Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Jerônimo Mendes (História da Poesia Universal – Breve Relato ) Parte V



4. OS GRANDES POETAS

Apesar da livre opção e vontade própria de incluir um capítulo sobre os grandes poetas que surgiram desde a antigüidade até os dias de hoje, seria prematuro e arriscado de minha parte afirmar que a humanidade teve um ou outro de maior importância que os demais.

O envolvimento com a poesia durante a execução da monografia já me permite afirmar que os poetas, mesmo citados em enciclopédias e livros de história como Grandes para um ou outro autor, foram para seu tempo e sua época e, portanto, devem ser avaliados sob diferentes pontos de vista, a começar pela obra de cada um em particular.

Píndaro, Sófocles e Temístocles foram importantíssimos para o povo da Grécia antiga assim com Virgílo, Alighieri, Petrarca e Ovídio foram para os italianos. Se perguntarmos aos americanos qual o poeta mais importante da humanidade é muito provável que elejam Ezra Pound ou Emerson, os alemães dirão Goethe e os britânicos não hesitarão em apontar Shakespeare como o maior de todos os tempos.

Verdade pura, todos tiveram sua importância no desenvolvimento da história e da literatura universal. Não pretendo, na minha humilde capacidade de analogia dos poemas estudados, fazer juízo de qualquer autor que seja, pelo simples fato de saber que a humanidade conhece a todos e a eles dedica todo o respeito que lhes cabe.

A bem da verdade, o mais importante é saber que todos os nomes atualmente registrados na história, por acaso ou pela influência exercida em cada época, se perpetuaram por uma razão única : ter se distinguido da filosofia e dos costumes tradicionais.

Na maioria dos poetas pesquisados, todos os casos encontrados sobressaíram-se no seu tempo por algum motivo contrário à ordem ou tradição, aos costumes ou à lei, por rebeldia, melancolia, utopia ou mesmo por um romantismo mais acentuado. Sob o ponto de vista didático e em razão do farto material disponível nas bibliotecas, concentrei minha pesquisa nos autores de maior conhecimento do público, quer pelo amplo número de livros publicados, quer pela influência exercida pela mídia sobre determinados autores, quer também pela propaganda cultural de determinadas classes literárias que estabelecem uma espécie de cânone da literatura mundial, a exemplo do que fez o crítico e estudioso norteamericano Harold Bloom.

Meu objetivo no capítulo não se restringe a eleger os melhores e sim demonstrar a importância da obra de cada um dos escolhidos sob o nosso cânone, a fim de enriquecer o trabalho e defender meu ponto de vista sobre a importância da poesia no decorrer da história. Conforme discorrido anteriormente, Homero foi um dos mais importantes poetas da antiga literatura grega, não somente pelo fato de ter produzido toda sua obra mesmo cego, mas também pelo fato de ter relatado acontecimentos de caráter histórico e informativo de sua época, através dos seus dois maiores poemas, considerados por muitos historiadores os maiores épicos da antigüidade: Ilíada e Odisséia.

Homero é para a Grécia o que Shakespeare é para a Inglaterra. Não se pode ignorar a importância do poeta hoje, decorridos quase 3.000 anos do seu tempo, pois permanece objeto de estudo em universidades, escolas poéticas e causa o mesmo fascínio de antes. Livros são escritos sobre a sua obra e as interpretações são mais diferentes possíveis. As obras do poeta, como conhecemos atualmente, apresentam uma unidade impressionante, apesar de serem muito longas. Do ponto de vista histórico, Ilíada e Odisséia são de extrema importância pela simples razão de ajudarem a reconstruir a antiga história da Grécia.

Mais adiante, Horácio, Virgílio e Ovídio exerceram influência suficiente para registro de seus nomes nos anais da história da literatura universal.

Horácio, que viveu de 65 a 8 a.C., tinha uma personalidade áspera e autodepreciativa, comprovada através de seus poemas Sátiras e Epístolas. Seus quatro volume de Odes são ainda mais notáveis, escritos em versos que mostram da melhor maneira a concisão latina, abrangendo grande variedade de assuntos, com predomínio do amor, da política, da filosofia, da poesia e da amizade.

Filho de um esclarecido escravo liberto, nasceu na região de Venosa e contou sempre com o apoio do pai em todos os momentos de sua formação. Estudou em Roma e Atenas. Republicano convicto, tomou o partido de Bruto e não hesitou em confessar, candidamente, que abandonara as armas no campo de batalha de Filipos, onde Otávio derrotara as forças de Brutus e Cássius. Juntamente com Virgílio e Catulo, Horácio forma a tríade maior da poesia latina clássica. Seus mestres foram os poetas gregos - não os mais próximos, os alexandrinos, mas os recuados, os fundadores da lírica helênica : Arquíloco, Safo e Alceu.

Sua obra chegou-nos praticamente completa; são sátiras, epodos, epístolas e, principalmente, odes (em quatro livros), estudadas, esmiuçadas e traduzidas em inumeráveis línguas, tanto no Ocidente como no Oriente, ao longo desses dois milênios, como o pequeno fragmento que transcrevemos a seguir :

Pobre vida a da moça que não pode
namorar (vigilância)
nem se permite um gole
para afogar as mágoas (e as más línguas?)

Admirado, traduzido e imitado há dois milênios, Caio Valério Catulo (82-52 a.C.), pode ser considerado o maior lírico da poesia latina. Segundo Décio Pignatari em seu 31 Poetas 214 Poemas (1996 : 118),

“ . . . sua lírica, não raro atravessada por laivos epigramáticos irônicos, jocosos ou satíricos, é louvada pela sua inovadora simplicidade direta - escorada, porém, por uma sábia estrutura que não se exibe - e pela inflamada crispação interna que a paixão amorosa provoca ”.

Nascido em Verona, de pais abastados e muito bem relacionados, viveu na Roma de Júlio César e Cícero; o primeiro era hóspede freqüente de seu pai (que não impediu algumas farpas do filho); o segundo está ligado a ele pelos dois pont os que mais poderiam tocá-lo : sua poesia e sua amada-amante. Quanto ao primeiro, o orador criticava em Catulo e seus jovens amigos poetas as liberdades métricas, a irreverência, os coloquialismos familiares e populares e o pouco apreço que tinham pelos severos mestres do passado, Ênio em especial; chamava-os neoteroi , inovadores, em grego, de propósito, pelo que tinham de imitar poesia grega, tanto a lírica arcaica e pioneira de Arquíloco e Safo como a mais recente, a alexandrina. Segundo ponto : Chegou a referir-se a Clódia, esposa de um cônsul romano, como “meretriz barata”, em pleno fórum, além de insinuar que ela mantinha relações incestuosas com o irmão. Contudo, suas odes tornaram-se famosas e foram traduzidas em diversas línguas nos últimos dois mil anos, como a que podemos ler a seguir :

Tordo, prazer da minha namorada,
brinquedo vivo que ela leva ao seio
e que incita a bicadas doídas,
com a ponta do dedo, quando quer
- Ó, meu bem, minha luz, meu bem-querer -
distrair-se com algo divertido,
para acalmar a dor, quem sabe ? de uma
paixão voraz - pudesse eu brincar
com você, como o faz a sua dona,
pra amortecer as dores do meu peito !

Marco Valério Marcial, nascido no ano 40 d.C. na hoje província de Saragoça, Espanha, foi para Roma em 64, retornando depois de 30 anos à terra natal, onde morreu, no ano de 104, presumivelmente. Viveu a vida típica de um cliente , homem supostamente livre, que vive de badalações e de prestar serviço aos poderosos, a começar pelo bestial Domiciano (Irmão e sucessor de Tito no império romano).

O poeta foi um cronista social obsceno e pornográfico de seu tempo, por isso mesmo criticado, quando não desdenhado e desprezado. Seus epigramas - mais de um milhar -, distribuídos em doze livros, vêm atravessando os séculos, influenciando muitos escritores e poetas, entre os quais Rabelais, Quevedo, Gregório de Matos e Bocage.

Com o poeta Juvenal, também espanhol e seu amigo, formaram a maior dupla satírica latina, descontando-se, logicamente, Horácio, que operou em outro registro. Marcial deixou a marca de seu talento também em muitas passagens como a do “ plátano de César “ e a do “ rol das coisas boas da vida “ . Muito censurado, só encontrou as primeiras traduções sem travas nos anos 60 e 70, especialmente graças ao trabalho pioneiro do historiador Guido Ceronetti, do qual muito os historiadores atuais se valem, descontando suas excessivas liberdades formais. Sua obra, porém, continha poemas mais suaves, a despeito de toda sua fama de satírico e pornográfico, embora recheada de metáforas picantes :

Para embrulhar atuns não faltem capas,
Não fiquem sem cartucho as azeitonas,
E nem padeça a traça a fome vil.
Vá, papiro do Egito, é o que possuo :
O inverno ébrio quer novas piadas.
Eu jogo dados de papel, não dardos,
E tanto faz um crepe como um seis.
Lanço cubos de um copo-pergaminho:
Lucros nem perdas não me traz o acaso.

Entre a elite bem-dotada da China do Século VIII estavam dois dos maiores poetas da história : Li Po e Tu Fu.

Li Po nasceu em 701, em algum lugar da Ásia Central, onde sua gente viveu por mais de um século antes de retornar e se instalar em Sichuan, por volta de 705. A família talvez estivesse envolvida com o comércio, visto como uma ocupação inferior pela corte, o que talvez explique porque a carreira de Li Po no serviço público definhara. Recusou-se a prestar concurso público e assumiu sua nômade pobreza. De qualquer forma, ele era um rebelde e um andarilho por natureza, um romântico, místico e libertino, viciado em vinho, amor e poesia.

Li Po é o grande poeta da China, inventor e mestre. Dizem que tinha muito de não-chinês, que era da Ásia Central e que aprendeu muito com as apreciadas dançarinas e cantoras do Turquestão, nos cabarés de suas andanças. Bêbado iluminado (Tu Fu o considerava um mago), crêem os espíritos taoístas, em lenda célebre, que Li Po morreu afogado ao se debruçar de um barco para beijar o reflexo da lua na água; os confucianos, dizem que de pneumonia. Seu poema “ Bebendo sozinho com a lua “ demonstra a notabilidade, audácia e o lirismo dos principais poetas Tang :

De um cântaro de vinho entre flores
eu bebia sozinho. Ninguém comigo -
E então, erguendo minha taça, pedi à clara lua
que trouxesse minha sombra e fizesse de nós, três.
E minha sombra pendeu de mim ociosamente.
Ainda assim, por momentos tive amigos
para me animar no fim da primavera ( . . . )
Cantei. A Lua me estimulou.
Dancei. Minha sombra cambaleou atrás.
Tanto quanto soube, fomos joviais companheiros.
Depois fiquei bêbado, e nos perdemos.

Tu Fu, amigo do Li Po, nascido em 712, era um homem sério, estudioso, profundamente comprometido com o humanismo confucionista e com o serviço público, muito valorizado na China. Tendo prestado concurso, Tu Fu foi reprovado e contentou-se com posições subalternas de extranumerário. Com freqüência, usava a poesia como protesto político, atacando a injustiça social, assumindo a voz de um soldado camponês e colocando-se em algum passado distante. No final da vida, Tu Fu testemunhou a rebelião contra o imperador Hsuan-tsung e escreveu sobre a fome e desordem que tomaram conta da China e seus poemas era tão apreciados quanto os de Li Po. Vejamos um pedaço de sua obra através da Canção do Mar do Sul :

Vindo do mar do Sul,
Disse o Hóspede-Enigma :
“ É de sereia. Aceite
Esta pequena lágrima” .
Era uma estranha pérola
com laivos e sinais,
que tentei decifrar
com leituras banais.
Mas, quando abri o escrínio,
que mudança funesta :
um coágulo de sangue
- É tudo o que me resta !

Homens como esses participaram de uma explosão gloriosa da literatura e das artes e não podem ser ignorados jamais, pois somente o fato de hoje termos uma pequena mostra de sua obra, 1300 anos depois, revela a importância e o impacto forte de sua poesia no período em que viveram. Dante Alighieri, poeta italiano do século XIII, nasceu e passou metade da vida em Florença até que os acontecimentos políticos o obrigaram ao exílio, procurando refúgio em uma corte após outra.

Os anos de Florença foram marcados por sua paixão por Beatriz Portinari, que morreu em 1290, com menos de 20 anos, e que permaneceu fonte de inspiração e devoção para o poeta até o fim de sua vida. Este amor trágico inspirou belos poemas líricos em Vida Nova, no ano de 1293. No exílio, escreveu dois tratados latinos : Sobre a Língua do Povo, da maior relevância ao colocar o italiano como idioma literário, e No Governo do Mundo, que apoiava o Sacro Império Romano contra as reivindicações do papa.

A Divina Comédia, sua obra mais conhecida, foi iniciada em 1308, mas concluída somente ao final da vida. Trata-se de um poema em três partes, Inferno, Purgatório e Paraíso, que descreve a jornada de Dante para encontrar Deus, acompanhado de Virgílio, até o ponto em que Beatriz (a graça divina) deve guiá-lo.

A obra é uma cosmografia (Descrição astronômica do mundo) completa do conhecimento medieval e uma profunda recapitulação da doutrina cristã da queda e da redenção, colocada em versos de sublime e majestosa beleza, especialmente na criação de imagens. Representa o pináculo da poesia italiana.

Não menos importante, Luís Vaz de Camões, poeta português do XVI, por volta de 1542, já com pendores literários, frequentava a nobreza, mas suas posições políticas levaram-no ao exílio em Ribatejo.

Nada talvez seja mais obscuro do que a biografia de Camões. A maioria dos fatos relevantes e importantes ligados a sua trajetória pessoal estão envolvidos numa névoa espessa que a passagem do tempo não consegue dissipar ”.

Com essas palavras, o pesquisador José Emílio de Major Neto (1993 : 6) expõe a vida conturbada de Camões. Quase tudo que sabemos são informações truncadas, incompletas e muitas vezes contraditórias, a maioria não passível de informação documental. Sabe-se que desde antes do fim da adolescência o poeta já se encontrava em Lisboa, e neste ano prestou serviços militares na África, onde perdeu um dos olhos, numa batalha ou acidente.

Apesar da precariedade dos dados históricos de sua vida e obra, a vida de Camões foi turbulenta e instável, repleta de vicissitudes, marcada por enormes dificuldades, pela pobreza e pela miséria, e com certeza pela inimizade e perseguição por parte de forças poderosas suas contemporâneas. Contudo, Camões é uma das figuras de maior relevo da tradição literária em língua portuguesa e, sem dúvida alguma, um dos maiores poetas do seu tempo. Sua obra é a base para a compreensão do complexo cultural que envolve o século XVI e o fenômeno histórico e estético chamado Renascimento. Os ecos de seus temas, procedimentos formais e estilísticos são facilmente detectáveis ao longo dos últimos quatro séculos de cultura literária, quer em Portugal, quer no Brasil.

Camões ocupa assim um lugar de destaque, quer entre os mais prestigiados autores de seu tempo, quer como o mais ilustre representante de toda uma cultura e tradição literária no seio das modernas literaturas européias. Sua obra mais famosa, Os Lusíadas, foi escrito quase integralmente no exílio e, atualmente, é objeto de estudo e qualquer lugar do mundo. O centro temático mais relevante da obra de Camões é o amor e suas implicações profundas em relação à condição humana, tal como no soneto
LXXIII apresentado a seguir :

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói e não se sente,
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer,
é solitário andar por entre a gente,
é não contentar-se de contente,
é cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade,
é servir, a quem vence, o vencedor,
é um ter com quem nos mata lealdade.
Mas como causar pode o seu favor
nos mortais corações conformidade,
sendo a si tão contrário o mesmo amor ?

Miguel de Cervantes, romancista, dramaturgo e poeta espanhol do século XVI, criou personagens universalmente conhecidos, como D. Quixote, o cavaleiro errante, e seu criado Sancho Pancho. Escreveu principalmente nos doze últimos anos de vida, depois de uma carreira como soldado, quando foi até prisioneiro de piratas e preso na Espanha sob acusação de mal uso do dinheiro público.

O longo poema Viagem a Parnaso (1614) obteve pouco sucesso, mas seu fracasso relativo foi seguido pela aclamação da sua paródia do romance de cavalaria As Aventuras de Quixote (1605-15), motivo pelo qual Cervantes é admirado e estudado até os dias de hoje.

Minha pesquisa não teria valido a pena se não tivesse esperado ansiosamente pelo estudo e inclusão da vida e obra do dramaturgo e maior poeta inglês de todos os tempos : Wiliam Shakespeare.

Para a grande maioria, artistas, jovens, velhos, poetas, escritores ou não, Shakespeare é considerado o maior poeta de todos os tempos. Seus versos são declamados repetitivamente nos teatros cênicos, nos principais meios de comunicação, em novelas, peças teatrais e nas escolas. Suas obras, traduzidas e apresentadas em todas as partes do mundo, tornaram-no o mais célebre dos escritores. Sabe-se que já trabalhava no teatro londrino em torno de 1592, porém nada se conhece a respeito de sua educação ou profissão anteriores.

Como autor e ator, trabalhou para a Companhia de Lord Chamberlain, conhecida a partir de 1603 como Companhia Real, o grupo mais importante a ocupar, desde 1599, o Globe Theatre, do qual era sócio. Shakespeare é autor de 38 peças conhecidas, que dividem sua carreira em aproximadamente quatro períodos. No primeiro, compreendido até 1594, escreveu diferentes tipos de comédia, tais como O Esforço do Amor Perdido, a Comédia dos Erros e A Megera Domada.

A abordagem da história da Inglaterra, por ele elaborada em suas obras, teve início com primeira tetralogia, que compreende Henrique IV e Ricardo III. A sangrenta Titus Andronicus é sua primeira tragédia. Entre 1594 e 1599, permaneceu concentrando-se em comédias e peças históricas. As comédias deste período - Sonho de Uma Noite de Verão, As Alegres Comadres de Windsor, O Mercador de Veneza - são produto de sua melhor inspiração romântica, enquanto o domínio completo da Narrativa aparece na segunda tetralogia : Ricardo III, Henrique IV e Henrique V. Na terceira fase, entre 1599 e 1608, o poeta abandonou a comédia romântica e a história inglesa, passando a produzir tragédias, peças de humor negro ou episódicas, como Medida por Medida, Tudo Está Bem quando Acaba Bem e Troilus e Criseida.

De um modo geral, Rei Lear, Macbeth, Hamlet e Otelo são consideradas suas quatro maiores tragédias, embora um segundo grupo de peças romanas se caracterize por presenças igualmente notáveis, como Antonio e Cleópatra, Júlio César e Coriolano. A esta fase também pertence Timon de Atenas, possivelmente escrita em parceria com Thomas Middleton 1.

A fase final da produção shakespeariana corresponde ao período entre 1608 e 1613 e é dominada por um novo estilo de comédia, que aborda temas como a perda e a reconciliação : Péricles, Cimbelina, Conto de Inverno e A Tempestade, conhecidas como seus últimos trabalhos românticos.

A consagração de Shakespeare deve-se a seus notáveis e complexos personagens, à dinâmica de suas peças, obtida através de alternância de cenas curtas e rápidas e, acima de tudo, à sutil e extraordinária riqueza de seus versos brancos, que apresentam metáfora profunda e retórica elaborada.

A juventude de Shakespeare se deu num tempo em que o povo inglês era persistente com relação aos entretenimentos dramáticos. A corte se ofendia facilmente com as alusões políticas e tentava suprimi-los. Os puritanos, um grupo crescente e enérgico, sendo os religiosos em meio ao da Igreja Anglicana, teriam suprimido os entretenimentos, mas o povo os desejava, certamente.

O poeta levava a sua poderosa execução aos mínimos detalhes, até a perfeição. Ele tinha o poder de criar uma pintura. O seu poder lírico está no gênio da peça escrita. Os sonetos, são tão inimitáveis quanto os últimos.

Shakespeare é o único biógrafo de Shakespeare; e até mesmo ele nada pode dizer, exceto para o Shakespeare em nós; a saber, em nosso momento mais perceptivo e simpático” (Ralph Waldo Emerson)

É fácil perceber que o que é melhor escrito ou feito pelo gênio no mundo não foi trabalho de um homem, mas surgiu de uma ampla obra social, quando mil pessoas produziam como uma, compartilhando o mesmo impulso. Shakespeare era um homem do povo e com eles teve uma perfeita relação de amor e respeito, dando ao povo o que o povo queria : emoção. Seus poemas, sonetos, peças ou tragédias são a expressão da consciência humana, no seu grau mais profundo de reflexão e martírio. Talvez por este motivo, Shakespeare está tão perto de nós, a tilintar nossos cérebros e tenha condenado toda humanidade a conviver com sua obra e jogar-se a seus pés, involuntariamente.

No poema A Graça do Perdão, inserido na peça O Mercador de Veneza, que transcrevemos a seguir, Shakespeare coloca-nos em choque conosco mesmo, forçando-nos à reflexão pura e simples, desprovida de um esforço maior, pela simples leitura de suas linhas :

A graça do perdão não é forçada;
Desce dos céus como uma chuva fina
Sobre o solo: abençoada duplamente,
Abençoa a quem dá e a quem recebe;
É mais forte que a força: ele guarnece
O monarca melhor que uma coroa;
O cetro mostra a força temporal,
atributo de orgulho e majestade,
onde assenta o temor devido aos reis;
Mas o perdão supera essa imponência :
É um atributo que pertence a Deus,
E o terreno poder se faz divino
Quando, à piedade, curva-se à justiça.

Sobre Shakespeare não cabe mais nada. Difícil interpretá-lo, fácil admirá-lo. Os artistas sabem do que estamos falando, ao suarem e permaneceram noites acordados tentando a incorporação e a melhor interpretação de seus personagens e do espírito shakespeareano. Para fazer Shakespeare é preciso estudá-lo, conhecer sua obra como a palma da mão, colocar-se no seu tempo e pensar como ele, sob pena de admirá-lo em vão, sem qualquer efeito. Talvez seja esse o motivo que nos leve a carregá-lo na memória, na alma e por toda eternidade, sem sombra de dúvida. Charles Baudelaire , poeta francês do início do século XIX, foi pouco apreciado enquanto viveu, mas é hoje considerado um dos expoentes da literatura francesa. A coletânea de poemas As Flores do Mal, quando publicada em 1857, provocou um processo no qual o poeta foi acusado de atentar contra a moral pública.

Em As Flores do Mal, Baudelaire apresenta os contrastes entre as aspirações ideais de um homem e a desilusão experimentada na sua existência cotidiana. Buscando a beleza não em abstrações, mas na sórdida realidade da vida parisiense, especialmente em Quadros Parisienses, o poeta descobre reflexos do além em toda a criação.

No entanto, vencido pelo desgosto, se rebela contra Deus e busca a liberdade oferecida pela morte, que lhe permitirá observar o mundo atrás da fachada da existência. Os poemas nos quais exibe mestria no controle da rima e do ritmo apresentam um colorido exótico herdado do romantismo, ainda que baseados em observação da vida real e executados numa forma perfeita que antecipa as características dos parnasianos.

Ao longo dos séculos, dois alemães se destacaram pela importância de sua obra poética, coincidentemente, ambos nascidos no século XVIII. Johann Wolfgang von Goethe , poeta, dramaturgo, novelista e filósofo alemão, é considerado um dos maiores poetas de língua alemã. Nascido no ano de 1809, Goethe produziu uma obra que abrange desde o subjetivismo do movimento Sturm and Drang ( Tempestade e Ímpeto) até a consciência harmônica do classicismo. Sua obra inclui poesia lírica, épica e baladas, romances, contos e obras autobiográficas. A publicação de Götz von Berlichingen (1771), uma peça no estilo da tradição de Shakespeare, retratando um herói destruído pela degeneração da idade, firmou seu conceito no meio literário. No ano seguinte, o poeta apareceu com Os Sofrimentos do jovem Werher, romance epistolar sobre um forasteiro muito sensível sem lugar no mundo.

Sua obra-prima é Fausto, um drama em duas partes, do qual se ocupou de 1770 até 1831. O trabalho reflete o desenvolvimento das observações colhidas ao longo de toda uma vida marcada por sofrimento, tragédia, humor e ironia.

Goethe, um homem com um centena de braços, olhos de Argus, capaz e feliz de poder, com essa giratória miscelânea de fatos e ciências e, por sua própria versatilidade, capas de delas dispor facilmente; uma mente masculina, desembaraçada pela variedade de casacos da convenção com que a visa se incrustou, facilmente capaz, por sua sutileza, de penetrá-la e retirar a sua força da natureza, com a qual ele vivia em perfeita comunhão". (Ralph W. Emerson)

Faz um grande diferença para a força de qualquer sentença saber se há um homem atrás dela ou não. Goethe é o tipo da cultura, o amador de todas as artes, ciências e acontecimentos ; artístico, mas não artista; espiritual, mas não espiritualista. O que também é estranho e nos chamou atenção durante a pesquisa sobre sua vida, é que ele vivia numa cidadezinha , num estado insignificante, num estado derrotado, num tempo em que a Alemanha não representava um país tão importante nos negócios do mundo a ponto de inchar o peito de seus filhos com qualquer orgulho metropolitano, como o que devia alegrar um gênio francês, inglês ou, antes, um romano ou ático. No entanto, não há traço algum de limitação provinciana em sua musa. Ele não é um devedor de sua posição, mas nasceu com um gênio livre e controlador.

Helena, ou a segunda parte de seu poema Fausto , é uma filosofia da literatura em poesia. A maravilha do poema está na inteligência superior do poeta. Assim, ele é um poeta de um laurel mais orgulhoso do que qualquer um dos contemporâneos.

O que distingue Goethe dos leitores franceses e ingleses é uma propriedade que ele compartilha com a sua nação - uma referência habitual à verdade interior. Na Inglaterra e na América há respeito pelo seu talento e em todos os países em que sua obra foi traduzida, os homens de talento escrevem com o talento.

Talento apenas não faz um escritor. Deve haver algum homem por trás do livro; uma personalidade que, pelo nascimento e por suas qualidades, está empenhada nas doutrinas ali descritas e que existe para ver e declarar coisas assim e não de outro modo ” (Ralph W. Emerson)

Goethe, a cabeça e o corpo da nação alemão, segundo seus biógrafos e estudiosos, não fala do talento, mas a verdade brilha através dele. Ele é bastante sábio, embora seu talento freqüentemente cubra a sabedoria. Ele é o tipo da cultura, o amador de todas as artes, ciências e acontecimentos, motivo pelo qual permanece vivo no coração da classe literária mundial, incapaz de não consultar os seus escritos para encher-se de sabedoria e conhecimento da filosofia.

A sua autobiografia, sob o título de Poesia e Verdade da Minha Vida, é a expressão da idéia, agora familiar ao mundo através da mente alemã, mas uma novidade para outros países quando o livro apareceu, a de que um homem existe para cultura , não para aquilo que ele pode executar, mas pelo que pode ser executado nele. A reação das coisas sobre o homem é o único resultado digno de nota.

Fonte:
Monografia feita pelo autor em Curitiba / PR , março de 2001

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to