Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 26 de setembro de 2010

Nilto Manoel (C O R D E L - Jornal do Povo )


1
O cordel tem por ofício
quase a vida de um jornal.
Tem notícia, história, anúncio
e reportagem em geral.
Presente no dia a dia,
quer na prosa ou na poesia,
é cartilha nacional.
2
Na feira ou folheteria
e nas bancas vai em frente
reportando ao povo imenso
as coisas de nossa gente
do bóia fria ao doutor
do mestre ao construtor
no comércio refulgente.

3
O escritor é jornalista
lavra a terra e vê no chão
a semente que germina
o progresso da nação.
Como profeta, feliz
refloresce no que diz
letra por letra a lição.
4
O progresso pouco a pouco
no sertão faz-se infinito
e leva a mão primitiva
todas as cores do infinito
revelando com altivez
que o povo unido tem vez
quando há irmandade no grito.
5
O meu irmão cordelista
da Bahia de Brasília,
de Goiás Mato Grosso,
Rio e São Paulo, em vigília
tem do trabalho alegria,
pois da prosa ou da poesia
ganha o sustento da família.
6
Tenho muito viajado
e nos trechos por onde piso
vejo com satisfação,
que do lápis mais preciso
ou das cordas de um repente,
nasce o encanto auri-fulgente,
de gente que tem juízo.
7
No folheto ou no improviso
o pensamento do autor
tem colorido de paz
quando semeia com amor
que povo unido é mais forte,
e do progresso o suporte
da nação seu esplendor.
8
O Cordel está presente
no acampamento operário
no escritório do doutor,
no metrô pelo itinerário
e no salão de barbeiro...
No teatro brasileiro
ganha chão pelo cenário.
9
Saiba que o poeta reporta
dos tempos toda finura
que até um pesquisador
defende a sua fartura.
Sempre existe um zombeteiro
que para não gastar dinheiro
diz: - Cordel? Não é cultura!
10
No entanto a escola da vida
demonstra o que é patente
que o Cordel é popular
e na cultura da gente
na mais terna galhardia
é folheto e antologia,
e tem magia patente.
11
Muito aprende quem é feliz
e quer da escola da vida
sua turma de trabalho
pois o círculo da lida
tem força quando une a gente
sem discriminar nem na mente
qualquer rota percorrida.
12
O Cordel está presente
na capital, no sertão,
na rede, na palafita,
no barco e no avião.
Anda até de bicicleta,
pois na sina do poeta
tem nobre motivação.
13
Só querendo ser sequência
sem jamais encher linguiça,
com imagem momentânea,
- no cinzento sem preguiça-
busco rima para cacto
e o assunto dá impacto...
O sertão quer mais justiça.
14
O Cordel é céu estrelado
na cultura tem primor,
pelos sertões do nordeste
ou nas cidades em flor
não teme a voz do ranzinza
nem o carregado de cinza
que seu brilho tem valor.
15
O Cordel fala gostoso
para o ouvido do Senhor,
senhora ou senhorita,
porque pinta em sua cor
celestial e bendita
sem precisar fazer fita
no mundo ganha vigor.
16
Sou andarilho, valente,
meu arco-íris é a estrada
por onde o sonho é constante.
Na realidade dourada
de um mensageiro fiel
desempenho o meu papel
com fala mais sublimada.
17
Coloco a lauda na máquina
e dedilho um violão,
produzindo num repente,
o que vai na imaginação,
... e no folheto gravado,
vai do forno ao mercado
porque do espirito é o pão.
18
Quando pinto minha tela
não descuido da tintura
porque sei que meu freguês
não vive só de amargura,
Sonha com amor e com a vida
e com o salário da lida
quer o direito de fartura.
19
Em qualquer rua gostosa
pelas mãos do próprio autor
no comércio sem mistério,
o Cordel é bom cantor,
tem o espaço que merece
conversa com voz de prece
pois sempre é bom orador.
20
Por isto leitor amigo,
Pelo chão preto, Mocinho,
A festa dos papagaios,
são folhetos meus onde alinho
mensagens ao seu alcance,
e espero que não se canse
com a embriaguez do meu vinho.
21
De poeta e louco há quem diga
que um pouco tem todo mundo.
Nesta pátria de poesia
o sonho é belo e profundo
quando há esperança no sonho,
o medo é menos risonho
quem luta não é vagabundo.
22
Todos nós somos irmãos
e de Deus a terra é nossa.
Quem faz boa semeadura
com paz e amor não há fossa,
tem sempre unida a família
se trabalha sem quizília
com a vida não se faz troça.
23
A temática ganha espaço
no mundo constantemente,
porque o poeta inspirado
consegue ver no repente,
até o sexo de micróbio
e se o tempo o faz macróbio,
fica antigo e experiente.
24
O cordelista é eterno
Nunca vive a vida em vão
é simpático tem mestria
com seu folheto na mão
semeia a boa feitura
do cordel que é cultura
na riqueza da nação.

Vila Tibério. 3/1/1979.

Fonte:
O Autor

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to