Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Philip K. Dick (1928 - 1982)

Philip Kindred Dick (16 de Dezembro de 1928, Chicago – 2 de Março de 1982, Santa Ana, Califórnia), também conhecido pelas iniciais PKD, foi um escritor estadunidense de ficção científica que alterou profundamente este género literário. Apesar de ter tido pouco reconhecimento em vida, a adaptação de várias das suas novelas ao cinema acabou por tornar a sua obra conhecida de um vasto público, sendo aclamado tanto pelo público como pela crítica.

Filho de um funcionário do governo federal, a sua irmã gémea morreu quase à nascença. Os seus pais divorciaram-se quando Philip contava quatro anos de idade. Acompanhou a mãe na sua mudança para a Califórnia, onde estudou, ingressando na Escola Secundária de Berkeley, onde permaneceu até 1945. Matriculou-se então na Universidade da Califórnia, onde estudou Filosofia e Alemão, abandonando o curso para trabalhar como disc-jockey numa emissora de rádio, mantendo, ao mesmo tempo, uma loja discográfica.

Começou a escrever nesta época, publicando o seu primeiro conto de ficção científica na revista Planet Stories. Chegou a terminar alguns romances de índole autobiográfica, mas não conseguiu encontrar quem os editasse. Decidiu portanto dedicar-se inteiramente à ficção científica, convicto de que este género poderia melhor abarcar as suas especulações filosóficas.

A sua primeira obra publicada foi Solar Lottery de 1955. A ação da obra decorria no século XXIII, num tempo em que a democracia como forma de eleição foi substituída por uma sistema de loteria que decide as funções dos indivíduos na sociedade. No entanto, vem-se a descobrir que a sorte está viciada. Após o aparecimento de obras como Eye In The Sky de 1956, Dr Futurity de 1960 e Vulcan's Hammer de 1960, Philip K. Dick conseguiu ser reconhecido como escritor, sobretudo com a publicação de The Man In The High Castle (O Homem do Castelo Alto) de 1962. O romance recriava um mundo em que a Alemanha e o Japão haviam vencido a Segunda Guerra Mundial.

Por ter mantido relações com o Partido Comunista norte-americano, o escritor foi alvo de cuidadosas investigações por parte do FBI e dos serviços secretos da Força Aérea dos EUA. A visão quase paranóica da realidade que Dick demonstrou em muitos dos seus trabalhos não seria portanto de todo infundada.

Inspirando-se em ideias do Budismo, Cabalismo, Gnosticismo e outras doutrinas herméticas, e combinando-as com certos aspectos das novas crenças na parapsicologia, extraterrestres e percepção extra-sensorial, o autor criou mundos alternativos nos quais acabou eventualmente por julgar viver. Consumindo drogas em excesso, alegou ter sido contatado em 1974 por uma inteligência alienígena.

Acontece que o escritor diferenciava-se da maioria dos paranóicos pelo teor da sua obra. Dick escreveu 36 romances - alguns em quinze dias, durante delírios turbinados por anfetaminas - mais cinco historietas curtas, produzidas no início de sua carreira, entre 1952 e 1956. Tecnicamente, sua ficção-científica não se aproximava da classe de um Arthur C. Clarke, estava mais para um estilo bem folhetinesco. Mas Dick sobreviveu ao tempo, superou sua geração graças aos temas abordados em seus livros. Há quarenta anos, o escritor discutia ética e experiências genéticas, liberdades individuais e problemas de identidade, controle de mentes e demais interferências humanas na ordem natural das coisas. O escritor era um visionário.

Muitas das experiências reais de Dick (foi abandonado pelo pai aos cinco anos de idade, assistiu à morte prematura das suas irmãs gêmeas recém-nascidas, além de casamentos desfeitos e problemas com drogas) serviram para construir uma personalidade pessimista.

Nos livros, fica evidente o descrédito no governo, nas autoridades. Seu primeiro romance, Solar Lottery (1955), exibe um mundo comandado por lógica e números: os governantes mundiais são escolhidos numa sofisticada loteria. Por outro lado, há também a porção metafísica.

PKD explorou em muitas das suas obras temas como a realidade e a humanidade, utilizando normalmente como personagens pessoas comuns e não os normais heróis galácticos de outras obras do gênero. Precursor do gênero cyberpunk, o seu livro Do Androids Dream of Electric Sheep? inspirou o filme Blade Runner que, já perto da sua morte por um AVC (Acidente Vascular Cerebral), serviu como introdução a Hollywood e levou a que outras obras suas fossem adaptadas ao cinema.

Os filmes Minority Report: A Nova Lei (com Tom Cruise), O Vingador do Futuro (com Arnold Schwarzenegger), O Pagamento (com Ben Affleck) e A Scanner Darkly, (com Keanu Reeves) também são baseados em novelas ou contos de Dick.

Bibliografia

Novelas
_
1950 Gather Yourselves Together
1952 Voices From the Street
1953 Vulcan's Hammer (A Máquina de Governar)
1953 Dr. Futurity
1953 The Cosmic Puppets (Marionetas Cósmicas)
1954 Solar Lottery (Loteria Solar)
1954 Mary and the Giant
1954 The World Jones Made (Passageiros para Vênus)
1955 Eye in the Sky (Os Olhos no Céu, Universos Paralelos e Conflito dos mundos)
1955 The Man Who Japed (O Profanador)
1956 A Time for George Stavros (manuscrito perdido)
1956 Pilgrim on the Hill (manuscrito perdido)
1956 The Broken Bubble
1957 Puttering About in a Small Land
1958 Nicholas and the Higs (manuscrito perdido)
1958 Time out of Joint (O Homem mais Importante do Mundo)
1958 In Milton Lumky Territory
1959 Confessions of a Crap Artist
1960 The Man Whose Teeth Were All Exactly Alike
1960 Humpty Dumpty in Oakland
1961 The Man in the High Castle (1962, Prêmio Hugo) (O Homem do Castelo Alto)
1962 We Can Build You
1962 Martian Time-Slip
1963 Dr. Bloodmoney, or How We Got Along After the Bomb (Depois da Bomba e Os sobreviventes)
1963 The Game-Players of Titan (Os Jogadores de Titã)
1963 The Simulacra (O Tempo dos Simulacros)
1963 The Crack in Space (A Fenda no Espaço)
1963 Now Wait for Last Year (À Espera do Ano Passado)
1964 Clans of the Alphane Moon (Os Clãs da Lua de Alfa)
1964 The Three Stigmata of Palmer Eldritch (Os Três Estigmas de Palmer Eldritch)
1964 The Zap Gun (A Arma Impossível e A revolução dos brinquedos)
1964 The Penultimate Truth (A Penúltima Verdade)
1964 Deus Irae com Roger Zelazny (O Deus da Fúria)
1964 The Unteleported Man (Espaço eletrônico)
1965 The Ganymede Takeover com Ray Nelson
1865 Counter-Clock World (Regresso ao passado)
1966 Do Androids Dream of Electric Sheep? (Andróides Sonham Com Carneiros Elétricos?, mais tarde reeditado com o título Blade Runner: O Caçador de Andróides)
1966 Nick and the Glimmung (livro para crianças)
1966 Ubik
1968 Galactic Pot-Healer
1968 A Maze of Death (O Labirinto da Morte)
1969 Our Friends from Frolix 8
1970 Flow My Tears, The Policeman Said (Vazio Infinito e Identidade Perdida)
1973 A Scanner Darkly (O Homem Duplo)
1976 Radio Free Albemuth
1978 VALIS (O Mistério de VALIS)
1980 The Divine Invasion (A Invasão Divina)
1981 The Transmigration of Timothy Archer (A Transmigração de Timothy Archer)

Contos
Philip K. Dick escreveu cerca de 130 contos, alguns dos quais republicados em coletâneas. Na língua portuguesa estão publicadas as seguintes:
«The Preserving Machine» («A Máquina Preservadora»)
«War Game» («O Jogo de Guerra»)
«If There was no Benny Cemoli» («E se Benny Cemoli não Existisse?»
«Roog» («Roog»)
«War Veteran» («Veterano de Guerra»)
«Stand By» («O Melhor Lugar de Reserva»)
«Beyond lies the Wub» («E lá ao Fundo vivem os Wubs»)
«We can Remember it for You Wholesale» («Recordações por Atacado»)
«Captive Market» («Mercado Cativo»)
«Upon the Dull Earth» («Esta Triste Terra»)
«Retreat Syndrome» («O Síndroma da Fuga»)
«The Crawlers» («Os Rastejadores»)
«Oh, to be a Blobel!» («Oh, é tão Bom ser um Blobel!»)
«What the Dead Men say» («O que os Mortos têm para nos Dizer»)
«Pay the Printer» («Paguem ao Impressor»)
«Paycheck» («O Pagamento»)
«Nanny» («Nanny»)
«Jon's World» («O Mundo de Jon»)
«Breakfast at Twilight» («Pequeno-almoço ao Pôr do Sol»)
«Small Town» («A Nova Maquete»)
«The Father-Thing» («O Pai Postiço»)
«The Chromium Fence» («Intolerância»)
«Autofac» («A Rede Autofab»)
«The Days of Perky Pat» («Jogar para Reviver o Passado»)
«Stand By» («O Suplente»)
«A Little Something for us, Tempunauts» («Uma Condecoração Especial, por Cansaço»)

Adaptações no cinema

Blade Runner (Blade Runner: O Caçador de Andróides) (Ridley Scott, 1982), baseado na novela Do Androids Dream of Electric Sheep?

Total Recall (O Vingador do Futuro)(Paul Verhoeven, 1990), baseado no conto «We Can Remember It for You Wholesale»

Confessions d'un Barjo (Jérôme Boivin, 1992), baseado na novela Confessions of a Crap Artist

Screamers (Christian Duguay, 1995), baseado no conto «Second Variety»

Impostor (Gary Fleder, 2000), baseado no conto «Impostor»

Minority Report (Minority Report: A Nova Lei) (Steven Spielberg, 2002), baseado no conto «The Minority Report»
E pensar que a história de Minority report, altamente profética, foi publicada na revista Fantastic Universe no longínquo ano de 1956.

Paycheck (O Pagamento) (John Woo, 2003), baseado na história «Paycheck»

A Scanner Darkly (Richard Linklater, 2006), baseado na novela A Scanner Darkly Next (Lee Tamahori), baseado no conto «The Golden Man»

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Philip_k._dick
http://www.omelete.com.br/game/10000896/Philip_K__Dick.aspx

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to