Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

domingo, 23 de novembro de 2008

Geraldo Magella de Menezes Neto (A literatura de cordel no Pará)



Quando se fala em literatura de cordel a primeira referência que temos é o Nordeste. Logo lembramos os repentistas nordestinos cantando poemas com personagens e temas do Nordeste, como Lampião, Antônio Conselheiro, Antônio Silvino, Padre Cícero, a seca, o cangaço, a guerra de Canudos. Mas o que muitas pessoas desconhecem é que o cordel também se manifestou em outros lugares do Brasil, incorporando novos temas e olhares. Um desses lugares é o Pará, que teve na primeira metade do século XX uma das maiores editoras de folhetos do Brasil, a editora Guajarina.

A tradição do cordel chega ao Pará com a migração nordestina no período do auge da economia da borracha (1870 - 1910). Muitos nordestinos vinham para a Amazônia fugindo da seca e com a perspectiva de enriquecimento com a extração do látex, matéria-prima da borracha. A migração traz também tradições e valores culturais do Nordeste, como as histórias contadas em versos. Essa tradição oral se expande pela Amazônia, principalmente nos grandes núcleos de imigrantes nordestinos, que no Pará se fixavam principalmente no nordeste paraense, na chamada zona bragantina.

Em 1914 o pernambucano Francisco Lopes cria a editora Guajarina para a difusão da literatura de cordel. Os folhetos da Guajarina tiveram grande aceitação, visto que a tradição oral já estava enraizada, tanto a poesia já tradicional da Amazônia, quanto a poesia nordestina. Além de publicar folhetos de poetas famosos do Nordeste, como Leandro Gomes de Barros, João Martins de Athayde, Firmino Teixeira do Amaral e Tadeu Serpa Martins, muitos dos quais sem a autorização de seus autores, a Guajarina publicava folhetos de poetas paraenses e de nordestinos radicados no Pará, como Zé Vicente, Ernesto Vera, Mangerona-Assu, Apolinário de Souza e Arinos de Belém.

Uma particularidade dos poetas paraenses é que, ao contrário dos nordestinos, eles utilizavam pseudônimos. Zé Vicente era o pseudônimo de Lindolfo Mesquita; Ernesto Vera, de Ernani Vieira; Mangerona-Assu, de Romeu Mariz; Arinos de Belém, de José Esteves. A razão disso é que esses poetas, diferentemente dos poetas do Nordeste, não viviam exclusivamente da produção dos folhetos de cordel. O caso mais significativo é o de Zé Vicente. Lindolfo Mesquita era um conhecido jornalista que trabalhou nos jornais Folha do Norte e O Estado do Pará. Durante o Estado Novo foi prefeito da cidade de Vigia e diretor do DEIP (Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda). Já Romeu Mariz, além de jornalista, era membro da Academia Paraense de Letras. Como o cordel era mais identificado com as classes populares, esses poetas não queriam que seus verdadeiros nomes fossem associados às classes mais baixas. Contudo, eles assimilaram o modelo da escrita com a linguagem popular em versos e produziram folhetos de muito sucesso.

Além dos temas nordestinos, que tinham grande aceitação, principalmente as histórias sobre Lampião, os folhetos da Guajarina traziam temas locais como o Círio de Nazaré, a interventoria de Magalhães Barata, a vida do seringueiro, e os crimes de grande repercussão. Também devemos acrescentar os folhetos com temas nacionais e internacionais, destacando os folhetos sobre a Revolução de 1930, o Estado Novo, e a Segunda Guerra Mundial. Os folhetos eram verdadeiros jornais populares, informando sobretudo a população das camadas mais baixas, que não tinham acesso aos jornais ou ao rádio.

A Guajarina se localizava em Belém, mas ela tinha uma extensa rede de revendedores: no interior do Pará, em cidades como Santarém e Marabá; na região amazônica, em cidades como Manaus e Rio Branco; e até mesmo no Nordeste, principal centro irradiador da literatura de cordel, em cidades como São Luís, Fortaleza, Teresina, Natal, Juazeiro e Campina Grande. O fato dos folhetos da Guajarina circularem no Nordeste demonstra o sucesso que essa editora teve na primeira metade do século XX.

A editora Guajarina fechou em 1949. Desde então, o Pará não teve outra editora de folhetos de cordel com o mesmo destaque. Apesar disso, os poetas paraenses continuaram a produzir folhetos, muitos de maneira independente. Outros temas passaram a ser abordados como a Ditadura Militar, os conflitos agrários na Amazônia, a morte de Juscelino Kubitschek e Tancredo Neves, a construção da Transamazônica, a visita do Papa João Paulo II, a corrida do ouro em Serra Pelada, a inflação no governo Sarney, a eleição de Fernando Collor, a morte da missionária Dorothy Stang. Entre os poetas que produzem folhetos de forma independente hoje, temos Antônio Juraci Siqueira, Apolo de Caratateua, João de Castro, Manoel Ilson Feitosa, Paulo Melo, João Bahia.
================
Geraldo Magella de Menezes Neto. Graduando em História pela UFPA, bolsista do projeto de pesquisa Literatura de cordel e experiências culturais em Belém do Pará nas primeiras décadas do século XX, coordenado pela Prof. Dra. Franciane Gama Lacerda.
=================
Fonte:
http://www.ablc.com.br/comercial/comercial.htm

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to