Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Deth Haak (Discurso em Trovas de Lançamento do 1o Congresso Mundial de Poetas Del Mundo - 2007)

Discurso proferido em trovas pela Coordenadora Sra. Deth Haak, Cônsul do Movimento de Poetas del Mundo no Estado do Rio Grande do Norte, no ato do lançamento oficial do 1º Congresso Mundial de Poetas del Mundo em 02.10.2007.

NATAL, UMA MAR DE POESIA E PAZ
Deth Haak

Que unidas todas as mãos
Inundem com alegrias
Poetas Del Mundo irmãos
Façam versos em demasia;

O mundo inteiro hoje vê
Na SPVA nordeste
Da Potyoca pra você
Versos de cabra da peste.

CASCUDO então me diria
Por e-mail ou telefone
Que Minerva aqui faria
Os versos em ciclone;

Bastante Camões virão
De Flor Bela, muitos clones
Poetas declamarão
Seus versos nos microfones

A SPVA deu provas
Que o verso e seus acalantos
Trará-nos nas boas novas
A Paz de todos os cantos

Em Deus Pai, tenho esperança
Que a Poesia reinará
E a Paz será a herança
Que Natal vos legará!

Será amena a lembrança
Que a saudade plantará
E então em cada criança
A Paz Mundial medrará;

Sinta qual Brisa a palavra
Plasmando o que eu sonhei
A Musa que o Vento lavra
Natal rainha sem rei!

Cidade Sol evidência
De universal harmonia
Busca da rima essência
E do verso a sinfonia;

Saudar Natal com ardor
Eis que o mar amante canta
E as Dunas primam o louvor
Na musica sacrossanta;

Poder exaltar-te em vida
Com trovas de puro amor
Enalteço-te comovida
Agradecendo ao Senhor;

Quem com versejar milita,
Basta ver-te magistral
Para despir-te bendita
Natal nubente sensual...

Poetas louvam-te em gloria
A Praeira do Othoniel
Cascudo em ti fez história
Cingindo-te com laurel!

És louvada por teus filhos
Em noitadas e manhãs
De Auta áureos estribilhos
E Luiz Carlos Guimarães;

Versos em Trovas altivas
O Cordel popular manto
Do Parnaso as sempre-vivas
Emolduradas de encanto;

Na verve de seus autores
Elevemos a nobreza
Pedro Grilo e seus valores
Da potiguar realeza.

Será em Maio o casório
Mês de Maria senhores
E haverá sol compulsório
Na Roma dos trovadores;

Que chova rima e o verso
No amparo da inspiração
Nas vírgulas do estro terço
Rezas preces e emoção;

Vinte e quatro a trinta e um
Num certame assaz afoito
Tu serás Natal o podium
Em Maio dois mil e oito;

Um mar de Paz te proponho
Minha Natal que amo tanto
Voragem de amor e sonho
Por isso em verso te canto;

Crispiniano o Presidente
Da Fundação se empolgou
E o projeto de repente
Desta poetisa aprovou;

Sou Poetisa e me orgulho
De ser par na confraria
Onde no verso procuro
A femína Academia.

Bem digo Ademar Macedo
Trovador da minha estima
Também louvo ao bardo ledo
Diógenes da Cunha Lima;

Poetas são pensadores
Nos mais variados climas
Neruda e demais autores
Os li pra cantar-lhes rimas

O Itajubá é saudade
Zila Mamede também
São dois anjos de bondade
Lá no azulado além!

Nobre guardião Luiz Árias
Dos pacifistas senhores
Almas da Paz sectárias
Recebam nossos louvores.

Digníssimo Secretario
Que do evento é timoneiro
É de escol o dignitário
De Natal pro Mundo inteiro;

Dona Vilma de Farias
Ilustre Governadora
Foi com Mar de Poesia
Simpática e acolhedora;

No dever bastante ativa
Desde o primeiro momento
Mui gentil e receptiva
Deu garantia ao evento;

Para o Brasil é a primaz
Esta escrita na lousa
Embaixadora da Paz
Delasnieve Daspet de Souza;

Prefeito Carlos Eduardo
Flutuando em cordialidade
Fará a entrega ao bardo
Da chave desta cidade;

Poetas Vivos e Afins
Firmes idealizadores
Ouçam de Cristo os clarins
O Mestre dos Sonhadores...

"A Poetisa dos Ventos"
Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do Rio Grande do Norte
Cônsul Poeta Del Mundo - RN
AVSPE

Fonte:
http://www.congressopoetasdelmundo.com/

Um comentário:

Jania Souza disse...

Parabéns, Poetisa dos Ventos Deth Haak

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to