Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

sábado, 14 de agosto de 2010

Valter Martins de Toledo (A Ira de Deus)


Li recentemente o livro “A Ira de Deus”, de Edward Paice – Editora Record – janeiro de 2010, que disserta sobre o grande terremoto de Lisboa, em 1º de novembro de 1755 – Dia de Todos os Santos – deixando aquela capital em completa ruína, ceifando a vida de um quarto de sua população. Terremoto de 9 (nove) pontos na escala Richter, seguido de tsunami e, depois, de um pavoroso incêndio, “uma destruição sem paralelo na história anterior da Europa”, só igualado ao de Londres.

Tragédias, nestes últimos séculos, ocorreram e não passaram despercebidas; para não citar uma enorme lista, ficamos com a primeira e a segunda guerras mundiais, o genocídio comunista que dizimou mais que as duas grandes guerras, o terremoto do Haiti e as últimas inundações.

O que chama atenção naquele terrível episódio da natureza e listado em primeiro lugar, não desprezando a intensidade e malefício dos demais, não está tão somente na tragédia causada em si, mas a discussão das duas principais religiões da época – catolicismo e protestantismo, aquele, em Lisboa, em maioria, culpando estes, em minoria. Em Londres, ao inverso, prosperava e ainda como dantes, o protestantismo, na sua maioria, culpando o outro em minoria, pelo acontecido.

Passados 255 anos, com o avanço do humanismo, da tecnologia, da educação ao alcance de todos, era de supor que isso poderia ter mudado de rumo, pois houve considerável aumento do conhecimento, antes reservado para poucos. Ledo engano! Para espanto de quem observa a evolução do animal bípede – chamado “ser humano”, não houve evolução, não, como naquela época de D. José, Rei de Portugal, e do Ministro Pombal (Sebastião José de Carvalho e Melo – primeiro Conde de Oeiras e Marquês de Pombal – Lisboa, 13 de maio de 1699 – Pombal, 8 de maio de 1782 – Secretário de Estado, depois, Primeiro Ministro – iluminista), mas continua ele preso aos preconceitos e vivências de uma sociedade de consumo cheia de crueldade, entorpecida pela maciça propaganda diária dos veículos de comunicação de vários matizes. Uma coletividade doente pelo estresse nauseante de um trânsito caótico e uma competição ferrenha e desigual.

Ninguém tem compromisso a não ser consigo mesmo; o egoísmo (e outros “ismos”) tomou conta do cérebro e entorpeceu a consciência do ser humano, desta primeira quadra do século XXI.

E o que fazer para reverter esta situação calamitosa? Parece-me, depois de uma breve reflexão, agora no albor da terceira idade, que temos de concordar, urgentemente, com Confúcio que há mais de 500 anos a.C., pregava que, enquanto não retificarmos nosso coração, não poderemos retificar o dos outros – como diz a Bíblia – “Ver nos olhos dos outros e não ver a trave nos seus” (Provérbios).

Ora, o difícil de curar um mal que nos aflige é primeiramente conhecê-lo e, após isso, encontrar o medicamento adequado, tomando-o regularmente pelo prazo necessário para restabelecer a saúde.

Conclusão: Se conhecemos o mal que nos aflige e o medicamento que não tenha efeito colateral, não há mais por que esperar para solucionar nossos grandes males.

Então, vamos combater com vigor e com tenacidade, primeiramente o consumismo, não esquecendo de abraçar a ética como se ela fosse escapar e adotar a virtude como meta. Vamos passar a olhar o horizonte de forma tal a recuperar nossas forças e daí passarmos a direcioná-lo verticalmente para o completo restabelecimento da paz social, uma vez que não podemos esperar pelo retorno de D. Sebastião e nem exaltar o sebastianismo.
--------------------------
Valter Martins de Toledo – magistrado aposentado e jornalista diplomado pela UFPR – fundador da Academia Paranaense de Letras Maçônicas, sendo seu presidente no período de 1996/2006. Membro do Centro de Letras do Paraná, da Academia de Cultura do Paraná, com sede em Londrina, portador das condecorações de Membro Honorário da Força Aérea Brasileira e Medalha do “Mérito Santos Dumont” igualmente da FAB. Atualmente Conciliador voluntário do Núcleo de Conciliação do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

Fonte:
O Autor

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to