Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Poesias Gauchescas II



Antônio Pereira Mello
QUERÊNCIAS

Gauchada rio-grandense
Sou um gaúcho mui sério
Tenho alma de gaudério
Um dia tomei consciência
Piquei o pingo na espora
E saí estrada afora
Pra conhecer outras querências.

Um dia subi a serra
Saí de casa cedinho
Meu destino - sobradinho -
Queria conhecer tudo
Naquela serra bacana
Arroio do Tigre, Ibirama,
E a cidade de Agudo.

Depois fui pra fronteira
Eu vos digo agora aqui
Que lá no velho Itaqui
Tem muita prenda aragana
Eu lembro a todo momento
De Sant'ana do Livramento
E também de Uruguaiana.

Querências do meu Rio Grande
Umas conheço, outras não
Nesse imenso rincão
Que é o nosso pampa gaúcho
Onde tem prendas decentes
E a gauchada valente
Que agüenta qualquer repucho.

Rio Grande, terra querida
Querência que eu amo tanto
Uma coisa eu te garanto
Eu sou um índio sem luxo
Meu orgulho é ser gaúcho
Filho desse pago santo.
========================

Apparício Silva Rillo
GAÚCHO VELHO

Gaúcho velho que foste menino
nos entreveros de noventa e três!
Brigaste a vida toda com o destino
e o destino apanhou mais de uma vez!

Está na hora de largar o flete
para a invernada das melhores águas,
e pra lembrança, pelo mesmo brete,
teu passado de risos e de mágoas!

Quanta geada no cabelo escasso
do tapejara que caiu no laço
que a mão do tempo lhe atirou por trás!

Culatra de uma tropa caborteira
que deixou fama e rastro na poeira
pra tropa nova que vem vindo atrás…
========================

Autor Desconhecido
ARROZ DE CARRETEIRO

Prato simples que sustenta,
O arroz de carreteiro
É rude manjar campeiro
Com sabor tradicional.
Esta iguaria bagual,
Dos tempos de antigamente,
Ganhou fama e, de repente,
É prato tradicional.

Arroz gaúcho, amarelo.
Charque gordinho, cebola
Daquela roxa, crioula
E o verde é salsa picada.
Panela preta areada,
Água quente na cambona,
Colher de pau, Mangerona,
Parece não faltar nada.

Charque picado a capricho
Tem que ser bem escaldado,
Escorrido e colocado
Na panela novamente.
Quando corar, simplesmente
Bote a cebola picada,
Quando esta ficar dourada
Ponha um pouco de água quente.

Baixe o fogo e bote a tampa
Enquanto o charque cozinha.
De vez em quando, uma agüinha
Pra que não fique queimado.
Aí o arroz é lavado
E a Mangerona tem vez,
Mais uma agüinha, talvez,
Garantindo o cozinhado.

Estando o charque macio,
Bote o arroz pra que se aquente.
Revive continuamente
Com calma e muita paciência.
Baixe o fogo, por prudência.
Bote água na cambona,
Prove o sal e a Mangerona
Que são, do gosto, a essência.

Quando o arroz ficar cozido
E ainda estiver molhado,
Tire a panela de lado,
Ponha a salsa e deixe estar.
Chame a turma pra almoçar
E sirva até o bem do fundo
Pra contentar todo mundo
Com delicioso manjar.
=========================

Autor Desconhecido
CHIMARRÃO


Oh! filtro misterioso e ardente
De solilóquios companheiro.
Teu convívio tão prazenteiro
Transforma-te em meu confidente.

Ao sorver-te alegre ou triste,
Alio aos meus sentimentos
alegrias, desalentos,
tudo que em minh'alma existe.

Na eloqüência do teu mutismo
colho a censura com humildade,
recebendo o aplauso sem vaidade,
teus conselhos com altruísmo.

Velha herança guarani!
Oh! meu mate-chimarrão!
Agridoce infusão que resuma até:
amizade, amor, fé.
======================

Autor Desconhecido
RIO GRANDE

Ser gaúcha não precisa
ter nascido aqui no sul
basta amar o céu azul
e gostar do mate-amargo
do sopro do minuano
que vem nos fazer afago
Este ventinho nativo
que faz parte deste pago.

Ser gaúcha meus senhores
é trazer dentro do peito
com todo amor e respeito
a gloriosa tradição
usar vestido de chita
dançar xote e chimarrita
nos fandangos de galpão.

É trazer no coração
um Rio Grande assim pequeno
molhado pelo sereno
no frescor da madrugada
é gostar da gauchada
é amar o joão-barreiro
e ter a simplicidade
deste povo hospitaleiro!

Amar o cheiro da terra
misto de agreste e selvagem
é o gado na pastagem
pra enfeitar as campinas
são as águas cristalinas
numa incansável viagem
indo ao encontro do mar
levando doce mensagem

E o grito do quero-quero
autêntico sentinela
é o barulho da cancela
do peão voltando pra estância
é ter no peito esta ânsia
de vida paz e esplendor
é cantar todo encanto
Rio Grande feito de amor!
==================
Autor Desconhecido
PRECE DO CAVALO


Ouve, atende tu que és meu dono,
quando te imploro:

Dá-me que comer e dá-me que beber,
trata-me com carinho ao terminar o
trabalho diário que me exiges;
proporciona-me um bom alojamento,
cama limpa e seca, baia larga e espaçosa,
para que eu possa me deitar com comodidade.

Fala comigo.
Tua voz me indicará melhor
o que devo fazer, do que
o teu chicote ou as tuas esporas.

Acaricia-me às vezes senão muitas,
que desse jeito te servirei
com mais alegria e muito mais saberei te amar.

Não puxes inutilmente pelas rédeas,
não me castigues ao subir uma ladeira,
não me obrigue a sofrer
pesos superiores às minhas forças.

Não me castigues jamais quando
te não tenha compreendido;
procura sempre fazer-me
compreender o que de mim queres.

Olha-me com atenção todas as vezes
que eu deixar de fazer o que me ordenas;
vê se há alguma cousa que não me convenha
ou me ofenda nos arreios ou nas minhas patas.

Quando vires que evito comer
ou resisto ao bom governo,
examina os meus dentes e as minhas barras,
talvez seja um dente dolorido
ou a existência de ferimentos nas barras.

Não tenhas presa a minha cabeça em posição forçada,
de modo que me prive de deitar,
nem me prives da minha defesa
contra as moscas e mosquitos
aparando-me exageradamente a cauda
e os pêlos dos esporões e das quartelas.

Enfim, peço-te me livres do mormo e das esponjas.

Quando se esgotarem as minhas forças
para o serviço não me separes de ti
para que eu não morra de fome ou de frio;
não me vendas a um dono cruel
que me vá torturar pela fome
e pelo trabalho que eu não posso mais dar.

Tira-me antes a vida
por meios mais brandos e menos dolorosos.

O teu Deus há de recompensar-te
pela caridade com que tratas
um ser inferior que também
nasceu numa estrebaria.
================

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to