar seus ritos ancestrais.

O príncipe e sua adorável esposa, depois de muito tempo de consulta e de muito pensar, decidiram fazer uma peregrinação ao templo de “Hase-no-Kwannon” (Deusa da Misericórdia de Hase), eles acreditavam, de acordo com a tradição de sua religião, que a Mãe da Misericórdia, Kwannon, vem para responder as orações dos mortais na forma que eles mais precisam. Certamente, depois de todos estes anos de oração, ela viria a eles na forma de um filho amado, em resposta à sua peregrinação especial, pois essa era a maior necessidade de suas vidas. Pois eles tinham tudo o que esta vida poderia dar-lhes, mas era tudo tão nada, porque o grito de seus corações era insatisfeito.

Crentes, o príncipe Toyonari e sua esposa iniciaram sua peregrinação rumo ao templo de Kwannon em Hase, e lá ficaram por um longo tempo. Todos os dias faziam ofertas com incensos e oravam a Kwannon, a Mãe Celestial, a conceder-lhes o desejo de toda suas vidas. Até que, suas preces foram atendidas…

A filha da princesa Murasaki finalmente nasceu, e grandiosa foi a alegria de seu coração. Ao apresentar a tão desejada criança a seu marido, ambos decidiram nomeá-la de Hase-Hime, ou princesa Hase, pois ela fora concebida com as bençãos da deusa Kwannon do templo de Hase.

Os dois criaram-na com muito amor e carinho, a vida de Hase parecia um conto de fadas, e a criança cresceu em força e beleza.

Tudo parecia maravilhoso para a pequena princesa Hase, até que o tempo fugaz parou, quando ela tinha apenas cinco anos de idade e sua mãe caiu gravemente doente, tendo seu tempo interrompido neste mundo. Um pouco antes de dar seu último suspiro, chamou a princesa, e acariciando gentilmente a cabeça de sua tão amada filha, disse-lhe:

“Hase, você sabe que sua mãe não pode viver por muito mais tempo? Apesar de minha morte, você deve crescer como uma boa menina. Faça o seu melhor para não dar problemas ao seu pai ou qualquer outro membro da família. Talvez seu pai se case novamente um dia e alguém preencherá o meu lugar deixado como sua mãe. Se isso acontecer… prometa não chorar por mim, mas olhar para a segunda esposa de seu pai como sua verdadeira mãe, e ser obediente e uma boa filha a seu pai. Lembre-se que você já é uma menina crescida e deve respeitar seus superiores, e ser gentil com todos aqueles que estão abaixo de você. Não se esqueça disso. Eu morro com a esperança de que você vai crescer como modelo de uma grande mulher”.

Hase-Hime ouviu em uma atitude de respeito, enquanto sua mãe falava, e prometeu fazer tudo o que lhe foi dito.  E assim, Hase-Hime cresceu como sua mãe tinha desejado, uma boa e obediente princesa, embora ainda muito jovem para entender quão grande era a perda de sua mãe.

Não muito tempo depois da morte de sua primeira esposa, o príncipe Toyonari casou-se novamente, com uma mulher de origem nobre, Princesa Terute, e levou sua nova esposa e seu filho para morarem em seu casarão. O pedido da Princesa Murasaki seria posto à prova, pois a princesa Terute era uma mulher má com um coração perverso e invejoso em relação a menina que não era dela.

“Hase-Hime, depois do jantar você vai terminar suas lições. Ajude os criados a lavar os pratos, limpar o chão, engomar as roupas e logo em seguida deve se retirar a seus aposentos. Vá para a cama, pois você terá mais que aprender amanhã.” Princesa Terute presunçosamente ordenava.

Confusa, Hase-Hime respondeu: “Mas mãe, eu já ajudei a limpar o chão.”

“Bem, deve fazê-lo novamente e não chamar-me de mãe! Você não é minha filha.”

Mas Hase-Hime respondia a cada indelicadeza com paciência e obediência, assim como sua mãe havia lhe ensinado, de modo que sua madrasta não teria motivos para queixar-se contra ela. Com a morte de sua mãe, foi deixada a jovem Hime, o desejo de tornar-se uma mulher forte e gentil. Então, Hase-Hime resignadamente obedecia, esfregava o chão pela segunda vez, limpando os pratos, engomando as roupas e logo em seguida retirava-se para a cama.

Sozinha em seu quarto, ela se distanciava de toda sua dor envolvendo-se em poesia e música. Era um alento para ela, ser capaz de gravar seus pensamentos e orações nas artes. Quando a temerosa madrasta esquecia de sua existência, Hase-Hime passava horas praticando o koto, “tradicional harpa japonesa”, e no aperfeiçoamento de seus versos poéticos. Uma capacidade que a fez destacar-se rapidamente. Aos doze anos de idade, boatos de suas grandes performances alcançou o mais real dos lugares, o Palácio Imperial.

Foi na primavera, durante o Hanami, o Festival das Flores de cerejeira, quando houve uma grande festa na corte. A madrasta, sonhando em ter mais poder, escoltou pessoalmente Hase Hime até o Palácio, para uma apresentação especial ao Imperador. Estando lá, foram surpreendidas com o esplendor da arquitetura do nobre reino. Músicos tocavam nos pátios ricamente ornados, e o brilho do sol reluzia em tudo de uma maneira que  nunca tinham imaginado ser possível.

O Imperador desfrutando da temporada, ordenou que a princesa Hase tocasse o koto, e que Terute, sua madrasta,  a acompanhasse na flauta.

Hase-Hime tinha impressionante talento com a música e, embora tão jovem, muitas vezes surpreendia seus mestres. Nessa ocasião solene não foi diferente, ela tocou perfeitamente a harpa japonesa, mas Terute, uma mulher preguiçosa e vaidosa, que nunca se dava ao trabalho de praticar sua arte, falhou em seu acompanhamento e teve de solicitar a uma das damas da corte para tomar seu lugar.

Esta foi uma grande humilhação, a madrasta furiosa, sentiu inveja ao pensar que ela tinha falhado onde sua enteada havia sido bem sucedida, e para piorar a situação, o Imperador passou a enviar belos presentes para a jovem Hime, para recompensá-la pelo talento e a bela apresentação que fez no Palácio.

Havia também outra razão pela qual Terute odiava cada vez mais a filha do Príncipe Toyonari, nas profundezas de seu coração não parava de dizer:

“Se Hase-Hime não estivesse aqui, meu filho teria todo o amor e atenção de seu padrasto.”

Sem conseguir se controlar, permitiu que este pensamento ímpio continuasse a crescer e transformar-se em um terrível desejo de tirar a vida de sua enteada.

Então, um dia, ela secretamente ordenou a um de seus criados, misturar veneno em um pouco de suco doce. O licor envenenado ela colocou dentro de uma garrafa, e em outra garrafa semelhante ela derramou um pouco do liquido bom  e esperou uma oportunidade para executar seu plano maléfico.

Esta não demorou a apresentar-se, foi durante o Festival dos meninos no quinto dia de maio, quando Hase-Hime estava brincando com seu irmão mais novo. Todos os seus brinquedos de guerreiros e heróis estavam espalhados e ela contava-lhe histórias maravilhosas sobre cada um deles. Ambos estavam se divertindo e rindo alegremente com seus camareiros, quando sua mãe entrou com as duas garrafas de suco de uva e alguns deliciosos bolos…

“Vocês dois parecem felizes!”, Disse a Princesa Terute com um sorriso, “Para comemorar, eu trouxe um pouco de suco doce e alguns bolos deliciosos de arroz para os meus bons filhos”.

E ela encheu dois copos de diferentes garrafas…

Ela havia marcado cuidadosamente a garrafa envenenada, mas estava nervosa ao entrar no quarto, deixando derramar o licor, e inconscientemente entregou o cálice envenenado para o seu próprio filho.

Por todo esse tempo ela estava a observar ansiosamente a pequena princesa, mas para sua surpresa o rosto da jovem não mudava de expressão. De repente, o menino começou a gritar e jogou-se no chão, dobrando-se de dor. Sua mãe desesperada correu a socorrer, tomando a precaução de entornar os dois pequenos frascos de suco que ela havia trazido para a sala. Os criados correram a levar o menino até o médico, mas nada poderia salvá-lo, a criança morreu dentro de uma hora nos braços de sua mãe.

Assim, na tentativa de acabar com a vida de sua enteada, a mãe foi punida com a perda de seu próprio filho. Mas, em vez de culpar a si mesma, começou a odiar Hase-Hime mais do que nunca, na amargura e miséria de seu próprio coração, ela esperava ansiosamente por uma nova oportunidade para concluir a sua maldade.

Quando Hase-Hime completou treze anos, já era mencionada como uma poetisa de grande mérito. Esta era uma realização muito cultivada na época e tido em alta estima pelas mulheres do Japão antigo.

Por esse tempo, era período das chuvas em Nara, e os estragos das inundações eram relatados todos os dias. O rio Tatsuta, que corria pelos jardins do Palácio Imperial, transbordou além de suas margens, e o rugido das correntes de água correndo ao longo de um estreito leito, perturbava dia e noite o Imperador, o resultado, foi um distúrbio nervoso grave. Um edito imperial foi enviado para todos os templos budistas comandando aos sacerdotes oferecer orações contínuas ao Céu para parar o barulhento  dilúvio. Mas isso de nada adiantou.

Nessa época, corria a fama de Hase nos círculos sociais da corte e não demorou para que comparassem seu talento a lendária Ono-no-Komachi. Diziam que há muito tempo, a bela e talentosa donzela-poetisa Ono-no-Komachi tinha movido o céu, rezando em verso, trazendo a chuva sobre a terra sofrida com  a seca e a fome.

Os ministros do Imperador começaram a cogitar sobre o feito, e na possibilidade da talentosa Hase também escrever um poema ofertando-o aos céus, e quem sabe cessar o barulho da tormentosa enchente e acalmar a causa da doença Imperial? O que o Tribunal especulou finalmente chegou aos ouvidos do próprio imperador, e ele enviou uma ordem para o ministro Príncipe Toyonari para o efeito.

Grande, em verdade foi o medo e espanto de Hase-Hime, quando seu pai disse-lhe o que era exigido dela. Pesado, na verdade, era o dever que foi colocado sobre seus jovens ombros, o de salvar a vida do Imperador pelo mérito de seus versos.

Finalmente, passado um tempo, chegou o dia e seu poema foi concluído. Ele foi escrito em um folheto de papel fortemente salpicado de ouro em pó. Então, junto a seu pai, atendentes e alguns dos funcionários do Tribunal do Império, ela rumou até a torrente que ruge.  Diante da furiosa corrente, elevou o seu coração ao céu,  leu o poema que havia composto em voz alta, levantando-o para as alturas em suas mãos.

Estranho de fato, pareceu a todos aqueles que assistiam em pé. As águas subitamente cessaram o seu rugido,  e em resposta direta a sua fervorosa oração o tormentoso rio aquietou-se. Depois disso, o Imperador logo recuperou sua saúde.

Sua Majestade ficou muito contente, e mandou buscá-la para o Palácio a recompensando com o posto de Chinjo-o. A partir daquele momento, ela foi chamada Chinjo-hime, ou a princesa tenente-general,  respeitada e amada por todos.

Havia apenas uma pessoa no reino que não estava satisfeita com o sucesso de Hase, sua madrasta. Sempre pensando sobre a morte de seu próprio filho, a quem ela havia matado ao tentar envenenar a princesa, ela teve a mortificação de ver a sua ascensão ao poder e honra marcado por um favor imperial e a admiração de todo o Tribunal. Sua inveja e ciúmes queimava em seu coração como fogo.

Por fim, a madrasta aproveitando a oportunidade da ausência de seu marido, ordenou a um dos seus antigos servos que levasse a menina para as montanhas de Hibari, a parte mais selvagem do reino, e a matasse.

Katoda, seu vassalo, foi obrigado a obedecer. De qualquer forma, temendo pela vida de Hase, ele viu que seria o plano mais sábio, fingir obediência na ausência do pai da menina. Então numa madrugada fria, sabendo que ela era inocente, colocou Hase-Hime num palanquim e acompanhou-a para o lugar mais solitário que se poderia encontrar no distrito selvagem, determinado a salvar sua vida. Com a ajuda de alguns camponeses logo ele construiu uma pequena cabana afastada, e dois bons idosos se prontificaram a fazer de tudo para proteger a princesa. Hase, informada sobre a perversa intenção de sua madrasta, acreditava que seu pai sairia em sua busca, assim que voltasse para casa e a encontrasse ausente.

Príncipe Toyonari, depois de algumas semanas, finalmente voltou para casa, e logo foi recebido por sua esposa que o informou que sua filha tinha feito algo horrível e fugiu por medo de ser punida, nenhum dos empregados sabiam o porquê e nem para onde Hase havia ido. Toyonari, por medo de um escândalo maior, manteve o assunto em segredo e procurou pela princesa por todo o reino e em todos os lugares que ele poderia imaginar.

Um dia, tentando esquecer sua grande preocupação, chamou todos os seus homens e disse-lhes para se prepararem para uma caçada nas montanhas Hibari. A comitiva seguiu para as montanhas com o príncipe à frente os liderando, e, finalmente, encontraram-se em um pitoresco e estreito vale.

Olhando em volta a admirar a paisagem, notou uma pequena casa em uma das colinas, e então ele ouviu claramente uma leitura em uma alta e bela voz. Apreendido com curiosidade a respeito de quem poderia estar estudando tão diligentemente em um lugar tão distante e solitário, deixou seu cavalo, e caminhou até a encosta, acercando a casa de campo. Enquanto se aproximava sua surpresa aumentou, pois ele podia ouvir que o leitor era uma jovem menina e sua voz, estranhamente, lhe soava  familiar. A cabana estava aberta e ela estava sentada de frente para a janela. Ele ouviu a leitura das escrituras budistas com grande devoção. Mais e mais curioso, ele apressou-se para o pequeno portão adentrando em um exuberante jardim,  olhando para cima no balcão da janela, viu extasiado, ninguém menos que sua amada filha desaparecida, a bela Hase.

“Hase!!!”, ele gritou: “É você, minha pequena Hase?”

Pega de surpresa, ela mal podia acreditar que era o seu próprio e querido pai que a chamava, e por um momento, mal pode falar ou se mover.

Correndo para seus braços, ela se agarrou a sua espessa manga, e escondendo o rosto explodiu em uma paixão de lágrimas. Seu pai acariciou seus longos cabelos negros, perguntando se não estava realmente a sonhar.

Então o velho e fiel servo Katoda saiu de dentro da velha cabana, e curvando-se ao chão, derramou toda a verdade sobre o ocorrido, dizendo-lhe tudo em detalhes.

O espanto e indignação do príncipe não conheciam limites. Desistindo da caçada, correu para casa com a filha. Uma das empresas galopou à frente para informar a família da notícia feliz, e a madrasta ao ouvir a notícia, com medo de encontrar o marido agora que sua maldade fora descoberta, fugiu do palácio  e retornou em desgraça a casa  de seu pai, e nada mais se ouviu falar dela.

O velho servo Katoda foi recompensado com a maior promoção a serviço de seu mestre, dedicado à princesinha, que nunca se esqueceu que devia sua vida a este retentor fiel. Ela já não mais estava preocupada com sua madrasta cruel, e os seus dias passaram-se ​​ tranquilamente na companhia de seu pai.

Como Príncipe Toyonari não tinha filho, ele escolheu um jovem  nobre da corte para se casar com sua filha Hase, tornando-o seu herdeiro, e em poucos anos, o casamento ocorreu. Hase-Hime viveu até uma idade avançada, e todos disseram que ela era a mais bela e sábia que já havia reinado na antiga casa do príncipe Toyonari. A virtuosa princesa teve a alegria de apresentar a seu pai,  seu filho, o futuro senhor da família.

Este dia foi retratado, um pedaço da obra tecido a agulhas é preservado em um dos templos budistas de Kyoto. É uma bela peça de tapeçaria, com a figura de Buda bordado nos fios sedosos extraídos do caule de lótus. Isto, é dito ter sido o trabalho feito pelas mãos da bela e doce Princesa Hase…

Fonte: Japanese Fairy Tales de Yei Theodora Ozaki, in Caçadores de Lendas

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to