Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Folclore Japonês (O Cortador de Pedras)

Esta é uma história contada nas antigas aldeias e povoados da Terra do Sol Nascente. O velho conto do cortador de pedras e a cobiça, o confronto moral numa singela narrativa cheia de simbologia e ensinamento…

Era uma vez um cortador de pedras que morava em uma pequena aldeia entre as montanhas, um grande conhecedor de diferentes tipos de pedras e seus diversos propósitos, todos os dias percorria um longo caminho até as montanhas, por ser um trabalhador habilidoso e dedicado tinha muitos fregueses. Por um longo tempo esteve contente vivendo uma vida cheia de felicidade, e jamais imaginou pedir nada melhor do que aquilo que já havia conseguido.

Na aldeia onde vivia, diziam os boatos que alguns homens haviam visto na montanha um espírito que os trouxera riqueza e prosperidade. Um dia, o pedreiro levou uma  para a casa de um homem rico, e viu ali todos os tipos de coisas bonitas, das quais ele nunca tinha sequer sonhado. De repente, seu trabalho diário parecia crescer mais e mais pesado, e ele disse para si mesmo: “Ah, se eu fosse um homem rico, e pudesse dormir em uma cama com cortinas de seda e orlas de ouro, o quão feliz eu deveria ser?”.

E uma voz respondeu-lhe: “Seu desejo foi ouvido, e um homem rico, você deve ser!”.

Ao som da voz do cantante olhou ao redor, mas não viu ninguém. Ele pensou que era toda a sua fantasia, pegou suas ferramentas e foi direto para casa, já que não se sentia inclinado a fazer mais nenhum trabalho naquele dia. Mas quando chegou à pequena casa onde morava, ele completamente em espanto, viu que em vez de sua velha cabana de madeira, era, agora, um palácio imponente preenchido com um mobiliário esplêndido, e o mais esplêndido de tudo foi a cama, em todos os aspectos como a que ele tinha invejado. Ele estava quase fora de si de tanta alegria, e em sua nova vida o antigo logo foi esquecido.

Era agora o início do verão, e a cada dia que passava o sol brilhava mais intensamente. Certa manhã, o calor era tão intenso que o ex cortador de pedras mal podia respirar, ele determinou que deveria ficar em casa até anoitecer. O pedreiro se tornou uma pessoa bastante aborrecida, pois nunca se diverti. Ao tentar espiar através das cortinas fechadas para ver o que estava acontecendo lá fora, avisou uma  carruagem, acompanhada de muitos servos vestidos com elegantes uniformes azuis e pratas. No transporte sentava um príncipe, e sobre a sua cabeça um guarda-chuva de ouro para protegê-lo dos raios do sol.

“Oh, se eu fosse um príncipe!” disse o pedreiro para si mesmo, enquanto a carruagem desaparecida ao virar a esquina. “Oh, se eu fosse um príncipe, poderia ter a minha própria carruagem e um guarda-chuva de ouro para me proteger desse intenso sol, o quão feliz eu deveria ser?”.

E um príncipe ele se tornou. Acompanhando sua carruagem soldados montados a cavalo, muitos criados a seu dispor vestidos de vermelho e dourado, um guarda-chuva cobiçado foi erguido sobre sua cabeça, tudo o que seu coração poderia desejar era dele. Mas ainda não foi o suficiente.

Ele olhou ao redor, ainda pensando em algo a desejar, e quando viu que, apesar de ter derramado água sobre a grama os raios do sol a fizeram desaparecer, e que, apesar do reluzente guarda-chuva sobre a sua cabeça, a cada dia que passava seu rosto ficara mais coroado e mais coroado. O insatisfeito homem chorou na sua ira: “O sol é mais poderoso do que eu, oh, se eu fosse o sol!”.

E o espírito da montanha respondeu: “Seu desejo foi ouvido, e o sol você deve ser!”.

E o sol ele se tornou, sentiu-se orgulhoso em seu poder. Ele atirou seus raios acima e abaixo, na terra e no céu, ele queimou a grama nos campos e queimou os rostos dos príncipes os deixando como de gente mais pobre, mas em pouco tempo ele começou a se cansar do seu poder, pois não havia nada mais para ele fazer. O descontentamento mais uma vez encheu sua alma, e quando uma nuvem cobriu seu rosto, e escondeu a terra dele, ele chorou novamente na sua ira: “Será que a nuvem que mantém cativos os meus raios, é mais poderosa do que eu? Oh, se eu fosse uma nuvem, mais poderoso do que qualquer um eu seria!”.

E o espírito da montanha respondeu: “Seu desejo foi ouvido, uma nuvem você deve ser!”.

E uma nuvem ele se tornou, estava entre o sol e a terra. Ele cobria os raios do sol e realizou-se, e para sua alegria a terra cresceu novamente verde e as flores floresceram. Mas isso, ainda não foi o suficiente para ele, e por dias e semanas ele  chuva até os rios transbordarem suas margens e as lavouras de arroz ficar alagadas. Cidades e aldeias foram destruídas pela força da chuva, só a grande rocha na encosta da montanha permaneceu impassível. A nuvem foi surpreendida com a visão, e gritou com espanto: “Será que a rocha é mais poderosa do que eu? Oh, se eu fosse a rocha!”

E o espírito da montanha respondeu: “Seu desejo foi ouvido, a rocha você deve ser!”.

E a rocha se tornou, glorificada em seu poder. Orgulhosamente ele estava, e nem o calor do sol, nem a força da chuva poderia movê-lo. “Isso é melhor do que tudo!” disse para si mesmo.

Mas um dia ele ouviu um barulho estranho a seus pés, e quando ele olhou para baixo para ver o que poderia ser, ele viu um homem com ferramentas dirigindo-se em sua superfície. Quando ele olhou um intenso sentimento de tremor correu por todo seu corpo, e o grande bloco se partiu e caiu no chão. Então ele gritou em sua ira: “É apenas um ser da terra! Como pode ser mais forte do que uma rocha? Oh, se eu fosse apenas um homem!”.

E o espírito da montanha respondeu: “Seu desejo foi ouvido, um homem mais uma vez, você deve ser!”.

E um homem ele se tornou, com o suor escorrendo em seu rosto, ele trabalhava novamente em seu comércio de corte de pedras. Sua cama era dura e sua comida escassa, mas havia aprendido a se satisfazer consigo mesmo, e não fez muito para ser algo ou alguém. Por nunca mais ter pedido por coisas que não tinha ou desejado ser maior e mais forte do que as outras pessoas, ele fora um homem feliz. Depois de uma longa e infeliz caminhada, o pedreiro havia finalmente re encontrado a felicidade naquilo que havia deixado para trás, e nunca mais ouviu a voz do espírito da montanha.

Fonte:
Myths and legends of ancient Japan, in Caçadores de Lendas

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to