Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Ruth Silviano Brandão (O Pássaro e a Flor)


Primeiro foi o pássaro, não o da janela, o que apareceu na manhã daquele dia embaçado, mas o da memória, como num retrato em sépia, resto de dias perdidos, cópia inexata, em sépia também. Uma lembrança já metáfora, pois foi num dia tão antigo que o vermelho do pássaro lhe incutiu o desejo claro de escrever. E passaram-se muitos anos em que a figura do pássaro, desde sempre virtual, já que não havia pássaro nenhum, volteava como figura viva. Uma lembrança do que não existia como história.

Anos mais tarde, uma frase passou-lhe nos olhos, pousou–lhe na tecla como música. Coisa assim: escrever o pássaro, tirá-lo do espaço, com pena. Tão impulsiva a frase como se tivesse vontade própria. E outras frases vieram como se fossem ditadas e o pássaro se impôs como uma síntese, como um senhor em suas páginas.

Os livros-poemas se multiplicaram com vida própria, mas era segredo que não revelava o fato de que as palavras vinham de outro espaço, impositivas, em horas imprevistas, como um comando. Sofria por ele, o pássaro, em algum lugar, estar preso numa gaiola estúpida que balançava com o vento da sala que não havia. Se havia, não lhe dizia respeito, eram lugares-comuns os pássaros e as gaiolas. Depois vieram outros animais
para atormentá-la com sua prisão e soube que o amor podia ser cruel. Talvez a pior coisa do mundo, já que impunha uma ordem louca que era a covardia do amado em relação à amante.

Sabia que as fábulas nem sempre eram verossímeis, imaginou que era possível o cordeiro ser feliz. E o lobo inocente. E os animais felizes por obterem comida ao preço pequeno de lamberem as mãos do dono. Odiou os cachorrinhos por sua fragilidade, como odiou a maldade das crianças que pintavam de amarelo os pintinhos que acabavam morrendo. O que era uma impressão, uma janela para ver o mundo, tornou-se um sentimento mais forte e mais incômodo com o qual não sabia o que fazer, já que estava tomando dimensões desproporcionais em sua vida.

Queria amar como as mulheres amam e conhecem o fascínio e todas as delícias da espera, o gozo de um corpo amado, os sustos da perda, a dor do ciúme e viu que era assim. E quis também amar, o que não demorou muito e aconteceu na figura do homem que a fez conhecer o amor e deliciou-se com tudo. Amou o amor, perdeu o rumo de suas idéias tão bem cimentadas.

Prendeu todos os pássaros nas gaiolas da memória, criou um viveiro com pássaros azuis, vermelhos de todos os tons. Chamou o viveiro de creatório e cuidou dos pássaros como de filhos que iria ter e teve. E fez com eles a mesma coisa e amou-os com amor total, tirânico como o das criancinhas por seus pintinhos amarelos e o das meninas que cuidavam de passarinhos na gaiola, dando-lhes alpiste, água e um mínimo espaço de onde podiam ver a imensidão do céu azul.

O homem que a fez conhecer o amor era também um poeta sem o saber e, um dia, lhe contou, que tinha ficado, enquanto regava suas plantas, sua grama, suas árvores, suas flores, diante de um pássaro, um beijaflor que beijava uma flor que não existia mais. A flor fora podada, a flor já não existia, era inexistente. E o pássaro insistia em seu vôo trêmulo diante do que não havia mais. O homem não se espantou, pois já tinha ficado, um dia, transido de dor, diante de uma flor que já não existia. Mas a dor persistia. A dor não tinha caído do chão de sua alma.
---------------------
Mestre e doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pós-doutora pela Universidade de Paris VIII, escritora, tradutora. É autora do texto de Aporias de Astérion (2004) e coautora, com Lucia Castello Branco, de A mulher escrita (2004), ambos da Lamparina.
--------------------
Fontes:
Colaboração da Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais. In Suplemgnto Literário. N. 1333. Novembro/dezembro 2010.

Imagem = http://connect.in.com/passaro-beija-flor/

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to