Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Folclore Japonês (Tokoyo, A filha do Samurai)


Tokoyo é um conto de perigo, amor, sacrifício e aventura do Japão antigo. Conta a lenda que na “Terra do Sol Nascente”, durante a regência de Hojo Takatoki (início do século XIV dC), vivia uma jovem chamada Tokoyo que cresceu com o pai, o samurai Oribe Shima. Eles viviam na província de Shima, onde muitos ganhavam a vida no mar. Os dois viviam muito felizes, e a convivência da jovem menina com os samurais a ensinou a ser forte.

Um fatídico dia, vítima de uma conspiração, o samurai (invejado por muitos por suas habilidades) foi acusado de ser o responsável por agravar a doença do imperador. Assim, ele foi banido para a pequena e distante ilha Kamishima, nas Ilhas Oki. 


Após o triste episódio, Tokoyo, que amava muito seu pai, ficou inconsolável, e determinada a reencontrar a única família que lhe restava. Sozinha em sua antiga casa na província de Shima, Tokoyo chorava dia e noite. Então um dia ela decidiu partir de sua terra em uma jornada para encontrar e resgatá-lo. Primeiro, ela vendeu todos os seus bens a um comerciante local para juntar dinheiro suficiente para a sua empreitada.

A jovem então partiu em sua longa viagem até o litoral de Akasaki, de onde mal podia avistar ao longe a ilha em que se encontrava exilado seu amado pai. Tokoyo tentou convencer os pescadores locais a levá-la até a ilha, mas por não ter dinheiro o bastante para oferecer-lhes, estes se recusaram. Mesmo assim, a determinada menina não desistiu.

O sol já tinha se posto e as estrelas acordado, quando naquela mesma noite, ela encontrou um pequeno e velho barco semi-enterrado e coberto de algas nas areias da baía. Experiente em assuntos do mar, pois quando criança ela costumava mergulhar com as mulheres de sua aldeia para coletar conchas e pérolas, partiu imediatamente rumo à ilha. Foi uma viagem difícil por águas tortuosas com o pequeno barco, mas isso não era nada para a valente Tokoyo.

Ainda estava escuro quando ela chegou à costa. Desembarcando, a jovem passou o dia todo procurando por seu pai na ilha, mas não o encontrou. A noite chegou, e Tokoyo muito cansada e triste decidiu descansar debaixo de uma árvore.

Depois de algumas horas, ela foi despertada pelo som de uma voz feminina que em  soluços pedia: “Não, por favor, você não pode fazer isso! Eu não sou o sacrifício!” Lamentava a voz. “É honroso morrer pela vila, e por causa do dragão. Você deve entender isso.” Respondeu outra figura materializada a partir da crescente escuridão, segurando-a, tentando confortá-la, e, ao mesmo tempo, murmurando orações.

Tokoyo, escondida atrás de um arbusto, avistou uma jovem vestida com uma túnica branca acompanhada de um monge. Eles estavam de pé na beira de um penhasco, e o monge murmurava repetindo: “Namu Amida Butsu.” A menina lutando estava sem fôlego de tanto gritar e brigar, caindo de joelhos, gotas de água salgada refletindo crepúsculo. “Não! Não! Por favor, tenha misericórdia, tenha misericórdia.” Chorava a menina. “Lembre-se! Seu nobre sacrifício, e seu amor vão renascer em gerações vindouras. Você está criando um futuro melhor, querida. Mantenha isso em seu coração, pois este é o seu destino.” Repetia-lhe o sacerdote, que terminando a sua oração, levou a menina até a borda das rochas, e ameaçava empurra-la penhasco abaixo sobre o mar, quando Tokoyo correu em seu socorro.

O monge, diante da abrupta interrupção, tentou responder pacientemente à intervenção de Tokoyo. Segundo o seu relato, uma antiga serpente-dragão chamado Yofune-Nushi, habitava uma caverna nas profundezas dos mares em torno das ilhas Oki. Yofune-Nushi durante décadas aterrorizou as pessoas da ilha e ameaçava  evocar tempestades e destruir a indústria da pesca (única fonte de renda dos aldeões), a menos que lhe sacrificassem uma virgem a cada ano, em 13 de Junho. Dizia-se que, enquanto eles mantivessem a sua parte no sangrento acordo, o temido dragão iria deixar a cidade em paz.

Tokoyo sentiu a injustiça sofrida pelas donzelas diante de um trágico destino, e mesmo angustiada para resgatar seu pai, resignada, ofereceu-se para tomar o lugar da jovem. Vestiu então a túnica branca ofertada pela menina, e saltou do penhasco mergulhando no oceano gelado com um punhal entre os dentes, para o espanto do sacerdote e da garota.

Tokoyo mergulhou cada vez mais fundo, através das águas iluminadas pelo sol que já acordara no céu, lutando contra a sensação gelada que inundava seu corpo. Abaixo, abaixo ela nadou, passando escalas intermináveis de escorregadios peixes de prata, e formações de corais de tirar o fôlego. Afastando-se, ela nadou mais profundamente.

A luz solar que havia preenchido previamente o oceano com um sentimento calorosamente feliz, foi lentamente sendo apagados enquanto nadava mais profundo, até que encontrou uma caverna em uma floresta de algas.

Todo o lugar reluzia com conchas, pérolas e luzes fosforescentes. Na entrada da caverna havia uma pequena estátua de Hojo Takatoki. Tomada pela raiva que sentia do Imperador por banir seu pai do reino, seu primeiro instinto foi destruir a escultura, mas decidiu que seria melhor levá-la primeiro para a superfície. Tokoyo então a atou a seu cinto, preparando-se para emergir, quando vislumbrou uma imagem imensa surgindo das profundezas da caverna.

Era Yofune-Nushi, o temido Dragão. Ele tinha a forma de uma cobra, mas com chifres dourados, pernas e as escamas fosforescentes, com aproximadamente 26 pés de comprimento e olhos de fogo. Presumindo que Tokoyo fosse a oferenda, ele ondulou lentamente em direção a ela a atacando.

Tokoyo não se intimidou com seu tamanho, e corajosamente colocou-se em posição de defesa desviando do ataque da fera. A valente tirava vantagem de sua agilidade, e num golpe rápido ela mergulhou a adaga no olho da ameaçadora criatura. Cego com o sangue que jorrava de seu olho e cambaleante de dor, o dragão tentou retornar para a caverna, mas Tokoyo, destemida, o perseguiu. Mais uma vez, a jovem e o Dragão se enfrentaram em um embate, e a  brava Tokoyo aproveitando-se de sua cegueira continuou a atacá-lo o atingindo no lado inferior vulnerável de seu pescoço. Por fim, não resistindo a agilidade dos golpes da jovem aprendiz de samurai, o vil Yofune-Nushi foi morto. Bolhas de sangue tingiram a água do mar.

Sentindo seus pulmões queimarem sem ar, Tokoyo acelerou sua subida a superfície. A valente guerreira, saindo das águas, arrastou-se sobre a terra, onde ela caiu fraca e cansada na areia. O monge e a garota correram em direção a ela, e não podiam acreditar que ela vencera a fera. O grande Dragão foi morto!

O sacerdote levou Tokoyo para a aldeia, e a notícia de seu heroísmo se espalhou rapidamente. A notícia chegou ao Imperador, que agora se encontrava bem e saudável. Logo perceberam que a magia do dragão Yofune-Nushi amaldiçoou sua imagem na forma da estátua sob o oceano, e quando Tokoyo matou o dragão e recuperou a escultura, a maldição foi quebrada.

Então, percebendo que o pai de Tokoyo era inocente, o Imperador mandou que o libertassem imediatamente, devolvendo-o a sua corajosa filha. Lamentando-se por ter banido seu melhor samurai e amigo, o Imperador ainda ordenou que enviassem a Tokoyo e seu pai, uma enorme quantia de tesouros e recompensas.

Tokoyo, depois de dias adormecida pelo desgaste do combate, despertou ao som de tambores e flautas trovejantes. A aldeia inteira estava em festa, todos gritavam o nome de Tokoyo saudando sua heroína. À distância, ela avistou fileiras de casas, e por entre elas, o oceano onde tinha enfrentado o temeroso dragão. Foi quando Tokoyo ouviu uma voz familiarmente querida chamar-lhe o nome, mal acreditando no que ouvira, virou-se, e seus olhos encheram-se de lágrimas.

Parado ali, logo a sua frente, trajando trapos, com cabelo preto acinzentado bagunçado na cabeça, quase irreconhecível. No entanto, um sorriso iluminou seu rosto, e esse era inesquecível. Tokoyo só conseguiu murmurar… Meu pai!

Também foi dado a valente jovem, o privilégio de servir no palácio como uma guerreira samurai ao lado de seu pai, e no reino, a partir de então, viveram juntos e felizes.

Fontes: 
Wikipedia / Myths and Legends of Japan, in Caçadores de Lendas

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to