Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Lyslei Nascimento (O Fascínio dos Gatos)

Linus - Foto de José Feldman
O fascínio dos gatos pelos escritores e pelas bibliotecas é imemorial. Por conta disso, os gatos habitam, assombrando ou confortando, o imaginário de tantos autores. Célebres por sua astúcia, rapidez, sensibilidade, destreza e capacidade de sobrevivência, os gatos povoam os ritos de magia e, se negros, sãos os companheiros inseparáveis das bruxas e feiticeiras. Em dias de azar, associam-se às escadas para causar obstáculos à sorte. Sua aparição no repertório de crendices populares é infinita: os gatos tem sete vidas, a gordura deles pode curar doenças respiratórias, os alérgicos a gatos, dizem, não conseguem amar.

Os espertos, metaforicamente, dão o pulo do gato. Erros, descuidos e enganos são chamados de gato. Compra-se ou vende-se gato por lebre, fascínio quando se é enganado ou se quer enganar. Os gatos simbolizam, metaforicamente, os ladrões. São, contemporaneamente, os enamorados, chamados de gato e gata, mas, desde o antigo Egito, possuíam a condição ilustre de deuses. Gatos obesos são objeto do “olho gordo” que é dirigido aos seus donos.

Outros tantos provérbios, máximas populares e expressões caracterizam esse animal em sua rica acepção simbólica. Escritores famosos dedicaram obras ou criaram gatos ilustres como personagens: Kipling, T.S. Eliot, Baudelaire, Lewis Carroll, Edgar Alan Poe, só para citar alguns. Memoráveis são também os gatos dos contos de fadas, O Gato de Botas, os gatos das Histórias em Quadrinhos e, também, dos filmes de animação.

Joaquina cochila, indiferente, sob os livros de Borges. No poema “Beppo”, Jorge Luis Borges homenageia o “gato branco e casto” que se contempla no luzidio vidro do espelho e não pode saber que essa brancura e esses olhos de ouro nunca vistos são sua própria imagem. Em outro poema, “A um gato”, o animal se transforma e transcende: é, à luz da lua, uma pantera, que ao longe divisamos temerosos. Adivinha, Borges, que em minha biblioteca, Joaquina, anos depois, leria, com olhos de ouro, páginas amarelas. Avizinha-se, pois, em Borges, os gatos, os espelhos e a pantera. Gesto que se repete no conto “A escrita de Deus”, em que o narrador imagina uma rede de tigres, um quente labirinto de tigres, onde reside um mistério.

Em “Ode ao gato”, de Pablo Neruda, o poeta afirma que “todo o terrestre, porque tudo é imundo para o imaculado pé do gato”. Desse modo, narra-se, como uma fábula, a criação dos animais, que imperfeitos se apresentam compridos de rabo, tristes de cabeça. “Pouco a pouco se foram compondo, fazendo-se paisagem, adquirindo pintas, graça vôo”. Mas “o gato, só o gato apareceu completo e orgulhoso: nasceu completamente terminado, anda sozinho e sabe o que quer”.

Otto Lara Resende, no Brasil, no extraordinário “Gato gato gato”, descobre que “a palavra não cabe o gato, toda a verdade de um gato” e que no duelo entre gato e menino, no quintal, estabelece-se o que poderia ser, belicamente, o milagre da comunicação perfeita. O gato, o alvo. O gato é o alvo. A pedrada passa assobiando pela crista do muro. O gato corre, elástico e cauteloso. “Inatingível às pedras e ao perigoso desafio de dois seres a se medirem”, sumiu por baixo da parreira ao sol. Dessa vez, ufa… escapa da pedrada. Outras pedras, outro menino, o encontrarão no caminho. Desenham-se, assim, as presas inúteis, a boca entreaberta. “O gato fora do gato, somente o corpo do gato”, “O gato sem o que nele é gato”, "a morte, que é ausência de gato no gato”.

“Os gatos da tinturaria”, de Cecília Meireles, são misteriosos e reais. No chão xadrez, ruídos “atropelam a geometria” e os “grandes gatos abrem compridos bocejos”. Assim, diz a poeta, proclamam a monarquia da renúncia e, tranquilos, vencidos, “dormem seu tempo de agonia”. Em sua realeza, a que renunciam e de quais batalhas se sentem vencidos?

A realeza dos gatos da tinturaria que se inscreve, sob um manto de bocejos, em Cecília, aparece, sutil, no poema “Pensão familiar”, de Manuel Bandeira. No jardim, há gatos espaçados ao sol. Um deles, pequenino, faz pipi e, registra o poeta, “encobre cuidadosamente a mijadinha”, “sai vibrando com elegância a patinha direita”, sendo este, “a única criatura fina na pensãozinha burguesa”.

No poema “Gatos que brincas na rua”, de Fernando Pessoa, o poeta inveja a sorte do gato que brinca na rua como se fosse na cama. Assim, a rua pública é comparada à cama, íntima e pessoal. Por isso, a felicidade do gato: “és feliz porque és assim, todo o nada que és é teu”. Os gatos na tinturaria, os gatos ensolarados da pensãozinha e os gatos de rua, são membros de uma genealogia de príncipes e de mendigos. Todos divinos e célebres. Todos, como “O gato”, de Vinícius de Moraes, possuem uma singela realeza. Os gatos passam do chão ao muro, mudando de opinião. Do muro ao chão, espaços sazonais para os felinos.

Gatos somem no Rio de Janeiro, diz a crônica “Perde o gato”, de Carlos Drummond de Andrade, marcando a indústria doméstica das cuícas à perda de Inácio. Para Drummond, livros e papéis beneficiam-se com a presteza austera do gato. Depois do sumiço de Inácio, a mesa do escritório se desvaloriza. Se se agravar a mediocridade das crônicas, admite, é falta de Inácio. O poeta, assim, reivindica mais do que a coruja, o gato como símbolo e guardião da vida intelectual. Nada contra as corujas.

Os dois gatos de meu amigo Rodrigo Gurgel, sentados sobre o Houaiss, ou esparramados no sofá, com os olhos faiscando num verde ambíguo, e, mostrando que sua intimidade com a biblioteca não tem sido vã, e Joaquina, branca, como nuvem em dia de sol, sobre os tomos de Borges, sugerem o final do ensaio “Os gatos, as bibliotecas e a literatura”, de Rodrigo, sussurrando-lhe, ao ouvido, uma frase que fecha o seu texto iluminado. Com esse sussurro, uma frase de Jean Cocteau, também termino “O fascínio dos gatos”: “Prefiro os gatos aos cães, porque não há gatos policiais”.

Fonte:
Suplemento Literário de Minas Gerais -Setembro-Outubro/2010 - edição 1332.

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to