Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 13 de maio de 2008

Beowulf

Epopéia inglesa (provavelmente ano 1000).

Por doze anos o reino de Hrothgar era atormentado pelo monstro Grendel, que atacava seus súditos, destruí a aldeias e atacava quem quer se colocasse no caminho. Grendel era uma criatura mágica, a qual nenhuma arma forjada pelo homem poderia fazer dano, tornando-o quase invencível. Ninguém sabia de onde vinha, simplesmente apareceu e começou a destruir aldeias e devorar pessoas. Vivia nos pântanos próximos ao reino, onde ninguém se aventurava por medo de encontrá-lo. Só saía à noite, e muitas vezes entrava no palácio real e devorava quem encontrasse.

As histórias das desgraças do rei Hrothgar da Dinamarca viajavam por toda a Europa, até chegarem finalmente aos ouvidos de um guerreiro, chamado Beowulf. Ele vivia na Finlândia, chamada "A Grande Terra", onde inclusive lhe tinham oferecido o trono do país, por suas façanhas contra os inimigos. Mas Beowulf recusava em favor do filho da rainha, que era apenas uma criança, e concordou reinar junto com ele até que tivesse idade e experiência para reinar só.

Mas ao ouvir sobre o infortúnio que se abatia na Dinamarca, Beowulf zarpou da Finlândia com destino a Dinamarca com firme propósito de libertar a terra do monstro Grendel. Junto com ele iam 14 guerreiros para colaborar. Assim que chegaram às costas da Dinamarca foram recebidos pelos servidores do rei. Beowulf foi levado ao castelo, sendo recebido com honras e teve um banquete em sua homenagem.

Hrothgar contou a Beowulf todas as desgraças que Grendel os fazia passar: campos incendiados e destruídos, colheita aniquilada, até seu castelo era presa da cólera do ser; muitos haviam desaparecido sem deixar rastro. Era provável que o mostro os levasse à sua toca para lá devorá-los. Quando Beowulf perguntou qual o aspecto do monstro, Hrothgar não teve como explicar, porque todos os que o tinham visto, estavam mortos ou desaparecidos.

Alguns acreditavam que estava coberto por uma grossa camada de pêlo negro, quase como um urso, com poderosas garras capazes de despedaçar até met al e dentes enormes, que quebravam até os ossos de suas vítimas. Terminado o banquete, todos foram dormir. Beowulf e seus companheiros, mesmo com o oferecimento do rei de alojá-los devidamente em quartos, ficaram na sala do trono, vigiando.

A noite estava alta e todos, menos Beowulf, dormiam. Era tudo tranquilidade e silêncio. Só se escutava o vento que agitava suavemente as folhas das árvores. De repente, sem prévio aviso, entrou o monstro Grendel no local. Rapidamente Beowulf se levantou e quis dar aviso a seus companheiros; mas a entrada de surpresa de Grendel os tinha tomado desprevenidos, e o mais próximo ao monstro foi feito em pedaços por suas enormes e fortes garras.

Beowulf se jogou sobre o monstro e lutou sem armas, utilizando unicamente sua força. Era de fato uma criatura muito peluda, maior que um homem, porém devido à escuridão, Beowulf não podia ver seu rosto. Lutou corpo a corpo contra a grande besta; sua força era excepcional. Mas Beowulf também era forte e, graças a isso, pôde contê-lo. Finalmente conseguiu prensar o bicho entre seus braços e, agarrando a criatura, usando todas suas forças e toda sua coragem, agarrou um dos braços do monstro Grendel e o arrancou, separando-o do corpo da grande besta.

Grendel caiu ferido e lançou os mais terríveis gritos que se escutou em toda história do reino. Estava mortalmente ferido. Os companheiros de Beowulf se jogaram também sobre o monstro para aniquilá -lo, mas Grendel conseguiu se recompor e correu espavorido. Quiseram persegui-lo, mas desapareceu entre a entre a névoa e a vegetação. Estava mortalmente ferido e tinha deixado um rastro de sangue desde a sala do palácio até sua toca. O rei, feliz, cumprimentou Beowulf pela façanha e, certo de que o perigo havia passado, providenciou confortáveis aposentos para os guerreiros descansarem o resto da noite.

Mas deu que nem toda a ameaça havia desaparecido, e enquanto Beowulf e companheiros descansavam, longe de poder ajudar os guardas dinamarqueses, veio a mãe de Grendel, uma criatura completamente desconhecida para todos, furiosa e louca para vingar o filho, fazendo um massacre na sala do trono. Além disso, pegou o braço que Beowulf tinha arrancado do filho e o levou, junto com um nobre da casa do rei. Desapareceu com o braço de Grendel.

Na manhã, quando o rei Hrothgar viu o sucedido, chamou Beowulf e o levou ao local, pedindo-lhe que os livrasse deste novo mal. Assim Beowulf decidiu acabar com tudo aquilo de uma vez por todas. Equipado apenas com sua espada, viajou seguindo rastro de sangue que havia deixado Grendel em sua fuga.

Finalmente, depois de muito caminhar, chegou à margem de um rio. Ali terminava o rastro de sangue de Grendel. Sem saber exatamente até onde se tinha dirigido, Beowulf concluiu que o único caminho que poderia ter tomado sem deixar rastro era o rio. Assim decidiu lançar-se nas águas e buscar por ali. Uma vez submerso nas águas, Beowulf descobriu uma greta nas profundidades do rio. Sendo um nadador experiente, não teve problema em seguir o caminho sob a água. Nadou através de uma gruta até finalmente emergir numa caverna subterrânea.

Justamente ali, diante dele, estava a mãe de Grendel, urrando e sustentando em seus enormes braços o corpo inerte do filho. Beowulf saiu da água e desembainhou a espada. A mãe de Grendel, percebendo o perigo, pôs o filho no chão e se jogou sobre o intruso. Beowulf lutou valentemente com a feroz criatura. Armado com sua espada, pode vencê-la, cravando-a na besta. A mãe de Grendel caiu no chão e, dando os últimos grunidos, morreu.

Beowulf, vendo que finalmente os dinamarqueses poderiam gozar de paz e prosperidade, aproximou-se de Grendel e com um golpe, cortou-lhe a cabeça. Tomou-a e a levou ao rei Hrothgar, como prova que a época de desgraça e tristeza estava para traz. O rei Hrothgar recebeu Beowulf e ofereceu um banquete. Todos os habitantes da Dinamarca acudiram para agradecer pessoalmente a Beowulf por livrá-los do mal que havia se abatido sobre eles.

Com muita tristeza, chegou a hora de partir para Beowulf. O rei Hrothgar o encheu de riquezas em agradecimento pela ajuda. Finalmente zarpou de volta a Finlândia, onde foi recebido como grande herói. O jovem rei lhe concedeu altas honras e lhe deu uma vasta extensão de terra. Porém ocorreu que pouco tempo depois do regresso de Beowulf, o jovem rei caiu doente e, ao cabo de alguns dias, morreu. O povo foi ter com Beowulf para que os reinasse e, vendo que era seu dever, se converteu em rei da Finlândia, onde governou durante mais de cinqüenta anos, e a paz reinou em todo o país durante esse tempo.

Porém, de repente, já sendo Beowulf um ancião, apareceu um dragão que iniciou a destruição em suas terras. O dragão dizia estar furioso porque seu tesouro, que escondia numa caverna sob uma montanha, havia sido roubado. Como Grendel, esta criatura só saia à noite de sua guarida, e destruía as aldeias e devorava seus habitantes. Beowulf resolveu sair para lutar contra o dragão. Assim buscou sua toca e a encontrou. Da única entrada saía fumaça ardente.

Valente, sem mostrar medo algum, Beowulf se pôs frente à saída e gritou seu desafio. O drag ão saiu furioso de sua toca, cuspindo fogo de sua boca e nariz, e atacou Beowulf. Já este primeiro ataque quase o aniquila, pois Beowulf já era velho. Mesmo assim pôde se manter e dar luta ao dragão. A batalha foi tão devastadora que só um dos homens do rei Beowulf se manteve por perto; todos os demais fugiram.

Uma rajada de fogo eliminou a espada de Beowulf, e o jogou ao chão. O monstro se lançou sobre ele e cravou suas presas em seu pescoço, mas não percebeu que Wiglaf, o único dos homens do rei que havia permanecido para ajudar monarca, se lançou sobre ele e cravou sua espada na cabeça. O dragão caiu morto imediatamente. Porém o dano estava feito.Wiglaf tratou de ajudar Beowulf a levantar-se e levou-o de volta para que fosse socorrido, mas já era inútil. As feridas provocadas pelo dragão eram muito profundas. Beowulf nomeou neste momento Wiglaf como seu sucessor ao trono da Finlândia. Depois morreu. Wiglaf carregou seu corpo de volta à cidade. Ali fizeram um grande funeral em sua honra.

Fontes:
http://victorian.fortunecity.com/postmodern/135/beowulf.html
http://estradapop.blogspot.com/ (imagem)

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to