Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Ligia Tomarchio (Poemas Avulsos)

Atemporal

Tic-tac
Tic-tac
Coração vazio.
Tum... tum...
Horas vazias
Sonhos...
Longo túnel percorrido
nenhuma luz.
Sol, onde estás?
Sonâmbula vida
esquecida.
Tic-tac
Tum... tum...
soluço
solução?
Alucinante paisagem
transe malévolo
místico cristal
alado
pedras, pedras...
água, água...
trégua!

Colégio interno

Interino e profundo
jaz colégio da vida.
Minutos de sabedoria soterrados
no porão da saudade.

Idade reporta momentos
de infinita sofreguidão.
Desconsolo maldito
destempero de sorte.
Menino de oito anos
tragado pelo colégio maldito.
Chora ao pai rígido
raiva da separação.
Inesperada incompreensão
causadora de mal estar.
Fecha a tumba com lágrimas
caminha a passos lentos.
Recepcionado por um anjo
espectro de horror.
Apenas oito anos de idade
adentra o colégio interno.
Sorverá talvez sapiência
sofrerá certeira faisã de dor.
Menino sábio de oito anos
retornará magoado ao pai.
Consolo é seu tesouro.
Liberdade é sua salvação.

Cativeiro

Incrustado na bruma
- o luar
as águas rodopiam
intenso descobrir

- não revela
o amanhã breve
talvez desnude
- mudo
em surdo remoer
- subvertido
à claridade vã
de profundas lidas
no afã de acordar
- o reencontro.
Um maremoto ensolarado
nas profanas esperanças
- submerso
interino entre pedras
- o pernoite
suposto e cruel
- permanecido
sereno éter
vapor cósmico
insípido sabor
- pasmo
borralho úmido
- engasgado
- cristal bruto
- âmbar
- esmeralda pálida
girinos sobrevoando
toda existência contida.

A esquina

Transe intransitivo
endireita esquina
aberta
Esgueiram-se
lampejos
ângulo semi-reto
coágulos entrelaçam
pétalas escondidas
prestes a emergir
frescor humilde
aguarda ancião
indeciso ao aviso
qual a direção?
segmento corrupto

és o espelho
reflexo da náusea?

Insônia

A noite bate à porta
açoita mentes insanas
libera demônios
aclama os ânimos.
Devora

cérebro doente
em chamas
molhadas de dor.
Emoção maior
universal
agonia vivida
agora escrita.
Vazão de sentimentos
na leveza do papel
no sangue do lápis
que transcreve.
Voraz vontade de escrever
loucura em viver
paixão em morrer
paz em transcender.

Mensagem

Navegam lembranças
ondulando mensagens
nas marés
a lua testemunha
estrelas indicam o rumo
sem bússola, desnorteadas.
O amor espuma
resume em poucas letras
rabisca um mapa
pede socorro
horror da solidão?
Descreve a paisagem
Suave entardecer breve
entreabre o vão

na memória do autor
retorna encharcada de dor
às areias da eternidade.

Nostalgia

Confesso e afirmo
penso e relembro
não me arrependo
mas quero viver...

Viver sem temer
pensamentos vãos
que atormentam
massacram, traem...
Trair a mim mesma
ira repentina
serpentina caindo
colorindo minha culpa...
Culpa, mas qual
quem não a tem
ater-se por que
a tanta tortura?
Tortura conhecida
por todos que choram
moram em si mesmos
temem mudanças...
Mudança de padrão
social, cultural, qual?
Tudo igual à ontem
e amanhã, amanhã, amanhã...
Amanhã choverá
águas quentes verterão
pedras vão rolar...
Quem jogará a primeira pedra?
Pedra, feito meu coração
rolando pra lá e pra cá
sem rumo certo
incorreto, melancólico...
Melancólico é meu pensamento

traidor, indolor, sofredor...
Quisera saber morrer...
É preciso correr o risco?

Cofre de Luzes

Cofre de luzes
submersas
na densa escuridão.

Pensamentos resgatam
tremores antigos
surtos, espasmos.

Quase suspensos
os sons invadem
estreitos vãos,
frestas oprimidas.

Olhar luzes sonoras
por frestas segredadas
no cofre da saudade.

Mal dos tempos
menos atentos
ao som do imaginário,
no armário
o esconder da luz.

Fonte:
http://www.casadobruxo.com.br/poesia/l/ligia.htm
http://www.ligia.poeta.ws/

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to