Singrando Horizontes

Vive muito mais feliz
quem bebe as águas das fontes,
e, também, minh´alma diz,
quem vai Singrando Horizontes !
(Ialmar Pio Schneider - Porto Alegre/RS)

Vai, Singrando Horizontes,
O infinito é a ambição
rumo aos mais distantes montes,
rumo à imaginação!
(Sinclair Pozza Casemiro - Campo Mourão/PR)

Você é a Gralha Poeta
que leva nossa poesia
ao mundo, em que o grande esteta
criou com tanta harmonia!
(Nei Garcez – Curitiba/PR)
Nas artes e na literatura, vão surgindo as classificações didáticas, as separações por faixas etárias, estilos, temáticas etc. Ha professores e alunos no Brasil, que aprendem só isso da produção artística. Decoram nomes, escolas e datas, mas não se embrenham nos livros, preferem o futebol ou o vídeo-game. A Literatura de boa qualidade nos empolga, lemos sem poder largar o livro, as páginas suscitam nossa emoção, respondem ou provocam perguntas.

Sem a Literatura acumulada nos séculos, o ser humano estaria muito mais próximo da animalidade que ainda o caracteriza nas páginas policiais. Em minhas oficinas ninguém gasta muito tempo com aquela americana lista de soft, hard etc. etc. Falamos em cenas que não saem da memória, em emoções que derramam lágrimas, falamos em idéias e como expressa-las com eficiência. Quem entra em um Museu não fica procurando renascentistas, impressionistas, dadaistas, cubistas ou abstracionistas. O espectador inteligente não procura escolas ou datas, procura obras primas. Nossa ambição deve ser a obra-prima.

(André Carneiro)


Fonte da Imagem da Pomba = http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal121/qualidade_vida_paz.aspx

quinta-feira, 17 de março de 2011

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 149 a 151)


Mensagens Poéticas n. 149

Uma Trova Nacional

As "cinzas" da quarta-feira
são prantos de Carnaval...
Quanta menina faceira
trocou o Bem pelo Mal!...
(HERMOCLYDES S. FRANCO/RJ)

Uma Trova Potiguar

Na passarela dos sonhos,
num desfile de magia,
passam pierrôs tristonhos,
num carnaval sem folia...
(MARIA CARRIÇO/RN)

Uma Trova “NÃO” Premiada

Fiz da vida um Carnaval,
mas terminei num impasse:
- A máscara do irreal
grudou-se na minha face!
(RENATO ALVES/RJ)

Uma Trova de Ademar

Quando o carnaval termina,
o que se vê pelas ruas
são jovens em cada esquina,
travestidas... Quase nuas!
(ADEMAR MACEDO/RN)

...E Suas Trovas Ficaram

O carnaval bem merece
o prêmio Nobel da paz,
pois nele a gente se esquece
das crises que o mundo traz.
(JORGE MURAD/RJ)

Simplesmente Poesia

– Henrique Marques/RJ –
QUARTA-FEIRA DE CINZAS.

E quando a Quarta-Feira enfim chegou
e em cinzas transformou toda a folia,
rasgou, despudorada, a fantasia
que tantos mascarados deslumbrou;

e quando a Quarta-Feira enfim chegou,
fingiu não ver o mais cinzento dia;
e, em meio à rua clara e tão vazia,
cantou marchinhas e canções de amor.

No corpo nu calou toda a tristeza:
deitou-se, doida de melancolia,
na cama de confetes da calçada.

Tigresa, fez da quarta-feira presa:
lançou-se, incontrolável, sobre o dia –
bebeu, sedenta e só, a madrugada.

Estrofe do Dia

Na quarta-feira de cinzas
como qualquer outro dia,
faço de rimas e versos
toda minha fantasia;
me visto de inspiração
pra ser mais um folião
no bloco da poesia!
(ADEMAR MACEDO/RN)

Soneto do Dia

– Elisabeth Souza Cruz/RJ –
POEMA DA APOTEOSE.

Tem gente que se diz carnavalesca
pensando no vestir da fantasia...
Há gente com ideia gigantesca
de mascarar a dor numa folia...

Outras existem, de ilusão dantesca,
às margens de uma suposta euforia,
não indo além da gula romanesca
de saciar o sonho por um dia...

O Carnaval, não mais de antigamente,
anda mesclado de prazer urgente,
com gente que não tira os pés do chão!

Mas Carnaval não tem dia nem mês...
é aquele em que se perde a sensatez
na apoteose de uma inspiração!

Mensagens Poéticas n. 150

Uma Trova Nacional

O tamanho dos abismos
que puseste em nossas vidas,
não se mede em algarismos,
mas em lágrimas vertidas.
(ADAMO PASQUARELLI/SP)

Uma Trova Potiguar

Necessária é a cultura
no enriquecer da nação;
irmã gêmea da ventura
bandeira do cidadão!
(ADELANTHA S. DANTAS/RN)

Uma Trova Premiada

2010 > Vaxias do Sul/RS
Tema > TRILHO > Venc.

Penso que assim como os trilhos
levam e trazem o trem,
o pai conduz os seus filhos
pelo caminho do bem.
(CLÊNIO BORGES/RS)

Uma Trova de Ademar

Para você sepultar
as mágoas do dia-a-dia,
não precisa se drogar,
use a Trovaterapia!...
(ADEMAR MACEDO/RN)

...E Suas Trovas Ficaram

Quem se julga eterno herdeiro
de um mundo farto e bizarro,
esquece que Deus – o Oleiro –
cobra o retorno do barro.
(ALONSO ROCHA/PA)

Simplesmente Poesia

– Efigênia Coutinho/SC –
CAFÉ DA MANHÃ.

Quem será este poeta
que perpassa pelo caminho,
fazendo minha alma dileta
e me afaga com tanto carinho?

Quem será este poeta
que na manhã meus lábios beija,
e em sua calma me oferta
a doçura de sua alma adeja?

Será só o desejo que alimenta
esta sua alma lisonjeira,
que faz do amor vestimenta
deixando-me a sonhar faceira?

E a sonhar pela madrugada
ponho da brandura o fino véu,
e sob a bela manhã ensolarada
elevo o teu nome ao céu!...

Estrofe do Dia

Essa palavra saudade
conheço desde criança,
saudade de amor ausente
não é saudade, é lembrança,
saudade só é saudade
quando morre a esperança.
(PINTO DO MONTEIRO/PB)

Soneto do Dia

– Gilmar Leite/PE –
ALMA DISSONANTE.

Cada verso só torna-se nobreza
quando as cores sagradas da poesia,
mostram a alma do vate na grandeza
das ações do caráter todo dia.

Nada vale as palavras de beleza
se os atos não têm a fidalguia,
pois se perdem na vala da pobreza
onde a luz da virtude é bem vazia.

O sentido poético perfeito
tem que ser da verdade e do respeito,
através da bondade e coerência.

Sem os frutos da ética constante
cada verso se mostra dissonante,
que não diz do poeta a existência.

Mensagens Poéticas n. 151

Uma Trova Nacional

Em minha varanda, a sós,
vendo os ganchos na parede,
eu choro a falta dos nós
que amarravam nossa rede!
(DOMITILLA BORGES BELTRAME/SP)

Uma Trova Potiguar

Muitos, dizem, pertencer,
as castas da cristandade;
mas mantém, no proceder,
presunção e má vontade...
(PEDRO GRILO/RN)

Uma Trova Premiada

2010 > São Paulo-Assinantes/SP
Tema > DESEJO > Venc.

Quando o desejo desponta
e a razão tenta se opor,
eu brinco de faz de conta
e levo em frente esse amor!
(RITA MOURÃO/SP)

Uma Trova de Ademar

Sou qual folha de papel
usada como rascunho
nos versos de um menestrel
escritos de próprio punho.
(ADEMAR MACEDO/RN)

...E Suas Trovas Ficaram

Minha vida é penitência
na balança de dois braços:
farturas da tua ausência
e ausência dos teus abraços!
(CARMEN OTTAIANO/SP)

Simplesmente Poesia

– Sergio Augusto Severo/RN –
EM-CANTO POTYGUAR.

Fui para longe do Mar,
me afastei da minha Terra
e do Encanto que se encerra
numa Mulher Potiguar.
Fui conhecer nos confins
das plagas interioranas,
belas Mineiras... Goianas,
e as Moças do Tocantins.
Mas, “sem levantar querelas”,
afirmo, nenhuma delas,
me encantou de um modo tal...
Pela graça irrequieta,
pela proporção correta:
-As “Meninas” de NATAL!

Estrofe do Dia

Eu nasci no interior,
Lá vivi com muito gosto.
Correndo pela campina
Sentindo vento no rosto
Hoje morro de saudade
Pois vivendo na cidade
É bem grande meu desgosto.
(DALINHA CATUNDA/CE)

Soneto do Dia

– Thama Tavares/SP –
SONETO DA AMIZADE.
(Para Lisete, Delcy e Divenei)

Eis que a vida me deu grandes riquezas!...
Não me refiro à prata nem ao ouro,
mas a amigos que tive nas tristezas,
que são ainda o meu maior tesouro.

São amigos no incerto e nas certezas,
no efêmero e também no duradouro,
que sabem perdoar minhas fraquezas,
e rir e ser na dor ancoradouro.

Assim, quando eu partir para o outro lado
após pagar, talvez, algum pecado
recobrarei a paz na consciência...

Mas lá, no Céu, serei quem nunca dorme,
só por velar, numa saudade enorme,
os amigos que fiz nesta existência.

Fonte:
Ademar Macedo
9, 10 e 11 de Março

Nenhum comentário:

Autor Anônimo (Oração do Cão Abandonado)

DEUS
Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado
pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie.

Hoje meu dono levou-me a um passeio de carro.
Chegamos em uma praça, ele tirou minha coleira,
me fez descer do carro, e virando-me as costas,
foi embora e nem se despediu.

Tentei segui-lo mas o carro corria muito e não pude alcançá-lo.
Caí exausto no asfalto. Ainda não entendi. Por que ele me abandonou?

Eu sempre o recebi abanando o rabo, fazia festa e lambia seus pés.
Sempre lati forte, para defendê-lo e afastar os estranhos da porta.

Eu brincava com as crianças... ah! elas me adoravam.
Que saudades. Será que elas ainda se lembram de mim?

Deus, eu fico imaginando como seria bom se eu pudesse
comer agora. Puxa, estou faminto.

Não tenho água para beber, e estou tão cansado.

Procuro um cantinho onde possa me abrigar da chuva,
mas muitas vezes sou chutado.
As pessoas não gostam muito de mim aqui nas ruas.

Estou fraco, não consigo andar muito,
mas encontrei enfim um lugar para passar essa noite.

Está muito frio e o chão está molhado.
Já não tenho pêlo para me aquecer, estou doente,
e creio que ainda hoje vou me encontrar contigo.
Aí no céu meu sofrimento vai terminar.

Peço-vos então, pelos outros, por todos os cãezinhos e animais
abandonados nas ruas, nos parques, nas praças.

Mande-lhes pessoas que deles tenham compaixão,
pois sozinhos, viverão poucos meses, serão atropelados,
sofrerão maltratos dos impiedosos. Proteja-os.

Amenize-lhes esse frio, com o calor das pessoas abençoadas.

Diminua-lhes a fome, tal qual a que sinto, com o alimento do amor que me foi negado.

Sacie-lhes a sede com a água pura dos Seus ensinamentos.

Elimine a dor das doenças, dos maltratados, estirpando a
ignorância do homem.

Tire o sofrimento dos que estão sendo sacrificados em atos
apregoados como religiosos, científicos, tirando das mãos
humanas a sede pelo sangue.

Abrande a tristeza dos que, como eu, foram abandonados,
pois, dentre todos os sofrimentos, esse foi o maior e mais
duro de suportar.

Receba, DEUS, nesta noite gelada, a minha alma, e
minha oração pelos que aqui ficam. É por eles que vos peço,
pois não são humanos, mas são Seus filhos, e são leais e inocentes, e foram criados por Suas mãos e merecem o Seu abrigo.

Amém.

Enviar a pagina em pdf por e-mail

Send articles as PDF to