Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 7 de março de 2009

Vikas Swarup (Quem Quer ser um Milionário?)


O livro que inspirou o filme Quem quer ser um milionário?, vencedor de 8 Oscars em 2009, é ainda muito melhor que o filme, segundo a crítica.

Sua resposta vale um bilhão, romance de estréia do diplomata indiano Vikas Swarup, é uma narrativa à maneira das Mil e uma noites, com uma história central em que um personagem conta histórias para outro. O contador de histórias aqui é Ram Mohammad Thomas, um garçom de dezoito anos que ganhou um bilhão de rupias - o maior prêmio de todos os tempos - num programa televisivo de perguntas e respostas. Os organizadores do concurso, inadimplentes, se recusam a pagar o prêmio. Alegam que um garoto inculto como Ram não poderia conhecer as respostas, e o entregam à polícia para que ele seja torturado e confesse a fraude. Salvo por uma advogada, Ram terá de contar a ela a história de sua vida. Cada episódio explica como ele ficou sabendo coisas como o significado da inscrição INRI, que aparece nos crucifixos, e qual a maior condecoração por bravura concedida pelas forças armadas indianas. Unificadas pela presença do protagonista, herói picaresco que sempre acaba se saindo bem, graças a uma combinação de esperteza e sorte, as narrativas são ora cômicas, ora trágicas e apresentam um rico panorama da Índia contemporânea, onde passado e presente, miséria e opulência, religiosidade e comercialismo, ternura e violência se misturam.
---------------------------------------
MATÉRIA NA FOLHA DE S. PAULO - 28/02/2009

Livro quer mostrar a "nova Índia", não miséria. Autor de obra que originou "Quem Quer Ser um Milionário?" tenta expor país "dinâmico"

"Sua Resposta Vale um Bilhão", de Vikas Swarup, tem reedição no Brasil; escritor diz querer romper com literatura maravilhosa indiana

SYLVIA COLOMBO
DA REPORTAGEM LOCAL

A volumosa premiação no Oscar do filme "Quem Quer Ser um Milionário?", do diretor britânico Danny Boyle, fez o mundo observar e lamentar a dura vida nas favelas da Índia. Curiosamente, o livro que deu origem à produção condecorada com oito estatuetas no último domingo está longe de ser uma obra preocupada em expor a miséria do país.

"Sua Resposta Vale um Bilhão", do indiano Vikas Swarup, 46, agora relançado no Brasil, é um thriller urbano. Nele, o protagonista é também um rapaz pobre que se dá bem num programa de perguntas e respostas televisivo. Mas a comparação vai só até aí.

Enquanto Boyle preferiu reforçar o papel da favela na vida do rapaz, Swarup leva seu herói a vagar por cidades do que considera ser a nova Índia, ouvindo histórias inusitadas e aparentemente aleatórias, mas que o ajudam a acertar as questões que surgem quando está diante das câmeras.

Swarup diz que quer romper com a tradição da literatura maravilhosa indiana. "Não sou Salman Rushdie, quero escrever livros de mistério e suspense, que se passam no mundo real", disse à Folha, em entrevista por telefone. E, por mundo real, Swarup entende a nova situação geopolítica da Índia.

"Todos querem saber como o país se moderniza e cresce tão rápido, mesmo neste momento de crise, e ainda assim consegue manter um pé em tradições e costumes", diz, orgulhoso, o homem que durante o dia exerce atividades diplomáticas. Atualmente, trabalha na embaixada de seu país em Pretória, na África do Sul.

Fábula

"A questão das favelas não é importante para o meu trabalho, busco a Índia das transformações", explica. E acrescenta: "As pessoas estão acostumadas a olhar para nós e ver o exótico ou a pobreza. Minha literatura quer mostrar que lá tudo é mais complexo e dinâmico."

Ao tentar construir um romance que tocaria indianos de todos os cantos e religiões do país, criou o personagem central com diversos elementos. O garoto Ram Mohammad Thomas, como o nome indica, é, ao mesmo tempo, hindu, árabe e cristão. "Na Índia, quando alguém diz o nome, é possível saber sua religião, a parte do país de onde vem e até que comida consome. Ao juntar os nomes, fiz uma figura que representa todas as crenças e culturas."

A produção cinematográfica e a obra literária obedecem a um mesmo eixo narrativo. Há um garoto pobre e sem formação que vence um programa do tipo "Show do Milhão" porque, por sorte, sabe as respostas. Essa "sabedoria" é adquirida ou por experiência própria ou por ter ouvido uma história em que a resposta aparece.

Do livro para o filme, permanece essa linha, mas as situações mudam. Na história original, por exemplo, há uma passagem da guerra entre Índia e Paquistão que não seria possível reproduzir nas telas com o curto orçamento do filme. Este, por sua vez, cria soluções mais rápidas e ágeis para obedecer à montagem pop da produção. "Não acho ruim que tenham mudado as situações. O que me deixa feliz é que a estrutura narrativa, a essência da história permanece e, no final, dá sentido ao conjunto", diz Swarup.

Mas ele aponta que há algo distinto entre os dois formatos. "O filme é sobre o destino; o livro é sobretudo acerca da sorte e da esperança. Thomas adquire conhecimento sem necessariamente estar atrás dele. E isso é algo que nos passa sempre na vida sem nos darmos conta. Ele teve sorte de tropeçar em coisas que lhe seriam valiosas no futuro. Mas será que isso não é comum a todos nós? E só precisamos prestar atenção no que nos passa diante dos olhos? Reparar nos acasos também é construir conhecimento. Ele sai vitorioso ao notar isso."

"Sua Resposta Vale um Bilhão", primeiro livro do autor, já havia sido traduzido para 37 línguas antes mesmo do Oscar. O segundo, "Six Suspects", saiu na Inglaterra em 2008.
SUA RESPOSTA VALE UM BILHÃO
Autor: Vikas Swarup
Lançamento: Companhia das Letras
Tradução: Paulo Henriques Britto
343 págs.
--------------------------------
SÉRGIO RIZZO
CRÍTICO DA FOLHA

O humor negro cumpre diversas funções em "Sua Resposta Vale um Bilhão", de Vikas Swarup. É o que permite, por exemplo, transitar pelo cenário de extrema pobreza dos meninos de rua indianos - em Déli, Mumbai (antiga Bombaim) e Agra - sem perder a batalha para o sentimentalismo.

A autoironia da narração em primeira pessoa, com ótimo uso de frases curtas e imagens recorrentes, possibilita também que doses pesadas de crítica sociopolítica sejam feitas de maneira mais efetiva do que se o texto discursasse, com ar professoral, contra as injustiças do país.

O órfão Ram Mohammad Thomas -cujo nome, sozinho, já embute o colorido anedótico do romance, ao fundir raízes hinduístas, muçulmanas e cristãs- aprende a se fazer de bobo, o que ajuda na sobrevivência, mas às vezes é mesmo ingênuo, o que o atira em dificuldades.
A alternância entre esperteza e fragilidade, o olhar agudo e a verve inquieta do protagonista criam com o leitor a cumplicidade necessária para que se associe esse contumaz contador de histórias à Sherazade de "As Mil e Uma Noites" e também ao personagem manipulador de Kevin Spacey em "Os Suspeitos" (1995).

Todos eles envolvem seus interlocutores porque precisam sobreviver, mas Ram Mohammad Thomas o faz também porque precisa falar. Ao torná-lo porta-voz de uma geração de indianos excluídos, em trama muito mais rica, suja e engenhosa do que sugere o filme "Quem Quer Ser um Milionário?", Vikas Swarup o transforma em um daqueles personagens que não queremos abandonar ao final do livro.

Fonte:
Colaboração da Livraria Resposta.
http://www.livrariaresposta.com.br

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to