Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Dino Buzzati (O aumento)

Quando ficou sabendo que seu jovem colega Bossi, a mais recente admissão da firma, ganhava mais de vinte mil liras por mês do que ele, Giovanni Battistela viu-se tomado de uma raiva espantosa. E teve uma coragem do que em condições normais lhe pareceria uma loucura: de fazer-se receber pelo diretor e dizer-lhe poucas e boas. E ei-lo que se apresenta no solene escritório em cujo fundo estava sentado o chefe.

— Por favor, por favor. Pode se aproximar...

— Queria me desculpar, senhor comendador, mas...

— Desculpar por quê? Não me fale em se desculpar. Não faltava mais nada, meu caro Battistela. Eu é que devo lhe agradecer por ter vindo.

— O senhor!?

— Eu, sim. E estou contente, contentíssimo em revê-lo. Mas por favor, sente-se, sim, porque as pessoas que nos são caras, em quem temos mais confiança, são precisamente aquelas que mais negligenciamos. Esta é a cruel lei da vida, não é mesmo? Diga, diga, meu caro Battistela, há quanto tempo não trocamos duas palavras em santa paz? Semanas, não é mesmo? Semanas o quê! Meses, talvez. Muitos meses. Eu mesmo não me surpreenderia se, em vez de meses, fossem anos...

— Faz exatamente dois anos e meio...

— Dois anos e meio! Mas acredite, meu caro Battistela, que durante esses dois anos e meio, todas as noites — sabe disso? —, na hora em que fazemos nosso exame de consciência eu pensava sempre no senhor. Todas as noites antes de dormir, comigo mesmo: "E Battistela? E o excelente Battistela? Não estás te esquecendo dele?” Era o que eu mesmo me dizia: “Quando irás te decidir a lhe dar o cargo que ele merece? Um trabalhador como ele, uma coluna mestra da administração, um homem hoje cada vez mais raros..." Assim falava eu, e todas as noites sentia remorso, pode acreditar.

— Pois então, senhor comendador...

— Estou disposto a ajudá-lo, não era isso que ia me perguntar? Ah, n não me diga nada. Acha que eu não o compreendo? Que eu não tenho o condão de captar o seu pensamento? Palavra por palavra, poderei lhe repetir tudo quanto intenção de me dizer... Que existe quem, com muito menos títulos, está ganhando mais do que o senhor, que isso é uma injustiça, que o senhor perdeu a paciência e Não é isso mesmo?

— É, realmente...

— E o senhor, meu caro Battistela, teve um ímpeto de exasperação, não é de? Quem não teria tido, não é mesmo? A injustiça consegue transformar cri mansas e humildes em verdadeiros tigres, não é mesmo?

— Bem, em suma...

— Está vendo? E o senhor pensava que eu não compreenderia, que sabia, que eu não me interessava. Homem de pouquíssima fé!... Bem, este deve belo dia para nós. Esta noite ambos estaremos satisfeitos um com o outro. Que de 150?

— Como?

— Creio que agora o senhor ganha entre 95 e 98, se não me engano, não

— 97.

— Bem. Podemos dar um passo adiante. Um pequeno passo. Cento e cinqüenta. Não chega?

— Bem, confesso que não esperava...

— Está vendo? Não sou mais aquele dragão, aquele carniceiro, aquele devorador de cristãos, aquele lobo esfomeado — não é isso que dizem de mim?

— Eu... eu lhe agradeço.

— Não tem nada que me agradecer. Eu é que lhe agradeço pelo seu trabalho... Um cigarro?

— Obrigado, não fumo...

— Bravo, é mais uma virtude... Quanto a mim, fumo como um desesperado... Bem, bem, quer me parecer que ficou tudo resolvido...

— Bem, quer dizer, não quero mais tirar o seu tempo...

— Não sou eu que vou retê-lo, meu caro Battistela. E faço os melhores votos para que... — suspirou. — É pena!

— "É pena", por quê?

— Nada, nada... Eu... para você... eu tinha outros projetos. Mas agora é inútil. O que está feito, está feito.

— Outros projetos?

— Sim, projetos, que eu fazia... Mas, agora...

— Comendador, não quer fazer a gentileza de me dizer...?

— Não, eu te conheço. Aquilo que se faz para o seu bem, o senhor leva a mal...

— Isso não é verdade...

— Seria como lhe dar uma prova de confiança, uma demonstração de amizade. Seria. Mas compreendo que poderia lhe dar uma impressão esquisita...

— Esquisita como?

— Além do mais é um assunto... é um assunto extremamente reservado...

— Não confia em mim?

O diretor levantou-se devagar, atravessou o escritório com ar circunspecto, fechou a porta com a chave, parou como se escutasse a passagem de alguém lá fora, avizinhou o indicador dos lábios num gesto de silêncio, voltou à escrivaninha e começou a falar em voz baixa:

— Battistela... me escuta... Eu estou ficando velho...

— Não é verdade.

— Velho, sim. 0 coração às vezes anda falhando. De um dia para o outro...

— Não diga isso nem brincando...

— E onde? Aqui mesmo, nesta escrivaninha? No meu posto, quem sabe? Mas escuta, Battistela...

— Estou ouvindo.

— Recomendo que guarde isso só para você. Porque em você eu confio... De algum tempo para cá fala-se em grandes mudanças...

— Mudanças?

— Com certeza já deve ter ouvido falar, pelo menos por alto: mudança de proprietários, segundo se diz, passando a firma para as mãos de outro grupo financeiro. E sabe o que isso significa?

— Que os chefes atuais vão-se embora e outros virão.

— E isso não lhe diz mais nada? Não compreende o que pode acontecer em tais circunstâncias?

— Não faço a menor idéia...

— Podem vir medidas de contenção de despesas. Porque se esta mudança ocorrer, o motivo é um só: é que as coisas não vão bem, que a crise está sendo sentida também por nós. Razão, portanto, para que a preocupação dos novos donos seja, sem dúvida, a de poupar ao máximo. E de que maneira? É simplicíssimo. Sabe o que se faz, nestes casos?

— Não. O quê?

— Redimensionamento. Bela palavra, não é? Redimensionamento. Sabe o que ela significa? Significa desembaraçar-se do peso excessivo, eis a solução genial. Elimina-se a escória. Aperta-se o cinto. Passa-se uma vista d'olhos na folha de pagamento. E quem tem alta remuneração, zapt! Estes são os primeiros a se fritarem. Como em todos os casos, são só os peixes miúdos que se salvam.

— E então, quer que eu fique contente com a idéia de ver liquidado um como o senhor? 0 meu dever, neste caso, uma vez que tenho um peso na consciência é o de alertá-lo, meu caro Battistela. Não só o de alertá-lo, como o de ajudá-lo essa possível ameaça.

— Evitar?

— Claro. Quero subtraí-lo à dizimação, mimetizá-lo, colocá-lo num posição segura. Mas é inútil. Os senhores, os jovens, não se dão conta de que...

— Ao contrário. Pode dizer, comendador, pode dizer...

— Quer que eu lhe fale com o coração nas mãos? Como se o senhor fosse o meu próprio filho? Bem... se eu fosse o senhor, frente a uma conjectura desta, sabe que coisa...

— Que coisa o senhor faria?

— É fácil compreender. A moral da história é a seguinte: melhorando a sua situação financeira, no fundo eu lhe prestei um péssimo serviço. Foi a mesma coisa que se eu o atirasse na rua, para falar tipo pão-pão, queijo-queijo...

— De maneira que eu...

— Caro Battistela, não quero que amanhã venha a ter motivos para me recriminar. Se amanhã o senhor vier a me perguntar: mas, comendador, por que não me avisou antes? Por que não me abriu os olhos? Meu querido, as coisas estão a um ponto tal que, mude-se ou não de patrões, um dia eu me verei constrangido a adotar medidas severas. E por que haverá de ser com o seu sacrifício?

— Mas, eu... Bem, não estou compreendendo... Está me falando de aumento? Acha que é melhor eu esperar?

— Não, nada de esperar! Se prevenir, sim. 0 que fazem os soldados, quando os inimigos abrem fogo? Abaixam a cabeça, agacham-se no chão para não serem feridos. Agache-se também, Battistela.

— Agachar-me?

— Em sentido figurado, bem entendido. No momento, convém uma manobra, uma dissimulação, um subterfúgio estratégico. No momento, convém exagerar no seu zelo. Compreendeu, Battistela?

— Realmente...

— E depois, que importância teria para o senhor, que é solteiro, uma redução no salário? Se em vez de 97 fossem apenas 80, isso não causaria a morte de ninguém. Digo-lhe isso porque agora até os ordenados de 90 estão dando na vista. Mas em compensação... considere a segurança, a tranqüilidade, a certeza de não ir de encontro com nenhum desprazer.

— Redução de salário?

— Está vendo como eu não estava enganado? Como era melhor me calado? 0 senhor já está dando às minhas palavras uma interpretação negativa.

— 0 senhor disse oitenta mil?

— Setenta talvez fosse melhor, mas creio que oitenta será o suficiente...

— Mas comendador...

— Eu sabia. 0 senhor é um rapaz inteligente, pega as coisas no ar, toma decisões com rapidez... Pense agora se eu, em vez de lhe falar sobre isso, me calasse... O senhor teria lá o seu aumento. De cinqüenta mil por mês. Mas, e depois? Ia se meter em poucas e boas! Seria carregado pela primeira onda. Menos mal, menos mal que existe alguém que lhe quer bem...

— Quer dizer que acha mesmo que o aumento...?

— Não resta a menor dúvida, meu filho: seria o mesmo que estar com uma corda no pescoço.

— Bem, comendador, eu lhe agradeço. O senhor me poupou de um grande aborrecimento.

— Não precisa agradecer... Vá, volte contente, volte tranqüilo para o seu trabalho. E, meu caro Battistela, saiba que o meu desgosto é apenas um: o de não poder fazer pelo senhor — eu lhe juro — um pouco mais do que fiz.

Fonte:
COSTA, Flávio Moreira (org.). Os cem melhores contos de humor da literatura universal. RJ: Ediouro, 2001. In: http://www.releituras.com

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to