Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Raquel Ordones (Poesia em Gotas) II


AMO-TE

 Amo-te desde sempre e além do fim
Antes da essência da estrela e do céu
Após a curva do infinito de onde vim
Em circuito inicio, meio e fim do anel.

Amo-te com a carne e de toda a alma
Na tua presença e na minha saudade
Amo-te em vendaval que me acalma
Em todo instante é minha eternidade.

Amo-te, simples assim naturalmente.
Com a emoção; sem nem um segredo.
Amo-te; amo-te, digo isso sem medo.

Amo-te desde antes do nascer do mar
Maciço é o desejo quem vem na onda
Amo-te, ininterruptamente me ronda.

ÀS VEZES UM ABRAÇO É TUDO

Sabe quando você se sente só na multidão?
Ou quer caminhar por uma estrada sem fim?
Quando uma conversa baixa é um turbilhão?
Ou não entende a diferença entre não e sim?

Sabe quando você se sente sem importância?
E tudo o que você faz em nada surpreende?
E quando o espelho a você não dá confiança?
Quando parece que o mundo não lhe entende?

Sabe quando a lágrima vem e pelo rosto corre?
E sabe aquele dia que do quarto não quer sair?
Que nem um palhaço consegue lhe fazer sorrir?

Então, esse momento sempre existe no coração
Creio que nós mesmos nos impelimos no espaço
E tudo que carecemos é do silêncio e do abraço.

SAUDADE

Saudade é apreciar um passado que não transpôs
É uma tatuagem no coração com tinta irremovível
Algo que jaze dentro gente que alguém fez ou pôs
É uma condição só nossa, uma coisa intransferível.

Saudade é dentro da essência o não desligamento
Histórico que mora mesmo com tempo decorrido
Persiste na alma o sorriso e martela pensamento
Um presente flor que o passado nos deu colorido.

Saudade é a recusa de apagar o que na alma mora
Reprise que surge em qualquer lugar sem demora.
Prática do pensamento de uma coisa que faz bem

Saudade é algo mágico que nos transporta e além
Pó de perlimpimpim quase vivo, de todas as cores
De todos os gêneros, todas as superfícies e amores!

O VALOR DE TER VINDO AO MUNDO

A minha frente balança a folha
Dança a borboleta
Da água de sabão voa a bolha!
A poeira se levanta sem escolha
Bailam as flores
O vento carrega seus olores!
Ascende a pipa: um espetáculo
A pena voa
Para o vento não há obstáculo!
Tudo se transforma em orquestra
Cabelos valsam
Com a brisa que entra pela fresta!
E tudo é vida nessa inquietude
Na constância do vento
Se resume em retrato colorido
Inda que sem ser visto é sentido
Ante esse cenário
Vale a pena ter nascido!

BORBOLETEANDO POESIA

Adejo de encontro às palavras, enfim
E sinto a fragrância que delas exalam
Letra por letra eu arquiteto um jardim
Os versos em pétalas ali se instalam.

O gosto do néctar imprime essência
Sentimento com vitamina de ternura
Torna-se a razão da minha vivência
A dedicação se aduba ruma a altura.

Se solta o casulo e vontades voejam
Nas transparências que vem da alma
Borboleteando poesia, imo se acalma.

Ventos levam e trazem, as folhas bailam
Bebida de Deuses desanda em desejo
Verso em botão se abre poesia e beijo.

CASTELO DE NÓS

Construí um castelo real com partículas de nós
Com supinos paredões edificados com respeito
Sem divisas, sem porões, sem cacos e sem pós
Com plantios de carinho de tudo quanto é jeito.

Um riacho nasceu com fluidez de cumplicidade
Flores se ergueram a sua margem e fragrância
Abissais janelas se acendem discerne a amizade
Nesse cenário existe um infinito em abundância.

Degraus de confiança, galgados um de cada vez
O acordo das portas que aos poucos se abrem
Conceito: quereres a compreender: não cabem

Há um encanto que chuvisca nos jardins, enfim
Pássaro ali pousa sem cobrança sem promessa
Castelo de nós: instante a instante sem pressa!

DAS MÁSCARAS

Indiscutível tua existência, em qualquer canto.
No festejo da vida fazem folias a todo instante
Incapaz de imaginar o quão determina o pranto
Adorável, tem lucidez dentro do jeito farsante.

Ideologia: a que veio com tão meiga aparência?
Quase chega a ter um aspecto espúrio, engana
Superficial... Isenta de toda e qualquer essência
Mas se acha com vantagens faz da alma insana.

E o que faz aqui tão bem vestida essa máscara,
Se não tem cerne, é absolutamente desconexa,
De mãos dadas à mentira tua concubina anexa?

Diverge no que fala e no que faz; é um desastre.
Em teu pensamento onírico seduz e enclausura
Torna-se precipício e sem paraquedas na altura.

DE INICIO, UM SUSTO... ENORME!
Entre o verde das folhas e o bruto galho
arrisquei colocar o meu rosto a espreitar.
Em um alfobre logo adiante vi roseiras,
tonalidades tantas de permutar a visão;
Borboletas e raios chamejantes do sol,
o vento a embalar a natureza existente
E do outro lado vi uma sombra, gigante
De inicio, um susto... Enorme, abissal!
Eu olhei para o galho e bem no seu alto
avistei um casulo sendo ninado pela brisa
projetando no chão uma corporatura viva!

Fonte:
http://raquelordonesemgotas.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to