Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Marcelo Spalding (Clichê: o que é, como evitar, quando usar)

   
Não há fórmulas para a escrita, considerada em si uma arte. Evidentemente, porém, qualquer arte é resultado de séculos de convenção social, então há alguns elementos que são desejáveis e outros que são inaceitáveis num bom texto. Vamos falar aqui de um dos “pecados” da escrita: o clichê.

    Clichê é uma construção utilizada à exaustão em determinada cultura, como o desenho do coração ou do cupido. Exatamente por essa repetição, ela é uma construção desgastada.

    Quando se fala de textos criativos, devemos fugir do clichê como se foge de uma praga, dizem os mestres. E o clichê é, realmente, como um inseto que está em nossas frases, em nossas cenas, em nossas metáforas, em nossos personagens, em nosso desfecho, enfim, pode-se ter um texto todo clichê, o que é desastroso, quando não é intencional, ou apenas frases e construções clichês. Vejamos alguns exemplos:

    Abriu com chave de ouro.
    Aquela era a mulher mais linda que conheci.
    O futebol é uma caixinha de surpresas.

    O professor Luiz Antonio de Assis Brasil costuma dizer que um personagem ir para a janela ou ver uma fotografia são cenas absolutamente clichês. Assim como começar um conto escrevendo "era uma noite escura e chuvosa".

    Claro que o conceito de clichê varia de acordo com o público para o qual se escreve, pois a experiência de leitura é fundamental para determinar onde começa o clichê. É importante, porém, entender que a fuga do lugar-comum vai além do todo, chegando a suas partes, a suas metáforas, a suas frases.

    O problema do clichê é que ele não acrescenta ao leitor. Basta lembrarmos de uma novela da Globo, uma dessas quaisquer, repleta de clichês. Elas podem até nos distrair por algumas horas, mas as esquecemos quase completamente tão logo desligamos a TV (e aquelas que permanecem em nossa memória, um "Irmãos Coragem", "Pecado Capital", "Vale Tudo", é porque souberam inovar e não ficaram repetindo-se em clichês).

    Quando usar o clichê

    O clichê pode ser muito útil para a comédia, como dito anteriormente, e também para a criação de personagens estereotipadas. Cuide, porém, a funcionalidade de uma personagem estereotipada em sua narrativa caso não se trate de uma comédia: o crente religioso, o guarda de trânsito intransigente, o bandido, etc. Embora nem todas as personagens precisem ser esféricas, é importante que cada personagem seja necessário para a narrativa.

    Uma técnica para evitar o clichê

    Uma técnica para usar o clichê é desculpar-se pelo clichê, de forma direta ou indireta. Por exemplo: "Como diria o poeta, beleza é fundamental" ou "Como diriam os mais velhos, o futebol é uma caixinha de surpresa" ou "Com o perdão do clichê, era a mulher mais linda que já conheci". Tal técnica funciona muito bem em textos dissertativos, quando se pode lançar mão de ditos populares.

    Um exemplo célebre dessa técnica de esquiva está em "O caçador de pipas":

    Um professor de redação literária que tive na San Jose State sempre dizia, referindo-se aos clichês: "Tratem de evitá-los como se evita uma praga." E ria da própria piada. A turma toda ria junto com ele, mas sempre achei que aquilo era uma tremenda injustiça. Porque, muitas vezes, eles são de uma precisão impressionante. O problema é que a adequação das expressões-clichê é ofuscada pela natureza da expressão enquanto clichê. Por exemplo, aquela história do "esqueleto no armário". Nada melhor para descrever os momentos iniciais do meu encontro com Rahim Khan. (O caçador de pipas, Khaled Hosseini, cap XV)

Fonte:
Marcelo Spalding in http://www.cursosdeescrita.com.br/3971/cliche-o-que-e-como-evitar-quando-usar

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to